Translate it!

8 NOMES DE PAISES ARABES E A ORIGEM DE SEUS SIGNIFICADOS



Ja escrevi outro artigo aqui sobre o nome de cidades árabes e seus significados, e agora trago alguns países e seus possíveis significados de seus nomes.




1. Líbano coberto de neve

Libano coberto de gelo no inverno

O nome é originário da raiz semítica "lbn", que significa "branco".
Isso provavelmente se refere às montanhas cobertas de neve da região. O Líbano apareceu em diferentes textos, incluindo a Bíblia e a Epopéia de Gilgamesh, que remonta ao terceiro milênio aC.

 

2. Aegyptus, Egito

 
deus antigo Pitah

A evolução do nome Egito traça seu caminho de volta ao antigo egípcio para "Casa do Ka de Ptah". Ptah foi um dos primeiros deuses do Egito.
Os gregos, ao pronunciar esse antigo nome, mudaram a palavra para Aegyptus. A palavra apareceu na literatura grega referindo-se a um rei egípcio, o rio Nilo e o próprio país.

 

 

3. Que dois mares você está se referindo, Bahrein?

Bahrein
Claro, em árabe, Bahrein significa "os dois mares".
Mas, é contestado que dois mares o nome está realmente se referindo também. Os mares poderiam ser a baía a leste e a oeste da ilha, os mares ao norte e ao sul ou o sal e a água doce presentes acima e abaixo do solo.
Historicamente, os árabes se referiam à ilha como Awal.

 

4. Terra de Deus, Marrocos

Marrakesh - Marrocos
O nome em inglês, Marrocos, vem de transliterações em espanhol e português de Marrakech, que significa “Terra de Deus”.
Em alguns idiomas, Marrakesh ainda é o nome oficial do Marrocos. Claro, Marrakesh é também uma das maiores cidades do Marrocos. Durante diferentes períodos da história, a cidade também foi a capital do reino.
 

5. Deite-me, Tunísia

 
A Tunísia vem de Túnis, que vem de uma origem berbere e significa “deitar” ou “acampar”.
Túnis é a maior cidade e capital da Tunísia moderna. Curiosamente, antes do país era conhecido como Tunísia, a área foi chamada Ifriqiya ou África. Isto de onde o continente inteiro derivou eventualmente seu nome.
 

6. Nas margens do Iraque

mapa do Iraq antigo (Uruk)
 
Iraque significa "margem", "banco" ou "margem".
Foi originalmente usado para delinear a Mesopotâmia entre “Arabi iraquiano” (Iraque árabe) e “Ajami iraquiano” (Iraque Estrangeiro).
Embora o nome esteja em uso desde antes do século VI, existem várias teorias sobre sua origem. Uma dessas teorias traça o nome para a cidade suméria de Uruk. Esta cidade foi mencionada na Bíblia como Erech.
 

7. Jordan , o descendente

Rio Jordao desembocando no Mar Morto

Acredita-se que Jordan tenha vindo da palavra semítica “yarad” que significa “o descendente”.
Alguns também acreditam que o nome é um derivado das palavras indo-européias: “yor” (ano) e “don” (rio). Outros acreditam que pode vir da palavra árabe “wrd” que significa “vir para”.
Qualquer que seja a origem, o nome aparece em um antigo papiro egípcio datado de 1000 aC. Historicamente, a Jordânia refere-se ao rio Jordão , do qual o país moderno tomou seu nome.
 

8. O caminho certo para o Iêmen

Yeman terras ferteis - antiga Felix Arabia
 
Muitos acreditam que o Iêmen deriva simplesmente do “al-yamin” ou “do lado direito”.
Um estudo sugere este significado porque o sul está à direita quando se enfrenta o nascer do sol.
Outra teoria afirma que o nome é um derivado de "yumn", que significa "felicidade". Isso ocorre porque os romanos costumavam chamá-lo de Arábia Felix (Arábia Frutífera), devido ao seu solo fértil.


Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos

Leia Mais ►

Leia Mais ››

NOMES DOS PAISES ARABES E REGIOES GEOGRAFICAS



NOME DOS PAÍSES ÁRABES E SUA CAPITAL



1 20px-flag_of_saudi_arabiasvg Arábia Saudita – السعودية /AsSáaudia/ – Capital: Riade – الرياض  /ArRíad/
2 20px-flag_of_algeriasvg Argélia  –   الجزائر  /Al-Jazaíir/  –  capital: Argel  –  الجزائر  /Al-Jazaíir
320px-flag_of_bahrainsvg Barein – البحرين /AlBarein/ – Capital: المنامة /AlManama/
4 20px-flag_of_the_comorossvg Comoros – القمر /Al-Qumur/ – Capital: Moroni – موروني /Murunii/
5 20px-flag_of_djiboutisvg Djibouti – جيبوتي /Jibuti/ – Capital: جيبوتي /Jibuti/
6 20px-flag_of_egyptsvg1 Egito  –  مصر /Miṣr/  –  capital: Cairo  –  القاهرة   /Al-Qahíra/
7 20px-flag_of_the_united_arab_emiratessvg Emiratos Arabes Unidos – الإمارات العربية المتحدة /al-Imārāt al-‘Arabīyah al-Muttaḥidah/ – capital: Abu Dabi – أبو ظبي‎ /Abu D(z)abi/
8 20px-flag_of_yemensvg Iemen – اليمن /Al-Yaman/ – capital: Sanaa  – صنعاء  /Sana’a/
9 20px-flag_of_iraqsvg Iraque – العراق /AlAraqh/ – Capital: Bagdad – بغداد /Ba(gr)dad/
10 20px-flag_of_jordansvg Jordânia -الأردن /AlUrdun/ – Capital: Amman – عمان /Áaman/
11 20px-flag_of_kuwaitsvg1 Kuwait –  الكويت  /Al-Kuait/  –  capital: Cidade do Kuwait –   الكويت  /Al-Kuait/
12 20px-flag_of_libyasvg Líbia – ليبيا /Libia/ – Capital: Tripoli – طرابلس  /Tarabuluss/
13 20px-flag_of_lebanonsvg Líbano – لبنان /Lubnan/ – Capital: Beirute – بيروت /Beirut/
14 20px-flag_of_moroccosvg Marrocos – المغرب /AlMagreb/ – Capital: Rabat – الرباط /AlRabatt/
15 20px-flag_of_mauritaniasvg Mauritânia – موريتانيا /Mauritania/ – Capital: Nouakchott – نواكشوط /Nuakchutt/
16 20px-oman_flag_300 Oman –  عمان  /Umān/  – capital: Moscate  –  مسقط  /Musqat/
17 20px-flag_of_palestinesvg Palestina – فلسطين /Filsstine/ – Capital: Jerusalém – القدس /AlQuds/
1820px-flag_of_qatarsvg Qatar – قطر /Qatar/ – Capital: Doha – الدوحة /AlDuhaa/
19 20px-flag_of_syriasvg Síria – سوريا /Suria/ – Capital: Damasco – دمشق /Dimasq/
20 20px-flag_of_sudansvg Sudão – السودان /AsSudan/ – Capital: Cartum – الخرطوم /AlRrurtun/
21 20px-flag_of_somaliasvg Somália – الصومال /AsSumal/ – Capital: Mogadiscio – مقديشيو /Muqdishiu/
22 20px-flag_of_tunisiasvg Tunísia – تونس  /Tuniss/  –  capital: تونس  /Tuniss/



Orientação geográfica


 Português       - Árabe

Norte                 - شمال  Shamal
Sul                     – Janoob
Oriente (leste)   – Mashriq
Oeste                 – Maghreb

Oriente médio  =  الشرق الأوسط, ash-sharq-al-awsat



Aqui estão algumas curiosidades sobre as origens dessas palavras:


Shamal (norte) é uma palavra árabe, que significa norte, que também é um nome masculino no Afeganistão. No Afeganistão shamal significa tanto "vento" e "Norte". Shamal [شمال, norte] é um vento que sopra para o norte soprando sobre o Iraque e os estados do Golfo Pérsico (incluindo Arábia Saudita e Kuwait), muitas vezes forte durante o dia, mas diminuindo à noite.  

 LEVANTE

Mashriq (também escrito como Mashrek, Mashrek) é, em geral, a região dos países árabes a leste do Egito e ao norte da Península Arábica, ou seja, Iraque, Palestina / Israel, Jordânia, Kuwait, Líbano e Síria. Relaciona-se com o leste ou o nascer do sol e significa essencialmente "leste" (mais literal ou poeticamente, "lugar do nascer do sol"). Refere-se a uma grande área no Oriente Médio, limitada entre o Mar Mediterrâneo e o Irã. É, portanto, o termo complementar ao Magrebe, que significa “Oeste” (uma referência aos países de língua árabe no oeste do norte da África).  

POENTE 

Magrebe é um termo árabe que significa literalmente “lugar de pôr (do sol)” e, portanto, “oeste”. Ele deriva da raiz ghuroob, que significa “pôr” ou “ficar oculto” (no entanto, não é usado para consulte a configuração da lua). Em árabe, mas não em inglês, o Al Maghreb geralmente se refere ao Marrocos.levantino.
O termo Levante, que apareceu em inglês em 1497, originalmente significava o Oriente em geral ou "terras mediterrâneas a leste da Itália". É emprestado do francês levant 'levantando', referindo-se ao nascer do sol no leste, ou o ponto onde o sol nasce. A frase é, em última análise, da palavra latina levare, que significa "erguer, levantar". Etimologias similares são encontradas em grego Ἀνατολή (Anatolē, cf. Anatolia), em Germanic Morgenland (literalmente, "manhã terra"), em italiano (como em "Riviera di Levante", a porção da costa da Ligúria a leste de Gênova), em Kelet húngaro, em espanhol e catalão Levante e Llevant, ("o lugar de subida"), e em hebraico (mizrah). Mais notavelmente, "Oriente" e sua fonte latina oriens significando "leste", é literalmente "ascendente", derivando do latim orior "ascensão".A maioria das populações levantinas fala árabe levantino, também conhecido como árabe mediterrâneo (شامي, Šāmī).


Cris Freitas
Emirados Arabe Unidos

Compartilhe, curta e comente!

 
Leia Mais ►

Leia Mais ››

A HISTORIA DE EXTRAIR ATTAR (ESSENCIA) DAS ROSEIRAS DE TAIF NA ARABIA SAUDITA





A arte de colher e preparar a Rosa de Taif  ('attar perfumes tradicionais) e óleos de rosas em Taif, Arábia Saudita.




Rosa de Taif, Lat. Rosa damascena trigintipetala ;

As rosas Taif têm 30 pétalas e crescem em torno da cidade de Taif, no oeste da Arábia Saudita, não muito longe de Meca. A cidade a 2000 metros acima do nível do mar e a temperatura mais baixa podem ser parcialmente responsáveis pelo bom florescimento, sob o controle de apenas cinco famílias locais. Como com todas as rosas, é importante colher rosas Taif no início da manhã, antes que o calor do dia destrua os preciosos óleos essenciais. O perfume de rosas produzido é poderoso e caro - e não é de admirar: são necessárias cerca de 40.000 flores de rosas para produzir uma garrafa de 10 g de attar de rosa.
Taif é uma das cidades mais antigas do mundo. Ela está localizada na parte ocidental da Arábia Saudita, perto da cidade sagrada de Meca, Está localizada na área oriental das Montanhas Al-Sarawat. Taif é mencionada em todos os livros da Península Arábica. Sua herança e monumentos antigos têm muitas histórias para contar aos visitantes. Taif é conhecida pelo seu bazar Okaz, um dos mais famosos bazares árabes. É conhecida por seus vales, como o Wadi Al-Naml. A lenda diz que este vale foi visitado pelo rei Salomão. Há o vale chamado Wadi Wej, onde o profeta Maomé proibiu toda caça, corte de madeira e qualquer outra atividade que pudesse ter prejudicado a vida selvagem ali. Algumas pessoas famosas moravam lá, como Hajjaj Ibn Yusuf Thaqafi, o líder tirano dos árabes, e Abdullah Ibn Abbas, amigo do profeta Maomé.
 
