Translate it!

DIFERENÇA ENTRE: EMIR, VIZIR, SULTÃO, XÁ e KHALIFTA (KALIFA)





Os dois termos que vamos cobrir primeiro serão o khalifa e o emir. Por quê? Porque, dentro da história islâmica, eles foram usados ​​primeiro (o termo xá foi usado para se referir aos reis persas antes da vinda do Islã, mas discutiremos isso daqui a pouco).

Khalifa

Após a morte do Profeta, o califa ou califa foi visto como o sucessor do Profeta (que é de onde vem a palavra). O khalifa era o líder da comunidade muçulmana, tendo autoridade política e religiosa, e estava encarregado de manter a segurança dos muçulmanos enquanto assegurava que o islamismo não só seria preservado, mas também se espalharia.

O califa não foi visto como tendo qualquer atributo profético ou divino - sua autoridade religiosa veio de estabelecer o que estava no texto revelado (isto é, o Alcorão) e os ditos / práticas do Profeta (a Sunnah).
No entanto, o que é importante notar é que o termo khalifah não foi necessariamente usado pela comunidade primitiva, ou mesmo pelo próprio califa. Na verdade, encontramos pessoas usando termos como "emir" ("comandante") mais e, às vezes, "imã" (líder). Por exemplo, o segundo khalifah, 'Umar ibn al-Khattab, na verdade preferia o título Emir al-Mu'mineen (Comandante dos Fiéis). Então, para sua compreensão, a fim de evitar qualquer confusão, apenas saiba que na comunidade primitiva nós vemos os termos khalifah, emir e imam sendo usados ​​indistintamente para se referir à mesma pessoa - o líder da comunidade muçulmana.

Emir

Após a expansão do Islã, o termo "emir" começou a ser usado para se referir aos governantes que declararam lealdade ao khalifah, mas estavam no controle de suas próprias áreas ou províncias. Depois que o califado se espalhou a um grau enorme, tornou-se difícil para o califa manter autoridade direta sobre todas as áreas sob seu governo, então ele confiava em seus emires para governar certos territórios. Posteriormente, o termo "Sultão" ("poder" ou "autoridade") também começou a ser usado para se referir a tais governantes ou governantes. No entanto, com o tempo, emires e sultões atuariam como governantes independentes. O primeiro grande exemplo disso foi o governante Ibn Tulun, que em 868 declarou independência do califado abássida, embora mantendo a lealdade nominal ao califa desde que o califa ainda era visto como o governante de todos os muçulmanos. Assim, emires e sultões eram pessoas com autoridade política, mas sem autoridade religiosa.

Vizir

O termo "vizir" era usado para oficiais do governo ou conselheiros para o respectivo governante - havia vizires para califas, sultões e emires. Mas havia casos em que, se o governante era jovem demais ou se tornava fraco, o vizir realmente manteria o controle e às vezes se tornaria o governante efetivo. Vemos isso acontecer, por exemplo, nos últimos estágios do califado espanhol-omíada e durante os últimos estágios do califado fatímida antes da chegada de Salah al-Din (Saladino).
Embora a autoridade tecnicamente religiosa permanecesse com o califa, vemos a ascensão dos ulama, ou eruditos islâmicos, a partir dos séculos VIII e IX, que acabam ganhando mais autoridade religiosa do que o califa. Isso pode ser visto como um problema, uma vez que, após o século IX, o califado abássida havia se desintegrado em vários sultanatos ou emirados - agora o califa não tinha poder político real, e sua autoridade religiosa estava nas mãos de eruditos. Assim, por volta de 945, quando a dinastia Buyid invadiu Bagdá (onde residia o califa abássida), o califa era apenas uma figura sem poderes reais. E após a invasão mongol de Bagdá em 1258, durante a qual o califa abássida foi morto, houve um grande alvoroço sobre como proceder - os muçulmanos são religiosamente obrigados a ter um califa ou o equilíbrio de poder entre sultões / emires e eruditos? forma viável de regra? De fato, em 1261, o sultão mameluco Baybars na verdade nomeou um califa da linhagem abássida, que provou que o califa era agora apenas um instrumento usado para manter a legitimidade - o poder real estava nas mãos do sultão e dos eruditos. O debate sobre se os muçulmanos são ou não obrigados a ter um califa continua até hoje.

Agora, quanto a "xá", que significa "rei" ou "imperador", esse termo estava restrito à Pérsia e à índia. A verdadeira palavra shah começou a ser usada durante o primeiro império persa, o Império Aquemênida, a partir do século VI aC, portanto, muito antes da chegada do Islã. No entanto, depois que o domínio islâmico se espalhou pelas terras do leste, mais tarde com a ascensão da dinastia xiita Safávida no século 16 na Pérsia e a dinastia mogol sunita na Índia, vemos o termo xá sendo usado para se referir aos governantes muçulmanos. No caso dos safávidas, o xá possuía autoridade política e religiosa, e era considerado divinamente selecionado (eu era escolhido por Deus).

