Translate it!

Alexandria, A Grande. Da fundção ao início do governo árabe


Apresentação




antigo Farol da Alexandria -
Alexandria é uma cidade portuária , no Mar Mediterrâneo, no norte Egito fundada em 331 aC por Alexandre, o Grande. É o lugar mais famoso na antiguidade como o lugar de Pharos, o grande farol, considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo, para o Templo de Serapis, o Serapião, que fez parte da lendária Biblioteca de Alexandria, como um lugar de aprender e, uma vez, a cidade maior e mais próspera do mundo. Ela também se tornou famosa pelo conflito religioso que resultou no martírio da filósofa Hypatia de Alexandria em 415 dC. A cidade cresceu de uma pequena cidade portuária a tornar-se a metrópole maior e mais importante do Egito antigo.


No entanto, antes disso, havia algumas cidades portuárias grandes a leste de Alexandria, na borda ocidental do que é hoje Abu Qir Bay. O ramo Canopic (ocidental) do Delta do Nilo ainda existia naquela época, e foi amplamente usado para o transporte. As três cidades de Canopus, Herakleion tambem conhecida como Thonis e Menouths foram submersas através das possiveis instabilidades do local e tremores sísmicos. Recentemente em 1992 essas cidades foram descobertas submersas e várias estátuas foram retiradas do local, porem, nem tudo ainda está descoberto.



Após a sua fundação, Alexandria se tornou a sede dos governantes de Ptolomeu do Egito, e rapidamente cresceu para ser uma das maiores cidades do mundo helenístico - perdendo apenas para Roma em tamanho e riqueza.




Os primeiros assentamentos na área


Apenas leste de Alexandria nos tempos antigos (onde está agora a baía de Abu Qir) havia pantanais e diversas ilhas. Já no século 7 aC, existiam importantes cidades portuárias de Canopus e Heracleion. Este último foi redescoberto recentemente sob a água. A parte de Canopus está ainda na costa acima da água, e tinha sido estudada pelo arqueólogo o mais longo. Havia também a cidade de Menouthis.

Uma cidade egípcia, Rhakotis, existia na costa onde Alexandria está agora. Atrás dele havia cinco aldeias espalhadas ao longo da faixa entre o lago Mareotis eo mar, disse assim de acordo com uma história de Alexander atribuído ao autor conhecido como Pseudo-Callisthenes.



A Fundação da Cidade

 


Depois de conquistar a Síria em 332 aC, Alexandre, o Grande, desceu para o Egito com seu exército. Ele fundou Alexandria na pequena cidade portuária de Rhakotis pelo mar e definiu sobre a tarefa de transformá-la em uma grande capital. Diz-se que ele projetou o plano para a cidade que foi tão admirado mais tarde pelo historiador Estrabão (63 aC-21CE) que escreveu,

A cidade tem recintos públicos e palácios magníficos reais que cobrem um quarto ou mesmo um terço de toda a área. Pois, assim como cada um dos reis que, de um amor de esplendor, adicione um pouco ornamento para os monumentos públicos, para que ele iria fornecer-se às suas próprias custas, com uma residência para além dos já de pé.

Esboço da cidade de Alexandria 30aC

Uma das descrições mais sóbrias, dadas pelo historiador Arrian, conta como Alexandre empreendeu elaborar o plano geral da cidade, mas sem giz ou outros meios, recorreu a esboçá-lo com grão. Um número de mitos de fundação mais fantásticos são encontrados no Romance de Alexandre e foram recolhidos por historiadores medievais.

** localização da Ilha de Faros na Alexandria

Alexandria pretendia substituir Naucratis como um centro helenístico no Egito e ser o elo entre a Grécia e o rico vale do Nilo. Se uma cidade desse tipo estivesse na costa egípcia, havia apenas um local possível, atrás da barreira da ilha de Faros e longe do lodo jogado pelo Nilo, a oeste da extremidade mais ocidental do rio "Canopic". O site também ofereceu proteção única contra exércitos invasores: o vasto deserto da Líbia a oeste eo Delta do Nilo a leste.

Poucos meses após a fundação, Alexandre deixou o Egito para o Oriente e nunca mais voltou para sua cidade.  


