Translate it!

BELLA CIAO EM ÁRABE OMANI - CELEBRANDO O DIA NACIONAL DE OMAN

 


 18 de Novembro, Dia Nacional de Oman



Qaboos bin Said Al Said
O sultanato de Oman festejou este ano 48 anos de reinado do sultão Qaboos. Qaboos bin Said Al Said (em árabe: قابوس بن سعيد آلسعيد; nascido em 18 de novembro de 1940, é o sultão de Omã. Ele subiu ao poder depois de derrubar seu pai, Said bin Taimur, em um golpe no palácio em 1970. Ele é o descendente de 14 geração do fundador da dinastia Al Bu Sa'id. Ele é o líder árabe mais antigo, tendo ocupado o cargo desde 1970. 

E para a celebração dos 48 anos no Dia Nacional de Oman, a Oman Oil Company produziu um lindo video com um coral de crianças omani, chamado de Guitarra Omani da Paz.  Com a participação do poeta Mazen Al-Hadabi, do artista Makram Al-Jabri, do distribuidor de música Raed Al-Farsi, do desafiante autista Mustapha Al-Nihani e de um grupo criativo de talentos estudantis.

Eles recriaram na versão árabe a música folclórica italiana Bella Ciao (Tchau, Bella). É uma música histórica para a Itália, há muitas versões sobre ela, a letra original voce pode ler aqui. Uma canção revolucionária do folclore italiano do ritmo de resistência do Partido Socialista Italiano da Segunda Guerra Mundial. É a história da resistência italiana sobre o nazisno fascista.


Na versão omani, Qaboos (a terra Oman do lider Qaboos bin Said al Said) é o tema principal.



Video:

 

 Letras

Em árabe:


يحسبون الأمان اللي نعيشه في وطنا خوف
ويظنوها خيانه لو نحلق خارج من السرب
 
لأن المنفرد قابوس من قبل الدمار يشوف
خيار السلم أشجع في زمنا من خيار الحرب

أرضي وبلادي
قلبي وفوادي
منها المجد
منها المجد
منها المجد مجد مجد

عاشت عربية
حرة ابية
في    ظلكم     قابوس

أفديك بروحي
وأخيط جروحي
من نور الشمس
نور الشمس
نور الشمس شمس شمس

شمسك يا وطني
تشرق في بدني
وتضيء بي الاحلام

بترابك كانوا
قومٌ وتفانوا
حتى عاش
حتى عاش
حتى عاش عاش عاش

تاريخك مجدٌ
مهدٌ أو لحدٌ
يا    عزة    الأسماء

يحميك رجالٌ
غرٌ أبطالٌ
روح الارض
روح الارض
روح الارض ارض ارض

للداءِ دواءٌ
بحرٌ وسماءٌ
بالدم بل بالروح

 Em portugues:


Eles calculam a segurança em que vivemos em uma pátria de medo
Eles acham que isso o trairia se nós voarmos fora do esquadrão
 
Porque o solo Qaboos (Oman) por destruição mostra
A opção da paz é encorajada pela opção da guerra

Minha terra e meu país
Meu coração e minha esperança
Incluindo glória
Incluindo glória
Glória a eles é a glória da glória

Viva o árabe
Amante livre
Em sua sombra, Qaboos (Oman)

Adverte meu espírito
E costure minhas feridas
Do sol
Luz do sol
Sol luz solar sol

Seu sol, minha pátria
Brilha no meu corpo
Ilumina meus sonhos

Eles eram seus
Folk e devoção
Então ele viveu
Então ele viveu
Até que ele viveu viveu viveu

Sua história é gloriosa
Berço ou limite
Glória dos Nomes

Homens te protegem
Heróis
O espírito da terra
O espírito da terra
O espírito da terra é uma terra da terra

Para um medicamento
Mar e céu
No sangue, mas no espírito



(tradução ainda sendo revisada, em breve a versao revisada)



