Translate it!

9 FRASES ARABES ILUSTRADAS PARA VOCE POSTAR NO SEU FACEBOOK



No último post eu falei sobre a importância dos olhos na cultura árabe e prometi deixar algumas frases onde eles, os olhos, aparecem. Fiz essas frases com imagens para que voce baixe no seu computador ou celular e compartilhe nas suas redes sociais, deixando assim a cultura árabe mais conhecida do que já é.

Todas as imagens são da internet e gratis, porem não retire o nome do site delas, pois a arte de escrever é minha.



Primeira frase




Segunda frase:





Terceira frase 



Quarta frase
 



Quinta frase 




Sexta frase 




Sétima frase 




Oitava frase 




Nona frase




Outros posts que podemos relacionar aos olhos:

Meus olhos sao seus
Poema Arabe
Musica: A cor dos seus olhos

Nancy Ajram - Lawn Eiounak - نانسى عجرم - لون عيونك




Espero que gostem, compartilhem e se divirtam!!

Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos





Leia Mais ►

Leia Mais ››

A IMPORTANCIA DOS OLHOS NA CULTURA ARABE


A linguagem dos olhos na cultura árabe


Os países árabes do Oriente Médio têm algumas diferenças, mas uma coisa que eles têm em comum é a importância dos olhos em sua cultura.
Em comparação com a cultura ocidental, onde o contato visual é comum, mundano e trivial, na cultura árabe, é mais comunicativo e significativo.

No entanto, espera-se que as mulheres evitem muito contato visual com os homens, porque pode ser mal interpretado e confundido com flertes.
Este fato pode ter surgido das leis da sociedade que são rigorosas em relação ao contato visual entre os dois sexos. Além disso, contato visual contínuo é uma maneira de mostrar sinceridade e honestidade. Isso é semelhante ao ditado americano: "olhe nos meus olhos e diga". Isso vem da ideia de que os olhos dirão se a pessoa está mentindo ou dizendo a verdade.

A beleza dos olhos não é a cor, mas sim o olhar.
جمال العين ليس في اللون ،ولكن في النظرة
tradução de Hosam Awwad

Não só eles vêem os olhos como evidência para dizer a verdade ou não, os árabes também juram em seus olhos. Eles juram que estão dizendo a verdade ou que farão alguma coisa dizendo: وحياة عينك “wehyat ainak”, que significa “juro pela vida de seus olhos" (ou dos meus: wehyat ainy وحياة عيوني).

Eles chamam uns aos outros meus olhos como um termo de carinho para mostrar que a pessoa é tão valiosa quanto seus próprios olhos.

Os olhos são mencionados em canções onde os olhos são usados ​​para descrever a beleza, o mal, o poder e a alma de alguém.
Muitas músicas destacam a cor escura dos olhos. Eles especificam a menina por ter olhos castanhos ou negros, implicando beleza nos olhos dela e que é a razão pela qual eles a perseguem. A presença de canções sobre os olhos vem da poesia que intrinsecamente descreve os olhos, onde os poetas glorificam os olhos e os analisam, pela cor amendoada, escura e pelo tamanho das pupilas, como os olhos de um cervo.






Como na música acima, o cantor diz: "Isso é uma lua ou são seus olhos?" No mundo ocidental, sabe-se que os árabes têm olhos lindos e é por isso que eles são mencionados com frequência na poesia.

Os olhos são usados ​​também como forma de flertar.
Os olhos são a parte do corpo mais reveladora e são os mais expressivos ainda mais do que palavras e gestos. Um olhar específico pode indicar interesse, outro olhar pode indicar amor e outro pode indicar apreciação. Uma piscadela é muito expressiva no mundo árabe e cada um pode significar algo próprio: uma piscadela pode estar flertando, outra pode ser divertida ou implicar uma piada.


Não são apenas os olhos vistos como algo de beleza, mas eles também podem ser uma indicação do mal. Muitas vezes é escrito em livros e poesia que um vilão tinha o mal em seus olhos (Al Sharar biaynay الشرار بعينيه), ou fogo está saindo dos olhos de uma pessoa má. Além disso, enfatiza que os olhos identificam as intenções da pessoa.

O olho também é descrito como mal quando a inveja e o ódio de uma pessoa causam ao invejado ser prejudicado, estéril ou ter problemas de parto, problemas domésticos, acidentes, doenças ou desemprego.
Por essa razão, os árabes permanecem humildes e não se gabam de suas conquistas ou riqueza para evitar a inveja e o mau-olhado.

Eles também carregam ou colocam em suas casas um olho azul conhecido como “nazar”, que acredita-se que expele o mau olhado.

A linguagem dos olhos na cultura árabe

Amuletos Nazar para espantar mau olhado

 Do árabe نظر (nazar)
significa visão, vigilância, atenção 


NAZAR

 Apesar da noção do “mau olhado”, os olhos, em geral, dos povos árabes são considerados belos e é por isso que os olhos são intrinsecamente descritos na literatura, nos cantos e na poesia árabes. Dirigir-se ao seu amado como: “você é meus olhos” (ya ayouni) يا عيوني) é uma expressão comum.

Arabicess

Meu próximo post será algumas frases famosas árabes que falam sobre os olhos. Aguarde...

Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos

Leia Mais ►

Leia Mais ››

A CONTRIBUIÇÃO ÁRABE PARA OS OFTALMOLOGISTAS MODERNOS



Em 11-14 de julho de 1905, o professor Julius Hirschberg (1843 - 1925), renomado oftalmologista e historiador médico alemão, dirigiu-se à Associação Médica Americana na Califórnia. O assunto de seu trabalho foi sobre "Oftalmologistas Árabes". Ele começou sua palestra dizendo: "Eu convido você ... a voltar comigo por 1000 anos para considerar a fascinante história da Oftalmologia Árabe que eu estudei nos últimos cinco anos. Duas questões a princípio devem ser abordadas: as fontes de informação à disposição desses oftalmologistas árabes? Qual é a contribuição do trabalho árabe na oftalmologia? "
Figura 1: A mais antiga descrição médica conhecida do olho, de uma
obra do século IX de Hunayn ibn Ishaq.
Esta cópia é datada do século XII .