No contexto moderno, nós realmente vemos os termos sultão, emir e xá sendo usados corriqueiramente. Por exemplo, há o emir do Qatar, o emir do Kuwait e o sultão de Omã. Eles são apenas títulos para os governantes dessas áreas específicas. O termo xá foi usado no Irã até a dinastia Pahlavi no século 20, que foi removido na revolução iraniana de 1979.


Leia Mais ►

Leia Mais ››

OS SEGREDOS ESCONDIDOS DE ALEXANDRIA - SUAS CISTERNAS SUBTERRANEAS


Galerias das cisternas subterraneas de Alexandria, Egito


Talvez o que voce vai ler aqui agora irá lhe surpreender, pois, não se encontra em livros didáticos ou em artigos dispostos na internte na língua Portuguesa. Esse trabalho faz parte das minhas pesquisas e traduçoes. Caso use para seu trabalho nao deixe de citar o blog.



Nos últimos anos, a descoberta de artefatos sob as águas do litoral de Alexandria fez grandes manchetes, mas o solo sob as ruas da cidade também está revelando muitas novas descobertas do antigo Egito . Houve túmulos encontrados e explorados, mas uma das descobertas mais surpreendentes é a do antigo sistema de cisternas da cidade.
Mapa de Alexandria e a cisterna aberta a visitaçao al Nabih



Os estudiosos de Napoleão contaram apenas quatrocentos após a invasão do Egito, mas algumas décadas depois, Mahmud el-Falaki listou setecentos. Em 1990, havia apenas uma antiga cisterna que poderia ser visitada, chamada el-Nabih. As outras estavam perdidas para nós, apenas lembranças de um passado distante. No entanto, dez anos depois, graças aos esforços de alguns arqueólogos muito dedicados, muitas dessas maravilhas esquecidas são novamente encontradas.

Como Constantinopla, Alexandria era uma cidade de cisternas. Quando Khedive Ismail instruiu el-Falaki a traçar um plano da cidade antiga, o livro resultante, publicado em 1872, explica que Alexandria estava "sobreposta a outra cidade de cisternas, cujas ruas são canais subterrâneos".


Esboço de uma cistena


As cisternas de Alexandria tiveram seus momentos na história. O desenvolvimento de Alexandria sempre dependeu da qualidade de suas águas, mas em suas "Guerras Alexandrinas", César descobriu o quão importante elas poderiam ser. Depois de ter se fortalecido e entrincheirado no grande teatro, os alexandrinos fizeram com que os poços de que ele dependia fossem inutilizados, contaminando-os com água do mar. Nos dizem que:



Enquanto que mais abaixo foi encontrada para ser relativamente impura e salobra. Essa circunstância dissipou suas dúvidas, e tão grande foi o pânico que se apoderou deles que parecia que todos estavam reduzidos a uma situação extremamente perigosa, e alguns afirmaram que César estava sendo lento em dar ordens para embarcar ".


César acabou resolvendo o problema afundando poços no lençol freático. No entanto, ele quase perdeu a guerra que estava travando contra os alexandrinos porque ele não tinha controle sobre as cisternas.






A água para casas e edifícios era retirada das cisternas com a ajuda de saqiehs (moinho ou roda d'água), consistindo de rodas com jarros. Thevenot descreveu-os como: "Estes dispositivos de levantamento consistem em uma roda com um laço de corda ao qual estão presos vários potes de barro (como o rosário); estes se elevam cheios de água e derramam em um canal que o traz onde quer que seja desejado "

saqieh - sakia ou roda d'água

saqieh - dispositivo para retirar água das cisternas


Os alexandrinos confiaram em um canal de vinte quilômetros de comprimento, escavado da ramificação canópica do Nilo, para assegurar um suprimento regular e controlado de água mais antiga da cidade da história . A manutenção deste canal foi uma preocupação perpétua, não só durante o período greco-romano do Egito, mas também nas dinastias muçulmanas arcaicas. Qualquer número de inscrições e textos literários mencionam a limpeza, ampliação e reparos deste canal. Por exemplo, uma inscrição escrita em grego e latim, encontrada perto do Portão Canópico, registra que Augusto renovou o canal entre os anos dez e onze da era comum, afirmando que "O imperador César, filho de um deus, Augusto, sumo sacerdote Trouxe o rio majestoso a Schedia, para que ele [...] flua por toda a cidade. [Dado] quando Caio Júlio Áquila era prefeito do Egito, no ano 40 de César ".


