,,

Translate it!

O perfume e o incenso na Cultura Árabe

 

 

 

Algo pessoal

Desde que cheguei nos Emirados Árabes Unidos em 2011, tenho muitas lembranças boas de muitos lugares que fui, de cada janela e porta, de cada ruela e passarela que vi. Mas nenhuma delas  marcou mais do que o passear ao longo e sentir o cheiro vindo da queima do "bukhur", o incenso árabe.

No início confesso que não gostava, achava forte e me sufocava porque eu ainda estava sobre o efeito anestésico de sair do meu país e  morar tão longe, porém, hoje já convivo bem com as tradições árabes e sou apaixonada por esse mundo fabuloso.

O perfume por si só já é algo que marca, as vezes ao sentirmos uma fragrância vem-nos logo a mente um lugar ou uma pessoa...e acredite, nada marca mais no mundo árabe do que o bukhur.

Um pouco de história

A primeira vez que o perfume aparece na história foi no 2° milênio a.C, encontrado em escritas numa tábua cuneiforme  na Mesopotâmia (o atual Iraque).

 Inicialmente o perfume era usado para luxo e foi quase desaparecendo até que os árabes fizeram-o sobreviver e com a vinda do Islam o perfume foi ainda mais admirado, sim admirado. O perfume é algo importante no mundo islâmico, onde nas sextas-feiras todos devem se perfumar para ir à mesquita orar, bem como cuidar de sua aparência.

As culturas islâmicas, por exemplo, os persas e os árabes eram na maior parte comerciantes por causa do deserto e tiveram que ir distante para negociar com diferentes comunidades . Devido a isso, eles usavam trazer uma gama de especiarias e madeira para a criação de perfumes árabes da Índia e outros países asiáticos. Poucos elementos e acordes básicos que desempenham um papel vital para o perfume árabe são Oud (oudh), Âmbar, Almíscar, Jasmim, Olíbano ou Franquincenso e Madeira de Ágar. 

cultivador da Rosa damascena - damask rose
Igualmente a Rosa em perfume árabe também tem um papel fundamental a desempenhar, a proeminente Rosa de Damasco (Rosa com 30 pétalas) que é encontrada no vale de Taif na Arábia Saudita, porém originalmente como o próprio nome sugere, era cultivada na Síria, em Damascus.

Olíbano de Oman
O Olíbano por ser uma resina muito precisa e aromática é várias vezes citado na Bíblia e serviu como um dos presentes a Jesus (pbuh) pelos três Reis Magos. 

 No islam o incenso era usado para saudar a entrada do profeta Muhammad (pbuh) na cidade com vários tipos de aromas e até hoje é usado para relembrar isso.

 

  bukhur ou incenso بخور

 

O bukhur ou bakhur (incenso) nos dias atuais na vida árabe

 

Bukhur em árabe, ou incenso,  é a mistura de vários ingredientes compactados, ou apenas um pedacinho de madeira, ou resina que será queimado para exalar aroma agradável e relaxante.
Aqui nos Emirados Árabes é muito normal a gente andar pelas calçadas ou dentro de shoppings e ver incensos defumando o ambiente. O frescor aromático é uma das coisas inesquecíveis daqui.

Mas não só nas vias públicas o bukhur é usado, também na vida diária ele é muito apreciado pelas famílias, principalmente para festejar ou recepcionar um visitante às suas casas.
Existem famílias que usam bukhur específico para cada situação, sedo que umas usam bukhur diariamente e outras usam mais em situações especiais, como festas e recepções.
Existe bukhur para homem e mulher, para homem se limita a queimar o "oud" sozinho e defumar a roupa e para a mulher existem várias frangrâncias com toques florais e amadeirados.

O bukhur também é utlizado para defumar as roupas, ou perfumar o guarda-roupa se for deixado dentro dele apenas para esse propósito sem queimá-lo logicamente.

Os árabes usualmente deixam a fumaça do bukhur ficar defumando suas roupas exteriores para que a fragrância penetre no tecido, ou usam a fragrância em forma de óleo como perfume apenas.

Nas casas geralmente é colocado um mabkhara (recipiente queimador do bukhur) nas áreas da sala, varanda e entrada da casa.

Tipos de bukhur

 

 No mercado tradicional árabe ou até mesmo em lojas de utilidades dométicas é fácil encontrar bukhur pronto para uso. Eles veem prontos para queimar em embalagens podendo ser em forma granulada, forma de bolinhas, pastilhas ou lasquinhas de madeiras... mas tem um porém... os bukhur tradicionais vindo da Índia são caríssimos chegado a custar 11gr 2.500Dirhams (aprox. 2.300 Reais)ç 1kg chegando a custar 25mil Dirhams.

Oman é grande produtor de resina de Olíbano, tendo fama mundial.

Já as madeiras mais fragrantes vêm da India e países asiáticos


Bukhur em pastilhas


Bukhur em madeira



Existe também o bukhur em pó e em bolinhas, acho que não precisa falar muito.

Mabkhara - o queimador de bukhur

 


Existe dois tipos atualmente o que usa carvão em brasa para queimar diretamente no fogo, o modo mais tradicional e o tipo elétrico que queima com o calor que a eletricidade produz numa chapinha de cerâmica ou ferro.

Mabkhara a carvão


 Encontra-se vários modelos de materiais como bronze, cerâmica, barro, madeira...


 Para usar esse tipo de queimador você deverá comprar pastilhas de carvão colocá-los no fogo até ficarem em brasa e então colocar no incensário e colocar o bukhur por cima do carvão em brasa e então a fumaça começa a ser produzida.
mabkhara eletrico


Mabkhara elétrico

Tem a mesma aparência do mabkhara a carvão, porém, é ligado a eletricidade dispensando o uso da queima de carvão. É mais fácil de manejar e tem o mesmo efeito do outro.

 









Mabkhara para carro

 A tradição de usar bukhur vai além do uso residencial e chega até o carro, deixando um ambiente mais relaxante e atrativo.


 

Mabkhara portátil


Você também pode optar por ter o seu mabkhara portátil para usar onde quiser e na hora que quiser para defumar sua roupa. Basta usar pilhas e um pouco de bukhur dentro do cabo do queimador e seu bukhur está pronto.


Um vídeo para entender como funciona o bukhur.












Tenho uma receita de como fazer o bukhur para passar para vocês, mas fica para um próximo post.

Ufaaaa esse post ficou grande... quando a gente gosta da coisa, a gente fica submerso nas idéias...e parece que ainda não falei tudo... 😯 rsrsr

Se ficou alguma dúvida deixem comentário, ou se quiserem falar algo tudo bem também... para blogueiro o que move a vontade de escrever são as opiniões, boas ou ruins.

maa salama!

Cris Freitas
nos Emirados


Nenhum comentário:

Postar um comentário