Páginas

A EXPANSÃO ISLÂMICA VIDEO PARA DOWNLOAD




Estou disponibilizando esses dois vídeos sobre a Expansão Islamica aqui devido ao Youtube ter blockeado o primeiro vídeo em todos os países.

Vou salva-los na minha conta do 4shared.com para quem quiser fazer o download.


Quem também quiser assistir aqui no canal, fique a vontade.

Esse vídeo, pelos comentarios que recebi no Youtube, tem ajudado muitos adolescentes em idade de ensino médio a se informar melhor.




A EXPANSÃO ISLAMICA PARTE 1/2




A EXPANSÃO ISLAMICA PARTE 2/2






Aproveitem!

Cris Freitas




Leia Mais ►

Leia Mais ››

VISITANDO O ANFITEATRO ROMANO EM Kom El Dekka, ALEXANDRIA

Vamos?




Minhas férias na Alexandria foram curtas, apenas um semana, mas como eu já havia pesquisado onde ir, ficou fácil programar tudo e ir em bastante lugares. Como alguns lugares são perto um do outro, em um dia dá até para visitar mais de um local.
Então, como voces já viram no post passado eu visitei:
  1. Palácio Montaza e seus extensos jardins.
  2. Serapeum - onde tem o Pilar de Pompeu, o Santuário do deus Apis no subsolo e a filha da Antiga Biblioteca da Alexandria, também no subsolo.
  3. Castelo de Qaitbay onde ficava o antigo Farol da Alexandria, uma das 7 maravilhas do mundo antigo.
  4. Anfiteatro Romano em Kom El Dekka, que irei mostrar nesse post abaixo.

     Não visitei museus dessa vez. Uma coisa chata que aconteceu, foi que perdi todas as minhas fotos e vídeos do meu celular, essas fotos que mostrei para voces foram meu marido que tirou, meu companheiro nas loucuras e jornadas... 😂, mas ele que insiste 😁.

 

O Anfiteatro Romano de Alexandria em Kom El Dekka

 

Escombros encontrados pelos arqueólogos logo na entrada

A ponta de uma pilastra que se deteriorou

 

O Anfiteatro Romano é um dos monumentos mais populares de Alexandria. Esta é a segunda cidade mais importante do Egito, depois da capital, Cairo. Enquanto os anfiteatros foram espalhados por diferentes países como Grécia, Itália e Turquia durante o reinado dos romanos, com muitos exemplos dessas estruturas ainda presentes em muitas regiões da Europa e do Oriente Médio, o Anfiteatro Romano de Alexandria é o único desse tipo no Egito.

O Significado da Palavra Kom EL Dekka

A palavra Kom El Dekka, em árabe, significa a colina de escombros ou a colina dos bancos, e foi nomeada por um historiador famoso, El Neweir que passou por esta área no início do século XX. El Neweiry viu as muitas pilhas de entulho e areia que foram formadas devido à escavação do Canal Mahmoudiya no final do século 19, que ligava Alexandria ao rio Nilo, e essas pilhas pareciam exatamente com enormes bancos e essas pilhas pareciam exatamente com bancos enormes e foi ele quem deu à área seu recente nome famoso.

 

Descobrindo o Anfiteatro Romano

O anfiteatro romano de Alexandria foi descoberto por mera coincidência no ano de 1960.
Quando os trabalhadores foram remover uma pilha de poeira e areia em 1960 para limpar a terra para a construção de um prédio governamental, encontraram algumas colunas sólidas de ferro, indicando que algo pode estar enterrado embaixo. Imediatamente depois, o trabalho de escavação começou no local de Kom El Dekka e foi realizado pelo Museu Greco-Romano e pela Missão de Escavação polonesa no Egito, patrocinada pela Universidade de Varsóvia. Pouco depois, a escavação revelou uma das descobertas mais importantes do Egito no século XX.

O uso do anfiteatro romano em diferentes períodos de tempo.