Em 1318, Abul Feda, Príncipe de Hama e um parente dos Aiúbidos, falou do canal, afirmando que "o canal que vem do Nilo é uma visão encantadora. É íngreme, coberto de vegetação em ambas as margens. e rodeado de jardins. Um poeta chamado Dhafer também elogiou, dizendo: "quantas vezes ele ofereceu aos seus olhos na luz da noite uma visão que encheu seu coração com o mais puro deleite!" 
Henry V da Inglaterra instruiu Ghillebert de Lannoy a informe-lhe sobre o estado da região em conexão com um plano para restabelecer um reino cristão em Jerusalém e em 1422, ele escreveu:


Cisterna al Nabih

Cisterna Evanghelismo 

"Debaixo das ruas e casas, toda a cidade é oca. Sob o solo há condutos cobertos de arcos, através dos quais os poços são enchidos uma vez por ano pelo rio Nilo. E se não fosse assim, eles não teriam água doce na cidade, já que chove muito pouco ou nada e não há poços nem fontes naturais na cidade A trinta quilômetros daqui, partindo de uma aldeia no Nilo chamada Hatse, um canal artificial começa Ele corre por uma milha perto da cidade, ao longo das muralhas e desemboca no mar no Porto Velho [Porto Ocidental].no final de agosto e durante todo o mês de setembro, o rio Nilo, que sobe consideravelmente nessa época do ano, flui por esse canal para encher todos os poços da cidade por um ano, e também os poços fora da cidade, que são usado para regar os jardins ".







Os estudiosos de Napoleão também mencionam os buracos, e Ghillebert de Lannoy registra uma grade de ferro no ponto em que os canais do sul ao norte se ramificam do canal principal. Emmanuel Piloti nos diz que:


"A cidade de Alexandria está situada em um lugar sem água, e só tem poços de água salobra. Mas cada casa é construída acima de uma câmara subterrânea, na qual há uma cisterna que se enche de água. Assim, todo ano após o dilúvio do Nilo, graças à vala feita pelo homem descrita acima - esta vala é chamada caliz - pela qual a água alcança as paredes de Alexandria, há uma passagem onde há uma abertura com uma grade de ferro, e as águas entram pelas condutas nos poços da cidade".

A grade de ferro não era um filtro, mas sim um portão para impedir que intrusos tomassem a cidade por meio dos aquedutos subterrâneos.

A água trazida pela enchente do Nilo não era prontamente potável. Estava cheio de lama, e os visitantes de Alexandria relatam como as pessoas esperavam a água passar enquanto bebiam o que havia sido fornecido no ano anterior. Villamont, em 1590, escreve:


"A água nas cisternas em que chegou recentemente, é muito ruim para beber, causando febre e disenteria, que geralmente matam os afetados. Assim, os moradores que são cuidadosos com sua saúde, mantêm a água do ano anterior para usar até novembro ".


Em 1672, o padre Vansleb, que foi enviado ao Egito para comprar papiros por Colbert, descreve em mais detalhes os esforços feitos para limpar a água do lodo e das impurezas:


Tem quase dois terços de sua abertura emparedada, de baixo para cima, de modo que apenas uma pequena abertura é deixada, através da qual as águas do calitz entram, como se através de uma janela. Mas porque estão muito sujas durante os primeiros três dias, e porque a cisterna logo ficaria cheia de sujeira se a água tivesse permissão para entrar livremente durante esse tempo, os responsáveis ​​pelo abastecimento de água da cidade para evitar esse inconveniente, Imediatamente deixam a abertura deste canal emparedada e aguardam neste estado por três dias, após esse tempo eles vão para a boca do canal, acompanhados de uma multidão de pessoas para desbloqueá-lo e permitir que a água entre até que as cisternas estejam cheias. O dia desta abertura é de grande alegria para toda a cidade ".




A partir do século XIV e por cem anos antes da invasão otomana, o canal declinou, e Alexandria também . O galho canópico, que alimentava o canal alexandrino, rapidamente assoreava e, quando Mohammad Ali o colocou de volta em serviço, ele teve que estendê-lo para leste em cerca de cinquenta quilômetros até o braço Bolbitino do Nilo , que deságua no mar perto de Roseta. .




