,,

Translate it!

18 de Dezembro dia da Língua Árabe


Hoje é um dia muito especial!!


Para compreender árabes e sua cultura, é preciso primeiro entender sua língua, mas com muitas teorias conflitantes sobre suas origens, esta não é uma tarefa fácil.
 
Uma pedra calcária encontrada em Az-Zantur em Petra com script Nabataean, de onde nasceu o script árabe. O texto menciona um líder da cavalaria que erigiu um edifício para o rei Aretas IV e dá a data: Fevereiro do ano AD 10. A pedra está na exposição no museu da arcaia de Sharjah sob a exposição: Petra, maravilha do deserto até 16 de março de 2017. Cortesia do Departamento de Museus de Sharjah

Para comemorar uma língua usada por centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, 18 de dezembro é designado Dia da Língua Árabe da ONU. O dia foi estabelecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em 2010 para "celebrar o multilinguismo e a diversidade cultural, bem como promover a igualdade de uso de todas as suas seis línguas oficiais de trabalho em toda a organização".
 
Esta data foi escolhida porque foi o dia de 1973, quando o árabe tornou-se a sexta língua de trabalho oficial da Assembleia Geral das Nações Unidas e das suas principais comissões - sendo as outras chinesas, inglesas, francesas, russas e espanholas.
 
"O árabe é uma língua muito rica, tem diferentes dialetos e diferentes formas e estilos caligráficos", diz Hasan Al Naboodah, historiador e reitor dos Emirados da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade dos Emirados Árabes Unidos em Al Ain. "Sua história é tão complexa quanto a história dos países que usam a linguagem".
 
Há quatro principais dialetos regionais do árabe falado no mundo árabe de hoje, com variações dialéticas em diferentes países: o árabe do Magrebe (norte da África), árabe egípcio (Egito e Sudão), árabe levantino (Líbano, Síria, Jordânia e Palestina) ), E iraquiano / árabe do Golfo.
 
De acordo com várias fontes, as primeiras manifestações da linguagem parecem remontar ao segundo milênio aC. O árabe pertence à família semítica de línguas, que também inclui hebraico, aramaico e fenício.
Outras línguas usaram a escrita árabe - Hausa, Caxemira, Cazaque, Curdo, Quirguistão, Malaio, Morisco, Pashto, Persa / Farsi, Punjabi, Sindhi, Tártaro, Turco, Uigur e Urdu - embora alguns deles tenham mudado para a escrita latina.
 
"Quraish de Meca é dito ser o primeiro a falar árabe 'Fos ha', e assim o Alcorão hoje é o do dialeto ou estilo de leitura que o Profeta Maomé usou a si mesmo", diz Al Naboodah.
Esta forma de árabe remonta à poesia pré-islâmica e é uma forma elegante, ou clara, de árabe. Os estudiosos muçulmanos dizem que, inicialmente, o Alcorão foi revelado por Deus e ensinado pelo Profeta Maomé em sete tipos de qera'at (leituras). Na época, eram os dialetos mais dominantes do árabe falado.

clique na imagem para aumentar


Muitos anos depois de o Alcorão ter sido transformado em um livro, uma cópia pertencente a Uthman ibn Affan, um companheiro do profeta Maomé e do terceiro Califa do Islã, tinha as letras árabes pontilhadas. Diacríticos como tashkeel ou formações foram adicionados, incluindo movimentos harakat ou vogal marcas, bem como várias grades de tom e pronúncia para unificar e padronizar.

"Alguns dizem que a escrita árabe se originou de Al Hirah (mesopotâmia de quarto a sétimo século) no norte, enquanto outros dizem que se originou do sul da Arábia, de Himyar (110 aC a 525 dC)," Al Naboodah. "A origem do árabe é um tema altamente debatido, com novas descobertas ainda acontecendo."
 
Uma descoberta em 2014 por uma equipe de expedição franco-saudita saudou "a inscrição mais antiga conhecida no alfabeto árabe" em um local localizado perto de Najran, na Arábia Saudita. O roteiro, que foi encontrado em estelas (lajes de pedra), que foi preliminarmente datado de 470 dC, corresponde a um período em que havia um elo perdido entre escrita nabateu e árabe.
 
"A primeira coisa que torna este achado significativo é que é um texto misto, conhecido como árabe nabateu, a primeira fase da escrita árabe", diz o epígrafe Frédéric Imbert, professor da Universidade de Aix-Marseille.
 