Coube a seu comandante, Cleomenes, para construir a cidade que Alexander tinha imaginado. Enquanto Cleomenes realizava um grande negócio, a plena expansão de Alexandria caiu sob o domínio do general Ptolomaico Alexander e do Estado da dinastia ptolomaica (332-30 aC) que se seguiu. Após a morte de Alexandre em 323 aC, Ptolomeu trouxe seu corpo de volta a Alexandria para ser enterrado e, após as guerras do Diodachi, começou a regra do Egito, de Alexandria, suplantando a antiga capital de Memphis. Tiro tinha sido uma cidade importante para o comércio na região e, depois de sua destruição por Alexander, Alexandria preencheu o vazio que havia sido deixado. Cartago (que em grande parte se tornou tão próspera devido ao saco de Tiro) ainda era uma cidade portuária jovem quando Alexandria começou a prosperar. O erudito historiador e Mangasarian escreve:
"Sob os Ptolomeus, uma linha de gregos reis, Alexandria logo entrou em eminência, e, acumulando a cultura e riqueza, tornou-se a metrópole mais poderosos do Oriente. Servindo como o porto da Europa, que atraiu o lucrativo comércio de Índia e Arábia . Seus mercados foram enriquecidos com as sedas lindas e tecidos dos bazares do Oriente. Riqueza trouxe lazer, e ela, por sua vez, as artes. Tornou-se, com o tempo, a casa de uma biblioteca maravilhosa e escolas de filosofia, representando todas as fases e os tons mais delicados de pensamento. Em uma vez que era a crença geral de que o manto de Atenas tinha caído sobre os ombros de Alexandria.

A cidade cresceu para se tornar a maior do mundo conhecido na época, atraindo estudiosos, cientistas, filósofos, matemáticos, artistas e historiadores. Eratóstenes (276-194 aC) calculou a circunferência da Terra dentro de 50 milhas (80 km) em Alexandria. Euclid ensinou na universidade lá. Arquimedes (287-212 aC), o grande matemático e astrônomo pode ter ensinado lá e foi certamente estudante lá. O maior engenheiro e matemático de sua época, Hero (também conhecido como Heron, 10-70 aC) nasceu e viveu em Alexandria. Heron foi creditado com incríveis façanhas de engenharia e tecnologia, incluindo a primeira máquina de venda automática, a bomba hidraulica, e um teatro de figuras automatizadas que dançavam, entre suas outras invenções.
Alexandre, o Grande, ptolomaico Coin de Alexandria
moeda antiga alexandrina, Alexandre o grande era pitolomaica

Quando Cartago subiu ao auge de seu poder, Alexandria não foi relativamente afetada como o comércio há muito tinha sido estabelecido ea cidade não representava qualquer ameaça ao poder marítimo dos cartagineses. Mesmo após a queda de Cartago após as Guerras Púnicas (264-146 aC), quando Roma se tornou supremo e Alexandria caiu sob a sua influência, a cidade permaneceu próspera e continuou a atrair visitantes de todo o mundo. As tensões crescentes em Roma entre Júlio César e Pompeu impactaram primeiro Alexandria negativamente em 48 aC. Antes desta data, embora a cidade certamente experimentou a sua quota de problemas, manteve-se um ambiente estável. Após a Batalha de Pharsalus, no entanto, em que César derrotou Pompeu, Pompeu fugiu para Alexandria procurando refúgio e foi morto pelo co-regente Ptolomeu XIII. César chegou e, real ou fingida, afirmou indignação com a morte do seu ex-amigo e aliado. Ele então declarou a lei marcial, assumiu o palácio real, e enviou para o co-regente exilando Cleópatra VII . Nas guerras civis que se seguiram muito de Alexandria foi queimada incluindo, de acordo com alguns estudiosos, a famosa biblioteca.




A Cidade Sob Roma




Teatro Romano, Alexandria
Teatro Romano ainda existe até hoje, Alexandria
Após o assassinato de César em 44 aC, o seu braço direito, Marco Antonio tornou-se consorte de Cleópatra e deixou Roma para Alexandria. A cidade se tornou sua base de operações durante os próximos treze anos até que ele e Cleópatra foram derrotados por Otaviano César na batalha de Actium em 31 aC. No ano seguinte, Cleópatra e António tanto cometeu suicídio e, com a morte dela, a linha de Ptolomeu chegou ao fim. Otaviano se tornou o primeiro imperador de Roma e levou o título "Augustus ". Alexandria agora se tornou uma província simples do Império Romano sob o domínio de César Augusto.
 
Cleopatra e Marco Antonio - museu de cera de Barcelona

Augusto consolidou seu poder nas províncias e fez restaurar Alexandria. Os estudiosos que argumentam contra o papel de Júlio César na queima da grande biblioteca apontam para o fato de que há evidências de que ainda existiam sob o reinado de Augusto e que os visitantes ainda eram atraídos para a cidade como um assento de aprendizagem. Alexandria foi novamente arruinada em 115 EC na Guerra de Kitos e foi novamente restaurada, desta vez pelo Imperador Adriano, que, como um homem de aprendizagem, teve grande interesse em Alexandria.  