O Anfiteatro Romano permaneceu em serviço e foi utilizado para sediar diferentes eventos artísticos, como concertos musicais e diferentes tipos de eventos até o século VII. Este fato foi comprovado devido aos elementos arquitetônicos presentes no teatro que mostram que ele foi usado por três períodos diferentes; a era romana, a bizantina e a primitiva islâmica. O anfiteatro foi utilizado para diversos fins durante sua longa história e passando por diferentes períodos de tempo. Foi usado como um odeum onde shows musicais foram realizados durante o período romano. O teatro, na época, tinha todos os elementos para sediar performances perfeitas, como a cúpula que ficava sobre o palco e a seção da orquestra.

Por outro lado, na época bizantina, foi usado como uma sala de conferências onde reuniões importantes, como assembleias públicas e cúpulas governamentais, foram realizadas uma vez. O Anfiteatro Romano foi muito provavelmente negligenciado durante o período islâmico inicial e até que foi descoberto durante meados do século 20 para se tornar um dos locais históricos maravilhosos da cidade de Alexandria.

 

A descrição do anfiteatro

O Anfiteatro Romano que vemos hoje em Alexandria foi construído no século IV dC e foi uma característica comum do período greco-romano. Anfiteatros eram teatros especiais que foram construídos para receber cerimônias de música e competições de poetas durante o reinado dos romanos no Egito.
O anfiteatro apresenta uma seção de audiência de mármore que é simétrica com a asa estendida e pode acomodar até 600 espectadores.


 
A secção da audiência tem um diâmetro de cerca de 33 metros e é composta por 13 linhas de mármore branco europeu, sendo a parte mais alta um pórtico feito de colunas de granito trazidas de Aswan e algumas delas ainda estão de pé até hoje. As treze fileiras do Anfiteatro Romano de Alexandria foram numeradas com letras e algarismos romanos para regular o assento da audiência em diferentes ocasiões.

 

Havia também cinco compartimentos no topo da seção de audiência usada para hospedar figuras importantes e comerciantes ricos durante as apresentações.
Esses compartimentos antigamente tinham tetos com cúpulas que eram baseados em grandes colunas feitas de granito para proteger o público do sol e da chuva. Além disso, essas cúpulas foram usadas para ampliar o som da música e os cantos durante diferentes apresentações. Infelizmente, todas essas estruturas foram destruídas durante o terremoto que atingiu Alexandria no século 6 dC e resultou no dano de muitas estruturas importantes na época, como o famoso Farol da Alexandria, que já esteve na posição do Forte Qaitbey hoje.
Os degraus e as filas do Anfiteatro Romano são baseados em uma parede de pedra calcária branca e outra parede circunda também. Estas duas paredes foram conectadas através de vários arcos onde a parede externa funciona para suportar a parede interna, uma característica comum da arquitetura romana do século 2 ao 4.
No meio da estrutura, há a seção da orquestra onde as apresentações musicais aconteceram. Esta seção é apoiada por duas grandes colunas de mármore e possui alguns dos melhores mosaicos romanos em seu piso.

Comparando o anfiteatro romano com outras estruturas semelhantes

Pesquisadores contemporâneos que fizeram algumas comparações entre o Anfiteatro Romano de Alexandria e outras estruturas similares que foram descobertas na Itália, na Grécia e no Teatro de Garash na Tunísia concluíram muitos fatos interessantes. O primeiro fato que foi provado fora destes pesquisadores é que o Anfiteatro Romano de Alexandria não foi construído originalmente para ser um teatro que hospeda performances e eventos artísticos.

Ainda podemos ver algumas pilastras e mosaicos pelo chão
 

Este tipo de teatros era geralmente projetado na forma da letra "C" para permitir que todos os espectadores, sentados ao redor da seção de audiência, assistissem às performances de qualquer ângulo.

Além disso, o pequeno tamanho da estrutura, que costumava acomodar até 600 pessoas no máximo, em comparação com o grande número de habitantes da cidade de Alexandria durante o período romano prova que essa estrutura nunca foi construída para ser um teatro e foi bastante usado para reuniões de figuras importantes e funcionários ou para apresentações privadas com um número limitado de público.