Uma das mais notáveis ​​obras clássicas do Memorial da Oftalmologia, escrita por Ali Ibn Isa (1000 EC), foi compilada de fontes gregas, segundo os Dez Tratados do Olho de Galeno e ele acrescentou novos conhecimentos. Um especialista em olho é conhecido em árabe como Al-Kahhal da palavra Kuhl (kollyre). Hirschberg considerou este trabalho tão importante quanto a contribuição dos muçulmanos para a Mesquita de Córdoba (Espanha). O livro de Kalifah (escrito por volta de 1260 dC) lista dezoito trabalhos sobre oftalmologia. Em apenas 250 anos, os muçulmanos produziram dezoito trabalhos escritos sobre oftalmologia. Enquanto a tradição grega, de Hipócrates a Paulus, abrangendo mil anos, produziu apenas cinco livros sobre este assunto. Ao todo, existem cerca de trinta livros didáticos de oftalmologia produzidos pelos muçulmanos. Os mais importantes foram escritos por especialistas e, de fato, catorze ainda existem hoje. Hirschberg, em seguida, passou a mencionar alguns dos nomes mais notáveis ​​e deu conta do seu trabalho.

Ali Ibn Isa


O mais famoso de todos os oculistas do Islã nasceu em Bagdá (Iraque). Seu trabalho, Tashkiratul-Kahhalîn (Caderno dos Ocultistas), o melhor e mais completo livro de texto sobre doenças do olho, foi traduzido com comentários para o alemão por Hirschberg e Lippert (1904) e para o inglês por Casey Wood (1936). O livro de Ibn Isa foi o livro mais amplamente referido pelos oftalmologistas posteriores. Foi traduzido pela primeira vez em persa e depois em latim e impresso em Veneza em 1497 CE. Os famosos contemporâneos de Isa Ibn Ali foram Ammar Ibn Ali Al-Mosuli (veja abaixo) e Abul Hasan Ahmed Ibn Muhammad Al-Tabari que, em sua obra Kitab-ul Mu'lala 'l-Buqratiyya (Livro do Tratamento Hipocrático), diz que ele escreveu um longo tratado sobre doenças dos olhos. Infelizmente este tratado não está mais disponível.

Ammar Ibn Ali Al-Mosuli



Figura 2: Um manuscrito árabe intitulado Anatomia do Olho , de autoria de al-Mutadibih (ativo ca. 1170-1199). Este manuscrito datado de ca. 1200CE, é mantido na Biblioteca Nacional do Cairo.


Ammar, de Mosul no Iraque, floresceu por volta de 1010 CE. Ele escreveu um livro intitulado Kitâb al-Muntakhab fî 'ilâj al-'ayn (Livro das Escolhas no Tratamento de Doenças dos Olhos) e praticado principalmente no Egito. Seu livro trata de anatomia, patologia e descreve seis histórias de casos para a operação de catarata e um caso de neurite óptica! Hirschberg escreve que Ammar foi "o mais inteligente cirurgião ocular de toda a literatura árabe". Ammar discutiu algumas doenças de 48 olhos em um pequeno trabalho de cerca de 1500 palavras (um dos trabalhos mais curtos de seu tipo). Este manuscrito (nº 894) pode ser encontrado na Biblioteca Escorial perto de Madri (Espanha). Embora mais curto que o livro de Isa Ibn Ali, ele contém muito mais observações e observações originais. Até o século 20, o trabalho de Ammar estava disponível apenas em árabe e uma tradução em hebraico feita por Nathan, o judeu, no século XIII. Este trabalho foi traduzido para o alemão pelo professor Julius Hirschberg em 1905. Ammar foi o inventor da operação de catarata por sucção, usando uma agulha fina inserida através do limbo (onde a córnea se junta à conjuntiva). Esta foi a operação mais bem executada do seu tempo. Este tipo de operação de catarata, entre outros, ainda é realizado hoje. A operação de "couching", ou seja, deslocamento violento da lente, remonta aos tempos da Babilônia, mas isso teve suas óbvias complicações e riscos. Ammar ao longo de seu trabalho, como cirurgião e pesquisador, nunca esqueceu que ele era primeiro muçulmano e segundo cientista. Isto é visto por sua atitude compassiva para com seus pacientes. Em suas viagens, ele cumpriu seus deveres religiosos, visitando Medina e realizando Hajj em Meca.

Zarrindast (mão de ouro)


Abu Ruh Muhammad Ibn Mansur Bin Abdullah, também conhecido como Al-Jurjani, um excelente cirurgião da Pérsia que floresceu por volta de 1088 EC, escreveu um livro intitulado Nûr-ul-'Uyûn (A Luz dos Olhos). O livro, em grande parte original, foi escrito durante o reinado do sultão Malikshah e consiste em dez capítulos. No sétimo capítulo, ele descreve algumas operações de 30 olhos, incluindo 3 tipos de operação de catarata. Ele também lida com anatomia e fisiologia das doenças oculares e oculares. Um capítulo é dedicado a doenças oculares que podem ser vistas como catarata, tracoma, doenças esclerais e córneas e problemas nas pálpebras. Outro capítulo lida com doenças ocultas (os sinais são exibidos no olho e na visão, mas a causa pode estar em outro lugar), ou seja, paralisia do terceiro nervo, distúrbios sangüíneos, toxicidade etc. O livro menciona doenças curáveis ​​e incuráveis ​​e fornece métodos de tratamento. Uma grande parte é sobre cirurgia do olho. Há uma seção sobre drogas empregadas pelos oculistas.



Figura 3: Uma figura representando um médico muçulmano durante um tratamento. Serefeddin Sabuncuoglu, Cerrahat al-Haniyye , Biblioteca Millet, Dica Ali Emiri, p. 79


Outro nome mencionado por Hirschberg em seu discurso na American Medical Association (1905) foi Abu Muttarif, de Sevilha (Espanha), que floresceu por volta do século XI . Além de ser um oftalmologista, ele também era um Wazîr (ministro). Infelizmente, seu trabalho está totalmente perdido.


Al-Ghafiqi




Figura 4: A estátua de Al-Ghafiqi em Córdoba, Espanha. © Yasemin Paksoy.


Muhammad Ibn Qassoum Ibn Aslam Al-Ghafiqi, simplesmente conhecido como Al-Ghafiqi (falecido em 1165 EC), também da Espanha, escreveu um livro no século XII chamado Al-Murshid fîl-Kuhl (O Guia Certo em Oftalmologia). O livro não está apenas confinado ao olho, mas dá detalhes da cabeça e doenças do cérebro. Al-Ghafiqi usou o tratado de Ammar como referência para o seu trabalho. Hoje, um turista que visita Córdoba pode ver o busto comemorativo de Muhammad Al-Ghafiqi, uma homenagem prestada pelo povo de Córdoba a um notável especialista em olhos muçulmano. O busto com Ammama Árabe completo pode ser visto no quadrilátero de um hospital municipal em Córdoba, na Espanha. Foi erguido em 1965 para comemorar o oitocentos anos de sua morte.


