Translate it!

A CONTRIBUIÇÃO ÁRABE PARA OS OFTALMOLOGISTAS MODERNOS



Em 11-14 de julho de 1905, o professor Julius Hirschberg (1843 - 1925), renomado oftalmologista e historiador médico alemão, dirigiu-se à Associação Médica Americana na Califórnia. O assunto de seu trabalho foi sobre "Oftalmologistas Árabes". Ele começou sua palestra dizendo: "Eu convido você ... a voltar comigo por 1000 anos para considerar a fascinante história da Oftalmologia Árabe que eu estudei nos últimos cinco anos. Duas questões a princípio devem ser abordadas: as fontes de informação à disposição desses oftalmologistas árabes? Qual é a contribuição do trabalho árabe na oftalmologia? "
Figura 1: A mais antiga descrição médica conhecida do olho, de uma
obra do século IX de Hunayn ibn Ishaq.
Esta cópia é datada do século XII .

Uma das mais notáveis ​​obras clássicas do Memorial da Oftalmologia, escrita por Ali Ibn Isa (1000 EC), foi compilada de fontes gregas, segundo os Dez Tratados do Olho de Galeno e ele acrescentou novos conhecimentos. Um especialista em olho é conhecido em árabe como Al-Kahhal da palavra Kuhl (kollyre). Hirschberg considerou este trabalho tão importante quanto a contribuição dos muçulmanos para a Mesquita de Córdoba (Espanha). O livro de Kalifah (escrito por volta de 1260 dC) lista dezoito trabalhos sobre oftalmologia. Em apenas 250 anos, os muçulmanos produziram dezoito trabalhos escritos sobre oftalmologia. Enquanto a tradição grega, de Hipócrates a Paulus, abrangendo mil anos, produziu apenas cinco livros sobre este assunto. Ao todo, existem cerca de trinta livros didáticos de oftalmologia produzidos pelos muçulmanos. Os mais importantes foram escritos por especialistas e, de fato, catorze ainda existem hoje. Hirschberg, em seguida, passou a mencionar alguns dos nomes mais notáveis ​​e deu conta do seu trabalho.

Ali Ibn Isa


O mais famoso de todos os oculistas do Islã nasceu em Bagdá (Iraque). Seu trabalho, Tashkiratul-Kahhalîn (Caderno dos Ocultistas), o melhor e mais completo livro de texto sobre doenças do olho, foi traduzido com comentários para o alemão por Hirschberg e Lippert (1904) e para o inglês por Casey Wood (1936). O livro de Ibn Isa foi o livro mais amplamente referido pelos oftalmologistas posteriores. Foi traduzido pela primeira vez em persa e depois em latim e impresso em Veneza em 1497 CE. Os famosos contemporâneos de Isa Ibn Ali foram Ammar Ibn Ali Al-Mosuli (veja abaixo) e Abul Hasan Ahmed Ibn Muhammad Al-Tabari que, em sua obra Kitab-ul Mu'lala 'l-Buqratiyya (Livro do Tratamento Hipocrático), diz que ele escreveu um longo tratado sobre doenças dos olhos. Infelizmente este tratado não está mais disponível.

Ammar Ibn Ali Al-Mosuli



Figura 2: Um manuscrito árabe intitulado Anatomia do Olho , de autoria de al-Mutadibih (ativo ca. 1170-1199). Este manuscrito datado de ca. 1200CE, é mantido na Biblioteca Nacional do Cairo.


