Translate it!

PALAVRA ÁRABE DO DIA: BOM DIA

sabah elkheir
 BOM DIA!! - GOOD MORNING!!
Literalmente sabah significa manhã e el kheir significa bondade, entao literalmente ficaria: manhã da bondade, entendido como Bom dia!😁
Ouça:


Resposta:
sabah enur
sabah = manhã e ennur significa luz, então literalmente "manhã de luz", entendido como Bom dia em resposta.

Ouça:


Espero que gostem!
Cris Freitas nos Emirados Arabes






Leia Mais ►

Leia Mais ››

PALAVRA ÁRABE DO DIA: A PAZ ESTEJA CONVOSCO

assalam walleikum
 A saudação islâmica também usada por outras pessoas de outras doutrinas, pois, não interfere nem causa nenhum dano a sua fé, pois apenas oferece a paz esteja convosco.

Assalam walleikum - a paz (de Deus esteja convosco)

OUÇA:


A reposta:

walleikum essalam
 E convosco esteja a paz, a resposta dada quando ouvimos assalam walleikum!
OUÇA:




Você pode imprimir fazer arte, quadrinhos, capa de cadernos etc... fique a vontade! Trabalho feito com aplicativo de celular.

maa salama!

Cris Freitas
nos Emirados ARabes



Leia Mais ►

Leia Mais ››

O perfume e o incenso na Cultura Árabe

 

 

 

Algo pessoal

Desde que cheguei nos Emirados Árabes Unidos em 2011, tenho muitas lembranças boas de muitos lugares que fui, de cada janela e porta, de cada ruela e passarela que vi. Mas nenhuma delas  marcou mais do que o passear ao longo e sentir o cheiro vindo da queima do "bukhur", o incenso árabe.

No início confesso que não gostava, achava forte e me sufocava porque eu ainda estava sobre o efeito anestésico de sair do meu país e  morar tão longe, porém, hoje já convivo bem com as tradições árabes e sou apaixonada por esse mundo fabuloso.

O perfume por si só já é algo que marca, as vezes ao sentirmos uma fragrância vem-nos logo a mente um lugar ou uma pessoa...e acredite, nada marca mais no mundo árabe do que o bukhur.

Um pouco de história

A primeira vez que o perfume aparece na história foi no 2° milênio a.C, encontrado em escritas numa tábua cuneiforme  na Mesopotâmia (o atual Iraque).

 Inicialmente o perfume era usado para luxo e foi quase desaparecendo até que os árabes fizeram-o sobreviver e com a vinda do Islam o perfume foi ainda mais admirado, sim admirado. O perfume é algo importante no mundo islâmico, onde nas sextas-feiras todos devem se perfumar para ir à mesquita orar, bem como cuidar de sua aparência.

As culturas islâmicas, por exemplo, os persas e os árabes eram na maior parte comerciantes por causa do deserto e tiveram que ir distante para negociar com diferentes comunidades . Devido a isso, eles usavam trazer uma gama de especiarias e madeira para a criação de perfumes árabes da Índia e outros países asiáticos. Poucos elementos e acordes básicos que desempenham um papel vital para o perfume árabe são Oud (oudh), Âmbar, Almíscar, Jasmim, Olíbano ou Franquincenso e Madeira de Ágar. 

cultivador da Rosa damascena - damask rose
Igualmente a Rosa em perfume árabe também tem um papel fundamental a desempenhar, a proeminente Rosa de Damasco (Rosa com 30 pétalas) que é encontrada no vale de Taif na Arábia Saudita, porém originalmente como o próprio nome sugere, era cultivada na Síria, em Damascus.

Olíbano de Oman
O Olíbano por ser uma resina muito precisa e aromática é várias vezes citado na Bíblia e serviu como um dos presentes a Jesus (pbuh) pelos três Reis Magos. 

 No islam o incenso era usado para saudar a entrada do profeta Muhammad (pbuh) na cidade com vários tipos de aromas e até hoje é usado para relembrar isso.

 

  bukhur ou incenso بخور

 

O bukhur ou bakhur (incenso) nos dias atuais na vida árabe

 

Bukhur em árabe, ou incenso,  é a mistura de vários ingredientes compactados, ou apenas um pedacinho de madeira, ou resina que será queimado para exalar aroma agradável e relaxante.
Aqui nos Emirados Árabes é muito normal a gente andar pelas calçadas ou dentro de shoppings e ver incensos defumando o ambiente. O frescor aromático é uma das coisas inesquecíveis daqui.

Mas não só nas vias públicas o bukhur é usado, também na vida diária ele é muito apreciado pelas famílias, principalmente para festejar ou recepcionar um visitante às suas casas.
Existem famílias que usam bukhur específico para cada situação, sedo que umas usam bukhur diariamente e outras usam mais em situações especiais, como festas e recepções.
Existe bukhur para homem e mulher, para homem se limita a queimar o "oud" sozinho e defumar a roupa e para a mulher existem várias frangrâncias com toques florais e amadeirados.