Os banhos romanos

 

Situado ao norte do teatro romano, existem grandes estruturas de tijolos de barro e estas são ruínas dos banhos romanos que foram construídos perto do anfiteatro no período do 2º ao 4º século AD.   

 
escadaria que desce para os lugares onde ficavam os banhos romanos

dentro da área dos banhos romanos

área dos banhos romanos vista de cima, elas ficam no subolo


Os arcos dá para tocar pela baixa altura


O Banho Romano (local de banho)


No centro do local as paredes eram construidas com tijolos vermelhos e pequenas salas serviam para aquecer a água com o vapor que vinham da caldeira central.
The frigidarium que ficava na parte oriental, agora destroido, era constituido de várias pequenas piscinas que ficavam à sombra e serviam para resfriar a água. O local tinha várias cúpulas e era ricamente decorado com mármores, pouca coisa disso tudo sobreviveu até agora.
 



Haviam cisternas que abasteciam esses banhos romanos.



A vila habitacional





área de fora e ao lado entrada para Vila dos Pássaros

dentro de um dos comodos

Descriçao de como as casas foram sendo utlizadas e modificadas atravéz dos anos

 Traduçao:
"Localizado a leste da rua R4, o bairro foi habitada continuamente a partir dos tempos ptolomaicos até a antiguidade tardia (século III aC - século VII dC).
A arquitetura do distrito mudou ao longo do tempo e vários prédios de diferentes planos e funções foram distinguidos.
As primeiras casas romanas (do século I a III) representavam prédios residenciais privados, suntuosamente decorados. Eles se estenderam por todo o centro da cidade antiga, antecedendo a construção dos edifícios públicos romanos tardios. O melhor exemplo é a Villa dos Pássaros, que foi decorada com um rico conjunto de mosaicos multicolores com motivos geométricos e figurativos.
No final do período romano, um novo complexo de arquitetura vernacular (casas B-H), combinando ambos os fins domésticos, industriais e comerciais, foi construído sobre as casas destruídas anteriormente. Alguns deles eram até multi-estratificados e proviam alojamentos para várias famílias. A casa D representa o design mais típico com um corredor central e vários quartos que acomodam pequenas oficinas especializadas em produção de vidro e bronze. Os quartos que se abrem para a rua serviam de lojas, comércio de mercadorias produzidas nas oficinas. Na Antiguidade Tardia, algumas lojas até invadiram a rua - um passo em direção à criação de um suq medieval (mercado)."
Uma banheira de mármore ao longo do caminho pelo sítio arqueológico

 

A Vila dos Pássaros



Localizada a leste do Anfiteatro Romano de Alexandria, missões recentes de escavação desenterraram uma villa romana que remonta ao período do imperador romano Adriano, que governou o Egito e um grande império durante o século II dC. 

 Os arqueólogos que descobriram essa vila a chamaram; "a Villa dos Pássaros" por causa do maravilhoso piso de mosaico na sala principal da estrutura que exibe muitas aves em diferentes formas.  



 
















Outros ornamentos de mosaico na Vila dos Pássaros têm diferentes motivos geométricos que fazem da vila um monumento distinto a ser visitado ou explorado no Egito. A Villa dos Pássaros é o exemplo mais maravilhoso de casas particulares construídas em Alexandria durante o período romano. Sendo finamente preservada, dá ao hóspede uma boa idéia de como essas residências pareciam séculos atrás, quando foram construídas pela primeira vez. Estando sob a proteção do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito e do Centro de Pesquisa Americano no Egito, a Villa dos Pássaros está entre os monumentos mais importantes que foram descobertos recentemente no Egito.

Depois de andar tanto, subir de descer degraus... ahhh, dá um cansaço, gente... 💪😁. Mas amo tudo isso!


A produção nos bastidores 😁💓
 

Depois daqui fomos para o Shopping San Stefano, na Orla de Alexandria, onde estudantes e professores de toda parte se encontram para tomar um café no Starbucks com a vista do mar esmeralda da Pérola do Mediterrâneo... oh saudade!

Meu lugar preferido para tomar aquele café! o San Stefao

San Stefano (em árabe: سان إستفانو) é um bairro em Alexandria, no Egito. A área era conhecida por um hotel-cassino de referência que foi demolido no final dos anos 90. Esse hotel foi substituído pelo San Stefano Grand Plaza, um complexo hotel-apartamento-shopping center que inclui um hotel de luxo Four Seasons, inaugurado em 2007 e apartamentos, situado no edifício mais alto de Alexandria (135 m).


