,,

Translate it!

O pão da vida "Aish baladi". O pão do Egito com receita


   
meninos vendendo pão no Cairo Antigo

Na cozinha egípcia, jordaniana, iraquiana, israelense, libanesa, palestina e síria, quase todos os pratos saborosos podem ser comidos em ou sobre um pita. Recheios comuns incluem falafel, cordeiro ou frango shawarma, kebab, omeletes como shakshouka (ovos e tomates), hummus, e outros pratos.


Um pouquinho de história


Egito, onde tudo começa!

No Egito antigo, o pão era feito de uma espécie de trigo antigo chamado "Emmer". Naquela época, havia dois tipos de grãos que os antigos egípcios plantaram: trigo e cevada.
Uma descrição da padaria real de uma gravura no túmulo de
 Ramesses III no vale dos reis. Data da 20a dinastia.
O trigo tinha um status importante na economia do Egito Antigo. Não era usado somente para fazer pão; Era também uma forma de pagamento. O trigo era tanto uma mercadoria estratégica do Estado e mantida em abóbadas, bem como um investimento para tempos mais difíceis. Emmer ganhou o seu valor de seu alto teor de fibra, baixo teor de glúten e qualidade orgânica. Era o alimento que os ricos e os pobres comiam, e era uma planta sagrada para deuses egípcios antigos, particularmente Osíris.
grão de emmer
O tempo da colheita era uma grande celebração no Egito Antigo, especialmente quando as orações eram respondidas eo grande rio Nilo inundava generosamente para irrigar diferentes culturas, principalmente o trigo. Ainda hoje, o cultivo de trigo traz felicidade, esperança e agradecimento a Deus pelos agricultores egípcios e suas famílias. Esta tradição de crescimento do trigo, que remonta a mais de 5.000 anos, trouxe o pão achatado egípcio "pão plano Baladi" - um pão muito especial que não é como qualquer outro. Embora possa parecer semelhante ao pão pita em forma, pão plano Baladi tem um gosto muito diferente.
Egípcios antigos assavam o pão de trigo ou cevada emmer, e adicionavam fermento selvagem para ajudar a crescer a massa. Eles usaram para aplainar a massa em uma placa de cozimento redonda e assavam em alta temperatura em fornos construídos a partir de lama vermelha do Nilo. O método e os ingredientes do cozimento remanesceram os mesmos em todas as casas de fazendeiros no Baixo e Alto Egito, desde que o faraós começaram a tradição.
Mas o que é realmente único sobre o pão egípcio?




O verdadeiro sentido da palavra "aish
" عيش = vida


Pão em árabe padrão é "Khobz" خبز , que é a palavra mais comum para o pão nos países árabes, exceto o Egito. No Egito, chama-se 'aish (عيش) ou 'aish baladi (عيش بلدي). A palavra "aish" vem da raíz semitica ع-ي-ش que significa viver ou estar vivo, ou sobrevivência, subsistência.
 
Baladi significa "meu páis", mas a palavra "Aish" é a chave para entender o lugar especial de pão na herança egípcia. Aish significa "vida", que é como os egípcios têm percebido pão desde os tempos antigos. O pão é considerado uma mercadoria que os egípcios não podem viver sem em sua dieta diária. Ele fica em cada mesa, café-da-manhã e jantar. Nunca falha em fazer uma pessoa se sentir completa e feliz. É um termômetro de humor.
mulher vindo da padaria no Cairo
Pobre ou rico, todo mundo come pão. Se uma pessoa não tem dinheiro e está com fome, basta pegar um pedaço de "Aish baladi" e uma xícara de chá. Se um agricultor quer fazer uma pausa de seu trabalho, ele come "Aish", e talvez alguma cebola, rúcula, ou queijo cottage.
O pão é sinal de amizade, amor, lealdade e relações duradouras. Você pode ouvi-la em conversas amigáveis ​​sobre "partir o pão." Aish é uma expressão simbólica da prosperidade, porque tem sido sempre um trabalho e uma fonte de renda seguros para Egipcios de todas as idades durante todo o tempo.

Aish baladi pode ser usado como páo normal, para enrolar sanduiches de kabeb, kebda, falefal, shawerma... e também cortados em pedacinhos e transformados em colherzinhas para mergulhar em molhos e pastas como hummus (pasta de grao de bico) e babaganush (pasta de beringela) e levá-los diretamente à boca. Esse pão é rico em carboidratos e proteínas e pode ser comido diariamente com "fool medames" uma mistura feita de feijao fava, tahine e condimentos.


O outro tipo de pão o "Aish Merahrah"



Aish Merahrah عيش مرحرح é um pão plano egípcio feito com 5-10% de sementes de feno-grego moídas adicionadas à farinha de milho. É parte da dieta tradicional do campones egípcio do Alto Egito, preparada localmente em casas de aldeia. Os pães são planos e largos, e usualmente possui cerca de 50 cm de diâmetro. A farinha de milho é transformada numa massa macia que é fermentada durante a noite com a ajuda de um fermento, em seguida, moldado em pães redondos e deixados crescer por 30 minutos antes de ser achatado em discos redondos, que são cozidos. Este pão pode ser mantido por dias em um recipiente hermético.
aish merahrah

A adição de sementes de feno-grego aumenta o teor de proteína, tempo de armazenamento e digestibilidade do pão. Por outro lado, faz com que o comedor exale um odor distintivo em seu suor, que é ocasionalmente zombado por mais egípcios urbanos.
Eish merahrah é semelhante ao markouk, um pão libanês.





Governo moderno


Shawn Baldwin | Bloomberg | Getty Images
Clientes comprando pão no Cairo, Egito.

No Egito moderno, o governo subsidia o pão, que remonta a uma política da era Nasser. Em 2008, uma grande crise alimentar causou filas de pão cada vez mais longas em padarias subvencionadas pelo governo, onde normalmente não haveria nenhuma; As lutas ocasionais estalaram sobre o pão, conduzindo ao medo do tumulto. Os dissidentes egípcios e observadores externos do antigo regime do Partido Democrático Nacional criticaram freqüentemente o subsídio do pão como uma tentativa de comprar as classes operárias urbanas egípcias para encorajar a aceitação do sistema autoritário; no entanto, o subsídio continuou após a revolução de 2011.
"Aish Baladi" tem sido um amigo querido para os egípcios desde os tempos antigos. Uma oração para obter as bênçãos de Deus durante o tempo de colheita é imortal nos genes egípcios. O país canta pelo pão, celebrando a colheita do trigo.

No Egito o governo tem aprimorado o trigo com suplementos vitamínicos de Ferro e Ácido Fólico para suprir as necessidades diária da população.




"Aish Baladi" não é apenas um alimento para os egípcios; É um reflexo da cultura egípcia e um significado significativo da vida. Assista a este vídeo de 1946, onde os egípcios apreciam o grão através da música e da dança.





**************************

Receita para "Aish Baladi"

1/2 colher de sopa. Levedura seca ativa (femento)
1 1/4 xícaras de água morna
2 1/2 xícaras de farinha de trigo integral
1/2 colher de sopa de sal
Farinha de trigo para polvilhar
Em uma tigela, bata a levedura com água morna e deixe-a até espumar.
Adicione farinha e sal e mexa com as mãos.
Cubra a massa e deixe-a repousar durante uma hora.
Forme bolinhas de tamanho pequeno e deixá-as descansar por meia hora.
Aplaine cada bola de massa em círculos na espessura de meio dedo.
Adicione farinha à parte superior e inferior de cada pedaço de massa achatada.
Asse em uma pedra em um forno a 450 graus se for forno rústico; para forno normal use alta temperatura até as bolinhas incharem e ficarem douradas.

Belhana!
 

Veja como fazer o "aish baladi" ou pitta bread ou o pão pitta egípcio:

 




Extra


Assista essa reportagem feita no Egito (em Inglês legendado) onde eles falam da importância do pão para os egípcios:





Fontes
Arab America
Fotos da web

2 comentários:

  1. Parabéns por sua postagem, dá para perceber em suas palavras o amor que sente por seu país ! Abençoada seja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Helena, escrevo com carinho e mta pesquisa. Mas o país não é meu e sim do meu marido e agora do filho tbm rsrs... eu sou brazuquinha da gema <3

      Excluir