O bukhur também é utlizado para defumar as roupas, ou perfumar o guarda-roupa se for deixado dentro dele apenas para esse propósito sem queimá-lo logicamente.

Os árabes usualmente deixam a fumaça do bukhur ficar defumando suas roupas exteriores para que a fragrância penetre no tecido, ou usam a fragrância em forma de óleo como perfume apenas.

Nas casas geralmente é colocado um mabkhara (recipiente queimador do bukhur) nas áreas da sala, varanda e entrada da casa.

Tipos de bukhur

 

 No mercado tradicional árabe ou até mesmo em lojas de utilidades dométicas é fácil encontrar bukhur pronto para uso. Eles veem prontos para queimar em embalagens podendo ser em forma granulada, forma de bolinhas, pastilhas ou lasquinhas de madeiras... mas tem um porém... os bukhur tradicionais vindo da Índia são caríssimos chegado a custar 11gr 2.500Dirhams (aprox. 2.300 Reais)ç 1kg chegando a custar 25mil Dirhams.

Oman é grande produtor de resina de Olíbano, tendo fama mundial.

Já as madeiras mais fragrantes vêm da India e países asiáticos


Bukhur em pastilhas


Bukhur em madeira



Existe também o bukhur em pó e em bolinhas, acho que não precisa falar muito.

Mabkhara - o queimador de bukhur

 


Existe dois tipos atualmente o que usa carvão em brasa para queimar diretamente no fogo, o modo mais tradicional e o tipo elétrico que queima com o calor que a eletricidade produz numa chapinha de cerâmica ou ferro.

Mabkhara a carvão


 Encontra-se vários modelos de materiais como bronze, cerâmica, barro, madeira...


 Para usar esse tipo de queimador você deverá comprar pastilhas de carvão colocá-los no fogo até ficarem em brasa e então colocar no incensário e colocar o bukhur por cima do carvão em brasa e então a fumaça começa a ser produzida.
mabkhara eletrico


Mabkhara elétrico

Tem a mesma aparência do mabkhara a carvão, porém, é ligado a eletricidade dispensando o uso da queima de carvão. É mais fácil de manejar e tem o mesmo efeito do outro.

 









Mabkhara para carro

 A tradição de usar bukhur vai além do uso residencial e chega até o carro, deixando um ambiente mais relaxante e atrativo.


 

Mabkhara portátil


Você também pode optar por ter o seu mabkhara portátil para usar onde quiser e na hora que quiser para defumar sua roupa. Basta usar pilhas e um pouco de bukhur dentro do cabo do queimador e seu bukhur está pronto.


Um vídeo para entender como funciona o bukhur.












Tenho uma receita de como fazer o bukhur para passar para vocês, mas fica para um próximo post.

Ufaaaa esse post ficou grande... quando a gente gosta da coisa, a gente fica submerso nas idéias...e parece que ainda não falei tudo... 😯 rsrsr

Se ficou alguma dúvida deixem comentário, ou se quiserem falar algo tudo bem também... para blogueiro o que move a vontade de escrever são as opiniões, boas ou ruins.

maa salama!

Cris Freitas
nos Emirados


Leia Mais ►

Leia Mais ››

Expressão (gíria) egípcia para dizer que "ama alguém muito"...



Esse post começou hoje quando eu falei uma frase para o habibi e ele riu muito e me perguntou quem havia me ensinado... rsrs. Então resolvi escrever para vocês também surpreenderem seus "beloved".
Se você quer aprender árabe e quer falar o árabe da rua, aquele que se fala no dia a dia, então o árabe egípcio é o modo mais criativo e abundante em expressões e gírias do mundo árabe.

Egípcios tem vários modos de dizer a  mesma coisa... usando termos semelhantes muitas vezes como o nosso Português.

Uma forma de dizer que gosta muito de algo, que ama de paixão é assemelhar isso ao fato de morrer por isso, exemplo igual ao Português quando falamos "morro de paixão por ele/ela/isso..." Morrer no sentido de que seu sentimento é algo forte, avassalador, dar a vida por algo...

Bom para encurtar conversa, no árabe egípcio existe a expressão que vem do verbo موت - mut (morrer), acrescentando o ب - ba na frente do verbo corresponde ao nosso verbo+NDO (morrendo) aqui nesse caso.


morrendo na religião da sua mãe - expressão egípcia



Entâo بموت - bamut significa "morrendo"...  Até aqui estão seguindo meu raciocínio? 😆😆

Uma frase que egípcios falam para uma garota para impressionar ela seria: 


 (bamut fi din omak) باموت في دين أمك
"estou morrendo na religião da sua mãe" 😂😂😂


É uma das maneiras mais cativantes para dizer a alguém que se ama!


Uma expressão egípcia para indicar que ele ou ela ama a fonte principal de tudo, já que  no Egito religião é algo sagrado. Amar a religião da mãe da pessoa seria algo muito maior... Egípcios...🙈🙉🙊rsrsrs


Outra expressão com موت mut é essa: بحبك موت - baHebek mut que significa "te amo 'até' morrer" que seria o mesmo que "te amo muito". Lembrando: baHebak se diz para homem e baHebek se diz para mulher.

bahebek mut (para homem) bahebak (para mulher)

 Bom, acho que por hoje deu de tanto amor. Espero que gostem e se poder comentar para dizer o que achou vai ser melhor ainda.