Leia Mais ►

Leia Mais ››

A flor de Lotus e o incenso na cultura egípcia e árabe




No Egito, duas espécies nativas de lótus
cresceram, brancas e azuis. Um terceiro tipo, o lótus rosa, foi introduzido da Pérsia durante o período tardio. Todas as três espécies foram retratadas na arte egípcia, com lótus rosa destaque mais no trabalho do período greco-romano, sob o reinado dos Ptolomeus. O lótus azul sagrado era a flor mais comumente usada nos tempos antigos e a descrita na palavra hieróglifo para lótus (Seshen). O lótus branco floresce durante a noite, dando-lhe fortes associações lunares. As flores do lótus azul pareciam se fechar à noite e afundar-se sob a água; de manhã, pareciam levantar-se novamente, abrindo-se para o sol. O lótus era a única planta com flores no Egito que floresceu continuamente durante todo o ano. Por causa disso, o lótus azul tornou-se um símbolo solar e correspondeu ao processo de criação e à continuação da vida.

Em Hermopolis, acreditava-se que uma flor gigante de lótus era a primeira expressão de forma viva a emergir das águas primordiais. Dessa flor, o deus-sol então surgiu. Entre as obras de arte encontradas no túmulo de Tutancâmon há uma escultura em madeira da cabeça do jovem rei, representada como um menino de cerca de 10 anos, representando-o como o Menino Renascido, ou Deus Sol, erguendo-se das pétalas do lótus azul sagrado, ilustrando assim um dos textos egípcios mais antigos. Ao descrever a criação do cosmos, ele diz: “Aquele que emergiu do lótus sobre o Alto Monte, que ilumina com os olhos, as Duas Terras.

Casas foram enfeitadas com arranjos de flores, incluindo lótus. Os antigos egípcios eram considerados mestres da arte da fabricação de perfumes e seus produtos eram conhecidos em toda a região do Mediterrâneo. Recipientes de perfumes eram às vezes esculpidos em forma felina, frascos de perfume reais foram encontrados com leões. Pomadas contendo lótus, mirra, cominho e zimbro em óleo de moringa foram usados ​​para manter os cabelos e o couro cabeludo em boas condições. O óleo dos lírios foi considerado por muitos como o perfume egípcio. O óleo de lótus foi dito para restaurar uma disposição feliz quando sua fragrância foi inalada. Foi usado por Cleópatra VII para perfumar as velas e cortinas de sua barca real. Ela também era conhecida por tomar banho diariamente em um banho de lótus. Lótus, canela e manjerona estavam entre as "notas de saída" mais usadas na produção de perfumes. Os Ptolomeus construíram laboratórios de perfumes nos templos de Edfu e Dendera, onde óleos processuais, perfumes e incenso eram processados. Durante a dinastia, Alexandria tornou-se o centro de fabricação de perfumes do mundo.

Incenso na antiga Arábia do Sul


O autor romano Plínio, o Velho, escreveu "Os principais produtos da Arábia são o incenso e a mirra". Um mercado de perfumes e incenso é conhecido por ter existido no antigo Oriente Próximo e Egito desde pelo menos o terceiro milênio aC. No primeiro milênio aC, fontes históricas começam a se referir a uma origem árabe para muitas delas, que às vezes são chamadas de "especiarias". Segundo os escritores clássicos, as formas mais valiosas de incenso no Mediterrâneo eram o incenso e a mirra. Estes foram dois dos três presentes (juntamente com o ouro) oferecidos pelos Magos ou "três homens sábios" ao menino Jesus na Bíblia. Os textos do sul da Arábia se referem a muitos outros tipos de aromáticos, que se tornaram essenciais nas cortes reais, templos, casas e tumbas. Seu alto valor, peso leve e longa vida de prateleira os tornaram bens comerciais ideais, e sua venda foi cuidadosamente regulamentada.