Kalifah de Aleppo


Kalifah Ibn Al-Mahasin, de Allepo (Síria), que floresceu por volta de 1260 EC, escreveu um livro de 564 páginas no qual descreve e fornece desenhos de vários instrumentos cirúrgicos, incluindo 36 instrumentos para cirurgia ocular. Ele também discute os caminhos visuais entre o olho e o cérebro. Ele também escreve sobre doze tipos de operações de catarata. O termo para catarata em árabe é Al-Mâ 'Nazul' Ayn . M ' significa água ou água descendo sobre o olho, ou seja, a água se acumula na lente e fica "encharcada", tornando-a turva. Esta nebulosidade é sugada pelo uso de agulha oca, assim a catarata é removida e o paciente é mais uma vez capaz de enxergar.


Salahuddin


Salahuddin Ibn Yusuf de Hammah (Síria) escreveu em 1290 dC um livro chamado A Luz dos Olhos, no qual ele discutiu um novo trabalho sobre a teoria óptica da visão. Ele também citou muitos trechos do tratado de Ammar. Ele trabalhou no olho de um ponto de vista médico mais geral, como fizeram outros médicos notáveis ​​como Az-Zahrawi, Ibn Zuhr e Ibn Rushd.

Figura 5: O Resultado do Pensamento sobre a Cura das Doenças Oculares (Natijat al-fikar fiilajrad al-basar) escrito no Cairo por Fath al-Din al-Qaysi (d. 1259/657 H). Cópia finalizada por escriba anônimo em 16 de novembro de 1501 (5 Jumada I 907 H). © Biblioteca Nacional de Medicina, Bethesda, Maryland, MS A48, fols. 7b-8a. ( Fonte )



Ibn al-Haytham


Ibn al-Haytham, nascido em 965 EC, foi o primeiro a explicar que toda a visão foi possível graças à refração dos raios de luz. O trabalho de Ibn al-Haytham foi repetido e expandido pelo matemático persa Kamal al-Din l-Farisi (falecido em 1320 EC) que observou o caminho dos raios de luz no interior de uma esfera de vidro para examinar a refração de luz do sol na chuva cai. Isso o levou a uma explicação da gênese dos arco-íris primários e secundários.

"De 800-1300 dC, o Mundo do Islã produziu não menos que 60 renomados Especialistas em Olho ou Ocultistas, autores de livros e produtores de monografias em Oftalmologia. Enquanto isso, na Europa antes do século 12, um Ocultista era inédito." Professor J. Hirschberg disse isso para uma platéia encantada na American Medical Association. Não foi até o século XVIII que o método de remoção de catarata por uma agulha oca foi empregado na Europa.

Os muçulmanos produziram muitos trabalhos originais sobre a anatomia do olho. Seus estudos foram, no entanto, limitados porque eles realizaram suas observações apenas em olhos de animais. A dissecação de qualquer parte do corpo humano foi considerada desrespeitosa em princípio. Essas obras nos dão as imagens mais antigas da anatomia do olho.



Figura 6: Um comentário sobre o Mujiz ou Concise Book de Ibn al-Nafis, chamado The Key to the Mujiz e composto em árabe por al-Aqsara'i, que morreu em 1370 (771H). A cópia foi concluída em outubro de 1407 (Jumada I 810 H). © Biblioteca Nacional de Medicina, Bethesda, Maryland, MS A67, fol. 167b mostrando um diagrama esquemático do sistema visual. 


O trabalho original dos árabes inclui a introdução de termos como Globo Ocular, Conjuntiva, Córnea, Uvea e Retina. Os muçulmanos também fizeram operações sobre doenças das pálpebras como o Tracoma, um endurecimento do interior da pálpebra. O glaucoma (um aumento na pressão intra-ocular do olho) sob o nome de "Dor de cabeça do aluno" foi descrito pela primeira vez por um árabe. No entanto, a maior contribuição única em oftalmologia pelos árabes foi em matéria de catarata.

De acordo com o Jornal da Associação Médica Americana (1935) há, na Biblioteca do Vaticano, um manuscrito único atribuído a Ibn Nafis (falecido em 1288 EC), intitulado Kitâb al-Muhazzab para Tibb al-'Ayn (Um Livro de Correções em a Medicina do Olho). Ele contém uma descrição dos olhos dos animais e uma discussão sobre as variedades e cores do olho humano.

No século XII, Gerard de Cremona, o famoso tradutor para o latim de trabalhos científicos e médicos árabes, passou 40 anos de sua vida (1147-1187 dC) em Toledo (Espanha), traduzindo o trabalho de muçulmanos, incluindo os trabalhos de Arábia Saudita. Razi e Ibn Sina. Este fato foi atribuído a um selo postal espanhol. Os médicos árabes têm estado na linha de frente do esforço para prevenir a cegueira desde 1000 dC, quando Ar-Razi se tornou o primeiro médico a descrever a ação reflexa da pupila. Mais ou menos na mesma época, Ammar Bin Ali Al-Mosuli inventou a técnica de remoção de catarata por sucção com o uso de uma agulha oca. "

O professor J Hirschberg concluiu seu discurso na American Medical Association com estas palavras:

"Durante essa escuridão total na Europa medieval, eles (os muçulmanos árabes) iluminaram e alimentaram as lâmpadas de nossa ciência (oftalmologia) - do Guadalquivir (na Espanha) ao Nilo (no Egito) e ao rio Oxus (na Rússia). Eles eram os únicos mestres da oftalmologia na Europa medieval ".

Assim, podemos ver no trabalho de Hirschberg que os oftalmologistas muçulmanos dos séculos 10 e 13 estavam centenas de anos à frente de seu tempo.