No entanto, Taif é conhecido por algo diferente disso. É conhecido pela famosa Wardh Taifi , a Rosa de Taif. Os subúrbios de Taif e seus vales Huda, al Shafa, al Ghadeerayn e Wadi Mahram, são conhecidos pelo cultivo desta rosa, que cria mais renda do que o cultivo de hortaliças ou plantações. Taif é situada a 2000 metros acima do nível do mar e devido às suas condições climáticas (mais frias do que o clima em Jeddah e Meca), sistemas de irrigação qualitativos e terras férteis, é uma grande área para o cultivo de rosas. Na época do Império Otomano, esta região foi nomeada a Rosa Árabe.
 
Rosa de Taif, WardhTaifi (Rosa damascena trigintipetala) pertence à espécie Damask Rose (Rosa de Damasco). Existem diversas variedades de Rosa de Damasco, como a Rosa Damascena do Outono (R. damascena sempervirens ) e a Rosa Damascena Kazanlik (também Rosa damascena trigintipetala). A Rosa Damascena cresce como um pequeno arbusto espinhoso de 1-2 m com folhas peludas esbranquiçadas, e flores de 30 pétalas de rosa e muito perfumadas. Esta rosa é mais comumente ligada à Bulgária e Turquia como países de origem, ou mais precisamente, ao vale Kazanlik na Bulgária, onde esta rosa foi cultivada por 330 anos, e Isparta na Turquia.
Nunca ficou completamente claro como a rosa damascena de 30 pétalas apareceu em Taif. Devido à sua grande semelhança com a rosa de Kazanlik, sugeriu-se que a Rosa de Taif foi trazida para Taif dos Balcãs pelos turcos, que ocuparam esta área no século XIV. No entanto, a rosa Kazanlik, cujo nome turco significa "adequado para a chaleira [do destilador]", tem suas origens nas plantações de rosas persas em torno de Shiraz e Kashan. As lendas dizem que esta rosa na verdade se origina da Índia.
No Ocidente é a Rosa Damascena que é conhecida por sua profunda e intensa fragrância, enquanto no mundo árabe é a Rosa de Taif que é famosa pelas mesmas propriedades. As flores da Rosa de Taif, cuja fragrância é ainda mais intensa que a fragrância da Rosa Damascena, são colhidas em abril, nas primeiras horas da manhã, porque os brotos florescem ao amanhecer. É necessário colhê-los antes que o Sol e o calor do dia destruam os óleos essenciais necessários para a produção de água de rosas.

A primeira descrição da destilação de pétalas de rosa no Oriente Médio foi fornecida por al-Kindi, um filósofo do século IX. Um aparelho de destilação algo mais sofisticado foi descrito por al-Razi no século X. Um dos centros mais antigos de produção de água de rosas era a Pérsia. No século XIII, a produção de água de rosas era generalizada na Síria, e parece provável que a Rosa Damascena recebesse o nome da cidade de Damasco.
 
A palavra "attar", hoje usada por muitos como sinônimo de óleo de rosa, vem da palavra árabe ittr , que significa "perfume" ou "essência". Embora os árabes estivessem destilando a água das pétalas desde o século IX, as primeiras fontes que documentam as origens do attar como derivado da rosa vêm da Índia. O quarto imperador mogol Jahangir, cujo reinado ocorreu no final do século XVI e início do século XVII, creditou a descoberta de um attar à sua sogra, Asmat Begum, mãe de sua esposa Noor Jehan. Ao fazer água de rosas, quando ela colocou água quente em uma chaleira com pétalas de rosa, uma espuma apareceu. Ela estava colecionando e descobriu que a espuma carregava um cheiro tão forte quanto um buquê de rosas florescendo. O imperador, radiante com a beleza do perfume, recompensou Asmat Begum com um colar de pérolas e, em troca, nomeou o óleo itr-i-Jahangiri. Outra lenda diz que o attar foi descoberto pela própria Noor Jehan, quando um banho de pétalas de rosas foi deixado durante a noite para esfriar. Quando ela deitou na água, descobriu o óleo perfumado na superfície da água.
 