Localizado na Sharia Sultan Husayn, cerca de 200 metros ao norte da principal artéria da cidade antiga (a rua Canopic), até muito recentemente a única cisterna sobrevivente (conhecida) chamada el-Nabih é muito impressionante. Chega-se a ela descendo um lance de degraus até uma janela que oferece uma visão dramática de colunas antigas que se erguem sobre três andares. Existem quatro filas de colunas, cada uma ligada por arcos delicados, perfazendo um total de quarenta e oito colunas. Há uma estranheza aqui, como se encontra capitais antigas finamente esculpidas reutilizadas como bases para apoiar eixos de granito de Aswan encimado por bases iônicas de mármore branco que servem como capitais. É realmente uma confusão de elementos arquitetônicos, com capitais de todas as formas, exceto especialmente as capitais coríntias do período romano, com folhas de acanto finamente esculpidas feitas de mármore das Ilhas dos Príncipes.
Cisternas al Nabih


Até agora, quase cem cisternas foram identificadas no local, mas as investigações continuam. Algumas novas cisternas foram encontradas no distrito adjacente à antiga Heptastadion, e outra ao lado do forte de Qait Bey. De fato, Jean-Yves nos informa que não passa um mês que outra cisterna não é adicionada à sua lista. Espera-se que a sua obra, juntamente com os seus associados, sirva de base para a restauração, aperfeiçoamento e apresentação ao público das mais antigas cisternas de Alexandria .

Vinte anos atrás, a maioria das pessoas experientes em viagens egípcias acreditava que havia muito pouco interesse em Alexandria, mas hoje, à medida que o interesse cresce, mais e mais ruínas estão sendo desenterradas, e algumas estão apenas sendo lembradas.
Atualmente cissternas contem água porem nao potavel


Segunda Guerra Mundial


Quando as cisternas foram convertidas em abrigos antiaéreos no início da Segunda Guerra Mundial, níveis inteiros do sistema foram reforçados com concreto. O resultado foi uma série de longas vielas que poderiam ser usadas para proteção. As acomodações não eram luxuosas - ofereciam pouco mais que ar fresco, água potável e bancos de madeira -, mas eram melhores que nada.
 


Abrigo de bomba sob as ruas de Alexandria



Recursos:

As informações deste artigo são extraídas principalmente de:

Alexandria redescoberta, Imperador, Jean-Yves,1998 Imprensa do Museu Britânico ISBN 0-7141-1921-0
          http://www.chriskuzneski.com
          http://www.touregypt.net 


VIDEO
Voce pode colocar as legendas automaticas em Portugues! 
Até o século 19, Alexandria era um lugar de canais e cisternas. A cidade subterrânea era quase tão vasta quanto aquela acima e sem o suprimento anual de água potável, Alexandria nunca teria conhecido a notável história que é sua. Fundada no século IV aC e logo a nova capital do Egito, a provisão essencial e regular de água potável para a cidade era fornecida por um canal que era escavado do Nilo até os portões da cidade. Dentro do coração urbano, uma complexa rede subterrânea garantiu as necessidades diárias de consumo doméstico e industrial. Este filme, baseado na pesquisa de Isabelle Hairy, arquiteta-arqueóloga do Centre d'Etudes Alexandrines, mostra como os antigos enfrentaram e superaram o problema de uma cidade fundada longe de um suprimento de água e como suas idéias permitiram que Alexandria se tornasse uma só. das grandes metrópoles do mundo mediterrâneo. 




Espero que tenham gostado de mais uma curiosidade dessa terra maravilhossa que é o Egito.

Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos




Leia Mais ►

Leia Mais ››

CAMINHE PELOS PORTOES DO TEMPO: CAIRO ISLAMICO




O renomado egiptólogo e historiador Ahmed Seddik nos leva em uma excursão literária pelas ruas Khan El Khalili e Al Muez, descobrindo os segredos do Cairo islâmico antigo ...

Em 969 dC, o bom comandante fatímida conquistou o Egito. Ao norte da primeira cidade muçulmana, Al-Fustat, uma nova cidade real estava em formação. Dizia a lenda que Jawhar tinha a área da futura cidade cercada por cordas que levavam sinos para dizer aos operários em espera que tocassem uma sinfonia de construção ao som de um momento oportuno. Um momento que os astrólogos declarariam. Antes que os astrólogos tivessem alguma pista, pássaros surgiram do nada e caíram nas cordas. Esse barulho de sinos alertou a força-tarefa para mudar de rumo e começar a construir. Os astrólogos achavam que, se não fossem consultados, seriam insultados. Eles olharam para cima e Marte estava subindo. Eles disseram que vamos chamá-lo de al-Qahirah, árabe para Marte. A cidade de Marte marcou um novo começo, como uma cidade palaciana murada para o condomínio fechado da elite dominante.
Portais Zweila - bab Zweila