Este é um queimador de incenso com uma inscrição em mineana, uma das várias línguas semíticas relacionadas faladas na antiga Arábia do Sul. Ele registra a dedicação de um par de queimadores de incenso ao deus Athar Dhu-Qabd por Ammdhara e Hawf-Wadd (embora apenas este permaneça). O queimador vem do antigo Harim, em Ma'in, um dos reinos rivais do sul da Arábia. Houve muitas vezes guerra entre os diferentes reinos sobre o controle do incenso e mirra, dois dos materiais mais apreciados na antiguidade, que só crescem no leste do Iêmen e no sul de Omã e em algumas partes da Somalilândia. A produção e o comércio desses aromáticos estavam nas mãos dos antigos árabes do sul, que se tornaram extremamente ricos commo resultado.


Este queimador de incenso de bronze fundido é na forma de uma tigela com um pé espalmado, uma parede levantada para formar uma espécie de escudo de calor encimado por espinhos, com a frente decorada com a figura de pé de um íbex ou cabra selvagem. O animal talvez serviu tanto como uma alça conveniente e como um objeto de culto. Este não é o único queimador de incenso conhecido, e até versões em miniatura sobrevivem.



Os queimadores de incenso cubóides têm uma longa história no antigo Oriente Próximo. Eles eram particularmente populares no Levante e na Arábia desde o final do século V aC até o século I dC e eram usados ​​especificamente para queimar aromáticos naturais dentro da casa e do templo. Este tipo de queimador de incenso cubóide é muitas vezes inscrito com os nomes de aromáticos específicos da gama de madeiras, cascas, raízes e resinas usadas no sul da Arábia, muitos dos quais ainda não foram identificados. Este exemplo está inscrito com os nomes rand [possivelmente myrtle], darw [uma resina aromática], kamkam [cancamum] e qust [costus].

As últimas florestas de incenso selvagem do mundo

Mirrah o incenso perfumado
Da Bíblia 

Somali colhendo a seiva

Em uma tradição que data dos tempos bíblicos, os homens se levantam de madrugada nas montanhas escarpadas de Cal Madow, na Somalilândia, no Chifre da África, para escalar afloramentos rochosos em busca da seiva preciosa das árvores de olíbano selvagem.
Incenso mirrah


Mas agora essas últimas florestas intactas de olíbano estão sob ameaça, já que os preços dispararam nos últimos anos com o apetite global por óleos essenciais. A extração excessiva levou as árvores a morrerem mais rápido do que podem reabastecer, colocando em risco o antigo comércio de resina. 

Pesquisa feita por Cris Freitas
Nos Emirados Arabes



Leia Mais ►

Leia Mais ››

CALIFADO, DINASTIA E IMPÉRIO, QUAL A DIFERENÇA ENTRE ELES



Esse post faz parte dos meus estudos sobre as dinastiias islamicas que aconteceram no Egito e por isso antes de eu escrever sobre elas, tentei resumir aqui o que quer dizer cada termo para minha propria informação, ja que estudei isso ha mto tempo atraz e precisava reativar algumas diferenças.
Se acharem o post massante passem para o próximo rsrs. 🙏


 

Al-Azhar Mosque - Cairo Antigo - arquitetura Fatimida


 

DINASTIA



Uma dinastia é uma sequência de governantes da mesma família, geralmente no contexto de um feudal ou de um feudal. sistema monárquico , mas às vezes também aparecendo em repúblicas eletivas. A família ou linhagem dinástica pode ser conhecida como uma "casa nobre", que pode ser denominada "real", "principesca", "ducal", "comital", etc., dependendo do título principal ou atual pelos seus membros. Os historiadores periodizam as histórias de muitos estados soberanos como o Egito Antigo, o Império Carolíngio e a China Imperial, usando uma estrutura de sucessivas dinastias. Como tal, o termo "dinastia" pode ser usado para delimitar a era durante a qual a família reinava e para descrever eventos, tendências e artefatos daquele período ("um vaso da dinastia Ming"). A palavra "dinastia" em si é muitas vezes retirada de tais referências adjetivas ("um vaso Ming").
Até o século XIX, era dado como certo que uma função legítima de um monarca era engrandecer sua dinastia: isto é, aumentar o território, a riqueza e o poder de seus familiares. A dinastia mais antiga do mundo é a Casa Imperial do Japão, também conhecida como a dinastia Yamato, cujo reinado é tradicionalmente datado de 660 aC .


