Páginas

Translate it!

HISTÓRIA DA ANTIGA PALESTINA E AS RELAÇOES COM A BÍBLIA

Para entendermos o que acontece hoje com a Palestina é primordial darmos uma  olhada lá no começo da história para vernos onde tudo acontece.



 História da Antiga Palestina


Faraó Ramsés III liderando o prisioneiro Peleset (também conhecido como filisteus) antes de Amon: Relevo na primeira corte do templo funerário de Ramsés III, Medinet Habu, Egito. Olaf Tausch,



Introdução


No terceiro milênio aC, o sul do Levante era uma terra de pequenas cidades e aldeias fortificadas, governadas por reis e chefes. De fato, a essa altura, a maioria das cidades modernas da região havia surgido. Uma importante rota comercial que ligava a Mesopotâmia ao Egito (mais tarde conhecida como Estrada do Rei) corria para o sul de Damasco através do vale do Jordão. O urbanismo, juntamente com a tecnologia da Idade do Bronze, presumivelmente chegara a essa região por meio de vínculos comerciais com a Mesopotâmia. De qualquer forma, a civilização urbana começou a florescer aqui pouco depois de ter começado no Egito.

O nomadismo também havia surgido, com clãs pastoris pastando suas ovelhas na região montanhosa do leste e nas pradarias entre as áreas colonizadas.

A terra de Canaã




No final do terceiro milênio, as cidades de Canaã declinaram, muitas desaparecendo completamente. O nomadismo pastoral tornou-se a economia dominante. Isso aconteceu por volta da mesma época em que os amorreus estavam se mudando para o norte da Síria, e é bem possível que seus parentes mais próximos, os cananeus, que eram recém-chegados à região ou que já viviam nas montanhas do leste há séculos, agora se expandiram do oeste para a costa. Alguns, provavelmente, migraram ainda mais, trazendo o Delta do Nilo no norte do Egito sob seu controle. Eles aparecem na história egípcia como os "hicsos".

Com o tempo, os assentamentos urbanos reapareceram entre os cananeus e numerosos pequenos reinos. Estes caíram sob o domínio do Egito durante o início do segundo milênio aC.
Cerâmica com marcações típicas dos filisteus, encontrada na cidade pré-salomônica encontrada sob o antigo Gezer cananeu. Sam Wolff


Em algum momento durante esse período, os cananeus desenvolveram um roteiro protocabético. Isso pode ter ocorrido como resultado de influências culturais egípcias, com os cananeus usando hieróglifos, estilo egípcio para representar consoantes. Apenas alguns exemplos dessa escrita inicial foram encontrados e provavelmente não estavam em uso comum. No entanto, nos séculos vindouros, ele seria tomado pelos fenícios, refinado e repassado a muitos outros povos. Esta primitiva escrita cananéia foi, portanto, a ancestral de todos os alfabetos no mundo de hoje.

O poder egípcio em Canaã foi mais tarde contestado quando surgiram importantes estados no norte da Síria: primeiro os Mitanni e depois os hititas. No entanto, os dinâmicos faraós do Novo Reino do Egito afirmaram com sucesso seu domínio na área. Posteriormente, além de lançar campanhas punitivas de tempos em tempos para manter os pequenos reis cananeus na linha, os egípcios adotaram uma política de "governo indireto", usando (semi)-leal chefes de tribos e governantes de cidades-estados para proteger seus interesses. As cartas de Armarna, um arquivo real do Egito contendo mais de 350 cartas diplomáticas entre o rei egípcio e governantes estrangeiros, deixam claro que, para os muitos pequenos chefes e reis de Canaã, o faraó do Egito era seu senhor supremo. Esses pequenos estados estavam constantemente brigando entre si, apelando ao seu governo egípcio para que resolvessem suas disputas.

Um período de agitação


O Egito perdeu sua posição dominante em Canaã, quando a desordem geral atingiu o Oriente Médio no final do segundo milênio aC. As cidades-estado cananéias na costa estavam sujeitas a ataques destrutivos dos povos do mar, que anteriormente haviam devastado as costas da Ásia Menor e outras do leste do Mediterrâneo. As cidades costeiras do norte de Canaã, por exemplo Biblos, Tiro e Sidon, sobreviveram a esses ataques e logo floresceram como nunca antes, como centros dinâmicos do comércio marítimo. Estas cidades tornaram-se conhecidas na história como os fenícios. Ao sul, no entanto, as cidades cananéias foram destruídas, permitindo que um grupo de povos do mar se estabelecesse na área. Estes eram os filisteus, e suas cinco cidades costeiras,
Gaza, Ekron, Gath, Ashkelon and Ashdod, deveriam formar uma formidável confederação na área. Os filisteus eram o povo desta parte do mundo com quem os gregos e outros povos mediterrâneos estavam mais familiarizados. Como resultado, todo o que anteriormente havia sido Canaã ficou conhecido como a terra dos filisteus, ou “Palestina”.