Enquanto viajamos para desvendar as muitas camadas maravilhosas que os potentes atores políticos aplicaram à Cidade Vitoriosa, olhamos para as portas da glória e das fachadas da fama; uma porta para adorar, uma entrada fascinante para um edifício edificante. Entramos pelo portão de Zewaila. Como se o portão não fosse famoso o suficiente, o sultão Almu'ayyad acrescentou os minaretes gêmeos no topo. Aqui, o sultão otomano Selim, o Sombrio, realizou a execução pública mais famosa do último sultão mameluco, Tomanbay, no século XVI. 
Nossa jornada para o norte pela rua cintilante de Al-Muez nos leva a Khan al-Khalili, talvez o mais antigo mercado de gêneros no mundo. Em 1382, Al-Khalili, o mestre de cavalos do sultão Barquq, cavou os cadáveres dos califas fatímidas para dar lugar a seu cã. Al-Khalili vem de Al-Khalil, árabe para Hebron e um amigo. 
Souq Khan al Khalili

O coração de Al-Muez é Bayn al-Qasrayn, isto é, entre os dois palácios; o palácio oriental e o palácio ocidental. No entanto, você não verá nenhum palácio fatímida. Saladino demoliu os palácios fatímidas e abriu toda a cidade para todos os egípcios. Saladino triunfou e os fatímidas caíram como vítimas da vitória.  
Enquanto a família de Saladino não reinou por muito tempo, deixou um legado eterno, os mamelucos. A dulocracia, ou o domínio dos escravos, logo se tornaria a regra e não a exceção. Mameluco é árabe para um escravo. O último e poderoso Sultão Aybubid Najm al-Din tinha muitos mamelucos em seu palácio. Aqueles mamelucos foram comprados jovens. Eles foram treinados em árabe e apresentados ao Islã. Em poucas palavras, eles receberam a melhor educação possível.  
Quando se formaram, foram libertados e ligados ao exército profissional. Dada a qualidade de sua educação, os mamelucos estavam qualificados para subir aos mais altos cargos no governo - e eles o fizeram. Enquanto isso, Najm al-Din se casou com uma bela escrava e deu a ela o nome de Shagar El Dorr; madrepérola. Essa astuta e perspicaz senhora de contas levou seu marido à grandeza e ao trono do Egito. Quando Najm al-Din morreu enquanto lutava contra os cruzados, Shagar El Dorr não deu a notícia de sua morte para não quebrar a moral do exército egípcio - sua política era um triunfo. 
Complexo Qalawun 

Tendo derrotado as cruzadas, ela se declarou sultana em 1250. No entanto, sob pressão das nações vizinhas, ela abandonou o trono. Por pura gratidão, Shagar El Dorr ergueu um edifício para homenagear Najm que elevou sua estrela da escravidão à realeza. Em frente  ao mausoléu de Najm está o complexo do sultão Qalawun no meio da rua Al-Muez.






Orgulhoso que seu mestre Sultan Ayoub o comprou pela grande soma de mil dinares, Qalawun acrescentou a seus títulos Al-Alfy, do árabe por mil. Qalawun trouxe a Idade de Ouro para os mamelucos e fundou uma dinastia que permaneceu no trono por um século inteiro, seu edifício que consiste em um hospital, madrassa, mausoléu e mesquita fala por seu apogeu.
 
Andar alguns séculos atrás no deserto desolado do sol teria estimulado sua sede de conhecimento e água também. 
O Sabil (fonte de agua potavel) de Mohamed Ali é uma maneira de dar água aos viajantes no caminho de Allah. Muhammed Ali estabeleceu este sabil para homenagear seu filho. Cada sabil é sustentado por uma enorme cisterna de armazenamento de água. 
Este sabil foi transformado no Museu Têxtil Egípcio, que é adornado com tecidos requintados antigos que são egípcios, coptas e islâmicos. É uma cápsula do tempo entrelaçada no tecido da cidade fatímida.





Para um sabil otomano mais antigo, continue para o norte e você encontrará o Sabil-Kuttab de Abdel-Rahman Katkhuda. É um cosmos composto por uma escola para crianças fundada em uma fonte de água. Um local de sorte onde a espinha se divide em duas, uma pista visual alusiva à nomeação da rua al-Qasaba, árabe para traqueia. 