O script nabateu foi desenvolvido a partir da escrita aramaica durante o segundo século aC e continuou a ser usado até ao redor do quarto ou quinto século. Nabateu é, portanto, considerado o precursor direto da escrita árabe. O script nabateano é um ancestral próximo, eo estilo Najran é o "elo perdido" entre Nabataean e as primeiras inscrições "Kufi".
 
Até essa descoberta, uma das primeiras inscrições na língua árabe foi escrita no alfabeto nabateu, encontrada em Namara (Síria moderna) e datada de 328 dC, em exibição no Louvre, em Paris.
A história do árabe continua a ser debatida. O árabe padrão moderno é diferente do Quranico assim como do árabe classico. Passou por um processo de "europeização" que mudou partes do vocabulário e também influenciou profundamente a gramática.
 
"As evidências linguísticas parecem apontar para uma origem das línguas semíticas em algum lugar entre o Crescente Fértil [uma área que atravessou o topo da Península Arábica do Egito à Síria e Kuwait] ea Península Arábica", diz Stephan Guth, professor de língua árabe E literaturas do Oriente Médio na Universidade de Oslo.
 
Ao longo de milênios, essas línguas se espalharam, à medida que grupos diferentes deixavam suas terras, levando suas línguas com eles para várias partes do Oriente Médio e áreas vizinhas.
 
"Uma linguagem é um continuum com muitos estágios diferentes de desenvolvimento, muitos dos quais podem ser abordados (e realmente são abordados) por nomes individuais, e depende dos critérios que você decidir fazer decisivo", diz Guth.
 
"O principal desafio em escrever uma história do árabe é que há pouca evidência escrita para o que provavelmente é a maior parte de sua história, e que para o período que data antes da poesia pré-islâmica temos apenas material não-vocalizado, de modo que só pode adivinhar ou tentar reconstruir com métodos linguísticos, mas raramente ser 100 por cento certeza de como as coisas realmente foram pronunciadas.Há algumas dicas de línguas que estavam em contato com o árabe e escreveram as vogais (Akkadian, grego, latim), mas o material é escasso e muitas vezes apenas alguns nomes ", diz ele.
 
Guth diz que o estudo mais recente, de Leonid Kogan em 2015, que trata da questão do agrupamento interno dentro da família de línguas semíticas, coloca o árabe de acordo com dois princípios:
 
Geneticamente, a corrente passa do proto-semita para o oeste semita para a central e eti-semita para a central semita para o árabe. Isto implica que geneticamente o árabe seria uma língua "irmã" de outras línguas semíticas centrais, como o hebraico e o aramaico (Aramoid).
 
No entanto, Guth diz que, por causa da proximidade geográfica, que causou contato com a linguagem e influência além dos "genes" semíticos centrais, o árabe também compartilha uma série de características com as línguas do Sul, particularmente a Etíope Clássica (Geez).
 
"Quanto às influências não-semitas, elas sempre estiveram lá (mas também o árabe influenciou os outros), como sempre acontece quando as pessoas estão em contato.Toda a longa história política e cultural que o povo árabe passou por se reflete na língua. "
 
O professor explica: "Nos tempos pré-islâmicos você encontra empréstimos de acadiano, aramaico, etíope, sul-árabe, grego, latim, depois das conquistas, quando os árabes entraram em contato com outras pessoas, há, por exemplo, Médio Persa e Turco, e nos primeiros tempos abássidas, quando você tinha o Bayt Al Hikma em Bagdá, onde todas as traduções foram feitas, há um influxo pesado do grego clássico. Mais tarde, os contatos com o Mediterrâneo se intensificaram, então a linguagem foi enriquecida por palavras de italiano e assim por diante.
 
"Para não falar do período colonial e do século XIX, quando a dominação cultural européia se tornou tão forte que partes maiores do vocabulário tiveram de ser inventadas ou adaptadas (e também a gramática mudou até certo ponto), hoje é principalmente inglês e (no Maghreb) franceses que são as principais fontes de empréstimo ", diz Guth.
 
Quanto aos dialetos, ele diz: "Bem, este é um capítulo em si mesmo".
Assim como o mundo celebra árabe no domingo, ele anuncia uma linguagem complicada, sua história difícil de reconstruir porque a verdade histórica ainda é muito encoberta e obscurecida por lendas e mitos.


Fontes em inglês:
The National
DarLukman


Traduzido por Cris Freitas nos Emirados Arabes




Nenhum comentário:

Postar um comentário