Translate it!

CAMINHE PELOS PORTOES DO TEMPO: CAIRO ISLAMICO




O renomado egiptólogo e historiador Ahmed Seddik nos leva em uma excursão literária pelas ruas Khan El Khalili e Al Muez, descobrindo os segredos do Cairo islâmico antigo ...

Em 969 dC, o bom comandante fatímida conquistou o Egito. Ao norte da primeira cidade muçulmana, Al-Fustat, uma nova cidade real estava em formação. Dizia a lenda que Jawhar tinha a área da futura cidade cercada por cordas que levavam sinos para dizer aos operários em espera que tocassem uma sinfonia de construção ao som de um momento oportuno. Um momento que os astrólogos declarariam. Antes que os astrólogos tivessem alguma pista, pássaros surgiram do nada e caíram nas cordas. Esse barulho de sinos alertou a força-tarefa para mudar de rumo e começar a construir. Os astrólogos achavam que, se não fossem consultados, seriam insultados. Eles olharam para cima e Marte estava subindo. Eles disseram que vamos chamá-lo de al-Qahirah, árabe para Marte. A cidade de Marte marcou um novo começo, como uma cidade palaciana murada para o condomínio fechado da elite dominante.
Portais Zweila - bab Zweila

Enquanto viajamos para desvendar as muitas camadas maravilhosas que os potentes atores políticos aplicaram à Cidade Vitoriosa, olhamos para as portas da glória e das fachadas da fama; uma porta para adorar, uma entrada fascinante para um edifício edificante. Entramos pelo portão de Zewaila. Como se o portão não fosse famoso o suficiente, o sultão Almu'ayyad acrescentou os minaretes gêmeos no topo. Aqui, o sultão otomano Selim, o Sombrio, realizou a execução pública mais famosa do último sultão mameluco, Tomanbay, no século XVI. 
Nossa jornada para o norte pela rua cintilante de Al-Muez nos leva a Khan al-Khalili, talvez o mais antigo mercado de gêneros no mundo. Em 1382, Al-Khalili, o mestre de cavalos do sultão Barquq, cavou os cadáveres dos califas fatímidas para dar lugar a seu cã. Al-Khalili vem de Al-Khalil, árabe para Hebron e um amigo. 
Souq Khan al Khalili

O coração de Al-Muez é Bayn al-Qasrayn, isto é, entre os dois palácios; o palácio oriental e o palácio ocidental. No entanto, você não verá nenhum palácio fatímida. Saladino demoliu os palácios fatímidas e abriu toda a cidade para todos os egípcios. Saladino triunfou e os fatímidas caíram como vítimas da vitória.  
Enquanto a família de Saladino não reinou por muito tempo, deixou um legado eterno, os mamelucos. A dulocracia, ou o domínio dos escravos, logo se tornaria a regra e não a exceção. Mameluco é árabe para um escravo. O último e poderoso Sultão Aybubid Najm al-Din tinha muitos mamelucos em seu palácio. Aqueles mamelucos foram comprados jovens. Eles foram treinados em árabe e apresentados ao Islã. Em poucas palavras, eles receberam a melhor educação possível.  
Quando se formaram, foram libertados e ligados ao exército profissional. Dada a qualidade de sua educação, os mamelucos estavam qualificados para subir aos mais altos cargos no governo - e eles o fizeram. Enquanto isso, Najm al-Din se casou com uma bela escrava e deu a ela o nome de Shagar El Dorr; madrepérola. Essa astuta e perspicaz senhora de contas levou seu marido à grandeza e ao trono do Egito. Quando Najm al-Din morreu enquanto lutava contra os cruzados, Shagar El Dorr não deu a notícia de sua morte para não quebrar a moral do exército egípcio - sua política era um triunfo. 
Complexo Qalawun 

Tendo derrotado as cruzadas, ela se declarou sultana em 1250. No entanto, sob pressão das nações vizinhas, ela abandonou o trono. Por pura gratidão, Shagar El Dorr ergueu um edifício para homenagear Najm que elevou sua estrela da escravidão à realeza. Em frente  ao mausoléu de Najm está o complexo do sultão Qalawun no meio da rua Al-Muez.






Orgulhoso que seu mestre Sultan Ayoub o comprou pela grande soma de mil dinares, Qalawun acrescentou a seus títulos Al-Alfy, do árabe por mil. Qalawun trouxe a Idade de Ouro para os mamelucos e fundou uma dinastia que permaneceu no trono por um século inteiro, seu edifício que consiste em um hospital, madrassa, mausoléu e mesquita fala por seu apogeu.
 