Sabil-Kuttab of Abdel-Rahman Katkhuda

Os fatímidas adoravam nomes coloridos. O nome desta mesquita, al-Aqmar, significa o luar, baseado na luz brilhante do calcário. Embora seja uma pequena mesquita, ela introduz uma infinidade de novos recursos arquitetônicos; tem a mais antiga fachada completamente entalhada de uma mesquita; a primeira aparição das estalactites; a fachada está alinhada com a rua. Acima, à direita e à esquerda, você vê uma lâmpada esculpida na parede. Esta é a fonte das lâmpadas em todos os monumentos fatímidas, desde que as lâmpadas fatímidas desapareceram há muito tempo, e você confia em um alívio da crença.
Mesquita al Qamar 

Agora vamos fazer um desvio e virar à direita para a rua al-Darb al-Asfar para ver um bayt, árabe para uma casa. Bayt Al-Suhaymi pertenceu a uma família abastada e recebeu o nome do último residente aqui. A casa medieval de Al-Suhaymi exibe elementos mamelucos e otomanos. Ande pelo portão, você vê uma parede. Vire à direita, você ainda vê nada além de uma parede. Isso se deve a uma fascinante característica de conto de fadas cujo professor está na arquitetura medieval doméstica - a entrada entortada. Ao dobrar a entrada, é uma oportunidade de melhorar a privacidade dos habitantes estelares e diminuir o dawsha (o barulho do egípcio) nas movimentadas ruas do Cairo. Vire à esquerda e um belo jardim enfeita seus olhos. Caminhe para o norte e você alcança uma vasta área de recepção. Atrás é um espaço para os empregados, bem como um segundo poço de água e um moinho de moagem. 

Bayt Al-Suhaymi


A maioria dos quartos é versátil, com um estilo que nos remete aos otomanos. A casa é terrivelmente ventilada através da orientação para o norte e através de uma entrada de vento para pegar o vento frio do norte. No interior, você tem seu próprio banho e vapor, um sinal de riqueza para os homens de estima. A malha da mashrabiya decora lindamente e ventila a casa de modo que as mulheres possam ver de onde não podem ser vistas por trás de uma tela.
 
Finalmente, chegamos a Bab Al-Fotouh, o ricamente decorado Portão das Conquistas, que deve sua ornamentação à sua função e localização no extremo norte da cidade fatímida do Cairo. É aqui que os sultões saíram para conquistar. 

Bab Al-Fotouh
Fotos cortesia de Ahmed Seddik  e outras da net.

ROTEIRO PARA TURISMO NO CAIRO ISLAMICO (alguns pontos):
1) A Cidadela: Mesquita de Mohammed Ali (1830-48); 
2) O “Relógio” que o rei Luís Felipe da França presenteou, em agradecimento ao obelisco faraônico que decora a Praça da Concórdia, em Paris. Ele foi danificado no transporte e nunca consertado; 
3) Mesquita de Ibn Tulun (876-879) - minarete espiralado. Primeiros arcos pontudos; 
4) Mesquita-Madrassa de Umm Sultão Sha’aban; 
5) Mesquita de Al-Maridani (1339); 
6) Mesquita de Qijmas al-Ishaqi (1481); 
7 e 8) Bab Zuweila - Portão do Sul: escalar as muralhas. As vistas proporcionadas pelos dois minaretes sobre o portão, estão entre as melhores da região. Um dos cinco pilares do Islã: rezar 5 vezes por dia. Estar no topo do minarete ao meio-dia (segunda oração); 
9) Mesquita de Al-Azhar 970 d.C. Segunda instituição educacional mais antiga do mundo; 
10) Um dos portões medievais em Khan al-Khalili (mercado). 

Anote os principais pontos e ao ir fazer turismo no Cairo nao deixe de visitar esses lugares e ver de perto a historia da humanidade. 

Esse artigo foi retirado do site Cairoscene em 2012 e traduzido por Cris Freitas nos Emirados Arabe Unidos, nao deixe de citar as fontes em seu trabalho!

Leia Mais ►

Leia Mais ››

EGITO: GUERRA CONTRA O LIXO NAS RUAS





O ministro do Desenvolvimento Local, Khaled Kassem, afirmou que o ministério começará um sistema de limpeza que eliminará todo o lixo nas ruas do Cairo e de outras províncias dentro de três meses.De acordo com o jornal Egito Hoje, o parlamento egípcio emitirá uma nova lei do lixo na próxima reunião parlamentar. Uma vez que o National Waste Managment Holding, um grupo de gestão de resíduos, for inaugurado, os governadores entregarão estudos abrangentes sobre o novo sistema de limpeza; um sistema de limpeza que irá coletar o lixo e movê-lo para unidades de reciclagem e estações de tratamento de resíduos.O Egito vem lutando com o problema da eliminação de resíduos há anos.De acordo com a Agência Central de Mobilização Pública e Estatísticas (CAPMAS), 44,8 por cento das famílias locais jogam o lixo nas ruas do Egito a partir de 2017. A Agência de Assuntos Ambientais também relatou que os egípcios usam cerca de 12 bilhões de sacolas plásticas por ano causando danos ambientais.



