Translate it!

Os escravos muçulmanos da Bahia em 1835



A revoltta da Bahia Muçulmana (Revolta dos Males)



Desde o ano de 1500 através de 1800, os países europeus estavam envolvidos em uma prática trágica e bárbara conhecida como o tráfico de escravos. Durante este período, mais de 12 milhões de africanos foram abordados em navios e levados para a América do Sul e Norte para trabalhar como escravos. O legado deste tratamento desumano vive hoje, sob a forma de racismo e de desvantagem econômica para os negros nas Américas, e desunião e da guerra na África. Um aspecto da escravidão que tem sido negligenciado nos estudos históricos é o impacto das revoltas de escravos. Escusado será dizer que os escravos africanos não iriam voluntariamente para suas novas vidas. Em muitos casos, eles lutaram contra seus mestres, recusando-se a aceitar a vida que tinha sido dada.
Um dos mais notáveis ​​(e bem sucedida) dessas rebeliões foi a Revolta da Bahia, que teve lugar em 1835 no Brasil. Esta revolta, ao contrário de algumas outras, foi planejada e conduzida inteiramente por muçulmanos. A história de como eles foram capazes de planejar uma revolta em tais condições horríveis e ter um impacto tão grande é notável. O fator mais interessante e definição da revolta foi seu caráter islâmico.


Antecedentes


O Brasil foi originalmente uma colônia Portuguêsa,-se até 1822, quando ganhou sua independência. Independentemente do governo, no entanto, o comércio de escravos passou desde os primeiros assentamentos portugueses até o final do 1800. No estado oriental da Bahia, os escravos representavam cerca de um terço da força de trabalho. Compreender a origem desses escravos é muito importante para a compreensão de como a revolta foi tão bem sucedida. A maioria dos escravos vieram tanto de Senegâmbia (na costa ocidental da África), ou a partir do Golfo do Benim (atual Benin, Togo e Nigéria).
Os escravos dessas áreas foram quase inteiramente muçulmanos. Os Wolofs e Mandinkas pessoas de Senegâmbia eram inteiramente muçulmanos pelos anos 1400 e eram muito instruídos em questões islâmicas, com muitos estudiosos entre eles. O povo Yorubá, Nupe e Hausa de Benin também foram inteiramente muçulmanos desde pelo menos o ano de 1500.


A localização da revolta, Salvador, no Brasil



Quando esses escravos muçulmanos chegaram ao Brasil, levaram consigo as suas crenças religiosas, com a maioria que recusava a apresentação ao catolicismo com seus mestres portugueses e brasileiros. Mesmo como escravos conseguiram exercer uma comunidade islâmica com imãs (acadêmicos), mesquitas, escolas e oração comunitária. Na capital da Bahia, Salvador, onde a revolta teria lugar, mais de 20 mesquitas diferentes existia, que foram sendo construídas por ambos os escravos muçulmanos, e libertos (ex-escravos que conseguiram obter a liberdade).

Organizando a Revolta


Em 1814 e 1816, os muçulmanos da Bahia tentaram organizar uma revolta contra o Português. Eles queriam derrubar a aplicação da lei local, livres todos os escravos, e comandar navios de volta à África. Infelizmente, alguns escravos estavam servindo como informantes para a polícia local, ea revolta foi esmagada antes mesmo de começar, com os seus líderes sendo mortos. Ao longo dos próximos 20 anos, menores revoltas intermitentes por muçulmanos e não-muçulmanos foram recebidas com nenhum sucesso em trazer a liberdade aos escravos da Bahia.
Antes de discutir a revolta em 1835, devemos entender o fator unificador do Islam desempenhado na organização dos escravos. O Wolof, Mandinka, Hausa, Nupe e Yorubá todos falavam línguas diferentes. Enquanto algumas pessoas têm idéias ignorantes sobre a África ser uma entidade monolítica, é um continente diverso de pessoas diferentes, culturas e nações. Esses escravos muçulmanos no Bahia eram tão diversos como um grupo de falantes de francês, alemão, russo e grego. Apesar de suas diferenças étnicas, o fator unificador entre todos eles foi o Islam. O Islam forneceu-lhes uma linguagem comum para falar (em árabe), os costumes comuns, hábitos alimentares e comportamentos. Os muçulmanos da Bahia seriam muito mais ligados a outros muçulmanos de etnia diferente do que os não-muçulmanos que falavam a mesma língua que eles. Ao longo da história islâmica, a unidade, levou a uma maior força e solidariedade.


escravos muçulmanos em Bahia, Brasil



As revoltas fracassadas de 1814 e 1816 forçaram os muçulmanos da Bahia a se esconder. expressões exteriores do Islã foram reprimidos pelas autoridades. Apesar disso, ao longo dos anos 1820 e 1830, os líderes e estudiosos muçulmanos focaram muito em converter outros africanos (sejam eles católicos ou animista) ao Islã. Até mesmo as autoridades brasileiras notaram um aumento no número de pessoas que praticavam o Islã, mas não prestaram muita atenção.
As pessoas que organizaram a revolta eram estudiosos exclusivamente muçulmanos. Devido à força da comunidade muçulmana, eles foram bem respeitados pelo povo e mantido em uma posição de honra e estima. Entre esses líderes eram homens, tais como:
  • Shaykh Dandara - um liberto rico que era um imã
  • Shaykh Sanim - um escravo idosos que estabeleceu uma escola para ensinar as pessoas sobre o Islã.
  • Malam Bubakar Ahuna - o estudioso líder em toda a Bahia, que organizou eventos da comunidade muçulmana

Estes estudiosos muçulmanos, assim como muitos outros, usaram as mesquitas como uma base de operações. Lá eles discutiram planos para a revolta, armazenando armas, e educando os africanos locais. Foi através dessas mesquitas que Malam Bubakar distribuiu seu chamado a jihad (guerra santa, ou resistência militar). Ele escreveu um documento em árabe, que pediu aos muçulmanos para unificar-se em preparação para a vinda revolta contra seus mestres brasileiros.


