Páginas

A HISTORIA DOS ÁRABES -P2

A HISTORIA DOS ARABES -P3 


Foto:  Epitáfio árabe de Imru 'al-Qais , filho de' Amr, rei de todos os árabes ", inscrito na escrita nabateu . Basalto, datado de 7 Kislul, 223, ou seja, 7 de dezembro de 328. Encontrado em Nemara no Hauran ( sul Síria ).





Árabes são uma população que habita o mundo árabe. Eles vivem principalmente nos estados árabes na Ásia Ocidental, Norte da África, no Chifre da África e nas ilhas do Oceano Índico Oeste. Eles também formam uma diáspora significativa, com comunidades árabes estabelecidas em todo o mundo. Os árabes são o segundo maior grupo étnico do mundo.

A primeira menção dos árabes é de meados do nono século AEC como um povo tribal no leste e no sul da Síria, e no norte da Península Arábica, Os árabes parecem ter estado sob a vassalagem do Império Neo-Assírio ( 911–612 aC) e os sucessivos impérios neo-babilônico (626–539 a. C.), aquemênida (539–332 a. C.), selêucida e parta. As tribos árabes, principalmente os Ghassanids e os Lakhmids, começam a aparecer no sul do deserto da Síria a partir de meados do século III dC em diante, durante os estágios intermediários e posteriores dos impérios romano e sasaniano.

Antes da expansão do Califado Rashidun (632-661), o termo "árabe" referia-se a qualquer um dos povos semitas em grande parte nômades e estabelecidos da Península Arábica, Deserto da Síria e Mesopotâmia Norte e Inferior.  Hoje, "árabe" refere-se a um grande número de pessoas cujas regiões nativas formam o mundo árabe devido à disseminação de árabes e da língua árabe em toda a região durante as primeiras conquistas muçulmanas dos séculos VII e VIII e a subsequente arabização. das populações indígenas. Os árabes forjaram os califados Rashidun (632-661), Omíada (661-750), Abássida (750-1517) e Fatímida (901-1071), cujas fronteiras alcançaram o sul da França a oeste, a China a leste. Anatólia no norte e Sudão no sul.

Este foi um dos maiores impérios terrestres da história. No início do século 20, a Primeira Guerra Mundial sinalizou o fim do Império Otomano; que governou grande parte do mundo árabe desde a conquista do sultanato mameluco em 1517. Isso resultou na derrota e dissolução do império e na divisão de seus territórios, formando os modernos estados árabes. Após a adoção do Protocolo de Alexandria em 1944, a Liga Árabe foi fundada em 22 de março de 1945. A Carta da Liga Árabe endossava o princípio de uma pátria árabe respeitando a soberania individual de seus estados membros.

Hoje, os árabes habitam principalmente os 22 países árabes da Liga Árabe: Argélia, Bahrein, Comores, Djibuti, Egito, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Mauritânia, Marrocos, Omã, Palestina, Qatar, Arábia Saudita, Somália e Sudão, Síria, Tunísia, Emirados Árabes Unidos e Iêmen.

O mundo árabe se estende por 13 milhões de km2, do Oceano Atlântico a oeste até o Mar da Arábia ao leste, e do Mar Mediterrâneo ao norte até o Chifre da África e o Oceano Índico a sudeste. Além dos limites da Liga dos Estados Árabes, os árabes também podem ser encontrados na diáspora global. Os laços que unem os árabes são étnicos, linguísticos, culturais, históricos, idênticos, nacionalistas, geográficos e políticos. Os árabes têm seus próprios costumes, idioma, arquitetura, arte, literatura, música, dança, mídia, culinária, vestuário, sociedade, esportes e mitologia. O número total de árabes é estimado em 450 milhões.

Os árabes são um grupo diversificado em termos de afiliações e práticas religiosas. Na era pré-islâmica, a maioria dos árabes seguia as religiões politeístas. Algumas tribos adotaram o cristianismo ou o judaísmo, e alguns indivíduos, os hanifs , aparentemente observaram o monoteísmo. Hoje, cerca de 93% dos árabes são adeptos do Islã,  e há minorias cristãs consideráveis. Os muçulmanos árabes pertencem principalmente às denominações sunita, xiita, ibadi e alauita. Os cristãos árabes geralmente seguem uma das Igrejas cristãs orientais, como as igrejas ortodoxa grega ou católica grega. Outras pequenas religiões minoritárias também são seguidas, como a Fé Bahá'í e os Drusos.