Andar alguns séculos atrás no deserto desolado do sol teria estimulado sua sede de conhecimento e água também. 
O Sabil (fonte de agua potavel) de Mohamed Ali é uma maneira de dar água aos viajantes no caminho de Allah. Muhammed Ali estabeleceu este sabil para homenagear seu filho. Cada sabil é sustentado por uma enorme cisterna de armazenamento de água. 
Este sabil foi transformado no Museu Têxtil Egípcio, que é adornado com tecidos requintados antigos que são egípcios, coptas e islâmicos. É uma cápsula do tempo entrelaçada no tecido da cidade fatímida.





Para um sabil otomano mais antigo, continue para o norte e você encontrará o Sabil-Kuttab de Abdel-Rahman Katkhuda. É um cosmos composto por uma escola para crianças fundada em uma fonte de água. Um local de sorte onde a espinha se divide em duas, uma pista visual alusiva à nomeação da rua al-Qasaba, árabe para traqueia. 

Sabil-Kuttab of Abdel-Rahman Katkhuda

Os fatímidas adoravam nomes coloridos. O nome desta mesquita, al-Aqmar, significa o luar, baseado na luz brilhante do calcário. Embora seja uma pequena mesquita, ela introduz uma infinidade de novos recursos arquitetônicos; tem a mais antiga fachada completamente entalhada de uma mesquita; a primeira aparição das estalactites; a fachada está alinhada com a rua. Acima, à direita e à esquerda, você vê uma lâmpada esculpida na parede. Esta é a fonte das lâmpadas em todos os monumentos fatímidas, desde que as lâmpadas fatímidas desapareceram há muito tempo, e você confia em um alívio da crença.
Mesquita al Qamar 

Agora vamos fazer um desvio e virar à direita para a rua al-Darb al-Asfar para ver um bayt, árabe para uma casa. Bayt Al-Suhaymi pertenceu a uma família abastada e recebeu o nome do último residente aqui. A casa medieval de Al-Suhaymi exibe elementos mamelucos e otomanos. Ande pelo portão, você vê uma parede. Vire à direita, você ainda vê nada além de uma parede. Isso se deve a uma fascinante característica de conto de fadas cujo professor está na arquitetura medieval doméstica - a entrada entortada. Ao dobrar a entrada, é uma oportunidade de melhorar a privacidade dos habitantes estelares e diminuir o dawsha (o barulho do egípcio) nas movimentadas ruas do Cairo. Vire à esquerda e um belo jardim enfeita seus olhos. Caminhe para o norte e você alcança uma vasta área de recepção. Atrás é um espaço para os empregados, bem como um segundo poço de água e um moinho de moagem. 

Bayt Al-Suhaymi


A maioria dos quartos é versátil, com um estilo que nos remete aos otomanos. A casa é terrivelmente ventilada através da orientação para o norte e através de uma entrada de vento para pegar o vento frio do norte. No interior, você tem seu próprio banho e vapor, um sinal de riqueza para os homens de estima. A malha da mashrabiya decora lindamente e ventila a casa de modo que as mulheres possam ver de onde não podem ser vistas por trás de uma tela.
 
Finalmente, chegamos a Bab Al-Fotouh, o ricamente decorado Portão das Conquistas, que deve sua ornamentação à sua função e localização no extremo norte da cidade fatímida do Cairo. É aqui que os sultões saíram para conquistar. 

Bab Al-Fotouh
Fotos cortesia de Ahmed Seddik  e outras da net.

ROTEIRO PARA TURISMO NO CAIRO ISLAMICO (alguns pontos):
1) A Cidadela: Mesquita de Mohammed Ali (1830-48); 
2) O “Relógio” que o rei Luís Felipe da França presenteou, em agradecimento ao obelisco faraônico que decora a Praça da Concórdia, em Paris. Ele foi danificado no transporte e nunca consertado; 
3) Mesquita de Ibn Tulun (876-879) - minarete espiralado. Primeiros arcos pontudos; 
4) Mesquita-Madrassa de Umm Sultão Sha’aban; 
5) Mesquita de Al-Maridani (1339); 
6) Mesquita de Qijmas al-Ishaqi (1481); 
7 e 8) Bab Zuweila - Portão do Sul: escalar as muralhas. As vistas proporcionadas pelos dois minaretes sobre o portão, estão entre as melhores da região. Um dos cinco pilares do Islã: rezar 5 vezes por dia. Estar no topo do minarete ao meio-dia (segunda oração); 
9) Mesquita de Al-Azhar 970 d.C. Segunda instituição educacional mais antiga do mundo; 
10) Um dos portões medievais em Khan al-Khalili (mercado). 

Anote os principais pontos e ao ir fazer turismo no Cairo nao deixe de visitar esses lugares e ver de perto a historia da humanidade. 

Esse artigo foi retirado do site Cairoscene em 2012 e traduzido por Cris Freitas nos Emirados Arabe Unidos, nao deixe de citar as fontes em seu trabalho!