Antes do século XX, as dinastias em todo o mundo têm sido tradicionalmente reconhecidas patrilinealmente, como sob a lei Frankic Sálica. Nas nações em que era permitido, a sucessão através de uma filha geralmente estabelecia uma nova dinastia na casa governante de seu marido. Isso mudou em alguns lugares da Europa, onde a lei de sucessão e a convenção mantiveram as dinastias de jure através de uma mulher. Por exemplo, a Casa de Windsor é mantida através dos filhos da rainha Elizabeth II, similarmente com a monarquia dos Países Baixos, cuja dinastia permaneceu a Casa de Orange-Nassau através de três rainhas sucessivas reinantes. O primeiro exemplo entre as principais monarquias européias foi na Rússia no século XVIII, onde o nome da Casa de Romanov foi mantido por uma mulher não governante.


IMPÉRIO


Um império é um estado soberano funcionando como um agregado de nações ou pessoas que são governadas por um imperador ou outro tipo de monarca. O território e a população de um império são geralmente de maior extensão que a de um reino.

Ao longo da história, as principais potências do mundo procuram constantemente conquistar outras partes do mundo. A maioria dos poderes estava centralizada na Europa, por exemplo, o Império Romano .

O mais antigo império conhecido apareceu no Egito quando o Rei Narmer do Vale Superior conquistou o Vale Inferior por volta de 3000 aC e lançou as bases para o Reino Antigo . O Império acadiano , estabelecido por Sargão de Acádia (século 24 aC), foi um antigo império todo-mesopotâmico. Essa conquista imperial foi repetida por Hamurabi da Babilônia no século XVII aC. No século XV aC, o Novo Reino do Antigo Egito , governado por Thutmose III , foi a principal força da África antiga ao incorporar a Núbia e as antigas cidades-estado do Levante .


O primeiro império comparável a Roma na organização foi o Império Neo-Assírio (916-612 aC). O Império Mediano foi o primeiro império dentro do território da Pérsia. Por volta do século 6 aC, depois de terem se aliado aos babilônios para derrotar o Império Neo-Assírio, os medos conseguiram estabelecer seu próprio império, que foi o maior de seus dias e durou cerca de sessenta anos.

O bem-sucedido e extenso Império Aquemênida (550–330 aC), também conhecido como o primeiro Império Persa, cobria a Mesopotâmia, o Egito, partes da Grécia, Trácia, o Oriente Médio , grande parte da Ásia Central e o noroeste da Índia. É considerado o primeiro grande império da história ou o primeiro "império mundial". Foi derrubado e substituído pelo império de curta duração de Alexandre, o Grande. Seu império foi sucedido por três impérios governados pelos diadochis - os selêucidas, os ptolemaicos e os macedonios , que, apesar de independentes, são chamados de "Império helenístico" em virtude de suas semelhanças em cultura e administração.

Na Ásia Ocidental, o termo "Império Persa" veio a denotar os estados imperiais iranianos estabelecidos em diferentes períodos históricos da Pérsia pré- islâmica e pós-islâmica.

O século VII viu o surgimento do Império Islâmico, também conhecido como o califado islâmico.



Império Bizantino


O fogo grego foi usado pela primeira vez pela Marinha Bizantina durante as guerras bizantinas-árabes (das Esculpidas de Madri , Biblioteca Nacional de Espanha , Madri).

O Império Bizantino , também conhecido como Império Romano do Oriente e Bizâncio, foi a continuação do Império Romano em suas províncias orientais durante a Antiguidade Tardia e a Idade Média, quando sua capital era Constantinopla (atual Istambul, fundada como Bizâncio). Ele sobreviveu à fragmentação e queda do Império Romano do Ocidente no século 5 dC e continuou a existir por mais mil anos até que ele caiu para os turcos otomanos em 1453. Durante a maior parte de sua existência, o império era o mais poderoso força econômica, cultural e militar na Europa. Tanto o "Império Bizantino" quanto o "Império Romano do Oriente" são termos historiográficos criados após o fim do reino; seus cidadãos continuaram a se referir ao seu império simplesmente como o Império Romano (grego : Βασιλεία Ῥωμαίων , tr. Basileia Rhōmaiōn; latim: Imperium Romanum), ou Romênia (Ῥωμανία), e para si mesmos como "romanos"

O termo vem de "Bizâncio", o nome da cidade de Constantinopla antes de se tornar a capital de Constantino.