Ammar, de Mosul no Iraque, floresceu por volta de 1010 CE. Ele escreveu um livro intitulado Kitâb al-Muntakhab fî 'ilâj al-'ayn (Livro das Escolhas no Tratamento de Doenças dos Olhos) e praticado principalmente no Egito. Seu livro trata de anatomia, patologia e descreve seis histórias de casos para a operação de catarata e um caso de neurite óptica! Hirschberg escreve que Ammar foi "o mais inteligente cirurgião ocular de toda a literatura árabe". Ammar discutiu algumas doenças de 48 olhos em um pequeno trabalho de cerca de 1500 palavras (um dos trabalhos mais curtos de seu tipo). Este manuscrito (nº 894) pode ser encontrado na Biblioteca Escorial perto de Madri (Espanha). Embora mais curto que o livro de Isa Ibn Ali, ele contém muito mais observações e observações originais. Até o século 20, o trabalho de Ammar estava disponível apenas em árabe e uma tradução em hebraico feita por Nathan, o judeu, no século XIII. Este trabalho foi traduzido para o alemão pelo professor Julius Hirschberg em 1905. Ammar foi o inventor da operação de catarata por sucção, usando uma agulha fina inserida através do limbo (onde a córnea se junta à conjuntiva). Esta foi a operação mais bem executada do seu tempo. Este tipo de operação de catarata, entre outros, ainda é realizado hoje. A operação de "couching", ou seja, deslocamento violento da lente, remonta aos tempos da Babilônia, mas isso teve suas óbvias complicações e riscos. Ammar ao longo de seu trabalho, como cirurgião e pesquisador, nunca esqueceu que ele era primeiro muçulmano e segundo cientista. Isto é visto por sua atitude compassiva para com seus pacientes. Em suas viagens, ele cumpriu seus deveres religiosos, visitando Medina e realizando Hajj em Meca.

Zarrindast (mão de ouro)


Abu Ruh Muhammad Ibn Mansur Bin Abdullah, também conhecido como Al-Jurjani, um excelente cirurgião da Pérsia que floresceu por volta de 1088 EC, escreveu um livro intitulado Nûr-ul-'Uyûn (A Luz dos Olhos). O livro, em grande parte original, foi escrito durante o reinado do sultão Malikshah e consiste em dez capítulos. No sétimo capítulo, ele descreve algumas operações de 30 olhos, incluindo 3 tipos de operação de catarata. Ele também lida com anatomia e fisiologia das doenças oculares e oculares. Um capítulo é dedicado a doenças oculares que podem ser vistas como catarata, tracoma, doenças esclerais e córneas e problemas nas pálpebras. Outro capítulo lida com doenças ocultas (os sinais são exibidos no olho e na visão, mas a causa pode estar em outro lugar), ou seja, paralisia do terceiro nervo, distúrbios sangüíneos, toxicidade etc. O livro menciona doenças curáveis ​​e incuráveis ​​e fornece métodos de tratamento. Uma grande parte é sobre cirurgia do olho. Há uma seção sobre drogas empregadas pelos oculistas.



Figura 3: Uma figura representando um médico muçulmano durante um tratamento. Serefeddin Sabuncuoglu, Cerrahat al-Haniyye , Biblioteca Millet, Dica Ali Emiri, p. 79


Outro nome mencionado por Hirschberg em seu discurso na American Medical Association (1905) foi Abu Muttarif, de Sevilha (Espanha), que floresceu por volta do século XI . Além de ser um oftalmologista, ele também era um Wazîr (ministro). Infelizmente, seu trabalho está totalmente perdido.


Al-Ghafiqi




Figura 4: A estátua de Al-Ghafiqi em Córdoba, Espanha. © Yasemin Paksoy.


Muhammad Ibn Qassoum Ibn Aslam Al-Ghafiqi, simplesmente conhecido como Al-Ghafiqi (falecido em 1165 EC), também da Espanha, escreveu um livro no século XII chamado Al-Murshid fîl-Kuhl (O Guia Certo em Oftalmologia). O livro não está apenas confinado ao olho, mas dá detalhes da cabeça e doenças do cérebro. Al-Ghafiqi usou o tratado de Ammar como referência para o seu trabalho. Hoje, um turista que visita Córdoba pode ver o busto comemorativo de Muhammad Al-Ghafiqi, uma homenagem prestada pelo povo de Córdoba a um notável especialista em olhos muçulmano. O busto com Ammama Árabe completo pode ser visto no quadrilátero de um hospital municipal em Córdoba, na Espanha. Foi erguido em 1965 para comemorar o oitocentos anos de sua morte.


Kalifah de Aleppo


Kalifah Ibn Al-Mahasin, de Allepo (Síria), que floresceu por volta de 1260 EC, escreveu um livro de 564 páginas no qual descreve e fornece desenhos de vários instrumentos cirúrgicos, incluindo 36 instrumentos para cirurgia ocular. Ele também discute os caminhos visuais entre o olho e o cérebro. Ele também escreve sobre doze tipos de operações de catarata. O termo para catarata em árabe é Al-Mâ 'Nazul' Ayn . M ' significa água ou água descendo sobre o olho, ou seja, a água se acumula na lente e fica "encharcada", tornando-a turva. Esta nebulosidade é sugada pelo uso de agulha oca, assim a catarata é removida e o paciente é mais uma vez capaz de enxergar.