Os israelitas aparecem na história


Na região montanhosa do leste, um grupo de outros povos intimamente relacionados aos cananeus já haviam se estabelecido. Estes foram (de norte a sul) os amonitas, moabitas e edomitas.

Um quarto grupo, a oeste, também estava se estabelecendo na região montanhosa do leste. Intimamente relacionados aos outros grupos, eles tinham práticas culturais bastante distintas. Um aspecto marcante do registro arqueológico é a falta de restos de porco, em contraste marcante com achados de outras partes da Palestina; e há também indicações de que a circuncisão estava sendo praticada. Claramente, aqui estava uma população praticando pelo menos alguns elementos da cultura religiosa israelita posterior.

Alguns estudiosos modernos consideram a religião monoteísta dos israelitas como tendo evoluído gradualmente das crenças e práticas dos povos anteriores de Canaã. O fato de os israelitas não serem estranhos à área é claro em sua língua hebraica, que é um dialeto cananeu. No entanto, os próprios registros dos israelitas, que são encontrados nas escrituras judaicas e cristãs de hoje, apontam para uma fonte inteiramente externa para a sua fé religiosa altamente distinta. Dado o abismo radical entre as práticas israelitas (por exemplo, a circuncisão e as proibições de comer carne de porco, a adoração sexualizada e o sacrifício de bebês) e as de outros povos da região, é difícil não dar crédito à conta israelita.

Com o passar do tempo, e ao longo de um período de séculos, a cultura israelita se espalhou gradualmente da região montanhosa oriental para as planícies costeiras, à medida que sua população se expandia. A partir de então, durante um período de centenas de anos até o século 6 aC, os cananeus foram progressivamente absorvidos pelos israelitas. Esse processo de absorção teve ramificações religiosas e culturais, e os registros bíblicos apontam para a contínua influência dos cultos politeístas cananeus ao longo de vários séculos. As tensões que isso criou ajudaram a criar um elemento importante dentro da cultura religiosa israelita. Esta era a tradição profética, segundo a qual figuras religiosas chamadas profetas continuamente chamavam seu povo de volta à adoração de Yahweh.

O reino de israel


Os registros do próprio israelita sugerem que até o final do primeiro milênio aC eles eram divididos em várias tribos que formavam uma confederação frouxa. Líderes militares e religiosos, conhecidos na Bíblia como “juízes”, apareciam de tempos em tempos, reconhecidos por mais de uma tribo e, em alguns casos, talvez por todos eles, para lidar com ameaças específicas.

Essas ameaças, claro, vieram dos outros povos da região. Os israelitas ficaram presos entre, de um lado, as cidades-estados filistéias na planície costeira e, de outro, os reinos de Edom, Moabe e Amon na região montanhosa oriental. Segundo a Bíblia, era para lidar mais efetivamente com esses povos que os israelitas adotaram uma forma mais centralizada de estrutura estatal quando transformaram sua confederação tribal em monarquia. A Bíblia registra que o primeiro rei era Saul. Ele lutou para unir as tribos sob seu governo, e falhando nisso, foi substituído (tradicionalmente em 1007) por um novo rei, Davi.

Davi capturou a cidade-estado canaanita de Jebus e a renomeou como Jerusalém ("Cidade da Paz"). Ele estabeleceu como sua capital, e de lá foi capaz de unir o reino de Israel mais firmemente sob seu governo. Davi então expandiu as fronteiras do reino israelita, trazendo os povos vizinhos, as cidades dos filisteus e os reinos de Edom, Moabe e Amon, sob o seu governo. Mais tarde, ele empurrou as fronteiras de Israel para o norte até o rio Eufrates, conquistando os arameus da Síria.

O filho de Davi, Salomão (c.965-928) centralizou a adoração de Javé no novo templo que ele construiu em Jerusalém. Forjou alianças estreitas com estados poderosos como a rica cidade fenícia de Tiro. Sua política externa centrou-se em torno da expansão do comércio, e é até dito que ele recebeu a visita da rainha do distante reino de Sabá (“Shebá”), no sul da Arábia.

No espaço de duas gerações, portanto, os israelitas haviam se tornado uma potência regional significativa. Provavelmente por volta dessa época, os israelitas adotaram uma versão do alfabeto fenício para seu próprio uso; isso foi ancestral do moderno alfabeto hebraico.

Os reinos de Israel e Judá


Um estado centralizado e unificado não se acomodou facilmente às várias tribos israelitas. Depois do tempo de Salomão, a maioria das tribos israelitas lançou sua lealdade à família real em Jerusalém. Somente as tribos do sul de Judá e Benjamim se uniram aos descendentes de Davi e formaram o menor reino de Judá, com Jerusalém como sua capital. A maior parte das tribos continuou o reino de Israel sob uma linha diferente de reis e com uma capital diferente, Samaria.

A família de David continuou a reinar em Judá até o fim de sua existência como um estado independente; o reino do norte de Israel experimentou uma instabilidade política muito maior, sob uma sucessão de dinastias de curta duração.

Prosperidade e Profetas


Evidências arqueológicas mostram que os primeiros séculos do primeiro milênio aC foram tempos de prosperidade para a região. Alguns estudiosos modernos atribuíram isso a um período extraordinariamente benigno de clima. Seja qual for a causa, a riqueza crescente parece ter levado (como é frequentemente o caso) a uma enorme lacuna entre ricos e pobres, que, em particular o reino de Israel, pode ser refletida na condenação estridente da desigualdade na sociedade pelo Profetas israelitas. O povo de Israel e de Judá continuou a adorar o único Deus, mas, especialmente no reino do norte, essa fé monoteísta veio cada vez mais sob pressão das religiões politeístas da região. Em reação a isso, os profetas de ambos os reinos pediram ao povo e aos seus governantes que permanecessem fiéis à sua fé monoteísta. Ao fazê-lo, eles desenvolveram um ensinamento que enfatizava que a adoração a Deus estava inextricavelmente interligada ao tratamento de outros seres humanos - especialmente os membros mais fracos da sociedade, como os pobres, viúvas, órfãos e estrangeiros - com justiça e misericórdia. Esse tipo de comportamento moral foi enfatizado em um grau nunca antes registrado no pensamento humano.

O reino do norte de Israel começa a aparecer em registros não-bíblicos pelo menos até a segunda metade do século 10, o reino do sul de Judá um pouco depois, a partir de meados do século VIII em diante.

A queda do reino de Israel


A divisão de Israel em dois reinos enfraqueceu os dois. Os arameus rapidamente se afastaram do domínio israelita, e seu reino baseado em Damasco logo se tornou um dos inimigos mais poderosos de Israel. As cidades-estados filistéias e os reinos de Edom, Moabe e Amon também recuperaram sua independência.

A partir de meados do século VIII todos os reinos da região ficaram sob ameaça crescente do império assírio em expansão. Isso culminou no final do século VIII: primeiro o reino de Damasco, em 732, depois o reino de Israel, em 722, foi extinto pelos assírios. Suas capitais foram destruídas, e tanto as fontes bíblicas quanto as assírias falam de deportações em massa de pessoas de Damasco e Israel. Colonos substitutos foram trazidos de outras partes do império. Esses intercâmbios populacionais eram parte integrante da política imperial assíria, como forma de romper antigos centros de poder.

De acordo com uma inscrição assíria, o número de israelitas transportados de sua terra natal era de pouco mais de 27.000. Mesmo levando em conta uma emigração em grande escala para o reino do sul, a maioria da população ainda era presumivelmente deixada no lugar. No entanto, grupos de outras partes do império assírio foram instalados na área pelas autoridades assírias. Estes aparentemente logo adotaram a adoração israelita de Yahweh, talvez modificada em alguns detalhes. Eles se casaram com os habitantes nativos e se tornaram os ancestrais dos samaritanos.

O território do antigo reino de Israel tornou-se a província assíria de Samaria. Parece ter estado sob uma linha de governadores de famílias locais.

Os outros estados da região - as cidades-estados filistéias e os reinos de Judá, Edom, Moabe e Amon - escaparam do destino de Israel, tornando-se estados tributários da Assíria. Os registros assírios mostram que esses reinos às vezes eram leais, às vezes desleais, a seus senhores assírios. Todos esses reinos se rebelaram contra a Assíria por volta de 701 aC, mas a aliança anti-assíria logo parece ter se desmoronado diante de uma invasão maciça do exército assírio do rei Senaqueribe. A maioria dos reinos retomou apressadamente sua submissão à Assíria, mas Judá demorou a fazê-lo, e os assírios sitiaram Jerusalém. Judá sobreviveu ao ataque (milagrosamente, de acordo com a Bíblia, mas não sem destruição em grande escala, como mostra a evidência arqueológica). Depois disso, os reis de Judá tornaram-se novamente vassalos do rei assírio e ficaram em paz.

A destruição do reino de Israel teve um profundo impacto no reino de Judá. Um fluxo de refugiados de Israel invadiu o reino, aumentando sua população. No século VII, Jerusalém expandiu-se dramaticamente. No entanto, Judá era agora o único reino israelita deixado, cercado inteiramente por povos pagãos. Talvez por causa disso, os governantes de Judá tendiam a enfatizar o culto a Yahweh como parte central de seu programa político. Um movimento de reforma religiosa patrocinado pelo Estado culminou no reinado do rei Josias (reinou de 641-609 aC), que centralizou a vida religiosa de Judá com muito mais firmeza no Templo de Jerusalém, e exigiu um maior grau de obediência do povo a Jerusalém. os ensinamentos da fé.

A queda do reino de Judá


Por esta altura, no entanto, desenvolvimentos geopolíticos em larga escala estavam reformulando a situação política em todo o Oriente Médio. O evento central neste foi o súbito colapso do poder assírio nas décadas após a década de 630, em face de múltiplas revoltas por parte de seus povos subjugados.

Por um breve período, o reino de Judá se beneficiou do resultante vácuo de poder no Oriente Médio, expandindo suas próprias fronteiras para absorver grande parte do antigo território de Israel. No entanto, uma nova superpotência regional emergiu rapidamente, a de Nabucodonosor, rei da Babilônia. A luta entre o império babilônico e o ressurgimento do Egito pelo controle da Síria e da Palestina levou, como subproduto, à conquista de todos os reinos da Palestina por Nabucodonosor em uma série de campanhas entre 597 e 582.

O período babilônico


Sob os babilônios, a maioria dos governantes palestinos permaneceu no lugar, agora como vassalos do rei da Babilônia. A exceção foi Judá, que, graças à sua resistência repetida aos babilônios, experimentou uma catástrofe. O reino foi extinto; suas elites políticas e religiosas foram levadas para o exílio na Babilônia; o templo em Jerusalém foi destruído e grande parte da cidade com ele; e o território do antigo reino, despojado de bairros afastados (abrigado para os reinos vizinhos), foi transformado na província da Judéia, sob governadores nomeados pelos babilônios. Jerusalém foi despojada de qualquer status administrativo, com a cidade de Mizpá, ao norte, sendo feita a capital provincial.

Apenas uma minoria da população foi levada para o exílio na Babilônia. Milhares mais emigraram para o Egito e, a partir de então, comunidades de judeus começaram a aparecer em cidades de todo o Oriente Médio e além.

Para aqueles que permaneceram na Judéia, a vida era dura. O ciclo violento da rebelião judaica e as contra-medidas babilônicas devastaram muitas cidades e aldeias e levaram a uma queda significativa da população e da prosperidade.

A queda do reino de Israel


Senaqueribe durante sua guerra na Babilônia,
relevo de seu palácio em Nínive


As cidades e vilas de Judá eram agora desterradas por decreto babilônico, e isso as tornava vulneráveis ​​ao ataque dos vizinhos. Os povos de Edom, Moabe e Amon, sob a pressão de tribos árabes que migravam do deserto oriental, estabeleceram territórios anteriormente pertencentes ao antigo reino de Judá.

Com os líderes religiosos, intelectuais e políticos de Judá agora distantes na Babilônia, os principais desenvolvimentos culturais judaicos do período ocorreram nesta cidade estrangeira. Aqui, os líderes dos judeus (pois isso é o que podemos chamar apropriadamente de povo de Judá) tiveram que lidar com um imenso trauma. A perda de sua independência política não era nada comparada ao desafio de suas crenças arraigadas.

Em vez de deixar isso de lado, os judeus interpretaram essa catástrofe à luz de sua fé. A queda de Judá passou a ser vista como punição divina pelo fracasso dos governantes e do povo israelita em adorarem a Javé, excluindo todos os outros deuses. A suposição anterior, amplamente aceita, de que o Deus de Israel protegeria seu povo escolhido e a linhagem real de Davi para sempre e sob todas as circunstâncias, foi drasticamente redefinida para que os judeus começassem a esperar por um Messias, filho de Davi que libertaria o povo e Jerusalém de uma vez por todas da opressão estrangeira. Os exilados embarcaram no processo de coletar e editar muitos de seus escritos e tradições orais, e foi nessa época que a Bíblia judaica (o Antigo Testamento cristão) começou a tomar forma. Grandes seções dos livros proféticos foram escritas nessa época, com sua marca registrada sendo uma ênfase crescente na responsabilidade individual diante de Deus e na moralidade e santidade pessoais.

O período persa


Com a conquista do império babilônico por Ciro, o Grande, rei dos persas (em 539 aC), a Palestina passou do controle babilônico para o persa. As várias dinastias nativas da região permaneceram no lugar, agora como vassalos dos persas, mas a província da Judéia experimentou uma mudança significativa.

Segundo a Bíblia, um dos primeiros atos de Ciro foi exigir que os exilados judeus na Babilônia retornassem a Jerusalém e reconstruíssem seu templo. A Judéia recebeu uma grande medida de autogoverno, sob a liderança do sacerdócio do Templo. Uma linha de sumos sacerdotes hereditários agia como governadores do rei persa da satrapia da Síria.
Ciro, o Grande, com uma coroa de Hemhem



A nova situação não era do agrado de outras elites dentro da Palestina. Os líderes das províncias de Samaria, Amon e provavelmente outros, em vão, se opuseram às tentativas dos exilados de reconstruir o Templo.

Os samaritanos, que viviam em torno de Samaria (a antiga capital do extinto reino de Israel), tinham motivos para se sentirem ameaçados pelos exilados que voltavam. Os samaritanos seguiram uma versão híbrida da religião judaica e, por causa disso e de seus ancestrais mistos, não eram considerados verdadeiros israelitas pelos judeus que retornavam. Por sua parte, o retorno de exilados que afirmavam seguir a fé judaica pura representava uma difamação de suas próprias crenças e práticas. Os samaritanos construíram seu próprio templo para o Senhor na cidade de Nablus, perto do Monte Gerizim, e a hostilidade resultante entre os dois grupos duraria por muitos séculos.

Os territórios dos vizinhos históricos de Israel, os edomitas, moabitas e amonitas estavam sob intensa pressão das tribos árabes, que estavam entrando na região montanhosa do leste com seus rebanhos. É provável que as populações mais antigas tenham sido absorvidas por esses clãs entrantes ou migradas para o oeste para serem absorvidas pela população judaica. Moabe e Amon agora desaparecem do registro histórico, enquanto os edomitas se deslocaram para o oeste, em um território que tradicionalmente pertencia aos israelitas.

As cidades-estados filistéias na costa mantiveram sua autonomia sob o domínio persa. Sua distinção cultural há muito havia sido submergida na cultura aramaica mais ampla da região.

Dentro da própria Judéia, há evidências de tensões entre os exilados que retornam e a maioria da população. Estes parecem ter sido resolvidos no curso de várias gerações, quando os líderes judeus conseguiram atrair a maioria de volta para a adoração de Yahweh, centrada no Templo de Jerusalém.

Foi durante esse período pós-exílio que as escrituras judaicas começaram a tomar sua forma final. Ao mesmo tempo, no entanto, a antiga língua hebraica estava caindo fora de uso para a vida cotidiana, sendo substituída pela língua franca do Oriente Médio, o aramaico (hebraico continuou a ser usado pela elite do templo para fins religiosos).

Depois de Alexandre, o Grande


O império persa foi conquistado por Alexandre, o Grande, nos anos 330 e 320 aC. Com a morte de Alexandre, seus generais lutaram entre si pelo controle de partes do império, com a Judéia mudando de mãos entre eles em numerosas ocasiões no espaço de apenas alguns anos. Quando a paz comparativa retornou à região, por volta de 300 aC, a Judéia e seus vizinhos estavam sob o controle de Ptolomeu, o governante do Egito. No entanto, os selêucidas da Síria ganharam o controle da região em 198.

Há muito pouca evidência de como as localidades foram administradas na Palestina Selêucida. No entanto, é provável que os selêucidas tenham seguido o modelo grego e, para fins de governo local, tenham dividido a maior parte da região entre as cidades-estados. Estes teriam uma grande medida de autogoverno sob conselhos municipais compostos por membros das elites locais. Os conselhos governariam suas cidades junto com uma grande área rural ao redor deles.

As antigas cidades filistéias, agora sob conselhos da cidade de estilo grego, tornaram-se centros da civilização helenística. No interior, o helenismo estava confinado a alguns elementos dentro das elites urbanas. O campo permaneceu amplamente aramaico na língua e na cultura. A principal exceção a isso foi a área que veio a ser conhecida como a “Decapolis”. Aqui, dez cidades, sendo algumas cidades antigas que haviam sido helenizadas, mas a maioria das recém-fundadas colônias com populações gregas (ou de língua grega) formaram um bloco de território no lado leste do rio Jordão. A cultura helenística que eles compartilhavam contrastava com a cultura tradicional da população nativa.

Mapa com as principais cidades


Inicialmente, os judeus foram deixados em paz pelos governantes helenísticos, e o distrito da Judéia permaneceu sob o sacerdócio do Templo. No entanto, o rei selêucida Antíoco IV Epifânio (174-163 aC) tentou impor-lhes a cultura helenística - incluindo a religião pagã grega. Ele saqueou Jerusalém, saqueou o Templo, proibiu a adoração de Yahweh no Templo e montou uma estátua do deus Zeus grego próximo a ele. Suas ações, naturalmente, inflamaram os judeus, que se rebelaram contra o regime selêucida (167).

Depois de uma luta feroz que durou mais de dez anos, e ajudada pelas rivalidades da família real selêucida, os rebeldes conseguiram ganhar o controle da província. Seus líderes, a família dos Macabeus, tornaram-se os sumos sacerdotes em Jerusalém e devolveram o templo à adoração judaica. Eles governaram a província sob supervisão apenas solta dos selêucidas. Pouco a pouco, aproveitando repetidas guerras civis dentro do reino selêucida, os Macabeus (ou Hasmoneanos, como também eram chamados), estabeleceram o território judeu como um estado totalmente independente, com eles mesmos como seus reis.

O Reino Hasmoneu


A essa altura, o poder selêucida estava em declínio geral em toda a Síria, quando guerras civis constantes desestabilizavam o reino. Nesta situação, os reis hasmoneus expandiram suas fronteiras drasticamente, anexando os territórios vizinhos da Transjordânia (incluindo as dez cidades helenizadas da Decápolis), Samaria, Galiléia e Edom (agora chamada Idumaea). No final do século II aC, portanto, o estado judeu havia recuperado algo como as fronteiras do antigo Israel no auge, sob os reis Davi e Salomão.

Nenhuma dessas áreas fazia parte de um estado judeu (ou israelita) há centenas de anos. Parece que em alguns dos territórios recém-anexados, as autoridades judaicas deram a suas populações, ou talvez às suas classes dominantes, uma escolha: converter-se ao judaísmo ou sair. Isso certamente aconteceu em Idumaea. Algumas das famílias recém-judias claramente prosperaram sob seus novos mestres: uma geração depois, um idumaeno chamado Antipater conquistou o controle do estado judeu.

Também é provável que as conquistas tenham sido seguidas por uma colonização de alguns distritos por judeus. A Galiléia parece ter sido muito pouco habitada por séculos, e evidências arqueológicas apontam para um aumento acentuado da população a partir de então. No primeiro século a região era esmagadoramente judaica.

Os samaritanos, já (pelo menos em suas próprias luzes) adeptos da religião judaica, permaneceram como uma população distinta após esse tempo. Seu templo, no entanto, foi destruído pelos judeus. As pessoas da Decapolis parecem ter sido autorizadas a seguir seu modo de vida helenizada.

Apesar da conversão em massa ao judaísmo e da imigração judaica na Galiléia e, talvez, em outros territórios, os novos distritos foram considerados um pouco “além do limite” pelos judeus de Jerusalém e da Judéia. Seus habitantes eram desprezados como judeus não completos, seu status impuro traído por sotaques provincianos distintos.

A vinda de Roma


No palco mais amplo, uma nova potência fazia cada vez mais sentir sua presença na região: Roma. O reino de Hasmonean tinha conseguido estabelecer a sua independência em parte pela amizade de Roma. Finalmente, em 63 aC, um exército romano sob o famoso general Pompeu, o Grande, tendo primeiro extinto o que restava do reino selêucida, marchou para a Judéia.

Pompeu deixou os arranjos políticos locais que encontrou na Palestina no lugar. Uma exceção foi que ele libertou as dez cidades helenizadas da Decápolis do domínio judaico, restaurando para elas seu próprio autogoverno.

Na Judéia, Pompeu instalou um membro da família hasmoneana, chamado Hircano, como governante. Um dos altos funcionários de Hyrcanus era Antipater, o Idumaean.

Enquanto empurravam as fronteiras de seu império para sempre, os romanos também estavam envolvidos em seus próprios ataques repetidos de guerra civil durante esse período. O impacto destes foi logo sentido na Judéia - um impacto intensificado pelo fato de que a corte real judaica foi dividida em facções rivais amargas. Lutas violentas repetidamente abalaram o estado. Antipater era um operador mestre nessa situação. Enfrentando os inimigos de Hircano, ele manobrou para dominar o governante. Antipater tornou-se um amigo íntimo de Pompeu; e com o apoio de Pompeu, Antipater logo foi o mestre efetivo da Judéia.

Em 47 aC, no entanto, Pompeu foi derrotado e morto por um general romano rival, Júlio César. Antipater rapidamente mudou sua fidelidade para César e liderou as tropas para ajudar César, ajudando-o a estabelecer seu poder na região. Por isso, César fez de Antipater um cidadão romano e nomeou-o governador da Judéia.

A roda da fortuna virou, e Antipater foi assassinado por um rival em 43 aC e um golpe levou seus inimigos ao poder na Judéia. Os novos governantes da Judeia também eram hostis a Roma e convidaram os partos, grandes inimigos de Roma, a ocupar a Judéia. O filho de Antipater, Herodes, apressou-se apressadamente a Roma e persuadiu o senado de que ele era o homem de que precisavam para assumir o controle da Judéia - ele seria leal a Roma e promoveria seus interesses nessa região instável. O Senado, portanto, nomeou Herodes Rei dos Judeus. Foram necessários os romanos - apoiados por tropas criadas e lideradas por Herodes - três anos de duros combates para reconquistar o controle da Judéia. Quando eles o fizeram, instalaram Herodes como rei.

Herodes reinou sobre a Judéia até sua morte em 4 aC. Ao fazê-lo, ele teve que navegar pela política do poder traiçoeiro em Roma. Inicialmente, ele foi um defensor do antigo tenente de Júlio César, Marco Antônio, o comandante romano no Oriente por muitos anos. Quando Antônio foi derrotado e morto em uma guerra civil com seu rival, Otaviano , Herodes teve que conquistar o novo mestre do mundo romano. Isso ele realizou com grande desenvoltura. Ele logo teve a confiança de Otaviano (que logo tomaria o nome de Augusto e se tornaria o primeiro dos imperadores romanos).

Herodes governou a Judéia por 37 anos. Ele sobrecarregou o povo pesadamente, mas ele usou sua lealdade aos romanos para mantê-los no comprimento do braço. Ele ampliou e embelezou o Templo em Jerusalém, tornando-o um magnífico centro da religião judaica.

Muitos judeus, no entanto, recusaram-se a reconhecê-lo como seu legítimo rei. Ele procurara reforçar sua posição junto aos judeus casando-se com uma princesa da antiga família real dos Hasmoneus, mas, em última instância, ele devia seu trono a estrangeiros. Ele nem foi considerado como um judeu adequado.Sua família era de Idumaea e eram recém-convertidos ao judaísmo. Em sua vida pessoal, suas observâncias religiosas eram instáveis; ele viveu a vida de um aristocrata greco-romano em vez de um judeu piedoso, e seus modos hedonistas afrontaram seus assuntos mais estritos. Em suas políticas oficiais, ele também defendeu a helenização, pelo menos em algumas áreas. ele adotou a antiga cidade de Samaria como sua capital e a transformou na cidade helenística de Sebaste (que é grega para Augusta), e seu porto era a nova cidade helenística de estilo de Caesaria Philippi.
Família de Herodes e governadores romanos

Após a morte de Herodes, o Grande, em 4 aC, seu reino foi dividido entre seus três filhos. Dez anos depois, no entanto, o maior desses reinos foi feito na província romana da Judéia. Em 41 EC, o neto de Herodes, Herodes Agripa, tendo herdado os remanescentes reinos herodianos, recebeu também a província romana. O antigo reino de Herodes, o Grande, foi assim reconstituído.

Herodes Agripa faleceu apenas três anos depois (44 EC). Os romanos retomaram o controle direto da maior parte de seus territórios, com apenas uma pequena área no norte indo até a última linha de Herodes, Herodes Agripa II. Em sua morte em 92 EC, seu reino também foi incorporado à província romana.
cristandade

Por esta altura, uma nova religião estava se espalhando para fora da Judéia. A partir de registros bíblicos e extra-bíblicos (por exemplo, as histórias do historiador judeu Josefo), é fácil avaliar com exatidão quão amplamente as atividades de Jesus de Nazaré e seus discípulos afetaram as populações da Judéia e os territórios circunvizinhos. Os agitadores políticos parecem ter causado mais impacto entre os contemporâneos. No entanto, após a execução de Jesus pelos romanos, seu pequeno grupo de seguidores afirmou tê-lo visto vivo novamente três dias depois, aparecendo em várias ocasiões por cerca de um mês. Esses seguidores viram Jesus como o "Messias", há muito esperado pelos judeus; no entanto, seu objetivo era mudar os corações em vez de governar os estados. Seus discípulos logo estavam viajando pelo mundo conhecido para espalhar sua fé.

A nova religião do cristianismo, que os seguidores de Jesus fundaram e que gradualmente começaram a se diferenciar do judaísmo tradicional, alcançou a capital imperial em poucos anos, e dentro de uma geração de execuções de Jesus, o cristianismo se tornou proeminente o suficiente atrair uma onda de perseguição sob o imperador Nero.

Duas grandes revoltas


Na própria Judéia, os romanos haviam enfrentado problemas contínuos no governo da província. Uma fonte particular de tensão foi a chegada de um grande número de colonos de língua grega de outras partes do império e a conseqüente disseminação da cultura helenística na área. Problemas entre judeus e helenistas nunca foram muito distantes. Essa situação estava mais ou menos contida (embora com o surgimento de um par de rebeliões localizadas, logo descartadas) por muitos anos; no entanto, com a nomeação de um governador romano que tinha completo desrespeito pelos sentimentos religiosos judaicos, uma violenta revolta se manifestou em 66 EC. Isso logo engoliu toda a província e se tornou um grande desafio para a ocupação de Roma em suas fronteiras orientais. O exército romano teve que comprometer um grande número de tropas para reprimi-lo. Foi finalmente derrotado em 73 EC,tempo em que grande parte de Jerusalém e quase todo o Templo, o centro e foco da fé judaica, estavam em ruínas.

A comunidade samaritana, que não havia participado da revolta, sofreu na sequência: uma nova colônia helenística, Neopolis (moderna Noblus) foi fundada em seu tradicional centro religioso do Monte Gerazim, como um impulso para a população de língua grega na área .

Em 133, uma segunda grande revolta judaica irrompeu, liderada por um líder carismático chamado Simon Bar Kochba.

Bar Kokhba prata Shekel / tetradrachm.
O texto diz “À liberdade de Jerusalém”




Isso foi desencadeado pelo plano do imperador Adriano de estabelecer uma colônia romana no antigo local de Jerusalém. A revolta envolvia derramamento de sangue em grande escala, à medida que os romanos reimplantavam sistematicamente sua autoridade (que haviam alcançado em 136). Depois disso, os judeus foram proibidos de viver em ou perto de Jerusalém. A própria Jerusalém foi reconstruída como uma colônia romana. Até mesmo o nome "Judea" desapareceu como um rótulo administrativo romano, com a província agora sendo chamada Síria Palaestina.

Palestina no império romano posterior


A tentativa romana de manter os judeus fora de sua antiga terra natal depois da revolta de Bar Kochba nunca foi totalmente bem-sucedida, e pequenas comunidades judaicas gradualmente reapareceram (se alguma vez tivessem ido embora). De fato, sua existência foi reconhecida pela concessão de certos privilégios, como a isenção do culto imperial e da autogestão interna. Além disso, não demorou muito para que lhes fosse concedido o direito de visitar Jerusalém (Aelia Capitolina) em certos dias festivos.

De qualquer forma, as áreas em torno da Judéia, especialmente a Galiléia, não haviam sido sujeitas à proibição, e a população judaica permaneceu lá sem ser molestada; e Samaria permaneceu em casa para a comunidade samaritana.

Em meados do século 3, a Palestina foi pega nos desastres que assolavam a fronteira romana naquela época. Durante vários anos, nas décadas de 260 e 270, a província estava sob o controle do regime separatista de Zenóbia, Rainha de Palmyra, até ser restituída ao império pelo imperador Aureliano em 272.

Com a chegada dos imperadores cristãos ao trono depois de 324, o status da Palestina foi transformado. Como o local para a vida e missão de Jesus de Nazaré, e o lugar onde o cristianismo começou, ele começou a receber atenção generosa da família imperial. Muitas belas igrejas foram construídas. Aelia Capitolina voltou a ser chamada de Jerusalém, e seu bispo tornou-se um dos quatro ou cinco bispos mais antigos - ou patriarcas - da Igreja Cristã. Muitos dos primeiros mosteiros cristãos fora do Egito foram fundados na Palestina, que se tornou um importante centro de erudição cristã.

A área atraiu naturalmente muitos peregrinos cristãos. Isso contribuiu para a prosperidade que a Palestina experimentou no Império Romano Posterior. Cidades e cidades prosperaram, a terra agrícola foi estendida por projetos de irrigação e a população expandiu-se.

Em 351-2, os judeus da Galiléia iniciaram uma revolta de curta duração contra as autoridades romanas. Isso parece não ter afetado seu status a longo prazo, e em 438 os judeus foram autorizados a voltar a morar em Jerusalém. Os samaritanos não tiveram tanta sorte. No final do século V, eles sofreram pressão oficial para se converter ao cristianismo, o que provocou uma série de revoltas e as inevitáveis ​​represálias.



 Traduzido por Cris Freitas


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.