Translate it!

AMULETOS PARA PROTEÇÃO: NAZAR, HAMSAH E TAWIZ






Nazar


Nazar (do árabe نظر pronúncia árabe: [naðˁar], palavra derivada do árabe, que significa visão, vigilância, atenção e outros conceitos relacionados) é um amuleto em forma de olho que se acredita proteger contra o mau olhado. O albanês, o bósnio, o urdu, o pashtun, o bengali, o curdo, o persa e outras línguas também emprestaram o termo.  
Na Turquia, é conhecido pelo nome de nazar boncuğu. No folclore persa e afegão, é chamado de cheshm nazar (persa: چشم نظر) ou nazar qurbāni (persa: نظرقربانی). Na Índia e no Paquistão, é conhecido como nazar / najar. Em tais culturas, acredita-se que se uma pessoa é muito elogiada, o olho do mal fará com que eles fiquem doentes no dia seguinte, a menos que uma frase como "Com a vontade de Deus" ("Inshallah" em árabe) seja dita.



Origem


O amuleto provavelmente originou-se no Mediterrâneo e está associada ao desenvolvimento da fabricação de vidro. Documentos escritos e contas existentes datam do século XVI aC. Contas de vidro foram feitas e amplamente utilizadas em todo o mundo antigo: da Mesopotâmia ao Egito, de Cartago e Fenícia à Pérsia, e durante todo o período imperial romano.A conta do olho é uma espécie de arte em vidro baseada na nazar na Turquia. Esta arte mudou muito pouco por milhares de anos. A arte em vidro do Mediterrâneo, com 3.000 anos de idade, vive nesses fornos com todos os seus detalhes.As raízes dos poucos mestres do cristal de contas do olho do mal que ainda praticam essa tradição remontam aos artesãos árabes que se estabeleceram em Izmir e suas cidades durante o declínio do Império Otomano no final do século XIX. A arte de vidro que perdera seu glamour na Anatólia, combinada com o signo do olho, foi animada. Os mestres que praticavam suas artes nos distritos de Araphan e Kemeralti, em Izmir, foram exilados devido à perturbação da fumaça de seu forno e risco de incêndio no bairro.Nos tempos antigos, acreditava-se que a cor azul era forte proteção contra o Olho do Mal, um poder mágico que tem pelo menos 5.000 anos de idade.
Uma placa de Argila Suméria de 3.000 anos de idade é a referência mais antiga ao olho maligno.


Hamza ou Mão de Fátima




Hamsah (árabe: خمسة) é um amuleto em forma de mão popular em todo o Oriente Médio e Norte da África e comumente usado em jóias e tapeçarias. Retratando a mão direita aberta, uma imagem reconhecida e usada como um sinal de proteção em muitas épocas da história, acredita-se por alguns, predominantemente judeus, cristãos e muçulmanos, o hamsa como defesa contra o mau-olhado. Tem sido teorizado que suas origens estão no antigo Egito ou Cartago (atual Tunísia) e podem ter sido associadas à Deusa Tanit. Hamsa é uma palavra árabe que significa "cinco", mas também "os cinco dedos da mão". O Hamsa é também conhecido como Mão de Fátima, depois da filha do profeta Muhammad (pbuh), a Mão de Maria, a Mão de Miriam e a Mão da Deusa.


História


O uso inicial do hamsa remonta à antiga Mesopotâmia (atual Iraque), bem como à antiga Cartago [atual Tunísia]. Um sinal universal de proteção, a imagem da mão direita aberta é vista nos artefatos da Mesopotâmia nos amuletos da deusa Ishtar ou Inanna.

A Mão de Fátima também representa a feminilidade e é referida como a mão sagrada da mulher. Acredita-se que ele tenha características extraordinárias que podem proteger as pessoas do mal e de outros perigos. O caminho do hamsa para a cultura judaica, e sua popularidade particularmente nas comunidades judaicas sefarditas e mizrahi, pode ser traçada através do seu uso no Islã. Este "talismã
favorito muçulmano " tornou-se parte da tradição judaica nos países muçulmanos norte-africanos e do Oriente Médio.
O khamsa também é reconhecido como portador de boa sorte entre os cristãos da região. Os cristãos levantinos chamam a mão de Maria (em árabe: Kef Miryam, ou a "Mão da Virgem Maria").


Atualmente com a chegada de produtos chineses do mercado do Oriente Médio, é infinita a quantidade de itens que temos a disposição para usarmos ou como acessório ou como decoração em casa.

Alguns modelos de amuletos hamsah e nazar achados atualmente:










Ta'wiz - o escapulario islâmico




O ta'wiz, tawiz (urdu: تعویز,), muska (turco) ou taʿwīdh (árabe: تعويذ) é um amuleto ou medalhão geralmente contendo versos do Alcorão ou outras orações e símbolos "islâmicos". O Tawiz é usado por alguns muçulmanos para protegê-los do mal. Como tal, pretende ser um amuleto. A palavra ta'wiz também é usada para se referir a outros tipos de amuletos. Pode ser um pingente, entalhes em metal ou até duas** emolduradas.
A maioria dos ta'wiz consiste de um pequeno artigo com versos do Alcorão ou orações escritas nele, tipicamente em tinta ou com pasta de açafrão.


O tawiz se assemelha ao escapulário usado pelos cristãos com orações ou partes da Bíblia.



Etimologia

A palavra urdu ta'wiz vem do árabe. A palavra árabe taʿwīdh, que significa "amuleto" ou "charme", é formada a partir do verbo ʿawwadha, que significa "fortificar alguém com um amuleto ou encantamento".

** Na terminologia do Islã, duʿāʾ (árabe: دُعَاء, plural: ʾadʿiyah أدْعِيَة), que significa literalmente "invocação", é um ato de súplica. O termo é derivado de uma palavra árabe que significa "chamar" ou "invocar", e os muçulmanos consideram isso um ato profundo de adoração. Muhammad é relatado para ter dito, "Dua é a própria essência da adoração", enquanto um dos mandamentos de Deus expressos através do Alcorão é para eles clamarem a Ele:

     E o seu Senhor diz: "Invoca-me; eu responderei a vossa oração:
     - Alcorão, surata 40 (Ghafir), ayah 60.


Obs: Esse post é para esclarecimento de alguns tipos de amuletos que existem e sao usados no mundo árabe, porém, não questionamos se a prática ou uso é proibido ou não em qualquer religião.


Cris Freitas
Emirados Arabes Unidos