Segundo a tradição, a Septuaginta grega (a tradução grega da Bíblia) foi composta em Alexandria, concluída em 132 dC, para que ela pudesse tomar seu lugar entre os grandes livros da biblioteca da cidade.
Os estudiosos religiosos foram ditos freqüentando a biblioteca para pesquisa e Alexandria tinha atraído por muito tempo muitos povos de fé diferente, que lutavam para o domínio na cidade. Sob o reinado de Augusto, houve disputas entre judeus e pagãos e, à medida que o cristianismo cresceu em popularidade, os cristãos aumentaram a agitação pública. Depois que o imperador romano Constantino o Grande (272-337 dC) passou o Edito de Milão em 313 dC (decretando a tolerância religiosa), os cristãos não eram mais susceptíveis de serem processados sob a lei e começaram a não só exigir mais direitos religiosos, mas mais vociferante atacavam os pagãos e os judeus.




Anexação romana


A cidade passou formalmente sob a jurisdição romana em 80 aC, de acordo com a vontade de Ptolomeu Alexandre, mas só depois de ter estado sob a influência romana por mais de cem anos. Júlio César se casou com Cleópatra em Alexandria em 47 aC e foi sitiado na cidade pelo irmão e rival de Cleópatra. Seu exemplo foi seguido por Marco Antônio, para cujo favor a cidade pagou caro a Otaviano. Depois da derrota de Marco Antonio em Alexandria na batalha de Actium, Otaviano tomou Egipto para si, nomeando um prefeito que relatasse pessoalmente ao invés de um Senado Romano. Enquanto estava em Alexandria, Otavio tomou tempo para visitar o túmulo de Alexandre e inspecionar os restos do rei. Ao ser oferecido uma visão aos túmulos dos faraós, ele recusou, dizendo: "Vim ver um rei, não uma coleção de cadáveres."
Desde a anexação e em diante, Alexandria parece ter recuperado sua antiga prosperidade, comandando, como fez, um importante celeiro de Roma. Esta foi uma das principais razões que induziram Otaviano a colocá-lo diretamente sob o poder imperial.Em 115 dC Alexandria foi destruída durante as guerras civis judeu-gregas que deram a Adriano e seu arquiteto, Decriannus, uma oportunidade para reconstruí-la.Em 215 dC o imperador Caracalla visitou a cidade e, por causa de algumas sátiras insultantes que os habitantes tinham dirigido a ele, ordenou abruptamente a suas tropas para matar todos os jovens capazes de portar armas. Essa ordem brutal parece ter sido realizada até mesmo além da letra, pois um massacre geral ocorreu. De acordo com o historiador Cassius Dio, mais de 20.000 pessoas foram mortas.No século III dC, o túmulo de Alexandre foi fechado ao público, e agora sua localização foi esquecida. O local do túmulo de Alexandre o Grande até hoje é um mistério, apesar das especulações feitas na mída.

 

Cristianismo e o declínio de Alexandria

Alexandria, que tinha sido uma cidade de prosperidade e de aprendizagem, tornou-se uma arena de disputa religiosa entre a nova fé dos cristãos e a antiga fé da maioria pagã. Os cristãos cada vez mais sentiam-se ousados o suficiente para atacar os símbolos da antiga fé na tentativa de derrubá-los. Magasarian escreve:
Não é tanto a religião que faz o caráter de um povo, uma vez que são as pessoas que determinam o caráter de sua religião. A religião é apenas o resumo de ideias nacionais, pensamentos e caráter. Religião não é senão uma expressão. Não é, por exemplo, a palavra ou a linguagem que cria a ideia, mas a idéia que provoca a palavra à existência. Do mesmo modo a religião é apenas a expressão de mentalidade de um povo. E ainda um homem de religião ou filosofia, enquanto ele é mas o produto de sua própria mente, exerce uma influência reflexa sobre seu caráter. A criança influencia o pai, de quem é a prole; a língua afeta o pensamento, dos quais, inicialmente, que era, mas a ferramenta. Assim é com a religião. A religião cristã, logo que chegou ao poder, virou o mundo a ela.
Talvez em nenhum lugar mais que em Alexandria foi essa virada sobre mais aparente. Sob o reinado de Teodósio I (347-395 dC) paganismo foi proibida eo cristianismo incentivada. Em 391 dC, o cristão patriarca Teófilo seguiu o exemplo de Teodósio e tinha todos os templos pagãos em Alexandria destruídos ou convertidos em igrejas. Por volta do ano 400 dC Alexandria estava em turbulência religiosa constante e, em 415 dC, o que resultou no assassinato da filósofa neoplatônica Hypatia e, segundo alguns estudiosos, a queima da grande biblioteca e a completa destruição do templo de Serapis. Alexandria declinou rapidamente após esta data com estudiosos, cientistas e pensadores de todas as disciplinas que saem da cidade para locais mais seguros.