Os árabes influenciaram e contribuíram enormemente para diversos campos, notadamente as artes e arquitetura, língua, filosofia, mitologia, ética, literatura, política, negócios, música, dança, cinema, medicina, ciência e tecnologia  na história antiga e moderna. As pessoas árabes são geralmente conhecidas por suas crenças e valores familiares.



ETIMOLOGIA



O mais antigo uso documentado da palavra "árabe" para se referir a um povo aparece nos monólitos de Kurkh, um registro de idioma acadiano do nono século AEC conquista assíria de Aram, que se referia a beduínos da Península Arábica sob o rei GindibU, que lutou como parte de uma coalizão oposta à Assíria. Entre os espólios capturados pelo exército do rei Salmanaser III da Assíria na Batalha de Qarqar estão 1000 camelos de "Gi-in-di-bu'u o ar-ba-aa" ou "[o homem] Gindibu pertencente ao árabe (ar-ba-aa sendo um adjetivo nisba do substantivo ʿarab). A palavra relacionada ʾaʿrāb é usada para se referir aos beduínos hoje, em contraste com ʿarab que se refere aos árabes em geral.

O termo árabe e ʾaʿrāb são mencionados cerca de 40 vezes em inscrições pré-islâmicas de Sabá. O termo árabe ocorre também nos títulos dos reis himyaritas desde o tempo de 'Abu Karab Asad até MadiKarib Ya'fur. O termo ʾaʿrāb é dirigido do termo árabe de acordo com a gramática sabéia. O termo também é mencionado em versos do Alcorão, referindo-se a pessoas que viviam em Madina e que poderia ser uma palavra de empréstimo do sul da Arábia para a língua do Alcorão.

A indicação mais antiga sobrevivente de uma identidade nacional árabe é uma inscrição feita em uma forma arcaica de árabe em 328 usando o alfabeto nabateu, que se refere a Imru 'al-Qays ibn' Amr como "Rei de todos os árabes". Heródoto refere-se aos árabes no Sinai, no sul da Palestina, e na região do olíbano (sul da Arábia). Outros historiadores gregos antigos como Agatharchides, Diodorus Siculus e Strabo mencionam árabes que vivem na Mesopotâmia (ao longo do Eufrates), no Egito (o Sinai e o Mar Vermelho), no sul da Jordânia (os Nabateus ), na estepe síria e no leste da Arábia (o povo de Gerrha ). Inscrições que datam do século 6 aC no Iêmen incluem o termo "árabe".

O relato árabe mais popular afirma que a palavra "árabe" veio de um pai homônimo chamado Ya'rub, que foi supostamente o primeiro a falar árabe. Abu Muhammad al-Hasan al-Hamdani tinha outro ponto de vista; ele afirma que os árabes eram chamados de Gharab ("Ocidente") pelos mesopotâmicos porque os beduínos originalmente residiam a oeste da Mesopotâmia; o termo foi então corrompido em "árabe".

Ainda outra visão é realizada por al-Masudi que a palavra "árabes" foi inicialmente aplicada aos ismaelitas do vale "Arabá". Na etimologia bíblica, "árabe" (em hebraico Arvi) vem tanto da origem do deserto dos beduínos originalmente descritos  (Arava significa deserto).

A raiz ʿ-rb tem vários significados adicionais em idiomas semíticos - incluindo "oeste / pôr do sol", "deserto", "misturar", "misturado", "comerciante" e "corvo" - e são "compreensíveis" em todos esses aspectos. tendo diferentes graus de relevância para o surgimento do nome. Também é possível que algumas formas fossem metatéticas de ʿ-BR "se movimentando" (árabe ʿ-BR "traverso") e, portanto, é alegado como "nômade".



HISTÓRIA



Antiguidade


 Rotas comerciais nabateus na Arábia Pré-islâmica .


Arábia pré-islâmica refere-se à Península Arábica antes da ascensão do Islã na década de 630. O estudo da Arábia Pré-Islâmica é importante para os estudos islâmicos, pois fornece o contexto para o desenvolvimento do Islã. Algumas das comunidades assentadas na Península Arábica desenvolveram-se em civilizações distintas. As fontes para essas civilizações não são extensas e limitam-se a evidências arqueológicas, relatos escritos fora da Arábia e tradições orais árabes posteriormente registradas por estudiosos islâmicos.