Salahuddin


Salahuddin Ibn Yusuf de Hammah (Síria) escreveu em 1290 dC um livro chamado A Luz dos Olhos, no qual ele discutiu um novo trabalho sobre a teoria óptica da visão. Ele também citou muitos trechos do tratado de Ammar. Ele trabalhou no olho de um ponto de vista médico mais geral, como fizeram outros médicos notáveis ​​como Az-Zahrawi, Ibn Zuhr e Ibn Rushd.

Figura 5: O Resultado do Pensamento sobre a Cura das Doenças Oculares (Natijat al-fikar fiilajrad al-basar) escrito no Cairo por Fath al-Din al-Qaysi (d. 1259/657 H). Cópia finalizada por escriba anônimo em 16 de novembro de 1501 (5 Jumada I 907 H). © Biblioteca Nacional de Medicina, Bethesda, Maryland, MS A48, fols. 7b-8a. ( Fonte )



Ibn al-Haytham


Ibn al-Haytham, nascido em 965 EC, foi o primeiro a explicar que toda a visão foi possível graças à refração dos raios de luz. O trabalho de Ibn al-Haytham foi repetido e expandido pelo matemático persa Kamal al-Din l-Farisi (falecido em 1320 EC) que observou o caminho dos raios de luz no interior de uma esfera de vidro para examinar a refração de luz do sol na chuva cai. Isso o levou a uma explicação da gênese dos arco-íris primários e secundários.

"De 800-1300 dC, o Mundo do Islã produziu não menos que 60 renomados Especialistas em Olho ou Ocultistas, autores de livros e produtores de monografias em Oftalmologia. Enquanto isso, na Europa antes do século 12, um Ocultista era inédito." Professor J. Hirschberg disse isso para uma platéia encantada na American Medical Association. Não foi até o século XVIII que o método de remoção de catarata por uma agulha oca foi empregado na Europa.

Os muçulmanos produziram muitos trabalhos originais sobre a anatomia do olho. Seus estudos foram, no entanto, limitados porque eles realizaram suas observações apenas em olhos de animais. A dissecação de qualquer parte do corpo humano foi considerada desrespeitosa em princípio. Essas obras nos dão as imagens mais antigas da anatomia do olho.



Figura 6: Um comentário sobre o Mujiz ou Concise Book de Ibn al-Nafis, chamado The Key to the Mujiz e composto em árabe por al-Aqsara'i, que morreu em 1370 (771H). A cópia foi concluída em outubro de 1407 (Jumada I 810 H). © Biblioteca Nacional de Medicina, Bethesda, Maryland, MS A67, fol. 167b mostrando um diagrama esquemático do sistema visual. 


O trabalho original dos árabes inclui a introdução de termos como Globo Ocular, Conjuntiva, Córnea, Uvea e Retina. Os muçulmanos também fizeram operações sobre doenças das pálpebras como o Tracoma, um endurecimento do interior da pálpebra. O glaucoma (um aumento na pressão intra-ocular do olho) sob o nome de "Dor de cabeça do aluno" foi descrito pela primeira vez por um árabe. No entanto, a maior contribuição única em oftalmologia pelos árabes foi em matéria de catarata.

De acordo com o Jornal da Associação Médica Americana (1935) há, na Biblioteca do Vaticano, um manuscrito único atribuído a Ibn Nafis (falecido em 1288 EC), intitulado Kitâb al-Muhazzab para Tibb al-'Ayn (Um Livro de Correções em a Medicina do Olho). Ele contém uma descrição dos olhos dos animais e uma discussão sobre as variedades e cores do olho humano.