Rachel Weisz como Hipátia de Alexandria
filme Hipatia de Alexandria, Rachel Weisz


Período romano e bizantino tardio


Embora sua principal importância histórica tivesse surgido do aprendizado pagão, Alexandria adquiriu agora nova importância como centro de teologia cristã e governo da igreja. Ali o arianismo ganhou destaque e também Atanásio opôs-se ao arianismo e à reação pagã contra o cristianismo, experimentando sucesso contra ambos e continuando a grande influência do Patriarca de Alexandria no cristianismo nos próximos dois séculos.


Como as influências nativas começaram a reafirmar-se no vale do Nilo, Alexandria gradualmente se tornou uma cidade alienígena, cada vez mais separada do Egito e perdendo muito de seu comércio como a paz do império quebrou-se durante o 3o século, seguindo por um declínio rápido em População e esplendor.Em 365, um tsunami causado por um terremoto em Creta, na Grécia, atingiu Alexandria. 
*********************

Adendo

Sismo de Creta em 365 dC



O sismo de Creta de 365 foi um sismo que ocorreu cerca do nascer do sol de 21 de julho de 365 d.C. no Mediterrâneo Oriental. Os geólogos atuais estimam a sua magnitude em oito ou mais (8,5 segundo Stathis Stiros) e apontam como local mais provável do epicentro o fundo marinho cerca de 50 km a oeste-sudoeste da extremidade sudoeste da ilha de Creta. Causou grande destruição na Grécia Central, norte da Líbia, Egito, Chipre e Sicília; em Creta, quase todas as cidades foram destruídas. Estima-se que o número de vítimas mortais tenha sido superior a 50 000 pessoas.


Ao terramoto seguiu-se um tsunami que devastou as costas sul e leste do Mediterrâneo, particularmente na Líbia, Alexandria e Delta do Nilo, que causou milhares de vítimas e atirou navios até três quilómetros para o interior. O sismo deixou uma profunda impressão nas pessoas da Antiguidade tardia e muitos autores da época referiram o evento nas suas obras.
O historiador romano Amiano Marcelino descreveu em detalhe o tsunami que atingiu Alexandria e outros locais nas primeiras horas do dia 21 de julho de 365. O seu registo é especialmente digno de nota por distinguir claramente as três fases principais de um tsunami, ou seja, um tremor de terra inicial, um súbito recuo do mar e em seguida uma onda gigantesca que entra pela terra adentro. Segundo o relato de Amiano, o tsunami foi precedido de uma grande trovoada, a que se seguiu o recuo do mar, que foi aproveitado por algumas pessoas para apanhar peixes e outras criaturas marinhas que ficaram presas no lodo. Muitos barcos ficaram igualmente presos na lama. Depois o mar voltou a elevar-se ruidosamente «como se tivesse sido insultado pelo seu recuo», derrubando muitos edifícios e afogando muitas pessoas. Muitos navios foram afundados, juntamente com as suas tripulações; outros foram levados até duas milhas para o interior, ficando presos no telhado de casas; tal foi o caso de um navio lacónio que o autor viu perto da cidade de Methone.
O tsunami foi de tal forma devastador em Alexandria que o seu aniversário ainda era comemorado todos os anos na cidade como o "dia do horror" no fim do século VI.


*******************

No final do século IV, a perseguição dos pagãos pelos cristãos havia atingido novos níveis de intensidade. Templos e estátuas foram destruídas em todo o império romano: rituais pagãos tornou-se proibido sob pena de morte, e as bibliotecas foram fechadas. Em 391, o Imperador Teodósio I ordenou a destruição de todos os templos pagãos, eo Patriarca Teófilo cumpriu com seu pedido. Acredita-se que a grande Biblioteca de Alexandria eo Serapeum foram destruídos por este tempo.O Brucheum eo bairro judeu ficaram desolados no século V, e os monumentos centrais, o Soma eo Museu, caíram em ruínas. No continente, a vida parecia ter-se centrado na vizinhança do Serapeum e Cesarum, ambos que se tornaram igrejas cristãs. Os quarteirões de Pharos e Heptastadium, no entanto, permaneceram populosos e foram deixados intactos.
 