Referências e leitura adicional

  • Biró I., "In memory of Julius Hirschberg", Orv Hetil, Aug 8, 1976; 117(32):1953-4 (in Hungarian).
  • Halit Oguz, "Ophthalmic chapters of serefeddin Sabuncuoglu's illustrated surgical book (Cerrahiyyetü'l Haniyye) in the 15th century, Annals of Ophthalmology, Humana Press Inc., vol. 38, No. 1, 2006.
  • Hamarneh, and Sonnedecker, Glenn, A Pharmaceutical View of A. al-Zahrawi, Leiden, Brill, 1963,
  • Hirschberg, Julius, Geschichte der Augenheikunde" 1899-1919, 9 vols., 4700 pp. Originally published as vols. XII-XV (1899-1918) of the 2nd ed. of the Handbuch der gesammten Augenheilkunde, edited by Graefe & Saemisch. English translation: History of Ophtalmology, translated by Frederick C. Blodi. Bonn : J.P. Wayenborgh, 1982-. See vol. 2: vol. 2: The Middle Ages; the sixteenth and seventeenth centuries.
  • Koelbing H. M., "Julius Hirschberg (1843-1925), ophthalmologist and medical historian", (in German), Klin Monatsbl Augenheilkd. 1976 Jan;168(1):103-8.
  • Said, Hakim Mohammed, "Various tools used by Albucasis", Photograph showing 8 assorted tools used by Albucasis. In: Life and Works of Al-Zahrawi. Printed by Hamdard.
  • Snyder C., "Julius Hirschberg, the neglected historian of ophthalmology., Am J Ophthalmol., May 1981; 91(5): 664-76.
  • Spink, M.S., and Lewis, G.L., Albucasis On Surgery and Instruments. London: Wellcome Institute for the History of Medicine, 1973, pp. 21-36.
  • Vernet, J. & Samsó, J. et al. 1992. El Legado cientifico andalusi. Madrid: Ministerio de Cultura. Exhibition Catalogue with a video in Spanish.
End Notes
See H. M. Koelbing, "Julius Hirschberg (1843-1925), ophthalmologist and medical historian", Klin Monatsbl Augenheilkd, 1976, 168(1):103-8. Julius Hirschberg of Berlin was one of the most brilliant ophthalmologists of his time. As a surgeon and as the editor of the Centralblatt für praktische Augenheilkunde" (1877-1919) he enjoyed a world-wide reputation. As a historian of ophthalmology, his greatest achievement was the famous History of Ophtalmology, written in German: Geschichte der Augenheikunde, 1899-1919, 9 vols., 4700 pp. He covered in it the history of ophtalmolgy from the ancient Egyptians down to 1900. He hit upon the history of ophtalmology in Muslim heritage in volume 2: vol. 2: The Middle Ages; the sixteenth and seventeenth centuries. See the English translation of the whole encyclopedia by by Frederick C. Blodi et al., The history of ophthalmology. Bonn : J.P. Wayenborgh, 1982-.
Optometry Today, publication of the Association of Optometrists, England, March 28, 1987.
Dr, Retired, Fellow Manchester Medical Society, University of Manchester, Manchester, UK.

Traduzido por Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos


Leia Mais ►

Leia Mais ››

POEMA ÁRABE DE KHALIL GIBRAN



Ainda mergulhada na magia dos poemas árabes, percebi que os olhos têm uma grande importância para os poetas dessa cultura... Escolhi um como entrada para um post seguinte sobre Os Olhos na poesia e vida árabe...






















































Por favor compartilhe nossas imagens em seus murais de facebook e redes sociais, mas não retirem os créditos! 😋

Cris Freitas nos Emirados Arabes Unidos.


#poesiaarabe #poemaarabe #culturaarabe #linguaarabe



Leia Mais ►

Leia Mais ››

SERIE "OMAR" EM ARABE COM LEGENDA EM PORTUGUES




É uma série islâmica que retrata a vida de Umar (RA), o segundo califa do Islã, antes e depois que ele abraça o Islã.
Omar foi lançado pelo grupo MBC em 2012, foi amplamente apreciado pela audiência em todo o mundo,
Tem uma classificação IMDB de 9.2 / 10
A série de Omar é baseada em fatos islâmicos verídicos.

Áudio: Árabe formal
Legenda: Português

Leia Mais ►

Leia Mais ››

14 BANDEIRAS DE PAÍSES ÁRABES E SEUS SIGNIFICADOS




Estava "roaming around" na internet e de repente encontrei algunas bandeiras árabes e seus significados e curiosidades, então resolvi deixa-las aqui para pesquisa. Não fiz todas, mas 14 delas. Se você precisar de alguma que não está aqui, por favor, peça em comentário abaixo do post. 

A primeira, claro, tem que ser do meu páis favorito, minha segunda casa, o Egito. 


1. EGITO 


Adotada em 1984

Cores:
Vermelho: representa a luta contra o ocupaçao britanica antes de 1952.
Branco: simbola a vinda do revolução de 1952 pondo fim na monarquia sem derramemento de sangue.
Preto: representa o fim da opressão do povo do Egito das mãos da monarquia inglesa e colonialismo (antes do periodo de 1952).
Águia de Saladin: emblema nacional do Egito, representa força e poder.


2. JORDANIA






Adotada em 1928

Cores:

Preto: representa o califado Abássida
Branco: representa o califado de Umaiada 
Verde: representa o califado Fatimida
Vermelho: representa a Dinastia Hachemita

Estrela branca de 7 pontas: representa a união do povo árabe


3. TUNISIA




Adotada em 1959

Cores:
Branco: a paz
Vermelho: o sangue dos mártires mortos durante a conquista turca da Tunisia em 1574.
Lua crescente: união dos muçulmanos
Estrela de 5 pontas: 5 pilates do islam.


4. OMAN




Adotada em 1995

Cores:
Branco: paz e prosperidade
Vermelho: lembra as batalhas contra os invadores
Verde: simboliza a montanha Jebel Akhdar (montanhas verdes) e fertiidade
Punhal (adaga) e duas espadas brancas: emblema nacional de Oman.



5. LIBANO





Adotada em 1943

Cores: 
Vermelho: as duas listras vermelhas representas as várias batalhas dos libaneses para presenvar o país contra invasões sucessivas.
Branco: representa a neve como simbolo de pureza e paz.
Cedro verde: é o símbolo da santidade, eternidade e paz. (cedro é diretamente inspirado pelas Montanhas de Cedro do Libano).



6. Marrocos




Adotada em 1915

Cores:
Vermelho: representa a bravura, dureza, força e valor.
Verde: a cor do islam
Estrela de 5 pontas: 5 pilares do islam



7. QATAR



Adotada em 1971

Cores:
Branco: a paz
Marron: simboliza os varios derramamentos de sangue que Qatar passou durante varias guerras, principalmente no segundo meado do seculo 19.
9 pontas serradas: significa a inclusão do Qatar como o nono mebro da Reconciliação dos Emirados do Golfo Pérsico, na conclusão do Tratado Qatar-Britanico de 1916.

É a bandeira que tem a largura diferenciada das outras, sendo mais larga na proporçao 28:11.



8. ALGERIA




 Adotada em 1962

Cores:
Vermelho: sangue das batalhas
Verde, a estreala e a lua crescente: representam o islam.


9. ARABIA SAUDITA




Adotada em 1973

Cores:

Verde: islam
A  caligrafica árabe no formato Thuluth, é a "shahada" ou declaração islamica de fé:

لَا إِلٰهَ إِلَّا الله مُحَمَّدٌ رَسُولُ الله
lā ʾilāha ʾillā-llāh, muhammadun rasūlu-llāh
"Não existe deus se não Allah, e Mohammad é o mensageiro de Deus."

A espada: representa o rigor na aplicação da justiça.

A bandeira é fabricada com lados anverso e reverso idênticos, para garantir que a shahada seja lida corretamente, da direita para a esquerda, de ambos os lados. A espada aponta para a esquerda de ambos os lados, na direção do roteiro. A bandeira é sinistra hasteada, o que significa que é hasteada à esquerda do mastro da bandeira, visto do lado anverso (frente).