No século XII, Gerard de Cremona, o famoso tradutor para o latim de trabalhos científicos e médicos árabes, passou 40 anos de sua vida (1147-1187 dC) em Toledo (Espanha), traduzindo o trabalho de muçulmanos, incluindo os trabalhos de Arábia Saudita. Razi e Ibn Sina. Este fato foi atribuído a um selo postal espanhol. Os médicos árabes têm estado na linha de frente do esforço para prevenir a cegueira desde 1000 dC, quando Ar-Razi se tornou o primeiro médico a descrever a ação reflexa da pupila. Mais ou menos na mesma época, Ammar Bin Ali Al-Mosuli inventou a técnica de remoção de catarata por sucção com o uso de uma agulha oca. "

O professor J Hirschberg concluiu seu discurso na American Medical Association com estas palavras:

"Durante essa escuridão total na Europa medieval, eles (os muçulmanos árabes) iluminaram e alimentaram as lâmpadas de nossa ciência (oftalmologia) - do Guadalquivir (na Espanha) ao Nilo (no Egito) e ao rio Oxus (na Rússia). Eles eram os únicos mestres da oftalmologia na Europa medieval ".

Assim, podemos ver no trabalho de Hirschberg que os oftalmologistas muçulmanos dos séculos 10 e 13 estavam centenas de anos à frente de seu tempo.

Referências e leitura adicional

  • Biró I., "In memory of Julius Hirschberg", Orv Hetil, Aug 8, 1976; 117(32):1953-4 (in Hungarian).
  • Halit Oguz, "Ophthalmic chapters of serefeddin Sabuncuoglu's illustrated surgical book (Cerrahiyyetü'l Haniyye) in the 15th century, Annals of Ophthalmology, Humana Press Inc., vol. 38, No. 1, 2006.
  • Hamarneh, and Sonnedecker, Glenn, A Pharmaceutical View of A. al-Zahrawi, Leiden, Brill, 1963,
  • Hirschberg, Julius, Geschichte der Augenheikunde" 1899-1919, 9 vols., 4700 pp. Originally published as vols. XII-XV (1899-1918) of the 2nd ed. of the Handbuch der gesammten Augenheilkunde, edited by Graefe & Saemisch. English translation: History of Ophtalmology, translated by Frederick C. Blodi. Bonn : J.P. Wayenborgh, 1982-. See vol. 2: vol. 2: The Middle Ages; the sixteenth and seventeenth centuries.
  • Koelbing H. M., "Julius Hirschberg (1843-1925), ophthalmologist and medical historian", (in German), Klin Monatsbl Augenheilkd. 1976 Jan;168(1):103-8.
  • Said, Hakim Mohammed, "Various tools used by Albucasis", Photograph showing 8 assorted tools used by Albucasis. In: Life and Works of Al-Zahrawi. Printed by Hamdard.
  • Snyder C., "Julius Hirschberg, the neglected historian of ophthalmology., Am J Ophthalmol., May 1981; 91(5): 664-76.
  • Spink, M.S., and Lewis, G.L., Albucasis On Surgery and Instruments. London: Wellcome Institute for the History of Medicine, 1973, pp. 21-36.
  • Vernet, J. & Samsó, J. et al. 1992. El Legado cientifico andalusi. Madrid: Ministerio de Cultura. Exhibition Catalogue with a video in Spanish.
End Notes
See H. M. Koelbing, "Julius Hirschberg (1843-1925), ophthalmologist and medical historian", Klin Monatsbl Augenheilkd, 1976, 168(1):103-8. Julius Hirschberg of Berlin was one of the most brilliant ophthalmologists of his time. As a surgeon and as the editor of the Centralblatt für praktische Augenheilkunde" (1877-1919) he enjoyed a world-wide reputation. As a historian of ophthalmology, his greatest achievement was the famous History of Ophtalmology, written in German: Geschichte der Augenheikunde, 1899-1919, 9 vols., 4700 pp. He covered in it the history of ophtalmolgy from the ancient Egyptians down to 1900. He hit upon the history of ophtalmology in Muslim heritage in volume 2: vol. 2: The Middle Ages; the sixteenth and seventeenth centuries. See the English translation of the whole encyclopedia by by Frederick C. Blodi et al., The history of ophthalmology. Bonn : J.P. Wayenborgh, 1982-.
Optometry Today, publication of the Association of Optometrists, England, March 28, 1987.
Dr, Retired, Fellow Manchester Medical Society, University of Manchester, Manchester, UK.

Traduzido por Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos