Páginas

ÁRABE EGÍPCIO: COMO EXPRESSAR SAUDADE NO DIALETO EGIPCIO

Árabe Egipcio nivel Hard 💪😂😂


sinto falta em árabe egípcio


wahasha  وحشة

No dialeto árabe egípcio, a palavra usada para "sentir falta/saudade" é و َحـَش (wahasha) que se procurarmos no dicionário tem vários significados. Veja no final do post.
Falar de sentir saudade no árabe egípcio é um pouquinho complicado de explicar, porque quem pratica a ação é a outra pessoa. No portugues ficaria mais ou  menos assim: "Eu sinto saudades de voce.", mas no árabe egípcio ficaria: "Você me causou saudade/solidão.", precisamos de um verbo auxiliar para a explicaçao porque não tem algo parecido no portugues rsrs.

   وحشتني= waHashtini (sinto sua falata dita para um homem)
wahash = verbo
ti = desinencia masculina
ni = me/mim/eu

Isso realmente se traduz literalmente: você me fez sentir sozinho.
Essa frase demorou um pouco para envolver minha mente. Você pensaria que seria وحشتك (wahashtak), certo? Afinal, em portugues dizemos que senti sua falta. Mas em egípcio eles fazem o contrário. Então, se você quisesse dizer "você sentiu minha falta" você diria وحشتك؟ , mas "eu senti sua falta" é وحشتني. Eu penso nisso como "Você me fez sentir sua falta". A ação está sendo feita para a outra pessoa.

وحشني waHashni = Eu sinto falta ... (seguido do que você sente falta) وحشتني waHashtini = Sinto sua falta (para um homem)
وحشتيني waHashteni = Sinto sua falta (para uma mulher)
وحشتوني waHashtuni = Sinto sua falta (para duas ou mais pessoas)

Todos são, na verdade, o pretérito, mas são freqüentemente usados ​​com um significado do tempo presente.
As conjugações do presente são:
واحشني waHeshni = Sinto sua falta (para um homem)
واحشاني waHshaani = Sinto sua falta (para uma mulher)
واحشني waHshinni = Sinto sua falta (para duas ou mais pessoas)

BetewHashni / BetewHashiini é uma coisa diferente. É sobre um hábito ou uma coisa normal que continua acontecendo. O b na frente do verbo indica o presente contínuo.
Sempre que você viaja, sinto sua falta.
بتوحشيني لما بتسافري ou لما بتسافري بتوحشيني betewHashiini lamma betsafri
 



Eu acredito que tem a ver com o significado exato da palavra. O substantivo  do verbo é wa7sha وَحْشَة , que é um sentimento de solidão e de ser distante; da mesma raiz é wa7sh (selvagem). Então, acho que a razão pela qual é usada no passado é que significa, pelo menos originalmente, que estar longe dele o coloca em um estado de consciência - estar sozinho e distante. Eu acho que na EA o significado mudou um pouco para significar falta de alguém, mas o modo como é usado (no passado) ainda é comum devido à origem.



Eu sinto muito a sua falta:


Além disso, se você quiser dizer “muito”, a mesma palavra se aplica a todos os três casos, e é em egípcio “أوي” pronunciado como “Awi”.
 وحشتني قوي (wahashtani awi) - Eu senti muito a sua falta.

Outra forma Egípcia -> “إنت واحشنى أكتر” pronunciado “enta waheshny aktar”;
Mas em Standard / Formal Arabic -> "أأنا أفتقدك أيضاً" pronunciado "wana aftaqedak aydan".

Eu também sinto sua falta:

أنت كمان واحشني ou enta kaman waheshny para homem 
Enty kaman wahshany (dirigindo-se a uma mulher).


Para a linguagem formal: أفتقدك كثيرا أيضا  =  abtaqedoka katheran aydan.






Quando NÒS sentimos sua falta:


Para "nós sentimos sua falta (singular)" seria wahashna (وحشتنا). A tradução literal é algo como "você nos fez sentir sua falta". Em outras palavras, o sujeito do verbo wahash (وحش) é a pessoa que se foi e o objeto é a pessoa que sentiu a ausência, então você muda o pronome no final do verbo de ne para na (ني to نا). 

Você pode dizer waHashtina وَحَشْتِنَا que está na forma passada, e mais precisamente significa "sentimos sua falta", mas também transmite o significado de "sentimos sua falta" (no presente).

Ou você pode dizer waaHishna وَاحِشْنَا, que é o particípio ativo, que significa "sentindo sua falta".

Como um gramatico corretamente aponta, o sujeito do verbo é a pessoa que esteve ausente. Essa pessoa fez com que nos sentíssemos "absortos" por estarmos ausentes ... como se sentíssemos falta dele.



 Em outros dialetos:


  •  No dialeto libanês (O dialeto árabe usado pelos libaneses no Líbano e em todo o mundo. É bastante semelhante ao árabe sírio, palestino e jordaniano)


Para uma mulher: Shta2telik - شتقتلك
Para um homem: Shta2telak -
شتقتلك
Nota: O 2 no dialeto libanês tem um som hamzah que substitui o "qaf", pois é uma versão modernizada do Modern Standard Arabic. Ao escrevê-lo, a maioria dos libaneses ainda o escreve em árabe com a letra “qaf” / “ق“.

Em árabe, independentemente do gênero para o qual ele é direcionado, ele é escrito com o mesmo, no entanto, usa diferentes sotaques. Palavras fortemente acentuadas são vistas em mais documentos oficiais, textos religiosos ou literatura. Para a sua escrita cotidiana, eles não são muito usados.

  • Na Jordânia a forma é
     "mushta2 elak" / َمشتاق إليك por eu sentir sua falta (em geral) para um homem;
     e para uma garota você diz "mushta2 elik" / ِمشتاق إليك
você usaria isso quando realmente sente falta da pessoa, mas ainda não consegue ver / falar com ela

     Você também pode dizer "اشتقت لك" / ashtaqt lak / lik - eu sinto sua falta e tem um significado amigável para alguém que você não está tão perto.

     Eu estou sentindo falta de Haifa será:
     Ana Mushtaq Haifa

     Se você queria dizer que eu vou sentir sua falta, então você pode dizer
     "رح اشتقلك"
     rah ishtaqlak (para um menino) / lik (para uma garota) 

  • Na Tunísia, quando se quer dizer "eu sinto sua falta", ele diz "توحشتك twahashtek", que tem raízes na palavra árabe "الوحشة", que significa solidão. "Eu sinto sua falta" é "eu me sinto solitário sem você" no dialeto tunisiano. E eu acho isso lindo!

  • Em Fusha (ou Árabe Padrão Moderno), isto seria ishtaqtu ilayka katheeran se dito a um homem ou ishtaqtu ilayki katheeran se dito a uma mulher.

Há um poema que eu gosto muito do poeta sírio Nizar Qabbani, رسالة من تحت الماء (Carta debaixo da água), onde ele diz o seguinte:

اشتقت اليك… فعلمني ان لا اشتاق

"Eu sinto sua falta, me ensine a não sentir"
  • No dialeto árabe moderno padrão (o árabe que todas as nações árabes compartilham em literatura, mídia, agências noticiosas e escolas)

Para uma mulher: Ana meshtaq ilayki - انا مشتاق إليك
Para um homem: Ana meshtaq ilayk - أنا مشتاقة إليك

  • No dialeto Darija, Marrocos eu fiz um post aqui.



Tradução e Significado de وحشة no Dicionário Português Árabe

Texto original.........Significado.
desolação .................وَحْشَة
Frieza .......................وحشة
saudade .................... وحشة
solidão.......................وَحْشَة
Barbarize...................وحش
besta...........................وَحْش
bicharada ....................وحش
deserta.........................وَحْش
Fera .............................وحش
selvagem ......................وَحْش



Se alguém tem  uma explicação mais clara, por favor, deixe nos comentários, porque eu acho que não consegui mostrar bem como é feito o uso da palavra wahasha. :(

Cris Freitas nos Emirados




Leia Mais ►

Leia Mais ››

ARABE MARROQUINO: COMO EXPRESSAR "SAUDADE" NO DIALETO DARIJA

sinto falta - saudade, em árabe darija (Marrocos)


  O assunto hoje é árabe marroquinho, que se chama Darija, o dialeto árabe falado em Marrocos.

Em árabe marroquino (Darija) o verbo usado quando dizer "sentir falta" quando se fala de emoções é "twaHHsh" [توحش].  

  • Para dizer as expressões “sinto sua falta” em árabe marroquino, isso seria “twaHHshitik” [توحشتك]. 

  •  Se alguém dissesse “twaHHstk bezzaf” [توحشتك بزاف] então isso significaria “Sinto muito a sua falta”.

  • Uma pessoa que quisesse dizer “sinto falta da minha família” poderia dizer “twaHsht aa-ilti”[ توحشت عائلتي ];

  • ou se a pessoa dissesse “twaHHsht Shaabi” [توحشت صحابي] isso poderia ser traduzido como “sinto falta dos meus amigos”.
 
  • Ao falar sobre estar com saudades de casa, a palavra “l ghorba” [الغربة] pode ser usada.
  • Em árabe marroquino a palavra “msha” [مشا] significa “ido/foi” ou pode significar “deixado (pretérito de deixar).” A palavra pode ser usada quando se fala de uma oportunidade perdida. Por exemplo, "twaHHsht shi kwiys d atay maakom" [توحشت شي كويس داتاي معاكم] significa "eu sinto falta de tomar um pouco de chá com você."
 
  • Da mesma forma, se alguém quisesse dizer "eu perdi o ônibus", então a pessoa poderia dizer "msha aliyya TTobiis" [مشا عليا الطوبيس], o que significaria "o ônibus foi sem mim."


 

**Para você ouvir a pronuncia correta, copie e cole a parte em árabe no Google Translator!


O próximo post será como expressar saudades em Árabe Egípcio!
Compartilhe nossos posts nas redes sociais!!



Cris Freitas nos Emirados Arabes


Leia Mais ►

Leia Mais ››

AS VARIAS FORMAS DE DIZER "BOM DIA" EM ÁRABE





Para começar gostaria de explicar que fiz esse post porque algumas pessoas acham que árabe é uma língua sem muita variaçao, mas você vai ver que não. Os árabes parece que colocam poesia em quase tudo, principalmente na forma de se cumprimentar.

Para enteder melhor vamos ver como eles se cumprimentam pela  manhã. É algo tão diferente!

Uma observação se faz necessária para os novatos em árabe, sempre leia em árabe da direita para a esquerda <<<, enquanto em portugues lemos da esquerda para a direita >>>.



Geralmente aprendemos que para bom dia em árabe dizemos "صباح الخير" (sabaH el kher) que literalmente significa "manhã do bem". E a resposta seria: "صباح النور" (sabaH ennur) que significa manhã de luz. Oferecidos a você,  no caso. Em arabe padrao ou coloquial.

Mas os cumprimentos pela manhã não param ai. Usaremos outras variaçoes no lugar do "الخير" (elkher). Vejamos:


  • صباح الفل (sabaH elful) = الفل (ful) é um tipo de jasmim da arábia, uma flor. Então seu cumprimento ficará: manhã de jasmim!
E a resposta para essa expressão é "على الفل" (ala ful) que significa "para jasmim", ou seja, quem foi cumprimentado retribui chamando a pessoa de "jasmim".
ala = para
ful = jasmim

*ful também pode ser uma comida árabe feita de feijão fava, o prato nacional egípcio, e muitas vezes essa expressao de bom dia pode soar como uma brincadeira.


  • صباح القشطة (SabāH il-eshTa) = manhã de creme
  • صباح الورد (SabāH il-ward ) =  manhã de rosas
  • صباح الجمال - (Sabah Elgamal) = Linda manhã



 A tarde:



Boa tarde: مساء الخير (masā 'al-kher) tarde do bem
Resposta: مساء النور (masā 'an-nūr) tarde de luz

**Você também pode dizer مساء القشطة, مساء الفل e مساء الورد (ileshta / il ward / il gamal / elful) aqui também.


 A noite


Boa noite: تصبح على خير (tiSbaH 3ala kher) - lit. Acordar para o bem (saudabel)
Resposta: وانت من أهله (winta min ahlo)  E voce no bem.


Um video para ajudar voces na pronúncia



Cris Freitas nos Emirados ARabes Unidos

Leia Mais ►

Leia Mais ››

A HISTORIA DOS ÁRABES -P3


Esse post é continuação dos posts:


A Tabula Rogeriana, desenhada por al-Idrisi para Roger II da Sicília em 1154, é um dos mais avançados mapas do mundo antigo. Consolidação moderna, criada a partir dos 70 spreads de página dupla do atlas original.