Entre as civilizações mais proeminentes estava Dilmun, que surgiu por volta do quarto milênio aC e durou até 538 aC, e Thamud, que surgiu por volta do primeiro milênio aC e durou cerca de 300 EC. Além disso, desde o início do primeiro milênio AEC, o sul da Arábia foi o lar de vários reinos, como o reino de Sabá (árabe: سَـبَـأ, transl. Saba, possivelmente Sheba),  e as áreas costeiras da Arábia Oriental eram controladas pelos partas e sassânidas de 300 aC.

Origens e história antiga




De acordo com as tradições árabe-islâmico-judaicas, Ismael era pai dos árabes, para ser o ancestral dos ismaelitas.
 Genealogia tradicional Qahtanite



O primeiro atestado escrito do etnônimo árabe ocorre em uma inscrição assíria de 853 aC, onde Shalmaneser III lista um rei Gindibu de mâtu arbâi (terra árabe) como entre as pessoas que ele derrotou na batalha de Qarqar. Alguns dos nomes dados nesses textos são aramaicos, enquanto outros são os primeiros atestados dos antigos dialetos da Arábia do Norte. De fato, vários etnônimos diferentes são encontrados em textos assírios que são convencionalmente traduzidos como "árabes": Arabi, Arubu, Aribi e Urbi. Muitas das rainhas Qedaritas também foram descritas como rainhas dos aribis. A Bíblia hebraica ocasionalmente se refere aos povos Aravi (ou suas variantes), traduzidos como "árabes" ou "árabes". O escopo do termo nessa fase inicial não é claro, mas parece ter se referido a várias tribos semíticas que habitam o deserto no deserto da Síria e na Arábia. Tribos árabes entraram em conflito com os assírios durante o reinado do rei assírio Assurbanipal, e ele registra vitórias militares contra a poderosa tribo Qedar entre outros.
O árabe antigo diverge do semítico central no início do primeiro milênio aC. 


Genealogistas árabes medievais dividiram os árabes em três grupos:

  1.     "Antigos árabes", tribos que haviam desaparecido ou sido destruídas, como ʿd e Thamud, frequentemente mencionadas no Alcorão como exemplos do poder de Deus para vencer aqueles que combateram seus profetas.
  2.     "Árabes puros" do sul da Arábia, descendentes de Qahtan. Diz-se que os Qahtanitas (Qahtanis) migraram da terra do Iêmen após a destruição da Represa Ma'rib (sadd Ma'rib).
  3.     Os "árabes arabizados" (mustaʿribah) da Arábia Central (Najd) e da Arábia do Norte, descendentes de Ismael, o filho mais velho de Abraão, através de Adnan (daí Adnanitas). O livro de Gênesis narra que Deus prometeu Hagar para gerar de Ismael doze príncipes e transformá-lo em uma grande nação. (Gênesis 17:20) O Livro dos Jubileus afirma que os filhos de Ismael se misturaram com os 6 filhos de Quetura, de Abraão, e seus descendentes foram chamados árabes e ismaelitas:
    E Ismael e seus filhos, e os filhos de Quetura e seus filhos foram juntos e habitaram de Parã até a entrada da Babilônia em toda a terra, em direção ao Oriente, de frente para o deserto. E estes se misturavam, e seu nome era chamado de árabes e ismaelitas.
    - Livro dos Jubileus 20:13


Inscrições reais assírias e babilônicas e inscrições do norte da Arábia do século IX ao VI aC, mencionam o rei de Qedar como rei dos árabes e rei dos ismaelitas. Dos nomes dos filhos de Ismael os nomes "Nabat, Kedar, Abdeel, Dumah, Massa e Teman" foram mencionados nas Inscrições Reais Assírios como tribos dos ismaelitas. Jesur foi mencionado em inscrições gregas no primeiro século aC.
Muqaddima, de Ibn Khaldun, distingue entre muçulmanos árabes sedentários que costumavam ser nômades e árabes nômades beduínos do deserto. Ele usou o termo "outrora nômade" dos árabes e se refere aos muçulmanos sedentários pela região ou cidade em que viviam, como nos iemenitas. Os cristãos da Itália e os Cruzados (soldados das Cruzadas) preferiram o termo sarracenos para todos os árabes e muçulmanos da época. Os cristãos da Ibéria usaram o termo Moor para descrever todos os árabes e muçulmanos da época.

Os muçulmanos de Medina referiam-se às tribos nômades dos desertos como os A'raab, e consideravam-se sedentários, mas tinham consciência de seus estreitos laços raciais. O termo "A'raab" espelha o termo que os assírios usavam para descrever os nômades intimamente relacionados que derrotaram na Síria. O Alcorão não usa a palavra ʿarab, apenas o adjetivo nisba ʿarabiy. O Alcorão chama a si mesmo
ʿarabiy "árabe" e Mubin "mostrado/claro". As duas qualidades estão conectadas, por exemplo, em ayat 43.2-3: "Pelo Livro mostrado: Fizemos uma recitação árabe para que você possa entender". O Alcorão tornou-se o principal exemplo da al-ʿarabiyya, a língua dos árabes. O termo ʾiʿrāb tem a mesma raiz e refere-se a um modo de fala particularmente claro e correto. O substantivo plural ʾaʿrāb refere-se às tribos beduínas do deserto que resistiram a Muhammad, por exemplo em at-Tawba 97.
al-ʾaʿrābu ʾašaddu kufrān wanifāqān "os beduínos são os piores em descrença e hipocrisia".

Com base nisso, na terminologia islâmica primitiva, ʿarabiy se referiu à língua, e ʾaʿrāb aos beduínos árabes, carregando uma conotação negativa devido ao veredicto do Alcorão que acabamos de citar. Mas depois da conquista islâmica do oitavo século, a língua dos árabes nômades tornou-se a mais pura dos gramáticos que seguem Abi Ishaq, e o termo kalam al-ʿArab, "linguagem dos árabes", denotava a linguagem não contaminada dos Beduínos.
 Soldado árabe (antigo cuneiforme persa: Arab, Arabia)  do exército aquemênida, por volta de 480 aC. Xerxes eu alívio tumba.



IDENTIDADE


O Oriente Próximo em 565, mostrando os Ghassanids, Lakhmids, Kindah e Hejaz

A identidade árabe é definida independentemente da identidade religiosa e é anterior à disseminação do Islã, com reinos cristãos árabes historicamente comprovados e tribos judaicas árabes. Hoje, no entanto, a maioria dos árabes é muçulmana, com uma minoria aderindo a outras religiões, em grande parte cristianismo, mas também drusos e bahá'ís.

A ascendência paterna desempenha um papel importante no papel da cidadania de um indivíduo e a descendência materna também desempenha um papel. Descendência paterna é considerada a principal fonte de afiliação no mundo árabe quando se trata de ser membro de um grupo ou clã. O Oriente Próximo em 565, mostrando os Ghassanids, Lakhmids, Kindah e Hejaz.

Hoje, a principal característica unificadora entre os árabes é o árabe, uma língua semítica central da família da língua afro - asiática. O Modern Standard Arabic serve como a variedade padronizada e literária de árabe usada por escrito. Os árabes são mencionados pela primeira vez em meados do século IX aC como um povo tribal que morava na península central da Arábia, subjugada pelo Estado da Assíria, na parte superior da Mesopotâmia . Os árabes parecem ter permanecido em grande parte sob a vassalagem do Império Neo-Assírio (911–605 aC), e então o sucessivo Império Neo-Babilônico (605–539 aC), Império Aquemênida Persa (539–332 aC), Macedônio Grego Império Seleucida e Império Parto.

As tribos árabes, mais notavelmente os Ghassanidas e Lakhmidas, começam a aparecer nos desertos sírios meridionais e no sul do Jordão a partir de meados do século III dC em diante, durante as etapas intermediárias e posteriores do Império Romano e do Império Sasaniano . Além disso, antes deles, os nabateus da Jordânia e, sem dúvida, os emessanos, Edessans,  e Hatrans , todos parecem ter sido um árabe aramaico que veio governar grande parte do crescente fértil pré-islâmico muitas vezes como vassalos dos dois impérios rivais, o sasaniano (persa) e o bizantino (romano oriental).  Assim, embora uma difusão mais limitada da cultura e da língua árabe tenha sido sentida em algumas áreas por esses árabes minoritários migrantes nos tempos pré-islâmicos através de reinos cristãos de língua árabe e tribos judaicas, foi somente após a ascensão do Islã no país. meados do século VII que a cultura, o povo e a língua árabe começaram a sua disseminação por atacado da península central da Arábia (incluindo o deserto do sul da Síria) através da conquista e do comércio.  