Mais de dois séculos atrás, as pétalas da Rosa de Taif foram coletadas, firmemente seladas e trazidas para Meca nas costas dos camelos. Foi lá que o attar foi produzido pelos destiladores indianos. O processo de destilação era diferente do usado hoje, e os destiladores então dominavam a produção de finos attares. Sua técnica foi a infusão de rosa destilada em óleo de sândalo, que resultou em notas frescas, florais e amadeiradas. É interessante notar que essa mistura ainda pode ser encontrada na Índia e, muito raramente, também na Arábia Saudita.
Cerca de 200 anos atrás, os destiladores árabes levaram sua arte para Taif e mais perto dos campos de rosas. Assim, a produção de óleo de rosas foi melhorada, evitando a perda de óleo perfumado que costumava ocorrer durante o transporte para Meca, pois o óleo de rosas perfumado evapora das pétalas em um curto espaço de tempo. Logo depois que as destilarias foram estabelecidas em Taif, o óleo de rosa de Taif tornou-se famoso em todo o mundo muçulmano. Os peregrinos vindos do Oriente muitas vezes tomavam uma rota via Taif apenas para comprar o óleo de rosas, e cada muçulmano que podia pagar compraria pelo menos um frasco do precioso óleo de rosas como lembrança do Hajj.
 
Hoje, a produção de óleo de rosa em Taif, embora da mais alta qualidade, parece modesta em comparação com as quantidades produzidas pelos grandes exportadores da Turquia, Bulgária, Rússia, China, Marrocos e Irã. No entanto, o mercado não está com excesso de oferta. Attar ainda está sendo diligentemente produzido. Sua fragrância ainda é forte e cara, de modo que mesmo uma pequena quantia, dada como presente, é considerada o melhor elogio que alguém poderia pagar.
No momento, os principais produtores de Taif em Taif são cinco famílias: al Qadi, al Kamal, al Qureishi, al Ghuraybi e al Solhi. Essas famílias supervisionam a maior parte dos laboratórios de cultivo e de óleo de rosas em Taif. Eles produzem attar autêntico, com um aroma único e forte e uma cor amarela, às vezes levemente esverdeada (a cor verde revela má qualidade).

Apesar da crença popular, a fragrância da Rosa de Taif não é duradoura na pele, pois é rapidamente absorvida. Para produzir uma garrafa de 11 gramas de attar, são necessárias cerca de 40.000 flores de rosas - que custam cerca de US$ 400.




Espero que tenham gostado e acrescentado mais conhecido à vida de voces.
Compartilhem!

Cris Freitas
Oriente Medio




 
Leia Mais ►

Leia Mais ››

5 MANEIRAS "MORTIFERAS" DE DIZER EU TE AMO EM ÁRABE



Parece ser piada, mas não é! 😁 O povo árabe é realmente dramático em se tratando de demonstrar sentimentos...
A língua árabe por si só, já tem empregnada em suas raízes a forte marca dramatica da poesia, por isso uma simples frase pode parecer uma poema, acredite.

"Árabe é a língua das expressões poéticas."

Desde de dizer a alguém que seus olhos são bem vindos (tikram ay'ounik), até o ambíguo in'shallah; é uma linguagem que chega a extremos ao expressar emoções, particularmente quando se trata de amor.

Retiradas das redondezas árabes, aqui estão as 5 mais enfáticas frases "mortais" para expressar amor, seja de mãe ou de enamorados. Traduzindo para Português podem parecer engraçadas e causar varias risadas... Acompanhe 😁

1. To'borny [تقبرني]

Literalmente fica: enterra-me (me enterra) no sentido literal de sepultar

É realmente uma maneira de dizer que te amo tanto que prefiro morrer e me enterrar antes de te perder. Deprimindo muito? 
Uma comparação com o Português seria, Você me mata! Vou morrer se te perder... 😁, no árabe eles pulam direto para o enterro rsrsrs.


2. Ya 3dame [ يا عظامي]

Tradução literal: meus ossos.

 
 Quando você diz: ya 3dame, (oh meus ossos) você está mostrando quanto essa pessoa é parte de você. Só mais uma maneira de dizer que te amo tanto que você é o que me mantém inteira, em pé e viva. Meu cerne... Tudo bem! Não é nada extremo.
Comparando em Português, fica mais ou menos: Você é uma parte de mim!  