Dados:
Capital Constantinopla c
(330–1204, 1261–1453)
 Idiomas comuns
Latim tardio , grego koiné (395–610)
Grego medieval (610–1453)

Religião Cristianismo ( Ortodoxa Oriental )
(tolerado após o Edito de Milão em 313; religião do estado depois de 380)

 

Império Otomano


Literalmente "O Exaltado Estado Otomano"; Turco Moderno: Osmanlı İmparatorluğu ou Osmanlı Devleti), também historicamente conhecido na Europa Ocidental como o Império Turco ou simplesmente a Turquia, era um estado que controlava grande parte do Sudeste da Europa, Ásia Ocidental e Norte da África entre o século XIV e início do século XX. Foi fundada no final do século XIII no noroeste da Anatólia, na cidade de Söğüt (atual província de Bilecik) pelo líder tribal turco Oghuz Osman I. Depois de 1354, os otomanos atravessaram a Europa, e com a conquista dos Bálcãs, o beylik otomano foi transformado em um império transcontinental. Os otomanos terminaram o Império Bizantino com a conquista de Constantinopla em 1453 por Mehmed, o Conquistador.

A palavra otomano é uma anglicização histórica do nome de Osman I, o fundador do Império e da Casa governante de Osman (também conhecida como a dinastia otomana). O nome de Osman, por sua vez, era a forma turca do nome árabe ʿUthmān ( عثمان ).



Califado


Um califado (em árabe: خِلافة khilāfah) é um estado sob a liderança de um dirigente islâmico com o título de califa (árabe: خَليفة khalīfah), uma pessoa considerada uma sucessora religiosa do profeta islâmico Muhammad e líder de toda a ummah (comunidade). Historicamente, os califados eram políticos baseados no Islã que se desenvolveram em impérios transnacionais multiétnicos.

Durante o período medieval, três principais califados se sucederam: o Califado Rashidun (632-661), o Califado Omíada (661–750) e o Califado Abássida (750–1258). No quarto maior califado, o califado otomano, os governantes do Império Otomano reivindicaram a autoridade californiana em 1517. Durante a história do Islã, alguns outros estados muçulmanos, quase todas as monarquias hereditárias , afirmaram ser califados.
Antes da ascensão de Maomé e da unificação das tribos da Arábia sob o Islã, os árabes seguiam um politeísmo árabe pré-islâmico, viviam como comunidades autodidatas sedentárias e nômades e frequentemente atacavam suas tribos vizinhas. Após as primeiras conquistas muçulmanas da Península Arábica, a região tornou-se unificada e a maioria das tribos adotou o Islã.




Primeiros califados
   Expansão sob o Profeta Muhammad, 622-632 
   Expansão durante o califado Rashidun, 632-661 
   Expansão durante o califado omíada, 661-750

 

 

 

Lista de Dinastias, Califados E Impérios

(Norte da África e Oriente Médio)

 