Subgrupos



Os árabes, no sentido estrito, são os árabes indígenas que remontam às tribos da Arábia e seus descendentes imediatos no Levante e no norte da África. Dentro do povo da Península Arábica, a distinção é feita entre: "Perecer Árabes" (Árabe : الـعـرب الـبـائـدة) são tribos antigas de cuja história pouco é conhecido. Eles incluem ʿd (árabe : عَـاد), Thamûd (árabe: ثَـمُـود, Tasm, Jadis, Imlaq e outros. Jadis e Tasm pereceram por causa do genocídio. 'Aad e Thamud pereceram por causa de sua decadência, como os arqueólogos descobriram recentemente inscrições que contêm referências a Iram dhāṫ al-'Imād (em árabe : I رَم ذَات الـعِـمَـاد, Iram dos Pilares), que era uma grande cidade do 'Aad. Imlaq é a forma singular de 'Amaleeq e é provavelmente sinônimo do Amaleque bíblico. 'Árabes puros' (Árabe : الـعـرب الـعـاربـة) ou Qahtanitas do Iêmen, considerado descendente de Ya'rub ibn Yashjub ibn Qahtan e mais adiante de Hud. "Árabes arabizados" (Árabe : الـعـرب الـمـسـتـعـربـة) ou Adnanites, considerados descendentes de Ismael, filho de Abraão.

Os árabes são mais comuns na Península Arábica, mas também são encontrados em grande número na Mesopotâmia (tribos árabes no Iraque), no Levante e no Sinai (Negev Bedouin, Tarabin beduíno), bem como no Magreb (Líbia Oriental, Sul da Tunísia e Sul). Argélia) e a região do Sudão.

Tribos árabes antes da propagação do Islã

Essa divisão tradicional dos árabes da Arábia pode ter surgido na época da Primeira Fitna. Das tribos árabes que interagiram com Maomé, o mais proeminente foi o dos coraixitas. O subclã Quraysh, o Banu Hashim, era o clã de Maomé. Durante as primeiras conquistas muçulmanas e a Era de Ouro Islâmica, os governantes políticos do Islã eram exclusivamente membros dos coraixitas.

A presença árabe no Irã não começou com a conquista árabe da Pérsia em 633 EC. Durante séculos, os governantes iranianos mantiveram contatos com árabes fora de suas fronteiras, lidaram com súditos árabes e estados clientes (como os do Iraque e do Iêmen), e estabeleceram membros de tribos árabes em várias partes do planalto iraniano. Segue-se que as conquistas e assentamentos "árabes" não eram, de modo algum, obra exclusiva dos árabes do Hejaz e dos membros da tribo da Arábia interior. A infiltração árabe no Irã começou antes das conquistas muçulmanas e continuou como resultado dos esforços conjuntos dos árabes civilizados (ahl al-madar), bem como dos árabes do deserto (ahl al-wabar). O maior grupo de árabes iranianos são os árabes ahwazi, incluindo Banu Ka'b, Bani Turuf e a seita Musha'sha'iyyah. Grupos menores são os nômades de Khamseh na província de Fars e os árabes em Khorasan.
Cartão postal do emir Mejhem ibn Meheid, chefe da tribo Anaza perto de Alepo com seus filhos depois de ser condecorado com a Croix de Légion d'honneur em 20 de setembro de 1920
Os árabes do Levante são tradicionalmente divididos em tribos Qays e Yaman. Essa divisão tribal é igualmente tomada até o período omíada. O Iêmen tem sua origem na Arábia do Sul ou no Iêmen; eles incluem Banu Kalb, Kindah, Ghassanids e Lakhmids. Desde a revolta dos camponeses de 1834 na Palestina, a população palestina de fala árabe perdeu sua antiga estrutura tribal e emergiu como os palestinos.

Os jordanianos nativos são descendentes de beduínos (dos quais, 6% vivem um estilo de vida nômade), ou de muitas comunidades não beduínas profundamente enraizadas em todo o país, mais notavelmente na cidade de Al-Salt, a oeste de Amã. Emirado o maior assentamento urbano a leste do rio Jordão. Juntamente com as comunidades indígenas em Al Husn, Aqaba, Irbid, Al Karak, Madaba, Jerash, Ajloun, Fuheis e Pella. Na Jordânia, não há dados oficiais do censo de quantos habitantes têm raízes palestinas, mas estima-se que constituam metade da população, que em 2008 foi de cerca de 3 milhões. O Bureau Central de Estatísticas da Palestina calcula o seu número em 3,24 milhões em 2009.