É isso aí, pessoal, espero que tenham gostado. Se houver alguma dúvida sobre como ir para Alexandria, o que levar, como se hospedar, reservas e tudo mais, entre em contato.

Cris Freitas e família.

Leia Mais ►

Leia Mais ››

FÉRIAS NA ALEXANDRIA 2019 - LUGARES QUE VISITEI


FICAMOS DESLUMBRADOS!

Estive na Alexandria no mês passado (fev2019), sei que deveria ter escrito esse post antes, mas por falta de tempo e problema de saúde não consegui escrever, não me sentia motivada.
Todavia, hoje achei de mostrar para vocês os lugares que andei visitando na Alexandria para ver de perto o que a gente sempre fala aqui.

Vou contar para vocês, também, o que é bom e o que não é tão bom por lá, talvez um "do and don't" para poderem ter uma idéia do que irão achar pela frente, caso visitem a cidade.

Cheguei na Alexandria dia 03 de fevereiro, num vôo da Flydubai que sai cedinho daqui de Dubai e chegou ao aeroporto de Burj Al Arab, na Alexandria por volta das 6:30h da manhã. Estava muito frio, perto dos 6 graus C. Sim, no inverno a Alexandria é muito fria, uma cidade que tem o Mar Mediterraneo soprando sobre ela, não poderia ser quente...
O vôo foi muito tranquilo, graças a Deus. Chegamos e pegamos as malas e saimos.

Então pegamos um UBER (baixe o aplicativo no seu celular e compre um ship que posso usar lá). Existe também outro serviço parecido com o UBER que se chama Kareem e é tão excepcional quanto o seu concorrente. Só baixar também! O preço é super bom e vale a pena ir de UBER para os locais desejados. Não recomendo os taxis amarelos ou os taxis do aeroporto, eles sempre cobram a mais e a experiencia que tive no Cairo da vez passada foi horrível.

Ficamos num bairro no coraçao da Alexandria, um bairro antigo, onde os prédios ainda tem os estilos deixados pelos antigos colonizadores Itália, França, Grécia... são prédios lindos, com uma arquitetura que mais parece arte, porém, tristemente mal cuidados e estão desprezados a mercê do tempo... não há reforma, nem pintura, nem cuidados... ficaram todos esquecidos no tempo... uma dor profunda se abateu sobre mim...

faixada


Visão geral



Pelas ruas de Alexandria podemos ver como a situaçao do Egito se deteriorou nos últimos anos... são pessoas pedindo tudo, qualquer coisa que você queira, você tem que dar alguma gorgeta. Moradores de rua também avistei dessa vez. Um país grande, com muita terra, porém, com problemas graves de corrupção política, com uma cultura de "toma lá da cá" enraizada profundamente. 
Nos cargos públicos, os filhos substituem os pais quando esses se aposentam, sem haver nenhum concurso ou algo assim. 
Nos departamentos, se você quer algo rápido, pague, ou demorará uma eternidade ter seu passaporte renovado, ou sua identidade ou qualquer outra coisa que você precise seja feita em pouco tempo. Tudo é corruptível, não muito longe da situação do Brasil atual.

No que diz respeito a economia, tudo é muito caro para o salário dos egípcios. Para turistas que vão passar férias lá a  vida fica barata, devido a desvalorização da moeda egípcia.


Higiene


Sobre a limpeza das ruas, calçadas e praças é outro problema que encontramos quando vamos visitar a cidade. Tudo é muito empoeirado e sujo. Há montanhas (não estou exagerando) de lixo nas calçadas e nos lugares baldios. As ruas não são limpas como deveriam (ou nem são limpas). Os lixos não são coletados ou colocados em lugares próprios. É muito decepcionante ver uma cidade antiga e histórica como Alexandria sucumbir em meio ao lixo e ao descaso da manutençao dos edifícios que estão a se ruir.


Transporte


As estações de tram são muitas, há muitos trens pela cidade, porém, também estão em estado de sucata, sujos e sem cuidados.
Taxi amarelo tradicional em Alexandria

Bondinho da Alexandria
 Essa foto foi tirada de dentro do carro em movimento por isso a imagem ficou meio estranha.
charrete na frente do Qatbay CAstle


Os taxis amarelos, tão tradicionais da cidade, não prestam bom serviço, muitas vezes não pegam a corrida porque não querem ir ao local que você deseja. Os taxis ficam girando pela cidade, não têm pontos fixos na maioria das vezes. Condiçoes de limpeza também não são boas, os taxistas fumam dentro do taxi, acredite. A soluçao é o UBER ou o Kareem que sempre prestam bom serviço.

Pela orla marinha de Alexandria ainda podemos ver várias charretes ainda sendo usadas como transportes. Há cavalos e carroças pela cidade, também, usados para transportar pessoas e cargas.

O serviço do UBER é um dos mais indicados, os motoristas são mais educados e mais flexíveis. Tivemos um caso de um que começou a conversar com meu marido e durante a viagem ficaram falando da Alexandria e nossas nacionalidades, no final ele nao queria cobrar a corrida, mas claro, pagamos. O povo é generoso, basta que os trate com respeito e sinceridade também.



Fumar nos estabelecimentos


Aqui no Oriente ainda há um número grande de fumantes, talvez muito mais que 60% da populaçao é fumante, incluindo homens e mulheres.
Na Alexandria e no Egito em geral, você poderá ver pessoas fumando dentro de shoppings, lojas de conveniencias, cafés, carros, taxis, restaurantes... em fim, fumam em qualquer lugar. Não há sinais de Não Fume!, por lá. Há pessoas que fumam dentro do avião e criam mal estar com o pessoal da tripulação, chega a ser inacreditável.



Restaurantes

Eu num momento de extase ...👀😄


Estivemos num restaurante de fruto do mar no parque Montaza, um lugar lindo e agradável, com uma linda piscina de vista... comemos camarões grelhados servidos em um braseiro para mesa que deixa o cheiro alucinar seu paladar. O preço não é caro, comemos  muito bem e pagamos em torno de R$ 100,00.

O desencanto foi na hora de pagar quando a máquina sem fio do cartão estava sem sinal e a menina nos tratou como se não fossemos pagar ou coisa assim. Não voltamos mais. A velha história de tratar mal os próprios egípcios...

O serviço dos restaurantes e cafés de franquia internacional como Starbucks e Hardees continuam os mesmos, sem reclamar. Comemos bem e sempre um bom serviço.



Comprar roupas, sapatos e acessórios


Gosto de comprar roupas na Alexandria por servirem ao meu tamanho, já que tenho tamanho de pessoa grande, posso encontrar roupas lá facilmente, o que não acontece aqui nos Emirados onde as roupas geralmente são de tamanho de fábrica asiática como China, Indonésia etc. as roupas sempre ficam pequenas, tenho que comprar 3G. No Brasil meu tamanho é médio ou grande dependendo do modelo.

Na Alexandria os preços estão dentro do normal, nem caro e nem barato, vai do gosto do freguês. Existe uma área popular onde as lojas são mais baratas, fica no centro da Alexandria. Evite shoppings onde os preços serão mais altos como em qualquer lugar.
Vi muitas roupas feitas na Turkia, com qualidade e muito bonitas de design. Sapatos e bolsas também.



Souvenirs


Para comprar souvenirs (lembrancinhas) como chaveiros, canetas, imãs de geladeira, réplicas etc é melhor ir aos mercados públicos onde os preços são melhores, mas barganhe sempre, é costume daqui barganhar qualquer coisa. Se estiver com alguém que fala árabe é melhor, sua chance de ser enganada(o) é menor. Antes de levar a mercadoria olhe bem a caixa e o produto e não deixe ele tirar da frente dos seus olhos, as chances do produto ser trocado por outro inferior são grandes.





O que comer


Se você quer provar as comidas tradicionais egípcias então prove as comidas de rua (street food). Se possível cada dia prove algo diferente. Eu gosto de quase tudo como falefal (no Egito se chama taméia), full (sanduiche de feijao fava amassado), kebda skandarany (sanduiche de fígado de boi com um toque apimentado) delicia!, e o meu favorito é o fitir que é um tipo de torta salgada feita com massa tipo de pizza, esse tive que comer várias vezes!!