No entanto, tem havido muitos esforços do setor público e privado para resolver o problema do lixo do Egito. Em maio, o ex-ministro do Meio Ambiente, Khaled Fahmy, afirmou que o Cairo recebeu equipamentos EGP de 300 milhões de dólares para estabelecer um novo sistema de gerenciamento de resíduos em Kafr Al Sheikh.Anteriormente, o ministro do Meio Ambiente, Khaled Fahmy, anunciou em 31 de maio que a província do Cairo conta com equipamentos no valor de 300 milhões de dólares para implementar o novo sistema de gestão de resíduos que começou em Kafr Al-Sheikh.Quatro novas usinas de gerenciamento de resíduos devem operar nas províncias de Kafr Al-Sheikh, Qena, Assiut e Gharbiya com a ajuda das autoridades egípcias, do Banco de Construção da Alemanha e da União Européia (UE). O Gabinete Egípcio também endossou um novo sistema de gestão de resíduos a ser estabelecido em Al Wadaa Wal Amal, no Cairo.Para aumentar ainda mais a conscientização sobre o problema de plástico local, o Ministério do Meio Ambiente iniciou uma campanha ' Chega de sacolas plasticas ' em colaboração com a UE em junho de 2017, para reduzir o uso de plástico, especialmente sacolas plásticas. O ministério distribuiu cerca de 4.500 sacolas biodegradáveis ​​em todo o país desde o lançamento da campanha.



Os empreendedores locais também contribuíram para resolver o problema do plástico transformando lixo em itens de moda. Empresas locais como Upfuse e Reform criam bolsas, sapatos e cadeiras de sacos plásticos.Parece que os egípcios estao gradualmente seguindo o exemplo de vários países africanos que adotaram a prática. Em 2008, o Ruanda impôs uma proibição total de sacolas plásticas finas com o Uganda, seguindo o exemplo. A Etiópia e a Tanzânia estão debatendo a causa, enquanto o Marrocos a proibiu também; A Tunísia lançou uma proibição da distribuição de sacos de plástico, nomeadamente em supermercados em 2017.


Essa mataria foi retirada do site Egypt Streets.

Leia Mais ►

Leia Mais ››

DIREÇÕES EM ÁRABE EGIPCIO - DIRECTIONS IN EGYPTIAN ARABIC


Acabei de fazer um video com alguns termos dando direçoes em arabe egipcio.
Compartilhem e comentem! 👍









Cris Freitas 
Emirados Arabe Unidos

Leia Mais ►

Leia Mais ››

4 POETAS ÁRABES E SEUS POEMAS INESQUECIVEIS


Mais amor por favor! Em tempos de guerra, nada melhor do que falar de amor, daquele amor que sufoca, impossivel, devastador... Nesse post vou listar os poetas árabes que eu mais me indentifico, e nos posts seguintes farei o Biografia deles. Quem tiver alguma sugestão para os próximos, deixe nos comentario aqui embaixo desse post.


1 - Nizar Qabbani - (21 March 1923 – 30 April 1998)
foi um sírio diplomata, poeta e editor. Seu estilo poético combina simplicidade e elegância ao explorar temas de amor, erotismo, feminismo, religião e nacionalismo árabe. O poema que me fez amar a poesia árabe!

…تزوّجتني
رغم أنفَ القبيلةْ
.. وسافرتْ معي
.. رغم انف القبيلةْ
..وأعطتنْي زينبَ وعُمَرْ
.. رغم أنف القبيلةْ
وعندما كنتُ أسألُها : لماذا؟
كانت تأخُذُني كالطفل إلى صدرها
(وتُتَمْتِمْ:(لأنكَ انت قبيلتي

Ela casou comigo
Apesar da tribo
.. e viajou comigo
.. apesar da tribo
.. e me deu Zainab e Omar
.. Apesar da tribo
Quando eu perguntei a ela: Por quê?
Ela me levou como uma criança contra o peito
E murmurou: (Porque você é minha tribo)" Nizar Qabbani


2 - Mahmoud Darwish  (março de 1941 - 9 de agosto de 2008) foi um poeta e escritor palestino que ganhou inúmeros prêmios por sua produção literária e foi considerado o poeta nacional palestino.

Você é minha tristeza e alegria, minha ferida e meu arco-íris.

Minha prisão e liberdade. Você é meu mito e o barro do qual fui criado. 
Você é minha, com todas as suas feridas, cada uma ferida de um jardim ... 
Você é meu sol e seu poente,  e minha noite iluminada. 
Você é a minha morte ... 
Você é o beijo da vida. 
Mahmoud Darwish


3 - Khalil Gibran, às vezes soletrado Kahlil (6 de janeiro de 1883 - 10 de abril de 1931) foi um escritor, poeta e artista visual libanês-americano e nacionalista sírio.