Diáspora árabe


Imigrantes sírios em Nova York , como descrito em 1895


A diáspora árabe refere-se a descendentes de imigrantes árabes que, voluntariamente ou como refugiados, emigraram de suas terras nativas em países não árabes, principalmente na África Oriental, América do Sul, Europa, América do Norte, Austrália e partes do Sul da Ásia, Sudeste Asiático, o Caribe e a África Ocidental. Segundo a Organização Internacional para as Migrações, existem 13 milhões de migrantes árabes de primeira geração no mundo, dos quais 5,8 milhões residem em países árabes. Expatriados árabes contribuem para a circulação do capital financeiro e humano na região e, assim, promovem significativamente o desenvolvimento regional. Em 2009, os países árabes receberam um total de US$ 35,1 bilhões em remessas e as remessas enviadas à Jordânia, Egito e Líbano de outros países árabes são 40 a 190% mais altas do que as receitas comerciais entre esses e outros países árabes. A comunidade libanesa de 250.000 homens na África Ocidental é o maior grupo não africano da região. Os comerciantes árabes operam há muito tempo no sudeste da Ásia e ao longo da costa de suaíli da África Oriental. Zanzibar já foi governado por árabes de Omã. A maioria dos proeminentes indonésios, malaios e cingapurianos descendentes de árabes são pessoas hadramis com origens no sul do Iêmen na região costeira de Hadramawt.
Há milhões de árabes vivendo na Europa concentrados principalmente na França (cerca de 6.000.000 em 2005). A maioria dos árabes na França é do Magreb, mas alguns também vêm das áreas do Mashreq no mundo árabe. Os árabes na França formam o segundo maior grupo étnico depois de franceses de origem francesa. Espanha (cerca de 800.000 a 1.600.000 - 1.800.000), houve árabes na Espanha desde o início do século VIII, quando a conquista dos Omíadas da Hispânia criou a estado de Al-Andalus. Alemanha (mais de 1.000.000), Itália (cerca de 680.000), Reino Unido (366.769 a 500.000). Grécia (250.000 a 750.000), Além disso, a Grécia tem pessoas de países árabes que têm o estatuto de refugiados (por exemplo, refugiados da guerra civil síria) ou imigrantes ilegais que tentam imigrar para a Europa Ocidental. Suécia (210,400). Holanda (180.000). Dinamarca (121.000). E em outros países europeus, como Noruega, Áustria, Bulgária, Suíça, República da Macedônia, Romênia e Sérvia. Até o final de 2015, a Turquia tinha uma população de 78,7 milhões, com refugiados sírios representando 3,1% desse número com base em estimativas conservadoras. As tendências demográficas indicam que o país já tinha de 1.500.000a mais de 2.000.000, de modo que o eleitorado árabe da Turquia agora é de 4,5 a 5,1% da população. Em outras palavras, quase 4-5 milhões de habitantes árabes.
O museu nacional árabe americano, em, Dearborn, michigan, estados unidos américa


A imigração árabe para os Estados Unidos começou em números consideráveis ​​durante a década de 1880. Hoje, estima-se que cerca de 3,7 milhões de americanos tenham raízes em um país árabe. Os árabes americanos são encontrados em todos os estados, mas mais de dois terços deles vivem em apenas dez estados: Califórnia, Michigan, Nova York, Flórida, Texas, Nova Jersey, Illinois, Ohio, Pensilvânia, e Virginia. Metropolitan Los Angeles, Detroit e New York City abrigam um terço da população. Ao contrário de suposições ou estereótipos populares, a maioria dos árabes-americanos é nativa, e quase 82% dos árabes nos EUA são cidadãos. Imigrantes árabes começaram a chegar ao Canadá em pequeno número em 1882. Sua imigração foi relativamente limitada até 1945, após o que aumentou progressivamente, particularmente na década de 1960 e posteriormente. De acordo com o site "Quem são os canadenses árabes", Montreal, a cidade canadense com a maior população árabe, tem aproximadamente 267.000 habitantes árabes.
A América Latina tem a maior população árabe fora do mundo árabe. A América Latina abriga de 17 a 25 milhões de pessoas de descendência árabe, que é mais do que qualquer outra região da diáspora no mundo. Os governos brasileiro e libanês afirmam que há 7 milhões de brasileiros descendentes de libaneses. Além disso, o governo brasileiro afirma que há 4 milhões de brasileiros descendentes de sírios. De acordo com pesquisa realizada pelo IBGE em 2008, abrangendo apenas os estados do Amazonas, Paraíba, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Distrito Federal, 0,9% dos entrevistados brasileiros brancos disseram ter origem familiar no Oriente Médio. Outras grandes comunidades árabes incluem a Argentina (cerca de 4.500.000). O casamento interétnico na comunidade árabe, independentemente da filiação religiosa, é muito alto; a maioria dos membros da comunidade tem apenas um dos pais que tem etnia árabe. Venezuela (mais de 1.600.000), Colômbia (mais de 1.600.000 a 3.200.000), México (mais de 1.100.000), Chile (mais de 800.000) e na América Central, particularmente El Salvador e Honduras (entre 150.000 e 200.000) é o quarto maior do mundo depois daqueles em Israel, no Líbano e na Jordânia. Os haitianos árabes (um grande número dos quais vivem na capital) são, na maioria das vezes, concentrados em áreas financeiras onde a maioria deles cria negócios.
Em 1728, um oficial russo descreveu um grupo de nômades árabes que povoavam as margens do Mar Cáspio de Mugã (no atual Azerbaijão ) e falavam uma língua málti-árabe. Acredita-se que esses grupos migraram para o Cáucaso no século XVI. A edição de 1888 da Encyclopædia Britannica também mencionou um certo número de árabes que povoam a província de Baku do Império Russo. Eles mantiveram um dialeto árabe pelo menos até meados do século 19, há quase 30 assentamentos ainda mantendo o nome árabe (por exemplo, Arabgadim, Arabojaghy, Arab-Yengija, etc.). Desde a conquista árabe do Cáucaso, a migração árabe em pequena escala de várias partes do mundo árabe ocorreu no Daguestão. A maioria deles vivia na aldeia de Darvag, a noroeste de Derbent. A mais recente dessas contas data da década de 1930. A maior parte das comunidades árabes do sul do Daguestão sofreram a turbulição lingüística, e atualmente Darvag é uma aldeia de maioria azeri. De acordo com a História de Ibn Khaldun, os árabes que já foram na Ásia Central foram mortos ou fugiram da invasão tártara da região, deixando apenas os habitantes locais. No entanto, hoje muitas pessoas na Ásia Central se identificam como árabes. A maioria dos árabes da Ásia Central está totalmente integrada às populações locais e às vezes se autodenominam os locais (por exemplo, tadjiques, uzbeques), mas usam títulos especiais para mostrar sua origem árabe, como Sayyid , Khoja ou Siddiqui.
Existem apenas duas comunidades na Índia que se identificam como árabes, a Chaush da região de Deccan e a Chavuse de Gujarat. Esses grupos são em grande parte descendentes de migrantes hadramis que se estabeleceram nessas duas regiões no século XVIII. No entanto, nenhuma das comunidades ainda fala árabe, embora os Chaush tenham visto a reimigração para os países árabes do Golfo Pérsico e, portanto, uma re-adoção do árabe. No sul da Ásia, onde a ascendência árabe é considerada de prestígio, muitas comunidades têm mitos de origem que reivindicam ascendência árabe. Estes incluem o Mappilla de Kerala e o Labbai de Tamil Nadu. Entre os árabes do norte da Índia e do Paquistão, há grupos que reivindicam o status de Sayyid e têm mitos de origem que alegam descendência de Maomé. O biradri iraquiano do sul da Ásia pode ser considerado árabe porque os registros de seus antepassados ​​que migraram do Iraque existem em documentos históricos. Há cerca de 5.000.000 de indonésios nativos com ascendência árabe. Os indonésios árabes são principalmente descendentes de hadramis. Os mouros do Sri Lanka são o terceiro maior grupo étnico no Sri Lanka, compreendendo 9,23% da população total do país. Algumas fontes traçam a ancestralidade dos mouros do Sri Lanka para os comerciantes árabes que se estabeleceram no Sri Lanka em algum momento entre os séculos VIII e XV.
Os afro-árabes são indivíduos e grupos da África que têm descendência árabe parcial. A maioria dos afro-árabes habita a costa suaíli na região africana dos Grandes Lagos , embora alguns também possam ser encontrados em partes do mundo árabe. Um grande número de árabes migraram para a África Ocidental, particularmente a Costa do Marfim (lar de mais de 100.000 libaneses), Senegal (cerca de 30.000 libaneses), Serra Leoa (cerca de 10.000 libaneses hoje; 30.000 antes do início da guerra civil em 1991), Libéria e Nigéria. Desde o fim da guerra civil em 2002, os comerciantes libaneses foram restabelecidos em Serra Leoa. Os árabes do Chade ocupam o norte de Camarões e Nigéria (onde às vezes são conhecidos como Shuwa), e se estendem como um cinturão pelo Chade e no Sudão, onde são chamados de agrupamento de Baggara. Grupos étnicos árabes que habitam a porção do Sahel da África. Os árabes chadianos são (2.391.000 a 2.500.000), Nigéria (289.000), Camarões (171.000), Níger (150.000) e República Centro-Africana (107.000).

Religião


Os árabes são em sua maioria muçulmanos com uma maioria sunita e uma minoria xiita, uma exceção são os ibadis, que predominam em Omã. Os cristãos árabes geralmente seguem as Igrejas orientais, como as igrejas ortodoxa grega e católica grega, embora também exista uma minoria de seguidores da Igreja Protestante. Há também comunidades árabes que consistem em drusos e bahá'ís.
Antes da chegada do Islã, a maioria dos árabes seguia uma religião pagã com várias divindades, incluindo Hubal, Wadd, Allāt, Manat e Uzza. Alguns indivíduos, os hanifs, aparentemente rejeitaram o politeísmo em favor do monoteísmo não afiliado a qualquer religião em particular. Algumas tribos se converteram ao cristianismo ou ao judaísmo. Os reinos cristãos árabes mais proeminentes eram os reinos Ghassanid e Lakhmid. Quando o rei himiarita se converteu ao judaísmo no final do século IV, as elites do outro proeminente reino árabe, os Kinditas , sendo vassalos himiritas, aparentemente também se converteram (pelo menos parcialmente). Com a expansão do Islã, os árabes politeístas foram rapidamente islamizados e as tradições politeístas desapareceram gradualmente.
Hoje, o islamismo sunita domina na maioria das áreas, principalmente no norte da África e no Chifre da África. O islamismo xiita é dominante entre a população árabe no Bahrein e no sul do Iraque, enquanto o norte do Iraque é predominantemente sunita. Existem populações xiitas substanciais no Líbano, Iêmen, Kuwait, Arábia Saudita, no norte da Síria e na região de Al-Batinah, em Omã. Há um pequeno número de Ibadi e muçulmanos não-denominacionais também. A comunidade drusa está concentrada no Líbano, na Síria, em Israel e na Jordânia.

Muitos drusos reivindicam a independência de outras religiões importantes na área e consideram sua religião mais de uma filosofia. Seus livros de adoração são chamados de Kitab Al Hikma (Epistles of Wisdom). Eles acreditam em reencarnação e oram a cinco mensageiros de Deus. Em Israel, os drusos têm um status aparte da população árabe em geral, tratada como uma comunidade étnico-religiosa separada.
O cristianismo teve uma presença proeminente na Arábia pré-islâmica entre várias comunidades árabes, incluindo o povo bahrani da Arábia Oriental, a comunidade cristã de Najran, em partes do Iêmen e entre certas tribos do norte da Arábia, como os Ghassanids, Lakhmids, Taghlib, Banu, Amela, Banu Judham, Tanukhids e Tayy . Nos primeiros séculos do cristianismo, a Arábia era às vezes conhecida como Arábia Herética, devido a ser "bem conhecida como um terreno fértil para interpretações heterodoxas do cristianismo". Os cristãos representam 5,5% da população da Ásia Ocidental e Norte da África. Uma parte considerável desses são os cristãos árabes propriamente ditos e afiliadas populações de coptas e maronitas que falam árabe. No Líbano, os cristãos são cerca de 40,5% da população. Na Síria, os cristãos representam 10% da população. Na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, os cristãos representam 8% e 0,7% das populações, respectivamente. No Egito, os cristãos coptas representam cerca de 10% da população. No Iraque, os cristãos constituem 0,1% da população. Em Israel, os cristãos árabes constituem 2,1% (cerca de 9% da população árabe). Os cristãos árabes representam 8% da população da Jordânia. A maioria dos árabes norte-americanos e sul-americanos é cristã, assim, cerca de metade dos árabes na Austrália vêm particularmente do Líbano, da Síria e da Palestina. Um membro bem conhecido desta comunidade religiosa e étnica é Saint Abo, mártir e santo padroeiro de Tbilisi, na Geórgia. Os cristãos árabes também vivem em cidades cristãs sagradas como Nazaré, Belém e no Bairro Cristão da Cidade Velha de Jerusalém e muitas outras aldeias com locais sagrados cristãos.

Cultura


A cultura árabe é a cultura do povo árabe, do Oceano Atlântico, a oeste, ao Mar da Arábia, a leste, e do Mar Mediterrâneo. Linguagem, literatura, gastronomia, arte, arquitetura, música, espiritualidade, filosofia, misticismo (etc.) fazem parte do patrimônio cultural dos árabes

Os árabes compartilham crenças e valores básicos que cruzam fronteiras nacionais e sociais . As atitudes sociais permaneceram constantes porque a sociedade árabe é mais conservadora e exige conformidade de seus membros.
  


Idioma


Outra característica importante e unificadora dos árabes é uma linguagem comum. O árabe é uma língua semítica da família afro-asiática. Evidências de seu primeiro uso aparecem em relatos de guerras em 853 aC. Também se tornou amplamente utilizado no comércio e comércio. O árabe também é uma língua litúrgica de 1,7 bilhão de muçulmanos.

O árabe é uma das seis línguas oficiais das Nações Unidas. É reverenciado como a linguagem que Deus escolheu para revelar o Alcorão.

O árabe se desenvolveu em pelo menos duas formas distintas. O árabe clássico é a forma da língua árabe usada em textos literários dos tempos omíadas e abássidas (séculos VII a IX). Baseia-se nos dialetos medievais das tribos árabes . O Modern Standard Arabic (MSA)ou Árabe Moderno Padrão é o descendente direto usado hoje em todo o mundo árabe por escrito e em discurso formal, por exemplo, discursos preparados, algumas transmissões de rádio e conteúdo não relacionado a entretenimento, enquanto o léxico e a estilística do Modern Standard Árabe são diferentes do árabe clássico. O árabe coloquial, uma língua falada informal, varia de dialeto de região para região; várias formas da linguagem estão em uso hoje e fornecem uma força importante para a coesão árabe.




Mitologia


A mitologia árabe compreende as antigas crenças dos árabes. Antes do Islã, a Caaba de Meca estava coberta de símbolos que representam a miríade de demônios, gênios, semideuses, ou simplesmente deuses tribais e outras divindades sortidas que representavam a cultura politeísta do pré-islâmico. Inferiu-se desta pluralidade um contexto excepcionalmente amplo em que a mitologia poderia florescer. As bestas e demônios mais populares da mitologia árabe são Bahamu, Dandan,  Falak, Ghoul, Hinn, Jinn, Karkadann, Marid, Nasnas, Qareen, Roc, Shadhavar, Werehyena e outras criaturas variadas que representam o ambiente profundamente politeísta do pré-islâmico.

O símbolo mais óbvio da mitologia árabe é o Jinn ou o gênio. Os jinns são seres sobrenaturais de diferentes graus de poder. Eles possuem livre arbítrio (isto é, podem escolher ser bons ou maus) e vêm em dois sabores. Existem os Marids, geralmente descritos como o tipo mais poderoso de Jinn. Estes são o tipo de gênio com a capacidade de conceder desejos aos seres humanos. No entanto, a concessão desses desejos não é gratuita. O Alcorão diz que os gênios foram criados a partir de "marijin min nar" (fogo sem fumaça ou uma mistura de fogo; os estudiosos explicaram, esta é a parte da chama, que se mistura com a escuridão do fogo). Eles não são puramente espirituais, mas também são de natureza física, sendo capazes de interagir de forma tátil com pessoas e objetos e também sermos tratados. Os gênios , os humanos e os anjos formam as conhecidas criações sapientes de Deus.

Um carniçal é um monstro ou espírito maligno na mitologia árabe, associado a cemitérios e consumindo carne humana, acreditando-se que os demoníacos habitam cemitérios e outros lugares desertos. No antigo folclore árabe, ghūls pertencia a uma classe diabólica de jinn (espíritos) e foi dito que eles eram descendentes de Iblis, o príncipe das trevas no Islã. Eles eram capazes de mudar constantemente de forma, mas sua presença era sempre reconhecível por seu sinal inalterável - os cascos de bunda, que descreve o ghūl do folclore árabe. O ghul é um tipo diabólico de gênios que se acredita ser filho de Ibli.


 



Literatura


Al-Jahiz (nascido em 776, em Basra - dezembro de 868 / janeiro de 869) foi um escritor de prosa árabe e autor de obras de literatura, teologia de Mu'tazili e polêmica político-religiosa. Um estudioso líder no Califado Abássida, seu cânon inclui duzentos livros sobre vários assuntos, incluindo gramática árabe, zoologia, poesia, lexicografia e retórica. De seus escritos, apenas trinta livros sobrevivem. Al-Jāḥiẓ foi também um dos primeiros escritores árabes a sugerir uma revisão completa do sistema gramatical da língua, embora isso não fosse levado a cabo até que seu colega linguista Ibn Maḍāʾ abordasse o assunto duzentos anos depois.
Há um pequeno remanescente da poesia pré-islâmica, mas a literatura árabe emerge predominantemente na Idade Média, durante a Idade de Ouro do Islã. O árabe literário é derivado do árabe clássico, baseado na linguagem do Alcorão, conforme foi analisado pelos gramáticos árabes a partir do século VIII.
Ilustração de Kitab al-Aghani ( Livro das Canções ), de Abu al-Faraj al-Isfahani . O historiador do século XIV Ibn Khaldun chamou o Livro das Canções de o registro dos árabes.


Uma grande parte da literatura árabe antes do século 20 está na forma de poesia, e até mesmo a prosa deste período está repleta de fragmentos de poesia ou está na forma de saj ou de prosa rimada. O poema de ghazal ou de amor tinha uma longa história sendo por vezes terna e casta e outras vezes bastante explícita. Na tradição sufi, o poema do amor assumia uma importância mais ampla, mística e religiosa. A literatura épica árabe era muito menos comum que a poesia, e presumivelmente se origina na tradição oral, escrita a partir do século XIV. Maqama ou prosa rimada é intermediária entre poesia e prosa, e também entre ficção e não-ficção. Maqama era uma forma incrivelmente popular de literatura árabe, sendo uma das poucas formas que continuaram a ser escritas durante o declínio do árabe nos séculos XVII e XVIII.
A literatura e a cultura árabe diminuíram significativamente após o século XIII, em benefício do turco e do persa. Um revival moderno ocorreu no início do século 19, ao lado da resistência contra o domínio otomano. O renascimento literário é conhecido como al-Nahda em árabe e foi centrado no Egito e no Líbano. Duas tendências distintas podem ser encontradas no período nahda do renascimento. O primeiro foi um movimento neoclássico que procurou redescobrir as tradições literárias do passado, e foi influenciado pelos gêneros literários tradicionais - como o maqama - e funciona como Mil e Uma Noites.  Em contraste, um movimento modernista começou traduzindo obras modernistas ocidentais - principalmente romances - para o árabe. Uma tradição de poesia árabe moderna foi estabelecida por escritores como Francis Marras , Ahmad Shawqi e Hafiz Ibrahim. O poeta iraquiano Badr Shakir al-Sayyab é considerado o criador do verso livre na poesia árabe.




Gastronomia


A culinária árabe é a culinária do povo árabe.  As cozinhas são muitas vezes centenárias e assemelham-se e cultura de grande comércio de especiarias, ervas e alimentos. As três principais regiões, também conhecidas como o Magrebe, o Mashriq e o Khaleej têm muitas semelhanças, mas também muitas tradições únicas. Estas cozinhas foram influenciadas pelo clima, cultivando possibilidades, bem como possibilidades de negociação. As cozinhas do Magrebe e do Levante são cozinhas relativamente novas que foram desenvolvidas nos últimos séculos. A cozinha da região de Khaleej é uma cozinha muito antiga. As cozinhas podem ser divididas em cozinhas urbanas e rurais.

TAGINE MARROQUINA

A cozinha árabe segue principalmente uma das três tradições culinárias - dos estados do Magrebe, Levante ou Golfo Pérsico. Nos países do Magrebe (Marrocos, Argélia, Tunísia e Líbia), as refeições principais tradicionais são tajines ou pratos com cuscuz. No Levante,  Palestina, Jordânia, Líbano e Síria), as refeições principais geralmente começam com mezze - pratos pequenos de molhos e outros itens que são comidos com pão. Isso geralmente é seguido por espetos de cordeiro ou frango grelhado. Cozinha do Golfo, tende a ser mais altamente temperada com mais uso de arroz. Às vezes um cordeiro é assado e servido inteiro.

Um vai encontrar os seguintes itens na maioria dos pratos; Canela, peixe (nas zonas costeiras), alho, cordeiro (ou vitela), molhos leves a quentes, hortelã, cebola, arroz, açafrão, gergelim, iogurte, especiarias devido ao comércio pesado entre as duas regiões. Chá, Tomilho (ou orégano), açafrão, Variedade de frutas (principalmente cítricos), Variedade de vegetais, como pepino, berinjela, alface, tomate, pimentão verde, feijão verde, abobrinha e salsa.



Arte


Arte árabe assume muitas formas, embora seja jóias , têxteis e arquitetura que são os mais conhecidos. É geralmente dividido por épocas diferentes, entre elas o árabe primitivo , o início da Idade Média , o final da Idade Média , o final do árabe e, finalmente, o árabe atual. Uma coisa a lembrar é que muitas vezes um estilo particular de uma época pode continuar na seguinte, com poucas mudanças, enquanto algumas têm uma transformação drástica. Isso pode parecer um estranho agrupamento de meios de arte, mas eles estão todos intimamente relacionados.

caligrafia árabe em cufico


A escrita árabe é feita da direita para a esquerda e foi geralmente escrita em tintas escuras, com certas coisas embelezadas com tintas coloridas especiais (vermelho, verde, dourado). No início do árabe e início da Idade Média, a escrita era tipicamente feita em pergaminho feito de pele de animal. A tinta mostrou-se muito bem sobre ela, e ocasionalmente o pergaminho foi tingido em uma cor separada e uma tinta mais brilhante foi usada (isso foi apenas para projetos especiais). O nome dado à forma de escrever nos primeiros tempos era chamado de escrita cúfico.

Miniaturas em árabe são pequenas pinturas em papel , quer sejam ilustrações de livros ou obras de arte separadas. A arte em miniatura árabe data do final do século VII. Os árabes dependiam de tal arte não apenas para satisfazer seu gosto artístico, mas também para explicações científica.
Arco con relieve de piedra con arabescos en el palacio de la Alhambra, España Foto


O arabesco é uma forma de decoração artística que consiste em "decorações de superfície baseadas em padrões lineares rítmicos de folhagens, gavinhas entrelaçadas e entrelaçadas" ou linhas simples, frequentemente combinadas com outros elementos. Outra definição é "Ornamento foliáceo, tipicamente usando folhas, derivadas de meio-palmettes estilizados, que foram combinados com hastes em espiral". Geralmente, consiste em um único desenho que pode ser "lado a lado" ou repetido continuamente quantas vezes desejar.



Arquitetura


Mesquita de Cordoba - Espanha - Arquitetura mourisca
A arquitectura mourisca, como toda a arquitectura islâmica, tem motivos distintos: arcos arredondados, caligrafia árabe, desenho vegetativo e azulejos decorativos.

A arquitetura árabe tem uma história diversa e profunda, que data do alvorecer da história na Arábia pré-islâmica e inclui vários estilos, desde a arquitetura nabateu até a arquitetura antiga, mas ainda usada, em várias regiões do mundo árabe. Cada uma das fases em grande parte, uma extensão da fase anterior, deixou também um forte impacto sobre a arquitetura de outras nações. A arquitetura árabe também abrange uma ampla gama de estilos seculares e religiosos desde a fundação do Islã até os dias atuais. Algumas partes de suas arquiteturas religiosas criadas por árabes muçulmanos foram influenciadas por culturas romanas , bizantinas e culturas de outras terras que os árabes conquistaram nos séculos VII e VIII.

Na Sicília, a arquitetura árabe-normanda combinava características ocidentais, como os pilares e frisos clássicos, com decorações e caligrafias árabes típicas. Os principais tipos arquitetônicos islâmicos são: a Mesquita, o Túmulo, o Palácio e o Forte. Destes quatro tipos, o vocabulário da arquitetura islâmica é derivado e usado para outros edifícios, como banhos públicos , fontes e arquitetura doméstica.
 


Musica


A música árabe , embora independente e florescente na década de 2010, tem uma longa história de interação com muitos outros estilos e gêneros musicais regionais. É um amálgama da música do povo árabe na Península Arábica e da música de todos os povos que compõem o mundo árabe hoje. A música árabe pré-islâmica era semelhante à música do antigo Oriente Médio. A maioria dos historiadores concorda que existiram formas distintas de música na península arábica no período pré-islâmico entre os séculos V e VII. Poetas árabes daquele "poetas jahili", que significa "os poetas do período da ignorância", costumavam recitar poemas com notas altas.Acreditava-se que Jinns revelou poemas para poetas e música para músicos. Até o século 11, a Península Islâmica se tornou um centro para a fabricação de instrumentos. Esses produtos se espalharam gradualmente por toda a França , influenciando os trovadores franceses e, por fim, alcançando o restante da Europa. As palavras inglesas alaúde , rebec e naker são derivadas do oud árabe, rabab e naqareh.

Acredita-se que vários instrumentos musicais usados ​​na música clássica tenham sido derivados de instrumentos musicais árabes: o alaúde era derivado do Oud, o rebec (ancestral do violino) do rebab, o violão do qitara [que, por sua vez, era derivado de o alcatrão persa, naker de naqareh, adufe de al-duff, alboka de al-buq, anafil de al-nafir, exabeba de al-shabbaba (flaut), atabal (bumbo) de al-tabla, atambal de al-tinbal O balaban, o castanato de kasatan, sonajas de azófar de sunuj al-sufr, os instrumentos de sopro de furo cônico, o xelami do sulami ou fístula (flauta ou cano musical), o shawm e dulzaina dos instrumentos de junco zamr e al-zurna,o gaita do ghaita, rackett do iraque ou iraqiyya,  geige (violino) do ghichak, e o theorbo do tarab.

Umm Kulthum era um cantor egípcio internacionalmente famoso.

Durante os anos 1950 e 1960, a música árabe começou a assumir um tom mais ocidental - os artistas Umm Kulthum, Abdel Halim Hafez e Shadia, juntamente com os compositores Mohamed Abd al-Wahab e Baligh Hamdi, foram pioneiros no uso de instrumentos ocidentais na música egípcia. Na década de 1970 vários outros cantores seguiram o exemplo e uma vertente do pop árabe nasceu. Pop árabe geralmente consiste em canções de estilo ocidental com instrumentos árabes e letras. Melodias são frequentemente uma mistura entre o Oriente e o Ocidente. Começando em meados da década de 1980, Lydia Canaan, pioneira musical amplamente considerada como a primeira estrela do rock do Oriente Médio.



Espiritualidade


O politeísmo árabe era a religião dominante na Arábia pré-islâmica. Deuses e deusas, incluindo Hubal e as deusas al-Lāt, Al-'Uzzá e Manat, eram adorados em santuários locais, como a Caaba em Meca , enquanto os árabes no sul, no que é hoje o Iêmen, adoravam vários deuses, alguns dos quais representou o Sol ou a Lua. Diferentes teorias foram propostas sobre o papel de Allah na religião de Meca.Muitas das descrições físicas dos deuses pré-islâmicos são atribuídas a ídolos, especialmente perto da Caaba, que se diz ter contido até 360 deles.  Até cerca do século IV, quase todos os árabes praticavam religiões politeístas. Embora importantes minorias judaicas e cristãs tenham se desenvolvido, o politeísmo permaneceu como o sistema de crença dominante na Arábia pré-islâmica.

As crenças e práticas religiosas dos beduínos nômades eram distintas daquelas das tribos estabelecidas de cidades como Meca. Acredita-se que os sistemas e práticas de crenças religiosas nômades tenham incluído fetichismo, totemismo e veneração dos mortos, mas estavam ligados principalmente a preocupações e problemas imediatos e não consideravam questões filosóficas maiores, como a vida após a morte. Acredita-se que os árabes urbanos assentados, por outro lado, acreditavam em um panteão mais complexo de divindades. Enquanto os habitantes de Meca e os outros habitantes estabelecidos dos Hejaz adoravam seus deuses em santuários permanentes em cidades e oásis, os beduínos praticavam sua religião em movimento.
 




Filosofia




A filosofia árabe refere-se ao pensamento filosófico no mundo árabe. As escolas do pensamento árabe incluem o avicnismo e o averroísmo. O primeiro grande pensador árabe é amplamente considerado como sendo al-Kindi (801-873 dC), um filósofo, matemático e cientista neoplatônico que viveu em Kufa e Bagdá (atual Iraque). Depois de ser nomeado pelos califas abássidas para traduzir textos científicos e filosóficos gregos para o árabe, ele escreveu vários tratados originais sobre uma série de assuntos, da metafísica e ética à matemática e à farmacologia


Averróis , fundador da escola de filosofia do averroísmo , foi influente na ascensão do pensamento secular na Europa Ocidental .


Grande parte de sua produção filosófica se concentra em assuntos teológicos como a natureza de Deus, a alma e o conhecimento profético. Doutrinas dos filósofos árabes do século IX ao XII que influenciaram o escolasticismo medieval na Europa. A tradição árabe combina o aristotelismo e o neoplatonismo com outras idéias introduzidas pelo islamismo. Pensadores influentes incluem os persas al-Farabi e Avicena. A literatura filosófica árabe foi traduzida em hebraico e latim o que contribuiu para o desenvolvimento da moderna filosofia européia. A tradição árabe foi desenvolvida por Moses Maimonides e Ibn Khaldun.

Ciência




A ciência árabe sofreu considerável desenvolvimento durante os séculos VIII a XIII, uma fonte de conhecimento que mais tarde se espalhou por toda a Europa e influenciou muito a prática médica e a educação. Essas realizações científicas ocorreram depois que Maomé uniu as tribos árabes.


Dentro de um século após a morte de Maomé (632 EC), um império governado por árabes foi estabelecido. Abrangia uma grande parte do planeta, estendendo-se do sul da Europa ao norte da África, à Ásia Central e à Índia. Em 711 dC, muçulmanos árabes invadiram o sul da Espanha; al-Andalus era um centro de realizações científicas árabes. Outro centro surgiu em Bagdá dos abássidas, que governaram parte do mundo islâmico durante um período histórico mais tarde caracterizado como a " Era de Ouro " (750 a 1258 dC).
A Tabula Rogeriana, desenhada por al-Idrisi para Roger II da Sicília em 1154, é um dos mais avançados mapas do mundo antigo. Consolidação moderna, criada a partir dos 70 spreads de página dupla do atlas original.

Esta era pode ser identificada como os anos entre 692 e 945, e terminou quando o califado foi marginalizado pelos governantes muçulmanos locais em Bagdá - sua sede tradicional de poder. De 945 em diante até o saque de Bagdá pelos mongóis em 1258, o califa continuou como uma figura de proa, com o poder devolvendo-se mais aos emires locais. Os estudiosos piedosos do Islã, homens e mulheres coletivamente conhecidos como os ulama, foram o elemento mais influente da sociedade nos campos da lei da Sharia, do pensamento especulativo e da teologia. A realização científica árabe ainda não é totalmente compreendida, mas é muito grande. Essas conquistas abrangem uma ampla gama de áreas temáticas, especialmente matemática, astronomia e medicina. Outros assuntos de investigação científica incluíram física, alquimia e química, cosmologia, oftalmologia, geografia e cartografia, sociologia e psicologia.

Selenographia de Hevelius, mostrando Alhazen representando a razão, e Galileo representando os sentidos. Alhazen foi descrito como "o primeiro verdadeiro cientista do mundo".


Al-Battani (c. 858 - 929; nascido Harran, Bilad al-Sham) foi um astrônomo, astrólogo e matemático árabe da Era de Ouro Islâmica. Seu trabalho é considerado instrumental no desenvolvimento da ciência e da astronomia. Uma das realizações mais conhecidas de Al-Battani em astronomia foi a determinação do ano solar como sendo 365 dias, 5 horas, 46 minutos e 24 segundos, que é de apenas 2 minutos e 22 segundos de folga.



Ibn al-Haytham (Alhazen) usou a experimentação para obter os resultados em seu Book of Optics (1021), um importante desenvolvimento na história do método científico. Ele combinou observações, experimentos e argumentos racionais para apoiar sua teoria da visão intromissão, na qual os raios de luz são emitidos a partir de objetos e não dos olhos. Ele usou argumentos semelhantes para mostrar que a antiga teoria da visão de emissão apoiada por Ptolomeu e Euclides (em que os olhos emitem os raios de luz usados ​​para ver), e a antiga teoria da intromissão apoiada por Aristóteles (onde objetos emitem partículas físicas aos olhos), ambos estavam errados.

Al-Zahrawi , considerado por muitos como o maior cirurgião da Idade Média.  Seu tratado cirúrgico "De chirurgia " é o primeiro guia cirúrgico ilustrado já escrito. Permaneceu como a principal fonte de procedimentos e instrumentos cirúrgicos na Europa pelos próximos 500 anos. O livro ajudou a estabelecer as bases para estabelecer a cirurgia como uma disciplina científica independente da medicina , ganhando al-Zahrawi seu nome como um dos fundadores deste campo.

Outras notáveis ​​contribuições árabes incluem entre outras coisas: estabelecer a ciência da química por Jābir ibn Hayyān, estabelecendo a ciência da criptologia e da criptoanálise por al-Kindi, desenvolvimento da geometria analítica por Ibn al-Haytham, a descoberta da circulação pulmonar por Ibn al-Nafis, a descoberta do parasita do ácaro por Ibn Zuhr, o primeiro uso de números irracionais como objetos algébricos por Abū Kāmil,o primeiro uso das frações decimais posicionais por al-Uqlidisi, o desenvolvimento dos numerais arábicos e um simbolismo algébrico inicial no Magreb, o número de Thabit e o teorema de Thābit por Thābit ibn Qurra, descoberta de várias novas identidades trigonométricas por Ibn Yunus e al-Battani, a prova matemática do teorema de Ceva por Ibn Hűd, o primeiro modelo lunar exato por Ibn al-Shatir, a invenção do tor quetum por Jabir ibn Aflah, a invenção do astrolábio universal e o equatorium por al-Zarqali, a primeira descrição do virabrequim por al-Jazari,  a antecipação do conceito de inércia de Averroes, a descoberta da reação física por Avempace, a identificação de mais de 200 novas plantas por Ibn al-Baitar a Revolução Agrícola Árabe e a Tabula Rogeriana, que foi a mais mapa do mundo preciso em tempos pré-modernos por al-Idrisi.

O nascimento da instituição universitária pode ser atribuído a esse desenvolvimento, já que várias universidades e instituições educacionais do mundo árabe, como a Universidade de Al Quaraouiyine, a Universidade Al Azhar e a Universidade Al Zaytuna, são consideradas as mais antigas do mundo. Fundada por Fátima al Fihri em 859, a Universidade de Al Quaraouiyine em Fez é a mais antiga instituição educacional existente no mundo, de acordo com a UNESCO e Guinness World Records e é por vezes referida como como a universidade mais antiga.

Há muitas palavras emprestadas em árabe na Europa Ocidental, incluindo inglês, principalmente via francês antigo. Isso inclui nomes de estrelas tradicionais como Aldebaran, termos científicos como alquimia (por exemplo, química), álgebra, algoritmo, álcool, álcali, cifra, zênite etc.

Sob o domínio otomano, a vida cultural e a ciência no mundo árabe declinaram. Nos séculos 20 e 21, os árabes que ganharam importantes prêmios científicos incluem Ahmed Zewail e Elias Corey (Prêmio Nobel), Michael DeBakey e Alim Benabid (Prêmio Lasker), Omar M. Yaghi (Prêmio Wolf), Huda Zoghbi (Prêmio Shaw), Zaha Hadid (Prêmio Pritzker), e Michael Atiyah ambos (Medalha Fields) e (Prêmio Abel). Rachid Yazami foi um dos co-inventores da bateria de iões de lítio, e Tony Fadell foi importante no desenvolvimento do iPod e do iPhone.



Casamento e a Festa




Os casamentos árabes mudaram muito nos últimos 100 anos. Supõe-se que os casamentos árabes tradicionais originais sejam muito semelhantes aos casamentos beduínos e casamentos rurais dos dias de hoje, e são, em alguns casos, únicos de uma região para outra, mesmo dentro do mesmo país. A prática de casar com parentes é uma característica comum da cultura árabe.


No mundo árabe, hoje, entre 40% e 50% de todos os casamentos são consanguíneos ou entre parentes próximos, embora esses números possam variar entre os países árabes. No Egito, cerca de 40% da população se casa com um primo. Uma pesquisa de 1992 na Jordânia descobriu que 32% eram casados ​​com um primo de primeiro grau; outros 17,3% eram casados ​​com parentes mais distantes. 67% dos casamentos na Arábia Saudita estão entre parentes próximos, assim como 54% de todos os casamentos no Kuwait, enquanto 18% de todos os libaneses estavam entre parentes de sangue. Devido às ações de Muhammad e os califas corretamente guiados, o casamento entre primos é explicitamente permitido no Islã e o próprio Alcorão não desencoraja ou proíbe a prática. No entanto, as opiniões variam sobre se o fenômeno deve ser visto exclusivamente como baseado em práticas islâmicas como um estudo de 1992 entre árabes na Jordânia não mostrou diferenças significativas entre árabes cristãos e árabes muçulmanos quando comparou a ocorrência de consanguinidade.



Genética




E1b1b é o clado paterno mais freqüente entre as populações na parte ocidental do mundo árabe (Magreb, Vale do Nilo e Corno de África), enquanto o haplogrupo J é o clado paterno mais frequente em direção ao leste (península Arábica e Oriente Próximo) . Outros haplogrupos menos comuns são R1a , R1b , G , I , L e T.





J-M304


E-M215


J-M267




Listados aqui estão os haplogrupos de DNA do cromossomo Y humano na Península Arábica, Mashriq ou Levante , Magrebe e Vale do Nilo.

Árabes iemenitas J (82,3%), E1b1b (12,9%) e E1b1a (3,2%).
Arábia Saudita J1 (58%), E1b1b (7,6%), E1b1a (7,6%), R1a (5,1%), T (5,1%), G (3,2%) e L (1,9%).
Emirados árabes J (45,1%), E1b1b (11,6%), R1a (7,3%), E1b1a (5,5%), T (4,9%), R1b (4,3%) e L (3%).
Árabes de Omã J (47,9%), E1b1b (15,7%), R1a (9,1%), T (8,3%), E1b1a (7,4%), R1b (1,7%), G (1,7%) e L (0,8 %).
Árabes qatari J (66,7%), R1a (6,9%), E1b1b (5,6%), E1b1a (2,8%), G (2,8%) e L (2,8%).
Árabes libaneses J (45,2%), E1b1b (25,8%), R1a (9,7%), R1b (6,4%), G , I e I (3,2%), (3,2%), (3,2% ).
Árabes sírios J (58,3%), [425] [426] E1b1b (12,0%), I (5,0%), R1a (10,0%) e R1b 15,0%.
Árabes palestinos J (55,2%), E1b1b (20,3%), R1b (8,4%), I (6,3%), G (7%), R1a e T (1,4%), (1,4%) .
Árabes da Jordânia J (43,8%), E1b1b (26%), R1b (17,8%), G (4,1%), I (3,4%) e R1a (1,4%).
Árabes iraquianos J (50,6%), E1b1b (10,8%), R1b (10,8%), R1a (6,9%) e T (5,9%).
Árabes egípcios E1b1b (36,7%) e J (32%), G (8,8%), T (8,2% R1b (4,1%), E1b1a (2,8%) e I (0,7%).
Árabes sudaneses J (47,1%), E1b1b (16,3%), R1b (15,7%) e I (3,13%).
Árabes marroquinos E1b1b (75,5%) e J1 (20,4%).
Árabes tunisinos E1b1b (49,3%), J1 (35,8%), R1b (6,8%) e E1b1a (1,4%).
Árabes argelinos E1b1b (54%), J1 (35%), R1b (13%)
Árabes líbios E1b1b (35,88%), J (30,53%), E1b1a (8,78%), G (4,20%), R1a / R1b (3,43%) e E (1,53%).

O haplogrupo J do mtDNA foi observado em freqüências notáveis ​​entre as populações globais no mundo árabe. O clado materno R0 atinge a sua maior freqüência na península arábica, enquanto K e T (especificamente subclade T2) é mais comum no Levante. No vale do Nilo e no Chifre da África, haplogrupos N1 e M1; no Magrebe, os haplogrupos H1 e U6 são mais significativos.

Existem quatro componentes principais de DNA autossômico ocidental da Eurásia que caracterizam as populações no mundo árabe: os componentes árabe, levantino, copta e magrebino.

O componente árabe é o principal elemento autossômico na região do Golfo Pérsico. Está mais intimamente associado às populações locais de língua árabe.  O componente árabe também é encontrado em freqüências significativas em partes do Levante e do Nordeste da África. O padrão de distribuição geográfica desse componente se correlaciona com o padrão da expansão islâmica, mas sua presença em cristãos libaneses, judeus sefarditas e asquenazitas, cipriotas e armênios pode sugerir que sua disseminação para o Levante também poderia representar um avanço anterior. evento.

O componente levantino é o principal elemento autossômico no Oriente Próximo e no Cáucaso. Picos entre as populações drusas no Levante. O componente levantino divergiu do componente árabe cerca de 15.500 a 23.700 ypb.

O componente copta é o principal elemento autossômico no nordeste da África. Picos entre os coptas egípcios no Sudão, e também é encontrado em altas freqüências entre outras populações de língua afro-asiática no Vale do Nilo e no Chifre da África. O componente copta é aproximadamente equivalente ao componente etio-somali.

O componente Maghrebi é o principal elemento autossômico no Magrebe. Picos entre as populações berberes não-arabizadas na região. O componente do Maghrebi divergiu dos componentes copta / etio-somali, árabe e levantino antes do Holoceno.



Pesquisado e traduzido por Cris Freitas


Referencias


Leia Mais ►

Leia Mais ››