10. KWAIT


Adotada em 1961

Cores:

Verde: fertilidade da terra
Branco: pureza
Vermelho: sangue das batalhas
Preto: derrotas dos inimigos


11. EMIRADOS ÁRABES UNIDOS


Adotada em 1971


Cores:

Verde: prosperidade, crescimento e sucesso
Branco: puresza, abertura, clareza, e paz
Preto: dignidade, autoridade e elegancia
Vermelho: sacrificio, energia e poder.


12. PALESTINA



Adotada em 1964

Cores:

Preto: profeta Muhammda (paz esteja sobre ele)
Branco: Califado Umaida
Verde: Califado Fatimida
Vermelho: Grupo Khawarij


13. Líbia





Adotada em: 1951

Cores representam as 3 maiores regiões do país:
Vermelho: Fezzan
Preto: Cyrenaica
Verde: Tripolitana (Tripoli)

Estrela e Lua: islam


14. IRAQUE




Adotada em 2008


Cores:

Vermelho: o sangue das batalhas
Branco: futuro brilhante do Iraque e a generosidade dos iraquianos
Preto: opressão contra o islam e o triumfo do islam

A inscrição em árabe carregada com o takbīr الله أكبر (Allahu akbar, "Deus é o maior") em escrita cúfica verde, centrada na faixa branca, é uma expresssçao islâmica.





 Por Cris Freitas nos Emirados Arabes Unidos
Leia Mais ►

Leia Mais ››

A HISTORIA TECIDA A MÃO DA PALESTINA E DA JORDANIA - ROUPAS TRADICIONAIS



Estive traduzindo alguns artigos sobre as roupas tradicionais palestinas e jordanianas e o resultado ficou parecendo um livro.

Aqui no blog o assunto está bem resumido porque são várias páginas com fotos. O livreto completo eu deixo a disposição para todos aqui nesse slideshare doc.






Resumo:
Tradicionalmente, as mulheres bordam tecidos feitos à mão de linho, algodão ou uma mistura de ambas as fibras. Eles também às vezes bordaram em seda, usando fios de seda ou metal. Até o final do século 19, a produção têxtil floresceu na região que tem sido chamada de Palestina. Os tecidos foram tecidos nas áreas de Al Majdal, Gaza, Ramallah, Nazaré, Hebron e Nablus. No entanto, tecidos luxuosos, como seda, cetim e brocados, vieram da Síria. As instalações de produção em Damasco, Alepo, Homs e Hama sempre foram e ainda são famosas.

 



Mapa da Palestina antes de 1948



As cores e técnicas de tingimento

O fio do bordado consistia em seda naturalmente tingida e era feito na Síria. Mas desde a década de 1930, os fios importados da Europa têm sido comumente usados.Para a coloração, foram utilizadas misturas predominantemente herbáceas, preservadas por Fermentação. O corante mais importante era o índigo (indigofera argentina) com o qual se podia pintar o tecido em diferentes tons de azul. Quanto mais escura era a cor resultante, maior o esforço que precisava ser feito e mais precioso se tornava o material final. Para tingir os tecidos de um tom mais escuro, o processo de imersão do tecido teve que ser repetido várias vezes.Carmine foi usado para criar um vermelho intensamente brilhante. Este corante foi obtido a partir do inseto da cochonilha que se reproduz no cacto. O vermelho também foi obtido a partir de uma raiz da planta nativa da espécie mais comum (rub tinctorum). Se o índigo misto e a louca comum derem tons roxos e alaranjados. Amarelo foi produzido com açafrão (crocus sativus). Qualquer cor poderia tornar-se mais escura adicionando casca de romã.

Os estilos de bordado


Ponto de cruz era a técnica mais famosa usada em toda a Palestina, exceto nas áreas da Galiléia, Belém e Jerusalém. Cross-stitch também é chamado de fallahy, porque esse tipo de bordado era feito principalmente por mulheres camponesas que são chamadas de fallaheen em árabe. Em Belém, Jerusalém e arredores, o bordado de couches era particularmente popular. Com esta técnica, costura de seda ou fio de prata embebida em água dourada foi costurada no tecido.




Ramallah  - Thobe


O vestido de Ramallah (thobe) é feito de algodão branco ou preto ou tecido de linho chamado Rumi ou Ruhbani, tecidos à mão em Ramallah ou importados de outras regiões da Palestina, conhecidos por seus famosos centros têxteis. O bordado é em ponto-cruz usando fio de seda.

 


  
 

Vestido de verão 1880

Os vestidos de Ramallah são bem conhecidos por seu ponto de cruz vermelho-vinho, bordado em linho de tear manual chamado roumi. A cidade de Ramallah, cujo nome significa "a colina de Deus" em árabe, é conhecida como uma popular estância de verão para a Palestina e países árabes vizinhos.


Vestidos em Ramallah mudam de cor por estação; no verão, as mulheres usam linho branco e, no inverno, preto. O bordado é baseado em padrões geométricos e é colocado em toda parte, inclusive na parte de trás. Pode-se distinguir a parte de trás de um vestido de Ramallah pelo padrão da palmeira na parte inferior do vestido.



 A região costeira do sul (Gaza)


Esta região costeira do sul era famosa pelos seus centros de tecelagem localizados na aldeia de Majdal. Após a guerra de 1948 e a expulsão dos palestinos de suas aldeias ancestrais, esses centros mudaram-se para Gaza e Lydda, onde continuaram produzindo seu famoso tecido de algodão escuro (maqta) de listras roxas ou verdes (Abu Mitayn, jiljileh, janeh wa-nar) usado nos vestidos desta área.

Gaza patterns are unique to the area, and are different from the rest of Palestine.


Vestido de Gaza
Este vestido, feito de linho fino tingido de índigo, tem um decote em forma de V semi-redondo e é bordado principalmente com um padrão chamado qeladeh, que significa colar.
 
Como o padrão forma um colar em volta do pescoço do vestido, a mulher não precisa usar jóias. O painel do peito (qabbeh) é bordado com ponto cruz. As mangas são regulares e de tecido chamado biltaji. Os painéis laterais (banayek) são muito delicadamente bordados com ponto cruz. Uma das características especiais deste vestido é a maneira como os padrões se encaixam para formar grandes unidades de bordar pelos lados. Quando muitos padrões são espremidos juntos, eles são chamados de wisadeh. Neste vestido, você também pode ver uma grande forma de diamante, conhecida como tesoura.