3. Bamut Fík [بموت فيك]

Tradução literal: eu morro em você.


Basicamente: eu te amo até a morte. Em você. Esquisito.?

4. 7obak ghaly [حبك غالي]

Tradução literal: Seu amor é caro.

Essa frase não está falando o tanto que você tem gastado com presentes, jantares, passeios para agradar seu/sua amado/a...  Está falando quanto ele/a é valioso/a pra você.
(Não que um anelzinho de brilhante não seja um ótimo agente de felicidade) 😍Just joking!


5. Dayeb Fík [دايب فيك ]

Tradução literal: eu me derreto em você.



Dessa vez não teve nada muito bizarro envolvido, apenas o derretimento 😂... No Brasil temos algo parecido como: eu me derreto POR você, que chegou perto, apesar de que no árabe o "fík" significa "EM você"... Seria um amor muito quente? Eu me afino rsrsrs.



Apenas mais um post para descontrair. Aceitamos sugestoes.

Compartilhe, comente e nos siga!!
Siga nossa pagina no Facebook: Arabicess Brasil Egito

Cris Freitas nos Emirados Arabes Unidos

 #línguaárabe #frasesemárabe #culturaárabe
Leia Mais ►

Leia Mais ››

Café árabe, um símbolo de generosidade

© TCA, 2014
 

As variações da palavra CAFÉ nos diferentes sotaques árabes:

árabe padrão fusha: qahua - قهوة
árabe égípcio: 'ahua - أهوة
árabe do golfo: gahua - قهوة
No golfo o ق é pronunciado "g" e no Egito não é pronunciado ficando um som mudo.






Inscrito em 2015 na Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO.

Servir café árabe é um aspecto importante da hospitalidade nas sociedades árabes e considerado um ato cerimonial de generosidade. Tradicionalmente, o café é preparado na frente dos hóspedes. A produção de café começa com a seleção de grãos, que são levemente assados ​​em uma panela rasa sobre um fogo, depois colocados em um almofariz de cobre e socados com um pilão de cobre. Os grãos de café são colocados em um grande pote de café de cobre; a água é adicionada e a panela é colocada no fogo.

Uma vez fabricada, é despejada em uma cafeteira menor, da qual é despejada em pequenas xícaras.
O convidado mais importante ou mais velho é servido primeiro, enchendo um quarto do copo, que pode ser reabastecido. A prática comum é beber pelo menos uma xícara, mas não exceder três. O café árabe é feito e apreciado por homens e mulheres de todos os segmentos da sociedade, particularmente em casa. Os sheikhs e chefes de tribos que servem café árabe em seus espaços de reunião, homens e mulheres beduínos idosos e donos de lojas de café são considerados os principais apreciadores.

Conhecimento e tradições são passados ​​dentro da família através da observação e prática.
Jovens membros da família também acompanham os mais velhos ao mercado para aprender a selecionar os melhores grãos de café.
 
Cardamomo, cominho, cravo, açafrão também são adicionados para adicionar uma outra dimensão ao já requintado sabor do café fresco. Depois de preparar o café, é servido em pequenos copos para os convidados. A pessoa que serve o café para os convidados ou membros da família (muqahwi) deve ser madura, pelo menos 15 anos e acima e não uma criança para que ele possa falar bem com os convidados e não arriscar derramar café sobre as roupas dos hóspedes. ele os serve. "O muqahwi deve segurar o dallah em sua mão esquerda e cerca de três xícaras pequenas sem alça à direita"
Ele deve servir o café a partir da pessoa sentada à direita dos majlis e não deve pular ninguém. Se há uma pessoa muito importante nos majis, como um xeque ou um erudito religioso, ele deve ser servido primeiro. O muqahwi deve então servir os outros, começando com a pessoa à sua direita ". Depois de beber, o convidado sacode suavemente a taça pequena para mostrar o muqahwi que ele fez. O muqahwi permanece em pé até que todos os hóspedes tenham terminado de beber o café. E é proibido servir café enquanto as pessoas comem alimentos.