 Egito

    Dinastia I (c. 3050–2890 aC)
    Dinastia II (2890–2686 aC)
    Dinastia III (2686–2613 aC)
    Dinastia IV (2613–2498 aC)
    Dinastia V (2498–2345 aC)
    Dinastia VI (2345-2181 aC)
    Dinastia VII - espúrio
    Dinastia VIII (2181-2160 aC)
    Dinastia IX (2160–2130 aC)
    Dinastia X (2130–2040 aC)
    Dinastia XI (2134-1991 aC)
    Dinastia XII (1991–1803 aC)
    Dinastia XIII (1803–1649 aC)
    Dinastia XIV (1705–1690 aC)
    Dinastia XV (1674-1535 aC)
    Dinastia XVI (1660-1600 aC)
    Dinastia Abydos (1650–1600 aC) - Hipotese
    Dinastia XVII (1650-1549 aC)
    Dinastia XVIII (1549-1292 aC)
    Dinastia XIX (1292–1186 aC)
    Dinastia XX (1186-1069 aC)
    Dinastia XXI (1069–945 aC)
    Dinastia XXII (945–720 aC)
    Dinastia XXIII (837–728 aC)
    Dinastia XXIV (732–720 aC)
    Dinastia XXV (732–653 aC)
    Dinastia XXVI (672–525 aC)
    Dinastia XXVII (525-404 aC) - Egito sob o Império Aquemênida Persa
    Dinastia XXVIII (404–398 aC)
    Dinastia XXIX (398-380 aC)
    Dinastia XXX (380-343 aC)
    Dinastia XXXI (343-332 aC) - Regra persa no Egito restaurada durante o reinado de Artaxerxes III
    Dinastia de Argead (332-309 aC)
    Dinastia ptolomaica (305-30 aC)
    Dinastia Júlio-Claudiana (27 aC - 68 dC) - Egito sob domínio romano
    Dinastia Flaviana (69-96) - Egito sob domínio romano
    Dinastia Nervano-Antoniana (96-192) - Egito sob domínio romano
    Dinastia Severa (193–235) - Egito sob domínio romano
    Império Sassânida (224-651 dC)
    Dinastia Constantiniana (303–336) - Egito sob domínio romano
    Dinastia Valentiniana (364-378) - Egito sob domínio bizantino
    Dinastia Teodosiana (379-457) - Egito sob domínio bizantino
    Dinastia de Leonid (457–518) - Egito sob domínio bizantino
    Dinastia Justiniana (518-602) - Egito sob o domínio bizantino
    Dinastia de Heracliano (602–641) - Egito sob domínio bizantino
    Califado de Rashidun (641-661)
    Califado Omíada (661–750)
    Califado Abássida (750–935)
    Dinastia de Tulunida (868–905)
    Dinastia Ikhshidid (935–969)
    Califado Fatimida (969-1171)
    Dinastia Aiúbida (1171-1250)
    Dinastia Bahri (1250–1382) - Sultanato Mameluco
    Dinastia Burji (1382–1517) - Sultanato Mameluco
    Dinastia Otomana (1517–1798, 1801–1867) - Egito administrado como o Egito Eyalet do Império Otomano
    Dinastia de Muhammad Ali (1805–1953) - Também chamada de "Dinastia Alawiyya"




Marrocos


    Dinastia Idrisida (789–974)
    Dinastia Almorávida (1060-1147)
    Dinastia almóada (1147–1258)
    Dinastia Marínida (1258–1465)
    Dinastia Wattasid (1471-1554)
    Dinastia Saadi (1554 a 1659)
    Dinastia Alaouite (1666 – presente)


Sudão


    Dinastia de Muhammad Ali (1821–1885) - Também chamada de "dinastia Alawiyya"
    Casa de al-Mahdi (1845–1945)


Bahrain


    Casa do Califa (1783 – presente)


Irã (persa)


    Reino Mediano (678–549 aC)
    Império Aquemênida (550-330 aC)
    Dinastia Selêucida (312-63 aC)
    Dinastia Arsácida (247 aC-224 dC)
    Casa de Sasan (224-651 dC)
    Dinastia de Dabuyid (642–760 dC)
    Dinastia Bavand (651-1349 dC)
    Dinastia Paduspana (655-1598 dC)
    Império Samanídico (819–999 dC)
    Dinastia Saffarid (861-1003 dC)
    Dinastia de Ghurid (c. 879-1215 dC)
    Dinastia Ziyarid (930-1090 dC)
    Dinastia de Buyid (934–1062 dC)
    Dinastia Ghaznavid (977 a 1186 dC)
    Dinastia Kakuyid (1008-1141 dC)
    Dinastia Seljuq (1037-1194 dC)
    Dinastia Khwarazmian (1077-1231 dC)
    Dinastia Kirmanida (1222-1306 dC) - Continuação da Qara Khitai (Liao Ocidental); Também chamado de "Qara Khitai de Kirman" e "Later Western Liao"
    Ilkhanate (1256–1335 dC)
    Dinastia Muzaffarid (1314–1393 AD)
    Chobanids (1335–1357 dC)
    Jalairid Sultanate (1335–1432 AD)
    Sarbadars (1337–1381 dC)
    Dinastia Timurida (1370-1507) - Império Timúrida
    Dinastia Safávida (1501 a 1736 dC)
    Dinastia de Hotak (1709–1738 dC)
    Dinastia Afsharid (1736–1796 AD)
    Dinastia Zand (1751–1794 AD)
    Dinastia Qajar (1789-1925 dC)
    Dinastia Pahlavi (1925-1979 dC)