 

A região de Hebron


Os vestidos da região de Al Khalil (Hebron) são festivos e ricamente bordados em bordados em ponto cruz sobre tecido preto ou azul escuro. Esta área foi notada por sua pequena e elegante costura que era considerada mais bonita. Seu bordado sólido que cobria o tecido quase completamente (talis) era mais valorizado que o bordado mais leve.A peça no peito é bordada separadamente e depois serrada no vestido. Os fios de seda de cor vermelha e marrom são predominantemente usados ​​nos bordados desta área. Outras cores como amarelo, verde e rosa foram usadas para elogiar as cores marrom e vermelho.



Vestido de Hebron
Os vestidos de Hebron eram muitas vezes ornamentados com remendos, inserções e enfeites em tafetá (heremzi), cetim e veludo. Painéis de tafetá vermelho, verde e laranja foram inseridos nas mangas, laterais da saia, bainhas, punhos e saia frontal.O toucado nesta área era um gorro circular fortemente bordado (araqiyeh). Envolvendo o cocar é uma banda de moedas (saffeh) de moedas de Maria Theresa. Anexados ao cocar estão bandas de cabelo bordadas feitas de lã (lafayef) e terminadas com borlas.

 
No final do século XIX, noivas do século XX, as noivas usavam um cocar espetacular chamado wuqayet al darahem, usado apenas durante a cerimônia de casamento. O toucado era adornado com centenas de pequenas moedas ao redor e bordado em ponto-cruz no topo.Outro enfeite de moeda impressionante usado pela noiva era um colete chamado Miklab. Isto foi feito de um tecido de seda de cetim atlas listrado vermelho e amarelo coberto com moedas e outros ornamentos.
Véu de Hebron

Na área de Hebron, os véus festivos eram feitos de três peças de linho ou tecido de algodão com bordados de ponto-cruz de seda unidos no comprimento. Cada painel tem um amplo bordado que consiste de cruzes diagonais, a tenda do paxá, ciprestes e fileiras de galhos (irq al tuffah). Franjas de franjas de algodão estão presas em um lado do ghudfeh.

Os cintos usados ​​nesta área eram feitos de tecido de seda de cetim de riscas vermelhas e amarelas semelhante ao usado em Ramallah e em outras áreas da Palestina.

 

 

 

 Belém - o Malak


O vestido Malak de núpcias da Belém era feito de seda e tecido de linho com tafetá bordado vermelho, laranja ou amarelo e verde nas mangas e nos painéis laterais. O peito, as mangas, os punhos e os painéis laterais do vestido são bordados em ponto rendado (tahriri) usando cordões de prata, ouro e seda. Nas mangas, o painel central é geralmente vermelho com o painel amarelo de cada lado, enquanto no painel lateral o painel central é verde com um painel vermelho em cada lado. O painel do peito é densamente revestido com padrões principalmente em cordão de ouro que obscurece completamente o material de fundo.

 
O bordado de Belém foi desenvolvido em Belém e nas aldeias vizinhas de Beit Sahur e Beit Jala. É único nessas aldeias e diferente do bordado de ponto de cruz predominante usado nas outras regiões da Palestina.
Vestido de Belem (malak) para festa
adorno da cabeça usado em Belem (shatweh)


 
O tecido da vestimenta de Belém (malak ou Ikhdari) era tecido localmente ou em outras partes da Palestina. Sendo um centro de mercado para as aldeias vizinhas, o bordado de couraça de Belém foi adotado nos vestidos da região de Jerusalém, geralmente feitos de tecido de seda importado da Síria ou tecido de veludo importado da Europa ou produzido localmente.

 
Eventualmente, o bordado de couraça de Belém tornou-se mais procurado para acrescentar aos vestidos de outras regiões da Palestina, nomeadamente as regiões de Ramallah, Hebron e Jaffa e Lydda.

Era costumeiro se casar nesse vestido, não apenas em Belém, mas em muitas aldeias palestinas. As mulheres também salvaram um dos seus trajes de malak para serem enterrados. Como resultado, muitos dos melhores vestidos foram perdidos. Na segunda metade do século XX, a produção desse estilo declinou, a tal ponto que, atualmente, é difícil encontrar uma mulher em Belém que use o vestido malak.
Mulheres de outras aldeias nas regiões de Jaffa e Lydda mais tarde produziram a imitação do bordado de Belém conhecido como rasheq.O cocar de Belém, Shatweh, ​​cuja frente é coberta por fileiras de moedas, contas e coral foi usado por mulheres casadas de três aldeias vizinhas, Belém, Beit Jala e Beit Sahur. As mulheres solteiras usavam, em vez disso, um pequeno gorro bordado circular (taqiyyeh) semelhante ao usado em Jerusalém.
Taqsireh a jaqueta festiva


A festiva Belem Taqsireh era a jaqueta mais bonita usada na Palestina. As primeiras jaquetas eram feitas de tecido de lã (jukh) em vermelho, azul, verde ou marrom. O bordado era em ponto rendado, usando fio de metal de seda (qasab). Em meados da década de 1920, o veludo substituiu o pano largo e as jaquetas foram feitas em veludo azul marinho ou roxo. O taqsireh tinha mangas curtas através das quais as mangas pontiagudas do vestido Malak eram puxadas.Para o uso diário, as mulheres da região de Belém usavam um casaco de lã sem mangas (bisht) em vez do taqsireh. O bispo, listrado em vermelho e marrom ou em vermelho e preto, era feito de lã tecida em Belém.

O cinto usado nesta área (Ishdad ou hizam) foi feito em Belém de tecido de lã nas cores rosa ou azul. Rosa era geralmente usado por meninas, enquanto o azul era usado por mulheres mais velhas ou em luto.

A região de Jaffa


O mais famoso desta região foi o vestido da vila de Beit Dajan. Como em Ramallah, as mulheres Beit Dajan usavam vestidos muito bordados, bordados com fios de seda multicoloridos em tecido branco ou preto. Vestidos de Beit Dajan e das aldeias vizinhas nas regiões de Jaffa e Lydda também foram bordados com o famoso ponto de couche de Belém conhecido como Rasheq. Este bordado de estilo couching foi trazido para Beit Dajan, visitando mulheres de Belém e mais tarde foi adotado por aldeias como Safriyyeh, Deir Tarif, Beit Nabala e outros.
 
  

Os padrões que decoram o vestido Beit Dajan incluem o famoso cipreste, colar, candeeiro, flor de citrinos, penas, ramo de amêndoa (Irq al-loz), Irq al-nafnuf e lua, todos bordados em ponto cruz com fio de seda ou Rasheq com metalizado
fio de prata.O Beit Dajan Jallayeh, feito de tecido de linho preto, é aberto na frente e embelezado com uma colcha de retalhos feita de tecido de tafetá. O jillayeh era uma parte essencial dos enxovais da noiva. Os motivos bordados no jallahey eram semelhantes àqueles embelezados no vestido branco e costurados em cruz no fio de seda. Sendo itens de meados do século XIX, e antes do advento do ponto de confecção de Belém na região, a maioria dos jallayehs conhecidos não tem bordados de Belém.