Cris Freitas
nos Emirados Árabes

Leia Mais ►

Leia Mais ››

Nascente e Poente, onde são as áreas geográficas do Maghreb e Mashreq


Quando paramos para estudar algum assunto que é novo para nós, muitas vezes tentamos entender de onde vêm algumas palavras. Talvez isso seja uma mania minha, ou de poucos, mas as nossas manias de descobrir coisas as vezes acaba interessando outras pessoas.

No Oriente Médio existe duas áreas étnicas e culturais bem definidas: o Maghrib e o Mashriq.




مشرق

مشرق, ou Mashriq deriva da palavra árabe الشرق = alshrq (leste) ou levante/nascente, poeticamente falando "lugar onde o sol nasce". O nome é derivado do verbo sharaqa (شرق "brilhar, iluminar, irradiar" e "levantar"), referindo-se ao leste, lugar onde o sol nasce.

O mashriq ou Levante como é mais conhecido em Português, é a região do mundo árabe, a leste do Egito. Isto inclui o Líbano, a Palestinia, Jordânia, Síria e Iraque.

O termo se refere a países delimitados entre o Mar Mediterrâneo eo Irã, é o termo oposto para Maghribe, a parte ocidental do Norte de África.
Egito ocupa uma posição ambígua: ao mesmo tempo que tem laços culturais, étnicos e linguísticos tanto para o Mashriq e no Maghribe, é diferente de ambos e é geralmente visto como sendo parte de nenhum; no entanto, quando ele é agrupado com um ou outro, é geralmente considerado parte do Mashriq devido aos seus laços mais estreitos com o Levante.




مغرب

O termo مغرب = maghrib é a palavra árabe para "oeste", a partir do verbo gharaba (غرب, " partir, se pôr"). Lugar onde o sol se põe.
Refere-se à porção oeste da África do Norte ou Noroeste da África , ao oeste de Egito. A definição tradicional como região, incluindo as montanhas do Atlas (cordilheira em Marrocos) e as planícies costeiras de Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia, foi posteriormente substituída, especialmente após a formação da União do Magribe Árabe em 1989, pela inclusão de Mauritânia e do disputado território do Saara Ocidental (principalmente controlada por Marrocos).

O país do Marrocos, em particular, é chamado de Maghrib também.


Magribe, também é conhecido politicamente, como al-Maghrib al-'arabīy (المغرب العربي 'o Maghribe árabe') ou al-Maghrib al-Kabir (المغرب الكبير "o grande Maghribe").
Nessa parte do mundo árabe também é falada a língua Bérbere. Em Marrocos, excepcionalmente existe o dialeto "darija"...


Veja no mapa como fica essa divisão étinica-cultural do mundo árabe:

 Com ajuda do Google Map eu fiz esse gráfico para melhor entender essa divisão. Em muitos textos o Sudão e Sudão do Sul não aparecem, já em outros são citados como parte, pois, derivaram-se da divisão geográfica do Egito.

O Egito fica entre o Levante e o Maghribe, mas geralmente é mais citado como país do Levante por possuir mais afinidades políticas, culturais e linguisticas com essa parte.
Já a parte do Maghribe possuem diferenças linguisticas bem fortes, como a influencia da lingua Bérbere, Francesa e Árabe. Isso faz com que os países do Maghribe tenham mais dificuldade de serem entendidos entre os árabes durante uma conversação, tendo que muitas vezes optar pelo árabe padrão. Bom ai já é outro assunto rsrs.

Um abç e espero que tenham entendido um pouco dessa parte do mundo árabe.

Cris Freitas nos Emirados - Oriente Médio



Leia Mais ►

Leia Mais ››

11 fases do AMOR em ÁRABE


1. الهوى (Hawa) = atração


O começo do amor. Este amor pode surgir de repente, mas é transitório, ainda não firme no coração.


2. العلاقة ('alaqah) = ligamento


Amor que se torna ligado ao coração, e perde a propriedade transitória de Hawa.


3. الكلف (Kalaf) = Afeto


O amor que começa a se intensificar e ter um físico efeito sobre o amante.


4. العشق ('ishq) = Desejo

Amor que engolfa o coração do amante inteiramente, e leva-lo como sua residência, de tal forma que o amor eo coração em que reside torna-se intimamente familiarizado com um outro.
Este amor cega o amante para quaisquer falhas no amado.



5. الشعف / اللوعة / اللعاج (sha'af, law'ah, li'aj) = Paixão


  O amor que começa a queimar, mas, nesta fase, o amor ainda é agradável no coração.







6. الشغف (shaghaf) = Aflição


Destrutivo, consume todo amor. O coração começa a ser devorado pelo amor.


7. الجوى (jawaa) = Mágoa


Amor que começou com o revestimento exterior do coração. Toma conta de todo o coração, e resulta em uma dor interna e tristeza.