Velho beduíno e sua esposa no Egito, 1918

Os beduínos do oeste do Egito e do leste da Líbia são tradicionalmente divididos em Saʿada e Murabtin, a Saʿada com status social mais elevado. Isto pode derivar de um sistema feudal histórico no qual os Murabtin eram vassalos da Saʿada. No Sudão, existem numerosas tribos de língua árabe, incluindo Shaigya, Ja'alin e Shukria, que são ancestralmente relacionadas com os núbios. Esses grupos são conhecidos coletivamente como árabes sudaneses. Além disso, existem outras populações de fala afro-asiática, como coptas e Beja.

O comércio medieval de escravos árabes no Sudão criou uma barreira entre os grupos de língua árabe e as populações nilóticas indígenas. A escravidão persiste substancialmente hoje ao longo destas linhas. Contribuiu para o conflito étnico na região, como o conflito sudanês no sul de Kordofan e o Nilo Azul, o conflito no norte do Mali ou a insurreição do Boko Haram.

Os árabes do Magreb são descendentes das tribos árabes de Banu Hilal, dos Banu Sulaym e do Maqil, originários do Oriente Médio e de outras tribos nativas da Arábia Saudita, Iêmen e Iraque. Árabes e falantes de árabes habitam planícies e cidades. O Banu Hilal passou quase um século no Egito antes de se mudar para a Líbia, Tunísia e Argélia, e outro século depois alguns se mudaram para o Marrocos , é lógico pensar que eles estão misturados com os habitantes do Egito e com a Líbia.

DEMOGRAFIA


O número total de falantes de árabe que vivem nos países árabes é estimado em 366 milhões pelo Factbook da CIA (a partir de 2014). O número estimado de árabes em países fora da Liga Árabe é estimado em 17,5 milhões, gerando um total de quase 384 milhões.



MUNDO ARABE

Densidade populacional do mundo árabe em 2008




De acordo com a Carta da Liga Árabe (também conhecida como o Pacto da Liga dos Estados Árabes), a Liga dos Estados Árabes é composta de estados árabes independentes que são signatários da Carta.

Embora todos os estados árabes tenham o árabe como língua oficial, existem muitas populações não-árabes nativas do mundo árabe. Entre eles estão Berberes, Toubou, Núbios, Judeus, Curdos, Armênios. Além disso, muitos países árabes no Golfo Pérsico têm populações consideráveis ​​de imigrantes não árabes (10-30%). Iraque, Bahrein, Kuwait, Catar, Emirados Árabes Unidos e Omã têm uma minoria de língua persa. Os mesmos países também têm falantes de hindi-urdu e filipinos como minoria considerável. Os falantes de Balochi são uma minoria de bom tamanho em Omã. Além disso, países como Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Omã e Kuwait têm minorias significativas não-árabes e não-muçulmanas (10-20%), como hindus e cristãos da Índia, Paquistão, Bangladesh, Nepal e Filipinas.

A tabela abaixo mostra a distribuição das populações no mundo árabe, bem como a (s) língua (s) oficial (ais) nos vários estados árabes.



DIÁSPORA ÁRABE



Árabes

Árabe : عَرَب ( 'árabe )

População total: c. 450 milhões (est. 2011)

Regiões com populações significativas

Liga Árabe     430.000.000

Diáspora árabe significativa

(incluindo ascendência parcial)

Brasil .......................................    12.000.000

França ......................................     6.000.000

Indonésia............................            5.000.000

Peru.........................................      5.000.000

Estados Unidos...............                 3,500,000

Argentina.............................           1.300.000–3.500.000

Israel......................................       1.700.000 (nativo)[esclarecimento necessário]

Venezuela.............................          1.600.000

Colômbia............................            1.500.000

Irã (nativo)........................             1.500.000 [ esclarecimento necessário ]

Chade..........................................  1,493,410(nativo)[esclarecimento necessário]

México........................................... 1.100.000

Alemanha.............................           1.000.000 ou mais

Chile..........................................     700.000

Itália.........................................      680.000

Reino Unido..............................       366.769

Canadá............................                380.620 ( Censo 2011 )

Países Baixos..............................     180.000

Austrália...........................              350.000

Equador............................              100.000–250.000

Honduras............................            150.000-200.000

El Salvador.............................         100.000+


Continua no próximo post:




Como o assunto é muito longo, irei continuar com a terceira parte no proximo post. Uma boa pesquisa.
Pesquisado e traduzido por Cris Freitas nos Emirados Arabes Unidos. Dec 2018


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.