A cidade tornou-se progressivamente empobrecido após a ascensão do cristianismo, tanto financeiramente e culturalmente, e tornou-se cada vez mais um campo de batalha entre guerra de religiosas. Foi conquistada pelos sassânidas persas em 619 dC. O Império Bizantino cristão sob Heráclio re-reivindicou a cidade em 628 dC, mas perdeu-o para os árabes muçulmanos invasores sob Califa Umar em 641 dC. As forças dos bizantinos cristãos e os árabes muçulmanos, em seguida, lutaram pelo controle da cidade, e no Egito, até que as forças árabes prevaleceu em 646 dC e do Egito caiu sob domínio islâmico. As igrejas estavam destruídas ou transformadas em mesquitas e a lenda cristã alega que foi nessa época que a grande biblioteca foi queimada pelos conquistadores muçulmanos.

Governo árabe - resumo


Em 616, a cidade foi tomada por Khosrau II, rei da Pérsia. Embora o imperador bizantino Heraclius a recuperasse alguns anos mais tarde, em 641 os árabes, sob o general Amr ibn al-As durante a conquista muçulmana de Egito, capturaram-na decisivamente após um cerco que durou quatorze meses. A cidade não recebeu auxílio de Constantinopla durante esse tempo; Heráclio estava morto eo novo Imperador Constantino III tinha pouco mais de doze anos. Em 645 uma frota bizantina recapturou a cidade, mas caiu para sempre no ano seguinte. Assim terminou um período de 975 anos do controle greco-romano sobre a cidade. Quase dois séculos depois, entre os anos 811 e 827, Alexandria ficou sob o controle de piratas da Andaluzia (hoje Espanha) alguma forma de história de almogávares, para depois voltar às mãos árabes. No ano 828, o suposto corpo de Marcos o Evangelista foi roubado por mercadores venezianos, que o levou à Basílica de São Marcos e lá depoistaram o corpo. Anos mais tarde, a cidade sofreu muitos terremotos durante os anos 956, 1303 e depois em 1323. Depois de um longo declínio, Alexandria emergiu como grande metrópole no momento das Cruzadas e viveu um período florescente devido ao comércio com os acordos com os aragoneses, genoveses e venetians que distribuíram os produtos chegando do leste através do mar vermelho.Isso formou o emirado do Império Ayyubid, onde o irmão mais velho de Saladino, Turan Shah, recebeu uma sinecura para mantê-lo longe das linhas de frente das cruzadas. No ano de 1365, Alexandria foi brutalmente saqueada depois de ser tomada pelos exércitos das cruzadas, liderados pelo rei Pedro de Chipre. Nos séculos XIV e XV, Veneza eliminou a jurisdição e seu armazém de Alexandria se tornou o centro da distribuição de especiarias para a rota do Cabo Português a abrir em 1498, que marca o declínio comercial, agravado pela invasão turca.Houve uma crença persistente mas improvável que a Biblioteca de Alexandria e seu conteúdo foram destruídos em 642 durante a invasão árabe.



Animação 3D do Farol e porto de Alexandria


O farol de Alexandria foi destruído por terremotos no 14o século,  e por 1700 a cidade era apenas uma cidade pequena no meio das ruínas.

O que não foi destruído pela guerra foi levado destruido pela natureza e, por volta de 1323 dC, a maioria dos ptolomaicos da Alexandria tinham desaparecido. O grande farol foi constantemente destruído por terremotos, como foi a maior parte do porto. Em 1994 dC as primeiras descobertas foram dados a conhecer de uma série de relíquias, estátuas e edifícios no porto de Alexandria. Estes têm sido constantemente escavado pelo professor Jean-Yves Empereur e sua equipe que continuam a trazer à luz a idade de ouro perdida de Alexandria.



 Fontes:
Imagem ** Farol da Alexandria
Historia Antigga da Alexandria, Egito
As Footnote/Endnote:
1. Joshua J. Mark, “Alexandria, Egypt,” Ancient History Encyclopedia, last modified April 28, 2011, http://www.ancient.eu /alexandria/.
As Bibliography Entry: Joshua J. Mark. “Alexandria, Egypt,” Ancient History Encyclopedia. Last modified April 28, 2011. http://www.ancient.eu /alexandria/.

Wikipedia: 
Alexandria
Todos os créditos são mantidos nos originais em Inglês, aqui somente inxertos e  tradução.
Sismo de Creta



 Posts futuros para minha orientação

Alexandria a partir do governo árabe até os dias atuais
Biblioteca da Alexandria, a antiga e a moderna
Herakleion, a cidade submersa
O Farol da Alexandria, o antigo e o atual

Espero que tenham gostado de saber um pouco mais sobre esse mundo cheio de mistérios ainda por desvendar.


Cris F,



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário