Translate it!

DESCOBERTO UM ANTIGO ZODÍACO DA ARÁBIA



Uma nova descoberta alimenta o debate sobre as ligações entre civilizações árabe-islâmicas e pré-islâmicas.
Foto de capa: inscrição safaitica do Jabal Qurma que descreve uma cena de caça (veja também o site do Projeto Jebel Qurma).
 
Começando ao sul de Damasco e se estendendo até as dunas de areia do Nefud é um deserto de basalto conhecido como Harrah. A área está na maior parte impopulada hoje, mas há dois mil anos nômades percorreram esta região, buscando pastagens e água. A testemunha mais notável das vidas de sua população antiga são as dezenas de milhares de inscrições que adornam as rochas do deserto. Estes textos estão escritos em um alfabeto árabe indígena conhecido como Safaitic e expressam uma forma de Árabe antigo, talvez diferente do árabe clássico, a língua da civilização islâmica, como o inglês de Beowulf é de Chaucer.
As inscrições safaiticas são notoriamente difíceis de entender, e muitas delas contêm conjuntos de palavras enigmáticas re-ocorrendo que desafiam a interpretação. Desde a descoberta dessas inscrições há mais de um século, os estudiosos sempre assumiram que esses termos misteriosos eram o nome dos lugares. Ao considerar não apenas suas etimologias, mas a forma como eles padronizam com as estações e outras informações cronológicas, mostrei recentemente que eles são, de fato, os nomes das constelações eclípticas, o zodíaco e costumavam calcular o tempo.
O zodíaco do tempo islâmico usou nomes dos sinais que eram traduções claras do aramaico ou do grego. O antigo zodíaco árabe, por outro lado, tem raízes muito mais antigas, voltando para a Babilônia. Quase todo conhecimento desta antiga tradição parece ter sido perdido pelo período islâmico clássico. Al-Ṣūfī, o astrônomo persa do século 10, afirmou que o zodíaco era desconhecido para os árabes pré-islâmicos. Sua descoberta nas inscrições safaiticas não só prova o contrário, mas também sugere vínculos culturais muito mais próximos entre os nômades pré-islâmicos da Arábia e as grandes civilizações do Crescente fértil do que costumava ser assumido.


O Zodíaco Árabe


Possíveis representações mitológicas de asterismos na arte rupestre (imagem do site do projeto Jebel Qurma).


O zodíaco árabe não corresponde nem perfeitamente aos sistemas grego / aramaico nem babilônico, mas parece estar em algum lugar entre os dois. Os nomes de três das constelações, Peixes, Touro e Capricórnio, estão mais próximos dos signos mesopotâmicos. Em grego e aramaico, Pisces é representado por um peixe, enquanto o Safaitic ḏayl ('tail') corresponde ao nome babilônico zibbātu ('as caudas'). 
Os babilônios chamaram Taurus alû ("o touro dos céus"), e Safaitic'a'lay parece ser derivado da mesma fonte. O termo árabe para Capricorn, ya'mūr , tem vários significados nos dicionários árabes clássicos - uma fera selvagem; um animal que se assemelha a uma cabra, com um único chifre ramificado no meio da cabeça; um certo animal do mar. Combinando estes, a imagem do signo babilônico, um híbrido de cabra e peixe, toma forma.

A maioria das outras constelações corresponde ao significado com os sinais aramaicos / gregos, mas seus nomes ainda diferem dos encontrados na tradição árabe clássica. Alguns sinais são reimaginados. Aquarius é um trabalhador de sal ou vaso em vez de um pote de água. Gemini é chamado de gamal , o que provavelmente reflete uma re-interpretação da constelação como Camel.

O nome de Scorpio,' qqabat , está aberto a duas interpretações. Embora seja provavelmente derivado da palavra semítica normal para escorpião,' aqrabat , uma interpretação mais aventurosa é possível: o termo pode ser relacionado ao árabe'uqāb ('a águia'). A conexão astrológica entre Escorpião e a águia é bem conhecida nos tempos cristãos, mas nenhuma evidência clara para essa associação ainda foi descoberta nas fontes antigas. Alguns estudiosos sugeriram que Escorpião foi representado por uma águia em alguns versos no Novo Testamento e na Bíblia hebraica. Em Apocalipse 4: 7, João encontra quatro criaturas:

"E a primeira besta era como um leão, e a segunda fera como um bezerro, e a terceira fera tinha um rosto como homem e a quarta besta era como uma águia voadora"
Esta declaração faz eco da famosa visão de Ezequiel (1:10) de quatro querubins:
"Cada um tinha um rosto humano na frente, o rosto de um leão no lado direito, o rosto de um boi no lado esquerdo e o rosto de uma águia nas costas".

Alguns estudiosos rabínicos interpretaram a visão de Ezequiel como referências aos signos do zodíaco, o leão = Leo, o boi = Touro, o homem = Aquário e a águia = Escorpião. Se isso é correto e se o termo Safaitic de fato deve ser traduzido como "águia", o zodíaco árabe pode fornecer a primeira evidência clara para a representação desta constelação por uma águia na antiguidade. Isso também poderia implicar que o zodíaco árabe deriva da mesma fonte - agora perdida - como o zodíaco conhecido pelos autores bíblicos.
As implicações históricas completas desta descoberta ainda não são claras, e muitas questões permanecem abertas. Os árabes emprestaram o zodíaco dos babilônios durante a sua expansão para a Arábia ou representa uma tradição cultural mais antiga e compartilhada? Seu status intermediário entre os nomes babilônicos e gregos dos sinais revela a disseminação do zodíaco no Oriente Médio e no Mediterrâneo oriental? Por que todo o conhecimento desse zodíaco em particular desapareceu no período islâmico? Não importa como essas perguntas são respondidas, sua descoberta sublinha um fato inescapável: a imagem da Arábia pré-islâmica apresentada nas fontes literárias da era abadesa está incompleta. A história cultural, religiosa e linguística pré-islâmica da Arábia está apenas começando a ser escrita, e o registro epigráfico é essencial.Posted on in Geschiedenis / History
 ******
Nota da blogueira:
Esse post é um artigo já antigo de 2014, mas esclarece que o Zodiaco já era estudado muito antes dos tempos atuais. Seguindo esse post, no próximo, para não ficar muito extenso, mostrarei os nomes dos Signos Zoadiacais e estou preparando cartas para você imprimir e ter seu baralho zodiacal árabe. Não é legal?

Manuscritos do zodíaco árabe, século XVI-século


2 comentários:

  1. Com certeza a astrologia era do conhecimento dos povos antigos, principalmente dos árabes que, juntamente com os hebreus, foram os responsáveis por espalhar estes ensinamentos para outras partes do mundo. As doze tribos de Israel que constam na Torá é uma forma metafórica de se referir aos doze signos zodiacais. Creio que, da mesma forma que os hebreus, os árabes também possuíam suas metáforas e mitos para ilustrar as doze constelações zodiacais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim na Biblia tambem achamos mtas metaforas relacionadas ao zodiaco, assim como no alcorao... de alguma forma os céus sempre nos ajudam.

      Excluir