Árvores são poemas que a terra escreve no céu,
Nós as derrubamos e transformamos em papel, 

Para que possamos registrar nosso vazio.
- Khalil Gibran



4 - Rumi (30 de setembro de 1207 - 17 de dezembro de 1273), era um persa afegão, do século 13, sunita, poeta muçulmano, jurista, erudito islâmico, teólogo e místico sufi originalmente da Grande Khorasan.

Eu escolho te amar em silêncio ... 
Pois em silêncio não encontro rejeição 
Eu escolho te amar na solidão ... 
Pois na solidão ninguém é dono de você além de mim 
Eu escolho te adorar a uma certa distância ... 
A distância me protegerá da dor 
Eu escolho te beijar no vento ... 
Porque o vento é mais suave que os meus lábios 
Eu escolho te abraçar em meus sonhos ... 
Pois nos meus sonhos você não tem fim.- Rumi






Esses foram só alguns do poetas árabes que eu aprecio. Espero que tenham gostado.





































Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos



Leia Mais ►

Leia Mais ››

COMO USAR DATAS EM ÁRABE

 

(الشهور و التاريخ) (alshuhur w altaarikh)

Meses e datas


Acredito que até agora esse é o primeiro post direcionado à datas, calendário, dias meses e ano.
Muitas pessoas me pedem para mostrar como é escrito a data de um determinado período em árabe.Pois então vamos la... se faltar alguma coisa deixe  nos comentarios, ok?Há 2 tipos de calendarios que podemos usar, o Gregoriano e o Hijirah (islamico) aqui nesse post falaremos do gregoriano, o mais usado mundialmente.  Nesse post voces encontram os numerais em arabe: NUMERAIS 





Para relembrar os números árabes: 



 

CALENDARIO GREGORIANO


ArabePronunciaPortugues
ينايرyanaayirJaneiro
فبرايرfibraayirFevereiro
مارسmaarisMarço
أبريلabriilAbril
مايوmaayuMaio
يونيوyuuniyuJunho
يوليوyuulyuJulho
أغسطسaghusTusAgosto
سمتمبرsimtimbirSetembro
أكتوبرaktuubarOutubro
نوفمبرnuufimbirNovembro
ديسيمبرdisimbirDezembro



 COMO FALAR OU ESCREVER AS DATAS


Em árabe, a data é escrita dia / mês / ano.  
Então, 19 de setembro de 2014 seria escrito como 19/9/2014 ou 
٢٠١٤ \ ١٩ \ ٩. 

Dizer a data completa em árabe é muito simples quando você conhece todos os componentes. 

Comece com a frase "alyoom huuwa" que significa "hoje é". Diga o número da data e depois o mês. Então diga في عان (fi 3aam) que significa "no ano". Em seguida, informe o ano. 

Veja o exemplo abaixo.

Leia da direita para a esquerda:   ⇦⇦⇦⇦ 👇👇👇
Anodo ano demêsdia em númeroHoje é
الفين و أربعةفي عانسمتمبرتعسة عشراليوم هو
alfeen wa
arbi3at
fi 3aamsimtimbirtisa3at
3ashara
alyoom
huuwa
2014(do) ano de(de) Setembro19Hoje é


Se a data não é a data de hoje, como no exemplo acima, a palavra هو (huuwa) muda para َكان (kaana) para significar "o dia foi". Algumas datas no passado são dadas aqui como exemplos.



DataPronunciaArabePortuguesData
١٩٨٧\٥\١٣alyoom kaana
thalaathat
3ashara
maayuu fi
3aam alf wa
tisa3atmi’a
wa saba3a
wa
thamaanuun
اليوم كانَ
ثلاثةعشر
ما يو في عام
الف و
تعستمئة و
سبعة و
.ثمانون
Era o dia 13 de
maio de 1987.
5/13/1987
١٥٩٤\ ٨\٢٢alyoom kaana
ithnan wa
3ashara
aghusTus fi
3aam alf wa
khamsatmi’a
wa arbi3a wa
tis3auun
اليوم كانَ
إثنان و
عشرون
أغسطس في
عام الف و
خمستمئة و
أربعة و
.تعسون
Era o dia 22 de
agosto de 1594.
8/22/1594



Pergunta e resposta sobre seu aniversario:



تاريخ ميلاد حضرتك ايه؟Taree7' milad 7adretak a?
Qual a sua data de aniversario?


تاريخ ميلاديTaree7' milady (…/…/...)
Meu aniversario é [dia] de [mes] de [ano].




REcursos:
http://www.softschools.com

Leia Mais ►

Leia Mais ››