Palestina do norte - Galiléia


Uma área da Palestina que se estende de Nablus até a Alta Galileia até o sul da Síria e o norte da Jordânia. Moda nesta área até o final do século XIX era um casaco aberto de manga curta (durra'a) feito de algodão índigo tecido local, vermelho e marrom com muito pouco bordado. Esses casacos eram lindamente decorados com retalhos de tafetá vermelho

, amarelo e verde ou tecido acetinado em formas retangulares ou triangulares, com muito pouco bordado.No final do século, este casaco foi substituído pelo qumbaz, um longo casaco com mangas compridas e justas com aberturas laterais. Este casaco foi inicialmente usado na parte alta da Galiléia, depois copiado nas aldeias da Galiléia Inferior e, eventualmente, usado na área de Nablus. Estes casacos eram feitos de cetins sírios listrados ou tecido de seda ghabani ou roza.Casacos mais ornamentados (jillayeh) foram ricamente bordados com sedas vermelhas em desenhos geométricos; diamantes, triângulos e quadrados em diferentes pontos, típicos dos bordados da Galileia (ponto-cruz, ponto-tronco, ponto acetinado).Ao contrário do traje da aldeia, os vestidos usados ​​pelos beduínos da Galiléia são diferentes em estilo e material dos vestidos bordados usados ​​pelos aldeões da região.

Curiosidade:

As roupas na Galiléia diferiam das outras áreas da Palestina. Na verdade, eles eram mais parecidos com os estilos da Síria e do Líbano. Tendo isso em mente, alguém se pergunta o motivo da diferença. As roupas da Galileia eram apenas escassamente bordadas, se é que eram. As mulheres da Galiléia trabalhavam ao lado dos homens nos campos. Nesse contexto, o bordado era considerado uma perda de tempo, dando origem ao provérbio que diz: “Falta de trabalho ensina bordados”.
Em Nablus e Tulkarim, que fazem parte da baixa Galiléia, as mulheres usavam vestidos festivos com listras verdes e vermelhas, chamadas "Céu e Inferno". O vestido tem pouco bordado e grandes mangas pontiagudas.

 

BEDOINOS

Regiao de Bir Sabaa

O vestido dos beduínos nômades de Bir Sabaa, sempre de tecido preto, era mais comprido e largo que o da população sedentária. A cor do fio do bordado denotava o estado civil da mulher. Como noiva, ela decorava seu traje com bordados de vários tons de vermelho. No caso de ela ficar viúva, ela acrescentava bordados com fio azul, a cor do luto. Se ela se casar novamente, ela bordava tons rosas ou vermelhos em cima do azul.


 

 A região de Naqab


Os vestidos usados ​​pelos beduínos no deserto de Naqab são semelhantes em forma aos das outras aldeias. Os vestidos de beduíno são espaçosos, em forma de A, com mangas pontudas chamadas irdan. O tecido dos primeiros vestidos de beduínos era feito de algodão azul que mais tarde foi substituído por tecido de algodão preto chamado (tubayt), semelhante ao usado pelos beduínos da Galileia.



 

No início do século XX, os vestidos de beduíno tinham pouco ou nenhum bordado, mas, com o advento do fio de algodão na década de 1930, os vestidos tornaram-se ricamente bordados com ponto de cruz usando padrões geométricos semelhantes aos bordados da vila.A peça do peito era bordada em um pedaço de pano separado e depois costurada ao vestido. As mangas, painéis laterais e painel traseiro eram bordados no tecido. A frente de um vestido beduíno também era bordada, algo nunca encontrado em vestidos de vila.
Além disso, distinto dos vestidos desta área é a linha de ponto de cetim ao redor.


 

 

Leste de Belém


Nas colinas a leste de Belém, os beduínos usavam um vestido enormemente longo, exclusivo de tribos como Ta'amreh e Obaidiyyeh. O vestido tinha mangas muito longas e pontudas e seu tamanho era atribuído ao conforto.Os motivos bordados eram exclusivos desta área e incluíam padrões geométricos que antecediam os designs de cadernos europeus. Tais padrões incluíam formas de diamante, estrelas, padrões transversais diagonais, ramos e padrões verticais em zigue-zague. Padrões transversais diagonais também foram encontrados em véus festivos beduínos.Os véus beduínos (qun’ah) são longos e feitos do mesmo tecido que os vestidos. O bordado é geralmente com fios de algodão de cor vermelha e laranja usando os mesmos padrões que os bordados no vestido.



 

Sob o véu, um toucado, bordado com fio de algodão em ponto de cruz e decorado com conchas, coral, miçangas e moedas. A aba posterior de tal toucado também é bordada com ponto de cruz de algodão e decorada com miçangas, conchas e outros itens.Mulheres beduínas casadas usam um impressionante ornamento chamado Burqu bordado em ponto de cruz e decorado com miçangas e duas fileiras de moedas suspensas em ambos os lados do rosto.As mulheres beduínas usavam uma variedade de pulseiras de prata, colares, gargantilhas (kirdan) e colares de contas de âmbar. As joias palestinas foram influenciadas por ourives migrantes que vieram da Síria, Arábia, Iêmen e Armênia. Centros de tais locais de fabricação de jóias eram Belém, Nablus, Jerusalém, Gaza e Beer Es Sabe. Colares de contas eram muito populares na população beduína e consistiam em coral, âmbar, vidro e prata. Mais tarde, na década de 1930, as pessoas começaram a usar jóias de ouro, que gradualmente substituíram a prata.





Irbid e Ajloun


Geograficamente, o norte da Jordânia faz parte da planície de Houran, que se estende até o sul da Síria. Portanto, a influência do estilo Houran na roupa no norte da Jordânia foi tremenda. Essas roupas eram feitas de um tecido preto e azul, com uma das duas cores dominando. Os vestidos no norte da Jordânia eram usados em um único comprimento sem cinto e tinham mangas longas e estreitas. O decote, as mangas, os painéis laterais e a bainha foram bordados. O ponto de bordado era feito com diferentes fios de seda coloridos, e geralmente se limitava a decorar costuras. Ao redor da bainha havia freqüentemente faixas de 2cm de largura bordadas em um ponto chamado raqma, e diferentes padrões foram organizados contrastando a costura com o tecido abaixo.



O shakhat é uma característica distintiva, juntamente com o bordado, raqmeh, que usa o tecido preto por baixo como parte de seu design. O vestido é frequentemente usado para casamentos ou outras festividades, depois transformado em um vestido de uso diário. Foi bordado usando uma técnica popular na região, chamada Ibreh bint Ibreh, significando "agulha, filha da agulha".
 
Luva de um vestido norte de Jordão
por Kamel KawarTIRAZ widad kawar casa para vestido árabe





Kerak e Es Salt


Os vestidos no centro e no sul da Jordânia eram de comprimento duplo, com o excesso de tecido colocado sobre o cinto para formar um bolso; eles tinham mangas compridas e geralmente apontadas. Os materiais não foram tecidos na Jordânia, mas importados da Palestina ou da Síria. Os desenhos de bordados em vestidos em Kerak mostram a influência do bordado palestino. Dizem que isso se deveu aos imigrantes palestinos que se estabeleceram em Kerak antes mesmo da Primeira Guerra Mundial. Naquela época, não havia fronteiras na região, e a migração de um lado para outro entre o que hoje é a Palestina e a Jordânia era comum. A migração foi especialmente forte entre Kerak e Hebron.
  

Vestido de Salt


O vestido de sal é distinto pelo seu tamanho; especialmente o comprimento da saia e mangas do vestido. As mulheres usam o que é chamado de dupla cortina; isto é, uma mulher cinge o vestido, de modo que uma camada desce sobre outra, às vezes quase até os pés. Isso cria um bolso útil na cintura do usuário.

O vestido requer dezesseis metros de tecido dubeit. Bandas azuis de tecido tingido de índigo correm verticalmente nas laterais e mangas, e também ao redor da bainha. Essas bandas fortalecem e realçam a beleza do vestido. O sal sempre foi um centro de mercado proeminente e atraiu beduínos e aldeões da área circundante.

Pode-se ver a influência do vestido de sal nos trajes de outras regiões da Jordânia (embora em escala reduzida).


 

 

 

Região de Ma'an


Apenas uma área na Jordânia, Ma'an, preferiu tecidos coloridos. A cidade era uma estação na estrada de ferro Hejaz de Istambul, um ponto de encontro de peregrinos que se dirigiam para Meca. Para cobrir as despesas de viagem, os peregrinos da Síria trouxeram tecidos de seda tecidos à mão para vender em Ma'an, e esse comércio deixou sua marca nos costumes locais.


 

 Ma'an, Thawb Heremzy


O vestido de noiva de Ma'an, chamado de thawb heremzy, é feito de painéis de tecido de seda vermelho e verde, que é tecido à mão na Síria. Tem um corte grande com bordados mínimos e usa um ponto corrente nas costuras e no pescoço. Uma manga é maior que a outra, para ajudar a mulher a cobrir a cabeça se ela precisar. As mulheres de Ma'an usavam tecidos semelhantes para fazer travesseiros bordados que usavam para decorar a casa.
Todos esses vestidos e estilos da Jordânia e da Palestina falam de um artesanato florescente e único, e da influência das mulheres na moda e no vestuário da região.
 

 

Região de Lydda


As regiões de Lydda e Ramleh ficam entre Jaffa e Gaza na costa e as planícies costeiras ao sul de Ramleh. As aldeias do distrito de Lydda são famosas por seu tecido de algodão branco e bordado bordado com fios de algodão, e pelo ponto de bordado de Belém (rasheq) bordado nos vestidos dessas aldeias.Os vestidos de Deir Tarif e Beit Nabala eram geralmente feitos em tecido de seda de algodão, veludo ou kermezot. Inserções de tafetá bordadas em ponto de Belém em ponto dourado e cordão de seda foram presas ao jugo, painel do peito, mangas e saia. Na década de 1930, o material de veludo negro tornou-se popular, e os vestidos eram bordados em linha reta no tecido, com bordados dourados ou laranjas, que mais tarde ficaram famosos por essa área.Em Budros, Yazour, Al haditheh e Sarafand, os vestidos eram de tecido de algodão branco e bordado com ponto de cruz vermelha, usando fio de algodão. Os motivos desses vestidos eram semelhantes aos padrões de pontos de cruz bordados no vestido Beit Dajan, incluindo o cipreste, pássaros em pares e outros desenhos geométricos.A área a sudoeste de Ramleh era famosa por seus vestidos festivos e ricamente bordados, usando algodão tecido à mão ou tecido de linho azul-índigo com bordados multicoloridos usando fios de seda em pontos de cruz. As aldeias de Aqir, Na'ani, Beit Jibrin, Tel Al Safi e Masmiyyeh eram famosas pelos vestidos festivos ricamente bordados, e colcha de retalhos em tafetá amarelo e verde e cetim vermelho.


A região de Jerusalém

bordado de Jerusalem

Os vestidos da região de Jerusalém eram feitos de tecido de seda predominantemente listrado, importado da Síria, famoso por seus centros de produção têxtil. Alguns vestidos desta área foram feitos de tecido de veludo (mukhmal) importado da Europa. Tecido de veludo azul, marrom e vermelho escuro era popular para vestidos da região e da região em torno de Lydda e Ramleh. O tecido sírio usado na fabricação desses vestidos era conhecido como asawri, ghabani e qasabi.O bordado nas mangas, peito, laterais e painéis traseiros do vestido de Jerusalém foram bordados em ponto de couche de Belém. O painel da saia lateral e as mangas pontiagudas foram bordados em faixas de verde com inserções vermelhas ou laranja de tafetá que depois foram costuradas ao vestido.Estes vestidos foram usados ​​em aldeias ribeirinhas de Jerusalém, incluindo Silwan, Lifta, Malha, Karin Ain, Kalonia, Beit Safafa, Ezariyyeh Al (Beit Ania), Beit Hanina, Shu'fat, Yassin Deir, Beit Horon, Al jeeb e Abu Dis .Na década de 1930, várias aldeias começaram a usar tecido de veludo europeu importado (Mukhmal). O veludo preto e marinho tornou-se moda em Ain Karem e Malha, enquanto a vila de Lifta usava um tecido imitação de veludo importado da Alemanha, mas depois foi produzido localmente.No final do século XIX, as mulheres de Jerusalém usavam uma jaqueta de tecido largo (taqsireh) sobre o vestido feito de feltro ou tecido de lã e bordado com ponto de costura. Estas jaquetas foram feitas em Belém para mulheres da área de J
Jacketa de Jerusalem
erusalém.
Depois dos anos 30, as jaquetas eram feitas de tecido de veludo e bordadas com fios de seda dourada.





Esse foi um resumo do livro ilustrado que estou compondo com fotos e historia completa de várias regiões da Palestina e Jordania, de seus bedoinos e suas cidades.

Se quiserem ter o documentario impresso ou pdf, acessem o link do Google Drive aqui:
A HISTORIA TECIDA A MAO DA PALESTINA E DA JORDANIA


Por Cris Freitas - Emirados Arabes Unidos


Leia Mais ►

Leia Mais ››