A Revolta

As autoridades receberam algumas informações que uma rebelião estava se formando, assim que tomou medidas pró-ativas e exilado Malam Bubakar 6 meses antes da revolta foi agendada. Apesar disso, os planos para a revolta já foram finalizados e distribuídos para os muçulmanos em toda Bahia.

Uma cópia de Surat al-Qadr do Alcorão. Ele pertencia a um dos escravos muçulmanos revoltantes da Bahia e é escrito em um estilo Oeste Africano tradicional árabe.

A revolta iria acontecer após a oração do Fajr (amanhecer) em 25 de janeiro de 1835, que foi o dia 27 de Ramadan, 1250 no calendário muçulmano. Alguns muçulmanos consideram o dia 27 como a data mais provável para Laylat al-Qadr, a Noite do Poder, quando o Alcorão foi revelado ao Profeta Muhammad ﷺ. Os muçulmanos da Bahia escolheram esta data na esperança de que o estado espiritual elevado da comunidade oferecesse maiores chances de sucesso.
Devido ao enorme tamanho da revolta planejada, a palavra foi obrigada a chegar a polícia Bahia sobre a revolta. Na noite antes da revolta programada para ocorrer, eles invadiram uma das mesquitas locais e encontraram os muçulmanos armados com espadas e outras armas. A luta que se seguiu levou à morte de um oficial. Assim, a revolta tinha que começar cedo.
Embora algumas horas mais cedo, os revolucionários muçulmanos desta mesquita sairam da mesquita, prontos para começar a revolta na calada da noite. Eles estavam vestidos de branco longo  thobes (túnicas) e kufis  (solidéu) que claramente identificava-os como muçulmanos. Porque a revolta estava programada para começar ao amanhecer, nem todas as mesquitas sairam em revolta, ao mesmo tempo. Independentemente disso, os que se iniciaram na revolta em torno da meia-noite marcharam pelas ruas de Salvador, reunindo outros escravos (tanto muçulmanos e não-muçulmanos) para se juntar a eles na sua revolta. O resto das mesquitas, mesmo unidas, havia cerca de 300 escravos e libertos marchando através da cidade.
Eventualmente, o governador da Bahia conseguiu mobilizar as forças armadas locais para enfrentar os rebeldes. As poucas centenas de africanos agora reuniram mais de 1.000 soldados profissionais com armamento avançado nas ruas de Salvador. A batalha durou cerca de uma hora, e levou à morte de mais de 100 africanos e 14 soldados brasileiros. As autoridades brasileiras claramente venceram a batalha. A revolta nunca conseguiu derrubar o governo local, nem a bordo de navios voltaram para a África. Parecia ser uma falha.

Resultado

Os líderes da revolta, os estudiosos muçulmanos, foram levados a julgamento e mortos. Os numerosos escravos que participaram na revolta foram dadas punições que variam de prisão à amarrações. Embora na superfície da revolta parece haver uma falha, não há mais do que isso.
Após a revolta, um medo geral de africanos, particularmente os muçulmanos, tomou conta do povo do Brasil. O governo brasileiro aprovou leis que levaram a uma deportação em massa de africanos de volta para a África. Um dos objetivos originais da Revolta da Bahia era para serem devolvidos para a África, de modo que isto pode ser visto como uma vitória parcial para a rebelião.
Mais importante, no entanto, a Revolta da Bahia estimulou o movimento anti-escravidão em todo o Brasil. Embora a escravidão continuasse a existir no Brasil até 1888, a revolta começou a discussão pública sobre o papel dos escravos eo benefício ou prejuízo que eles forneciam para a sociedade brasileira. Isto é visto como um dos eventos mais importantes que conduziu para a liberdade para os escravos brasileiros.
É importante notar que o fator determinante único para a Revolta da Bahia foi seu caráter islâmico. Foi organizada e liderada por estudiosos muçulmanos, planejadas em mesquitas muçulmanas, e apoiado por uma população Africano de maioria muçulmana. Sem o Islam como um fator unificador, tal revolta nunca teria sido possível, nem que o efeito que teve ter sido tão grande.
Além disso, o Islam continuou com força no Brasil há décadas. A reação violenta do Brasil para oprimir Islam no rescaldo da revolta não fez nada para acabar com o Islam. Estima-se que em 1910, havia ainda mais de 100.000 muçulmanos em todo o Brasil. Esta é uma prova da força da comunidade muçulmana do Brasil e sua dedicação ao Islam.
Qualquer discussão sobre a história do Islam no Hemisfério Ocidental deve incluir as ações heróicas destes muçulmanos. O Islam não é uma religião nova no Norte e Sul das Américas, trazido por imigrantes recentes do Oriente Médio e Sul da Ásia, como muitos tendem a acreditar. Pelo contrário, é uma religião que influenciou muito o curso da história da América do Sul e Norte no passado, e continuará a fazê-lo no futuro.

Bibliografia:
Shareef, Muhammad. O islâmica Slave revoltas da Bahia, Brasil . Pittsburg: Sankore Institute, 1998. impressão ..

Para saber mais detalhes do assunto pesquise por "A Revolta dos Males"

 

 

 Quem diria, o Brasil impermeado de história islâmica e ninguém sabendo disso, tudo encoberto e negligenciado pela falta de estudo e informação de uma nação. O que poucos sabem, muitos continuam na ignorância.


maa salama

Cris Freitas



Nenhum comentário:

Postar um comentário