8. التيم (Taym) = escravização


Amor ao ponto onde o coração está escravizado ao amado.


9. التبل (tabl) = Maléfico


Amor que outrora viveu prazerosamente no coração, depois de ter feito dele a sua casa, agora se volta contra o ele, e assim oprime, confunde e desnorteia-o assim como se fosse seu inimigo.


10. التدليه (tadleeh) = Perturbador


Amor quando o coração está sendo destruído por dentro, e começa a perder todo o senso de equilíbrio e razão, ele entra em um estado de caos e desordem.


11. الهيوم (huyum) = Insanidade


Amor que chega ao seu estado concluído.


  

E o seu amor está em qual fase? :D


Espero que tenham gostado!
Cris Freitas nos Emirados
Leia Mais ►

Leia Mais ››

A História do Antigo Egito - Uma visão geral

Antigo Egito foi uma das civilizações mais antigo, mais duradouro e mais influentes na história do mundo

A civilização do antigo Egito é conhecida por suas realizações estupendas em toda uma gama de campos, incluindo a arte e arquitetura, engenharia, medicina e arte de governar. Seus grandes edifícios nas margens do rio Nilo, ainda atacar temor em quem os vê.

Visão Geral



Como pode ser visto, bem como sendo uma das primeiras, o Antigo Egito foi uma das mais longas duradouras civilizações na história do mundo. Os grandes dias do Antigo Egito caíram entre 3000 aC e 1000 aC, mas a civilização permaneceu muito mais uma preocupação constante durante séculos depois disso.. O Egito foi uma das principais potências do Oriente Médio, novamente, entre 612 e 525 aC, e o conquistador macedônio Alexandre, o Grande sentiu a necessidade de ter se coroado como faraó em 332 aC - o que sugere que a civilização dos faraós ainda tinha vida em si. Seu general Ptolomeu, ao se tornar governante independente do país em 305 aC, também foi coroado faraó , e sua linha durou até a famosa rainha, Cleópatra, que morreu em 31 aC.
Alguns podem considerar a civilização do Egito sob os Ptolomeus como sendo mais grego do que egípcia, mas a civilização mais antiga ainda era vital o suficiente para os reis a sentir a necessidade de se apresentar para os seus assuntos no estilo tradicional dos faraós. Depois disso, o vale do Nilo tornou-se uma província do Império Romano, e foi governado a partir de fora das suas fronteiras por quase mil anos. Durante esse tempo, sua cultura mudou de todo o reconhecimento.

Este período da história, entre os primórdios da civilização em c. 3000 aC até sua conquista pelos romanos em 31 aC, era quase mil anos a mais do que o período entre 31 aC e os dias atuais.


Localização


O Egito está situado no Vale do Nilo, no nordeste da África. Suas origens vem de várias tribos do Alto Egito, em Abydos e Hierakonpolis, que depois se espalhou para o norte em direção a Memphis e o Mediterrâneo. Por 3000 aC, o reino unificado do Egito ocupava todo o Vale do Nilo norte de uma série de corredeiras chamadas de Primeira Catarata (as outras cataratas estavam em uma cadeia que se estende ao sul ao longo do rio Nilo no Sudão atual). Na sua maior parte, no c. 1250 aC, o Egito Antigo ocupou a terra em todas as direções a partir da costa da Síria, no norte, até o Mar Vermelho, no leste, até o Vale do Nilo para a Núbia, no sul, e espalhou-se a oeste do interior para o deserto da Líbia.
  A vida do Egito Antigo era centrada em torno do rio Nilo e a terra fértil ao longo de suas margens. Os agricultores de longo e estreito vale do Nilo desenvolveram métodos de irrigação para controlar o fluxo da água, de modo que as culturas poderiam crescer através das suas estações chuvosa e seca. O vale era fértil e rico, criando vastos excedentes de culturas que fizeram possíveis projetos de contruções incríveis , como as pirâmides e os templos de Luxor. Os excedentes também foram usados para financiar um estilo de vida refinado para a elite; para desenvolver o comércio exterior e diplomacia; e para pagar as guerras de conquista.

As realizações da civilização, tem envolvido inovações na escrita - hieróglifos e demótico; em administração; em pedreiras e levantamentos topográficos, matemática e arquitetura; em métodos agrícolas irrigação e; bem como em developing alguns dos primeiros navios.





Governo


A antiga civilização egípcia produziu o primeiro governo a governar uma nação inteira. Os sumérios, que eram as únicas outras pessoas para ter uma civilização letrada e urbana, em 3000 aC, viviam em pequenas cidades-estados, cada uma possuindo não mais do que algumas dezenas de milhares de pessoas. O reino unificado do Egipto, por outro lado, cobriu um país inteiro, milhares de milhas quadradas no tamanho e com milhões de habitantes.

O faraó era o governante do Egito Antigo, tanto política como religiosamente. O Faraó manteve o título "Senhor das Duas Terras ', o que significa que ele governou todas Alto e Baixo Egito; e Sumo Sacerdote de todos os templos, o que significa que ele representou todos os deuses em toda a Terra. Nos olhos egípcios, o faraó era o próprio Deus, que estava entre o céu ea terra. Seu bem-estar pessoal e o bem-estar de todo o povo estavam ligados firmemente junto.
O Faraó estava no comando do exército, e iria para a guerra, quando suas terras estavam ameaçadas - exigindo presentes valiosos do povo conquistado se a vitória fosse obtida.

Para ajudar o O Faraó em governar a terra, uma organização elaborada de funcionários, escribas e supervisores - primeiro serviço civil do mundo - desenvolveu-se, trazendo o alcance do governo até o morador mais humilde. Egito foi dividido em nomos, que eram regiões administrativas (até 42 delas), cada uma governada por um Nomarca. O próprio Faraó foi cercado em seu palácio por altos funcionários, ministros e cortesãos. Durante grande parte da história do antigo Egito a O Faraó foi servido por um ministro chefe poderoso chamado de um vizir. Ele representou o O Faraó na administração da terra, tesouraria e do sistema legal. Templos foram utilizados como locais de culto e também como celeiros e tesouros, onde grãos e produtos foram armazenados.


Ramses arqueando sobre uma biga

O Exército


Soldados do antigo exército egípcio estavam armados com arcos e flechas, lanças e escudos de cume arredondado feitos de pele de animal esticada sobre armações de madeira. Armas e armaduras continuaram a melhorar após a aparição do bronze: escudos eram agora feitos a partir de madeira maciça com uma fivela de bronze, lanças eram feitas com pontas de bronze, e o bronze Khopesh - uma arma em forma de gancho cortante - foi introduzido. No Novo Reino, bigas tornaram-se uma parte padrão do exército.

O principal dever do exército era defender o Egito contra a invasão estrangeira. Ele também era às vezes implantados em conquistar e ocupar bens estrangeiros, em proteger expedições de mineração para o Sinai e da Núbia, e em guarnecer fortes ao longo de importantes rotas comerciais, especialmente na Núbia.

 
 Nota:
Khopesh é uma foice -Espada egípcia  que evoluíram a partir de eixos de batalha. 
Um khopesh típico é de 50-60 cm (20-24 polegadas) de comprimento, embora também não existem exemplos menores. A borda arredondada da ponta da arma, também serviu como uma moca eficaz, bem como um gancho. Estas armas mudaram de bronze ao ferro no período do Novo Reino. A mais antiga representação conhecida de um khopesh é da Estela da Vultures , que descreve o rei Eannatum de Lagash empunhando a arma; este sairia com a khopesh a pelo menos 2500 aC. 

khopesh
Vários faraós são representadas com uma khopesh, e alguns têm sido encontrados em sepulturas reais, tais como os dois exemplos encontrados com Tutankhamon . 
Embora alguns exemplos são claramente afiada, muitos exemplos têm bordas maçante que, aparentemente, nunca foram destinadas a ser afiada. Portanto, pode ser possível que alguns khopeshes encontrados em sepulturas de alto status eram variantes cerimoniais. 


Religião


Os antigos egípcios adoravam muitos deuses e deusas. Estes incluíram Rá, o deus do sol; Isis, a deusa da natureza e magia; Hórus, o deus da guerra; e Osíris, o deus dos mortos. O conjunto de deuses e deusas mudou gradualmente ao longo do tempo, à medida que novos deuses tornavam-se mais importante, e alguns nem tanto. A ascensão e queda de deuses e deusas parece ter espelhado as fortunas políticas dos diferentes templos e sacerdócios. Por exemplo, quando os governantes de Tebas se tornou reis de todo o Egito, e fundou o Novo Reino, o seu deus local Amon tornou-se o deus principal, e uniu-se com Ra para se tornar Amon-Ra.
 
O deus amon (5° Dinastia) juntou-se com Ra (sol) para formar o deus sol ficando Amon-Ra
Deuses eram adorados em templos administrados por sacerdotes. Estes não eram, aparentemente, locais de culto público: o local onde a imagem do deus estava localizada normalmente era isolada do mundo exterior. Só em ocasiões era o deus trazido e mostrado ao público. Estátuas domésticas pequenas foram usados pelos egípcios normais para adorar os deuses e deusas em suas próprias casas. Encantos e amuletos eram usados para proteção contra as forças do mal.
 
Crenças
egípcias religiosas sobre a vida após a morte também mudou ao longo do tempo. Nos primeiros tempos, a vida após a morte parece ter sido intimamente ligado à preservação do corpo físico através de mumificação. Isso sempre manteve um pouco de força. No entanto, a idéia cresceu de que os seres humanos são compostos de ambos os aspectos físicos e espirituais. Após a morte, o último sobreviveu. Algumas pessoas tornam-se almas desencarnadas, ou fantasmas, vagando a terra; mas se julgados dignos, uma pessoa pode se tornar um "abençoado", vivendo em uma terra de bondade e abundância.

Economia e Sociedade


Tal como acontece com todas as civilizações pré-industriais, a economia do Egito Antigo era baseada na agricultura. A grande maioria das pessoas eram camponeses. Devido à natureza fértil do vale do Nilo, eles foram capazes de produzir o grande excedente que sustentou o estilo de vida refinado do Faraó e sua corte, seus oficiais, os sacerdotes e todos os outros membros da elite. Os camponeses também forneceram o trabalho de massa, que construíram as pirâmides e templos ao longo do vale do Nilo.

Agricultura


Agricultura no Egito era dependente completamente no rio Nilo. Apenas algumas milhas de distância do rio, em ambos os lados, era um deserto seco.


RIO NILO e atualmente os países que o rio corta

A temporada de inundações durava de junho a setembro, depositando uma camada de lodo maravilhosamente fértil nos terrenos ao lado do rio. A água da inundação era armazenada em tanques e lagoas o quanto fosse possível. Após as águas da inundação terem recuado, a estação de cultivo durava de outubro a fevereiro. Egito recebe muito pouca chuva, por isso os agricultores irrigavam seus campos com água do rio a partir dos reservatórios, e do próprio rio. Valas e canais levaram a água para os campos.


Comércio


Comércio dentro do Egito teria sido muito auxiliado pela presença do rio Nilo, e pelo fato de que nenhuma parte do país estava mais do que algumas milhas a partir desta grande via fluvial. Até os tempos modernos, para qualquer coisa mais do que distâncias muito pequenas, transporte aquático sempre foi muito menos caro do que o transporte terrestre. Inúmeras cidades espalharam-se na margem do rio, centros de administração local e dos mercados locais. Egito tem sido muitas vezes considerado como uma civilização sem cidades. Isso não é verdade. Ao contrário dos sumérios, cidades egípcias não eram estados independentes; no entanto, houve numerosos assentamentos urbanos do Vale do Nilo, e Memphis foi uma das maiores cidades do mundo, se não, por vezes, o maior.


Na Idade do Bronze, o comércio internacional era quase o mesmo como Diplomacia, tomando a forma de troca de "presentes" entre governantes. Os egípcios foram idealmente situado para tirar o máximo proveito disso. Antes do desenvolvimento de rotas comerciais de longo alcance em todo o Saara, Vale do Nilo funcionava como o único "ponto crítico", através do qual o comércio de mercadorias de África subsariana poderia fluir norte até o Mediterrâneo. expedições comerciais variaram até o sul para o atual Sudão e o Mar Vermelho em busca de produtos exóticos, como marfim, ouro, penas de avestruz e escravos negros. Essas mercadorias de alto valor apoiou a influência do Egito no mundo internacional da Idade do Bronze do Oriente Médio, encontrando seu caminho para Hitita, Síria e dos tribunais da Mesopotâmia.


Recursos minerais


O Egito é rico em recursos minerais, e estes foram bem exploradas nos tempos antigos. Calcário e pedreiras de granito ocorreram ao longo do vale do Nilo. No deserto oriental foi extraído pórfiro, alabastro, cornalina e esmeraldas. Havia extensas minas de ouro na Núbia. Cobre fundido a partir de minério extraído de malaquita no Sinai. jazidas de ferro encontrados no alto Egito foram utilizados no Período Tardio.

Muitos destes minerais eram encontrados em locais inóspitos distantes no leste e nos desertos do Sinai. Eles precisavam de grandes expedições para chegar a eles. Estes foram organizados pelo governo, e muitas vezes tinham de ser protegido por tropas. No entanto, esses recursos naturais permitiram aos antigos egípcios a construir monumentos, esculpir estátuas de todos os tamanhos, fabricar ferramentas de metal e jóias da moda.



Sociedade


Como em todas as sociedades do mundo antigo, os camponeses são a maioria da população. No entanto, a terra era propriedade do Faraó, ou por um dos templos, que eram imensamente ricos, ou por uma família nobre. Os camponeses também foram sujeitos a um imposto sobre o trabalho, e às vezes eram obrigados a trabalhar em projetos públicos, tais como irrigação ou de construção de obras.

Artesãos parecem ter tido um status mais elevado do que os agricultores. A maioria destes provavelmente trabalhou para templos ou o estado. Escribas e os funcionários eram de alto escalão na sociedade egípcia antiga. Dentro deste grupo de elite também eram padres, médicos e engenheiros; e deles foram sorteados os principais sacerdotes, ministros e cortesãos.


No topo estava a família real, abaixo da qual estava uma poderosa classe de proprietários hereditários (nobres). A escravidão era conhecido no Egito antigo, mas sua extensão é incerto. A maioria dos escravas parecem ter sido usado como empregadas domésticas em famílias ricas e não como trabalhadores agrícolas. Por lei, os escravos foram capazes de comprar e vender, como as outras pessoas, ou conquistar seu caminho para a liberdade.


As mulheres parecem ter tido um estatuto comparativamente elevado na sociedade egípcia. Como os homens, elas poderiam possuir e vender a propriedade, fazer contratos, casar e divorciar, receber a herança, e seguir disputas legais em tribunal. Os casais podiam possuir propriedades em conjunto. Algumas mulheres fizeram enorme status como altas sacerdotisas. Por outro lado, como em praticamente todas as sociedades antigas, cargo público foi quase sempre reservado aos homens.



Escrita e literatura


A primeira escrita hieroglífica que tem chegado até nós data de 3000 aC. Um hieróglifo pode representar uma palavra, um som ou um determinante em silêncio; e o mesmo símbolo pode servir finalidades diferentes em contextos diferentes. A escrita hieroglífica é composta por centenas de símbolos, que podiam ser lido em linhas ou colunas, e em qualquer direcção (embora na maioria dos casos, escritas da direita para a esquerda).


 
© Ivo Jansch - Estátua de um escriba sentado, exibido no Louvre


 
hieróglifos cravados em pedra


   
Hieróglifos foram, tanto quanto sabemos, utilizados exclusivamente nos monumentos de pedra e em túmulos. Em seu trabalho diário, escribas usavam outro tipo de escrita, chamada hierática. Este utiliza uma escrita cursiva (isto é, a escrita unida), que era muito mais rápida e mais fácil de usar do que hieróglifos. A escrita hierática era sempre escrito da direita para a esquerda, geralmente em linhas horizontais.

Mais tarde, por volta de 500 aC, e, portanto, para o fim da civilização egípcia antiga, uma nova forma de escrita, Demotico, iniciou seu largo emprego. Este foi, uma escrita fonética semi-alfabética, que surgiu como a transcrição da linguagem cotidiana falada, mas ao longo do tempo evoluiu para a linguagem da literatura, alta cultura e da religião.



Literatura


A literatura hieroglífica egípcia é encontrada em monumentos públicos, e as paredes de templos e túmulos, e consiste em registros dos atos de deuses e homens, bem como poesia. Poesia do amor, hinos, provérbios, feitiços e maldições, instrucional e textos médicos, e os mitos e lendas, são encontrados em hierático e escrita demótica mais tarde. Um dos exemplos mais conhecidos da literatura egípcia é uma coleção de feitiços que datam do período do Novo Reino e rotulado o "Livro dos Mortos": o seu objetivo é permitir que as pessoas passaem com êxito desta vida para a próxima.

A história de Sinuhe é provavelmente o trabalho mais conhecido da literatura egípcia que chegou até nós. Outro conto popular é a história de Wenamun, o que dá uma visão sobre o Egito em sua fase de declínio.


Livro dos Mortos do Sacerdote de Horus, Imhotep (Imuthes)
Período: No início da Dinastia Ptolomaica
Data: cerca 332-200 aC
Geografia: Do Egito; Provavelmente do Médio Egito, Meir
Meio: Papiro, tinta
dimensões: medidas aproximadas (quadro): L. 219 m (71 ft 10 3/16 pol.); H. 35 cm (1 pé. 1 3/4 in.). Comprimento anteriormente estimada em 63 pés (192 m).
Linha de crédito: Presente de Edward S. Harkness 1935
Número de acesso: 35.9.20a-W


Arte


Grande parte da arte que chegou até nós é arte funerária - arte projetada para o túmulo. Os antigos egípcios acreditavam que a vida poderia continuar na vida após a morte, e assim os mortos foram acompanhados em suas sepulturas por produtos de consumo corrente e de luxo - incluindo objetos de arte - para ajudá-los a desfrutar da sua nova vida.
sarcófago do faraó Tutankhamon uma obra de arte riquíssima

A arte egípcia antiga enfatizou um estilo rígido que mudou muito pouco ao longo dos milênios. Isso não significa que a arte egípcia era imutável - mas a mudança ocorreu dentro de limites bastante estreitos. Ironicamente, nos séculos de declínio da civilização do Antigo Egipto, a sua arte tornou-se mais conservadora e rígida, que remonta aos dias gloriosos de antiguidade.
O estilo icônico bidimensional egípcio é encontrado em túmulos, templos e estátuas. As estátuas egípcias foram esculpidas em pedra e rocha, ou de madeira como uma alternativa barata, com tinta obtida a partir de minérios extraídos das áreas ao redor.
 

Arquitetura


Os antigos egípcios construíram algumas das mais maravilhosas estruturas inspiradoras que o mundo já viu, como as pirâmides de Gizé. A construção das pirâmides foram de fato restrita aos primeiros dias da civilização egípcia. Mais tarde a arquitetura monumental pode ser vista mais claramente nos templos e estátuas gigantes do Vale dos Reis e Abu Simbel.
 
As estátuas gigantes do faraó Ramsés II em Abu Simbel

A maioria dos egípcios viviam em uma casa simples de barro, madeira ou tijolo, com a elite tendo mansões com multi-salas elaboradas com paredes ricamente pintadas, pisos decorados, e construíam pátios ao redor.
 