Jordania


    Casa de Hashim (1921 – presente) 


Kuwait


    Casa de Al Sabah (1718 – presente)

Oriente Médio


    Dinastia Sargonida
    Califado de Rashidun
    Califado Omíada
    Califado abássida
    Dinastia Soomra
    Tulunídeos
    Mamelucos
    Dinastia fatímida
    Dinastia Otomano - Império Otomano
    Dinastia uyunid

Omã


    Dinastia Seljuq (1037-1154 dC)
    Dinastia Nabhani (1154 a 1624 dC)
    Dinastia Yaruba (1624–1749 dC)
    Casa de Al Said (1749 – presente)


Catar


    Casa de Al Thani (1850 – presente)

Arábia Saudita


    Casa de Saud (1744–1818, 1824–1891, 1902 – presente)
    Dinastia Otomana (1818–1824) - Arábia Saudita administrada como parte do Egito Eyalet do Império Otomano
    Dinastia Rashidi (1836-1921)
    Casa de Hashim (1916-1925)


Turquia


    Império Hitita (c. 1600–1178 aC)
    Império Neo-Assírio (911–609 aC)
    Reino Mediano (678–549 aC)
    Império Aquemênida (550-330 aC)
    Dinastia de Argélia (334–305 aC) - Turquia dentro do Império Macedônio
    Dinastia Antigonid (306-286, 276-168 aC) - Turquia dentro do Império Macedônio
    Dinastia Antipatrid (305–294, 279–276 aC) - Turquia dentro do Império Macedônio
    Dinastia Attálida (282–133 aC)
    Dinastia Mithridática (281 aC-62 dC) - Reino do Ponto
    Dinastia Selêucida (200–188 aC) - Turquia no Império Selêucida
    Dinastia Constantiniana (330-363 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Valentiniana (364-379 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Teodosiana (379-457 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Casa de Leão (457-518 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Justiniana (518-602 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia de Heracliano (610–711 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Isuriana (717-802 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia de Nicéforo (802-813 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Amoriana (820-867 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia macedónia (867-106 dC) - Anatólia sob o domínio bizantino
    Dinastia de Doukid (1059-1081 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Comneno (1081–1185 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia de Angelos (1185 a 1204 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Laskarid (1204-1261 dC) - Império de Nicéia (Tribunal Exilado do Império Bizantino)
    Dinastia Paleólogo (1261 a 1453 dC) - Anatólia sob domínio bizantino
    Dinastia Seljuq (1077-1308) - Império Seljúcida e Sultanato do Rum
    Dinastia Otomana (1299-1922) - Turquia dentro do Império Otomano

Emirados Árabes Unidos


    Al-Qasimi (1708 – presente) - Casa governante de Ras Al Khaimah e Sharjah
    Al Nahyan (1761-presente) - Casa governante de Abu Dhabi
    Al Mualla (1768-presente) - Casa governante de Umm Al Quwain
    Al Nuaimi (1816 – presente) - Casa governante de Ajman
    Al Maktoum (1833 – presente) - Casa governante de Dubai
    Al Sharqi (1879 – presente) - Casa governante de Fujairah




Leia Mais ►

Leia Mais ››