Pontos visitados




Agora vamos mostrar um pouquinho dos lugare que fui, não foram muitos porque fiquei apenas 6 dias nessa cidade cheia de história e encanto, mas deu para eu ir nos pontos que eu havia planejado. Numa viagem de turismo você deve sempre ter sua agenda com lugares e horarios que quer visitar.


Primeira visita

Bilheteria:

Antes de falar dos lugares, quero falar da bilheteria dos locais onde fomos. Existe uma regra básica no Egito para visitar os pontos turísticos: se você é egípcio você vai pagar bem menos, se você é turista pagará bem mais caro. O problema é o tratamento, como meu marido é egípcio puder notar que eles tratam muito mal aos egípcios que querem visitar esses lugares, se você se apresenta como turista seu tratamento é melhorado, porém, muitos não falam inglês e fica complicado a conversação como pergunta de horário e preços e tal. Muitos ao darem o ticket de entrada para você cortam o ticket ao meio, o que para muitos é uma crueldade rsrsr porque as pessoas geralmente guardam como lembrança, assim como eu faço, guardei mesmo cortado. O fato de cortar o ticket não sei para que serve, deve ser para evitar usar novamente, porém, poderiam achar um método mais moderno rsrsr.
Cupons de entrada

Você também passará por uma porta dectora de metal e sua bolsa por raio-x e pedirão para olharem dentro da sua bolsa. Há policiais fardados e com armas na entrada.
Nunca, mais nunca, tire fotos de carros, prédios e pessoal fardado da policia. Isso poderá colocar você em grandes problemas, seja cauteloso. Aqui eles não brincam!

Parque e Jardins do Palácio Montaza

O Palácio de Montaza (em árabe: قصر المنتزة) é um palácio, museu e extensos jardins no bairro de Montaza, em Alexandria, no Egito. Foi construído em um planalto a leste do centro de Alexandria, com vista para uma praia no Mar Mediterrâneo.



Os extensos jardins do Palácio de Montaza primeiro tinham o Palácio Salamlek, construído em 1892 por Khedive Abbas II, o último governante da Dinastia Muhammad Ali a deter o título quedive sobre o Khedivate do Egito e do Sudão.


uma imensidão de jardins


O maior Palácio Al-Haramlik e os jardins reais foram adicionados ao terreno do Palácio Montaza, sendo construído pelo rei Fuad I em 1932, como um palácio de verão. É uma mistura de estilos otomano e florentino, com duas torres. Uma dessas torres eleva-se distintamente acima com detalhes elaborados de design renascentista italiano. O palácio tem longas arcadas abertas de frente para o mar ao longo de cada andar.

O presidente Anwar El-Sadat renovou o original Palácio Salamlek como residência presidencial oficial. Foi usado recentemente pelo ex-presidente Hosni Mubarak.






Segunda visita


Serapeum - Filha da Antiga Biblioteca da Alexandria - Santuário


Eu e meu filho e atraz a Coluna da Vitória, erguida pelo imperador Diocleciano em 297 dC, no Serapeum



Pilar de Pompeu (Coluna da Vitória)

O Memorial de Diocleciano (Pilar de Pompeu)


O chamado "Pilar Pompeu" é a maior coluna memorial do Egito. É uma enorme coluna de granito vermelho, com uma altura total de cerca de 28 metros e um diâmetro de base de 2,7 m. Na parte superior, no lado ocidental, encontra-se uma inscrição em grego, onde se lê: "ao imperador mais justo, tutelado de Alexandria Diocleciano, o invencível Postumus, o prefeito do Egito (que erigiu este monumento)".


O governante romano do Egito ergueu esta coluna memorial entre 284-305 dC em homenagem ao imperador romano Diocleciano. Uma revolta séria na cidade aconteceu e Diocleciano veio ele mesmo, ordenando que a cidade fosse sitiada. Após 8 meses de resistência, a cidade finalmente se rendeu e voltou ao domínio romano. Como resultado do cerco, havia fome na cidade e, portanto, o Imperador ordenou que uma porção do milho que fosse enviado para Roma anualmente fosse entregue ao povo de Alexandria. Ele os isentou de pagar impostos durante esses tempos difíceis também. Esta coluna memorial foi erigida em gratidão pelo que Diocleciano fez por eles durante estes tempos difíceis. Na Idade Média, os cruzados acreditavam erroneamente que as cinzas ou restos do grande general romano Pompeu estavam em um pote no topo da coluna. Foi assim que recebeu o apelido de "Pilar de Pompeu".





 Vários monumentos também estão localizados ao redor da coluna. Na parte de trás são os restos de um Serapium ou um templo do deus Serapis, agora muito danificado. Foi construído durante os reinos de Ptolomeu II e Ptolomeu III, mas foi danificado devido a revoltas da população judaica em Alexandria durante o reinado do imperador Trajano (89-118 dC). Foi reconstruído novamente durante o reinado de Adriano (117-137 dC). Foi provavelmente destruído, mais uma vez, após o aparecimento do cristianismo. Consistia de uma plataforma alta acessada por uma escada de 100 degraus.



Estátua de um boi que era o deus Apis


Entrada do lugar onde está a estátua do boi Apis


Piscina



Ao lado da plataforma havia também uma piscina, que era usada para purificação.
 
lugar onde fazian a purificaçao (higiene)

Nilometer - área para medir a elevaçao das águas do Rio Nilo



Área onde se media o nível da água do Rio Nilo
Havia duas galerias na parte de trás do templo, bem cortadas completamente da rocha. Na 1ª galeria foi descoberta uma estátua negra de basalto que remonta ao reinado de Adriano. Representa o deus Serapis, em forma de touro, e agora é exibido no Museu Greco-Romano, em Alexandria. A segunda galeria é conhecida erroneamente como Biblioteca da Filha, mas parece que foi um Anubidiun, ou um enterro para as múmias do deus Anúbis.

Na entrada existe uma placa informando ser a filial da Antiga Biblioteca.




A foto ficou escura devido a falta de luz, pois o local está no subsolo. Aqui existem duas teorias:
1 - Dizem que foi a filial da Antiga Biblioteca da Alexandria quando foi queimada, entao transferiram parte dos livros para cá.
2 - Há também a teoria que seria um lugar para colocar múmias de Anubis.




O Serapeum de Alexandria no Reino Ptolomaico era um antigo templo grego construído por Ptolomeu III Euergetes (reinou de 246 a 222 aC) e dedicado a Serápis, que se tornou o protetor de Alexandria. Há também sinais de Harpócrates. Foi referido como a filha da Biblioteca de Alexandria. O site foi fortemente saqueado.






Terceira visita: Castelo de Qatbay




Logo antes de entrar no Castelo existe um mosaico gigante, multicolorido que fascina ao olhar. É uma área de estacionamento e o Qatbay fica do lado oposto.



O grande mosaico








A Frente do castelo




Canhões decorativos agora que nos levam ao castelo


 

meu filho nas descobertas dele rsrs



Tem que registrar tudo rsrs

Há uma mesquita dentro do castelo




 "Mesquita da Cidadela

A mesquita da Cidadela é considerada a mais velha em Alexandria. É do tipo escola um quadrado com recesso arqueado sendo atribuído a uma das quatro seitas do islamismo. O piso e o degrau que leva a cada recesso são incrustados com azulejos de mármore coloridos."

 

 

As vigias que dão visão para a cidade de Alexandria 

Alexandria ao fundo
Prédio redondo branco ao fundo do lado esquerdo é a Biblioteca de Alexandria

O mar...

Aqui no fundo desse mar dormem sosseegados os restos do Grande Farol da Alexandria, uma das 7 maravilhas do Mundo Antigo.
Eu fico olhando e começo a imaginar quanta coisa está ali embaixo dormindo em berço esmeralda.








Não perca!

A última visita foi no Anfiteatro Romano de Alexandria em Kom El Dekka

Continua no próximo post porque esse aqui já está muito longo...


Por Cris Freitas




Leia Mais ►

Leia Mais ››