 Tecnologia


Matemática


Os antigos egípcios desenvolveram altos níveis de habilidades matemáticas para que podessem construir suas pirâmides e templos com ferramentas extremamente simples. Sua matemática parece ter sido de natureza mais prática do que a dos mesopotâmios, e, portanto, pode ter influenciado mais tarde mais civilizações; no entanto, esta matemática prática deve ter sido de uma ordem realmente muito elevada.
 

numerais em hieroglifos
 

Medicina


As práticas funerárias antigas egípcias, que envolveram embalsamar os mortos, não levou ao conhecimento detalhado da anatomia humana. No entanto, a medicina egípcia adquiriu uma excelente reputação no mundo antigo. Antigos médicos egípcios podiam costurar feridas, reparar ossos quebrados e amputar membros infectados. Os cortes eram enfaixados por carne crua, linho e compressas embebidas com mel. Ópio também foi utilizado como um analgésico. Cebola e alho foram usados como alimentos saudáveis na dieta.

Proximidade com o Nilo significava que doenças transmitidas pela água, como a malária, eram abundantes. Outras doenças comuns incluíram tensões físicas causadas por uma vida de trabalho. A expectativa de vida era entre 30 anos para mulheres e 35 para homens, no entanto cerca de um terço das crianças não atingiram a idade adulta.
 
 

Construção Naval


O longo rio ao longo do qual a antiga civilização egípcia floresceu era um ambiente ideal para o desenvolvimento de tecnologia de barco. Por volta de 3000 aC, um navio egípcio de 75 pés de comprimento tinha sido construído. Tábuas de madeira foram originalmente mantidas juntas por correias, com canas ou grama empurrada para selar as lacunas. Em breve pregos de árvores foram usados para prender pranchas agrupadas, com breu e calafetagem para fechar as costuras; e juntas de encaixe e pino também tinham sido desenvolvidos. No entanto, apesar de ter barcos para velejar,, eles não eram conhecidos como grandes marinheiros e não parecem ter se envolvido em transporte através dos mares do Mediterrâneo ou Vermelho de forma regular.
 
  
modelo de barco egípcio de 1900 aC
 
 
maquete de barco egípcio do Reino Médio
 
barco egípcio feito de papiro (planta que se faz o papel de papiro)

 Egito Antigo na História do Mundo


A evidência mais clara para o legado do antigo Egito pode ser visto na arquitetura. Os templos egípcios posteriores são muito semelhantes aos templos gregos primitivos; e tem sido sugerido que os antigos gregos tomaram a própria idéia de edifício monumental em pedra dos egípcios.

Outros itens de legado do Egito são mais difíceis de definir. A escultura grega arcaica parece ser mais estreitamente relacionada a Mesopotamia e modelos astronômicos do que egípcio; Da mesma forma, a matemática grega tem uma relação mais próxima com os precedentes da Babilônia.
 
O que é inconfundível é que esta antiga civilização exerceu uma magia incomparável sobre civilizações futuras. Os gregos consideravam o Egito como uma terra de sabedoria e mistério, eo fascínio Antigo Romano com o Egito pode ser visto no número de obeliscos a ser encontrados na cidade de Roma nos dias de hoje (alguns deles enviados do Egito para a capital imperial , outros cópias de modelos egípcios). Os árabes medievais escreveram sobre a civilização egípcia, e o fascínio europeu moderno com o Egito foi impulsionado pela conquista de Napoleão do país em 1798. A Moderna Egiptologia começou nessa data, e tem continuado desde então. Hoje, o Egito é um dos principais destinos turísticos do mundo, testemunhando o fascínio permanente com isso, um das verdadeiramente grandes civilizações do mundo.
 
 Então, qual, em suma, é o lugar do antigo Egito na história do mundo? É certamente isso - aqui, quase aos primórdios da história registrada, era uma grande civilização que produziu maravilhosa arte, arquitetura, engenharia, literatura, medicina e assim por diante. A ampla gama de práticas técnicas altamente desenvolvidas estes envolvidos foram transmitidos a outros povos e culturas posteriores; mas mais do que isso, o que uma inspiração que deve ter sido para as civilizações que veio depois! Sabemos que muitos gregos e romanos viajou para a terra do Egito, e foram impressionado com os restos magníficos que eles viram lá. Em suma, o Egito Antigo define o alto padrão!

 Leia mais sobre o Antigo Egito:
A importância do Egito na História atual e antiga, Uma introdução
Parte 1 - História do Antigo Egito, até 3500 aC:
Parte 2 - História do Antigo Egito de 3500 aC - 2500 aC:
Parte 3 - História do Antigo Egito de 2500 aC -1500 aC:
Parte 4 - História do Antigo Egito 1500 aC- 1000 aC:
Parte 5 - História do Antigo Egito de 1000 aC - 500 aC:
Parte 6 - História do Antigo Egito Antigo de 500 aC - 30 aC
Parte 7 - História do Antigo Egito - Os mapas das mudanças
Parte 8 - História do Antigo Egito - Uma visão geral
 Aqui termina essa coleção de posts sobre o Egito Antigo, foram muitas horas traduzinho e tentando achar o melhor termo para não modificar o significado das frases. Mas vale muito a pena quando fazemos com amor.
 um abraço
Cris Freitas
Emirados

Leia Mais ►

Leia Mais ››