Al Majilis - A Sala  

A majlis é tão importante agora como sempre foi na história dos Emirados Arabes Unidos. Ela une as comunidades. É um lugar para trocar ideias e informações. A majlis serve propósitos culturais, sociais, educacionais e até políticos.
A área da Majlis é geralmente grande, confortável e equipada com instalações de produção de bebidas. Anciãos com amplo conhecimento local, xeiques, acadêmicos e membros da família se reúnem neste lugar como uma forma de união e de onde discutem várias questões importantes.Os anciãos da família, possuem mais tempo para sentar-se especialmente, à noite, para que as crianças possam aprender com eles. Sentados nos majis com os convidados, e com jovens, mostra-lhes como viver. Esses costumes são passados paras as geraçoes futuras.

Dallah - O Bule árabe

Considerado um símbolo no mundo árabe, o Dallah é o utensílio onde os árabes servem seu delicioso café. Algumas cidades usam o Dallah como um marco em praças ou rotatórias, dando boas vindas aos que chegam à cidade.
dallah
Um dallah (árabe: دلة) é um tradicional bule de café árabe usado durante séculos para preparar e servir Qahwa (gahwa), um café árabe ou café do Golfo feito através de um ritual de várias etapas, um café picante e amargo tradicionalmente servido durante festas como Eid al-Fitr. É comumente usado na tradição cafeeira da península arábica e dos beduínos. Os beduínos idosos usavam o ritual de preparação do café, servir e beber como sinal de hospitalidade, generosidade e riqueza. Em grande parte do Oriente Médio ainda está ligado à convivência com amigos, familiares e parceiros de negócios, por isso está normalmente presente nos principais ritos de passagem, como nascimentos, casamentos e funerais e algumas reuniões de negócios. 

Dallah tem uma forma distinta, apresentando um corpo bulboso que se afunila até uma "cintura" no meio e se alarga no topo, coberto por uma tampa em forma de espiral coberta por um remate alto e sustentada por uma alça sinuosa.
A característica mais distintiva é um longo bico com um bico em forma de crescente. Este bico pode ser coberto com uma aba de metal para manter o café mais quente, mas tradicionalmente é aberto para ver o café à medida que é derramado.


 
Um dallah pode ser feito de latão, aço, prata e até mesmo ouro 24K para ocasiões especiais ou usado pela realeza. 
As origens do dallah não são claras. Entre as primeiras referências a um dallah como uma caldeira de café na data da forma moderna até meados do século XVII.
O dallah desempenha um papel tão importante na identidade dos países do Golfo Pérsico que é apresentado em obras de arte públicas e em moedas monetárias.
Com padrões geométricos, plantas e flores estilizadas, cenas de amor da poesia árabe ou outras decorações, incluindo gemas semipreciosas e marfim.  Os dallah modernos são embarcações mais tipicamente práticas, e até dallah e thermos automáticos estão disponíveis para o bebedor moderno de café. 
Em sua forma mais básica, o café árabe ou do Golfo tem ingredientes e preparações simples: água, café torrado levemente e cardamomo moído são cozidos em um banho por 10 a 20 minutos e servidos não-filtrados em xícaras demitass . Outras receitas tradicionais e regionais incluem açafrão ou outras especiarias.
É também chamado de "caldeira de Bagdá" ou "pote do Golfo".



Finjaan - A pequena xícara sem alça


Uma pequena xícara e sem alça, parecendo uma xícara de chá para nós do ocidente, o Finjaan é onde os árabes servem seu café. Não deve ser preenchido até em cima, apenas um quarto ou metade.
Ela pode ser de porcelana ou vidro.
Para indicar que já está satisfeito e não deseja mais café, o finjaan deve ser levantado e levamente virado de uma lado para outro, assim o muqahwi não servirá mais café.




finjaan para chá

Etiópia

Você sabia, por exemplo, que foi um pastor de cabras etíope que descobriu o efeito dos grãos de café? Isso foi há muito tempo atrás. Ele provou o feijão e sentiu um aumento de energia, tendo a noção em sua cabeça depois de observar seus animais sendo excepcionalmente vivos no final do dia depois de terem pastado além de um arbusto que estava carregado de bagas.

 Assista ao video da UNESCO em Inglês

 






Esse post foi feito com pesquisas em vários sites.


Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos

 



Leia Mais ►

Leia Mais ››