Páginas

Translate it!

VISITANDO O ANFITEATRO ROMANO EM Kom El Dekka, ALEXANDRIA

Vamos?




Minhas férias na Alexandria foram curtas, apenas um semana, mas como eu já havia pesquisado onde ir, ficou fácil programar tudo e ir em bastante lugares. Como alguns lugares são perto um do outro, em um dia dá até para visitar mais de um local.
Então, como voces já viram no post passado eu visitei:
  1. Palácio Montaza e seus extensos jardins.
  2. Serapeum - onde tem o Pilar de Pompeu, o Santuário do deus Apis no subsolo e a filha da Antiga Biblioteca da Alexandria, também no subsolo.
  3. Castelo de Qaitbay onde ficava o antigo Farol da Alexandria, uma das 7 maravilhas do mundo antigo.
  4. Anfiteatro Romano em Kom El Dekka, que irei mostrar nesse post abaixo.

     Não visitei museus dessa vez. Uma coisa chata que aconteceu, foi que perdi todas as minhas fotos e vídeos do meu celular, essas fotos que mostrei para voces foram meu marido que tirou, meu companheiro nas loucuras e jornadas... 😂, mas ele que insiste 😁.

 

O Anfiteatro Romano de Alexandria em Kom El Dekka

 

Escombros encontrados pelos arqueólogos logo na entrada

A ponta de uma pilastra que se deteriorou

 

O Anfiteatro Romano é um dos monumentos mais populares de Alexandria. Esta é a segunda cidade mais importante do Egito, depois da capital, Cairo. Enquanto os anfiteatros foram espalhados por diferentes países como Grécia, Itália e Turquia durante o reinado dos romanos, com muitos exemplos dessas estruturas ainda presentes em muitas regiões da Europa e do Oriente Médio, o Anfiteatro Romano de Alexandria é o único desse tipo no Egito.

O Significado da Palavra Kom EL Dekka

A palavra Kom El Dekka, em árabe, significa a colina de escombros ou a colina dos bancos, e foi nomeada por um historiador famoso, El Neweir que passou por esta área no início do século XX. El Neweiry viu as muitas pilhas de entulho e areia que foram formadas devido à escavação do Canal Mahmoudiya no final do século 19, que ligava Alexandria ao rio Nilo, e essas pilhas pareciam exatamente com enormes bancos e essas pilhas pareciam exatamente com bancos enormes e foi ele quem deu à área seu recente nome famoso.

 

Descobrindo o Anfiteatro Romano

O anfiteatro romano de Alexandria foi descoberto por mera coincidência no ano de 1960.
Quando os trabalhadores foram remover uma pilha de poeira e areia em 1960 para limpar a terra para a construção de um prédio governamental, encontraram algumas colunas sólidas de ferro, indicando que algo pode estar enterrado embaixo. Imediatamente depois, o trabalho de escavação começou no local de Kom El Dekka e foi realizado pelo Museu Greco-Romano e pela Missão de Escavação polonesa no Egito, patrocinada pela Universidade de Varsóvia. Pouco depois, a escavação revelou uma das descobertas mais importantes do Egito no século XX.

O uso do anfiteatro romano em diferentes períodos de tempo.


O Anfiteatro Romano permaneceu em serviço e foi utilizado para sediar diferentes eventos artísticos, como concertos musicais e diferentes tipos de eventos até o século VII. Este fato foi comprovado devido aos elementos arquitetônicos presentes no teatro que mostram que ele foi usado por três períodos diferentes; a era romana, a bizantina e a primitiva islâmica. O anfiteatro foi utilizado para diversos fins durante sua longa história e passando por diferentes períodos de tempo. Foi usado como um odeum onde shows musicais foram realizados durante o período romano. O teatro, na época, tinha todos os elementos para sediar performances perfeitas, como a cúpula que ficava sobre o palco e a seção da orquestra.

Por outro lado, na época bizantina, foi usado como uma sala de conferências onde reuniões importantes, como assembleias públicas e cúpulas governamentais, foram realizadas uma vez. O Anfiteatro Romano foi muito provavelmente negligenciado durante o período islâmico inicial e até que foi descoberto durante meados do século 20 para se tornar um dos locais históricos maravilhosos da cidade de Alexandria.

 

A descrição do anfiteatro

O Anfiteatro Romano que vemos hoje em Alexandria foi construído no século IV dC e foi uma característica comum do período greco-romano. Anfiteatros eram teatros especiais que foram construídos para receber cerimônias de música e competições de poetas durante o reinado dos romanos no Egito.
O anfiteatro apresenta uma seção de audiência de mármore que é simétrica com a asa estendida e pode acomodar até 600 espectadores.


 
A secção da audiência tem um diâmetro de cerca de 33 metros e é composta por 13 linhas de mármore branco europeu, sendo a parte mais alta um pórtico feito de colunas de granito trazidas de Aswan e algumas delas ainda estão de pé até hoje. As treze fileiras do Anfiteatro Romano de Alexandria foram numeradas com letras e algarismos romanos para regular o assento da audiência em diferentes ocasiões.

 

Havia também cinco compartimentos no topo da seção de audiência usada para hospedar figuras importantes e comerciantes ricos durante as apresentações.
Esses compartimentos antigamente tinham tetos com cúpulas que eram baseados em grandes colunas feitas de granito para proteger o público do sol e da chuva. Além disso, essas cúpulas foram usadas para ampliar o som da música e os cantos durante diferentes apresentações. Infelizmente, todas essas estruturas foram destruídas durante o terremoto que atingiu Alexandria no século 6 dC e resultou no dano de muitas estruturas importantes na época, como o famoso Farol da Alexandria, que já esteve na posição do Forte Qaitbey hoje.
Os degraus e as filas do Anfiteatro Romano são baseados em uma parede de pedra calcária branca e outra parede circunda também. Estas duas paredes foram conectadas através de vários arcos onde a parede externa funciona para suportar a parede interna, uma característica comum da arquitetura romana do século 2 ao 4.
No meio da estrutura, há a seção da orquestra onde as apresentações musicais aconteceram. Esta seção é apoiada por duas grandes colunas de mármore e possui alguns dos melhores mosaicos romanos em seu piso.

Comparando o anfiteatro romano com outras estruturas semelhantes

Pesquisadores contemporâneos que fizeram algumas comparações entre o Anfiteatro Romano de Alexandria e outras estruturas similares que foram descobertas na Itália, na Grécia e no Teatro de Garash na Tunísia concluíram muitos fatos interessantes. O primeiro fato que foi provado fora destes pesquisadores é que o Anfiteatro Romano de Alexandria não foi construído originalmente para ser um teatro que hospeda performances e eventos artísticos.

Ainda podemos ver algumas pilastras e mosaicos pelo chão
 

Este tipo de teatros era geralmente projetado na forma da letra "C" para permitir que todos os espectadores, sentados ao redor da seção de audiência, assistissem às performances de qualquer ângulo.

Além disso, o pequeno tamanho da estrutura, que costumava acomodar até 600 pessoas no máximo, em comparação com o grande número de habitantes da cidade de Alexandria durante o período romano prova que essa estrutura nunca foi construída para ser um teatro e foi bastante usado para reuniões de figuras importantes e funcionários ou para apresentações privadas com um número limitado de público.


Os banhos romanos

 

Situado ao norte do teatro romano, existem grandes estruturas de tijolos de barro e estas são ruínas dos banhos romanos que foram construídos perto do anfiteatro no período do 2º ao 4º século AD.   

 
escadaria que desce para os lugares onde ficavam os banhos romanos

dentro da área dos banhos romanos

área dos banhos romanos vista de cima, elas ficam no subolo


Os arcos dá para tocar pela baixa altura


O Banho Romano (local de banho)


No centro do local as paredes eram construidas com tijolos vermelhos e pequenas salas serviam para aquecer a água com o vapor que vinham da caldeira central.
The frigidarium que ficava na parte oriental, agora destroido, era constituido de várias pequenas piscinas que ficavam à sombra e serviam para resfriar a água. O local tinha várias cúpulas e era ricamente decorado com mármores, pouca coisa disso tudo sobreviveu até agora.
 



Haviam cisternas que abasteciam esses banhos romanos.



A vila habitacional





área de fora e ao lado entrada para Vila dos Pássaros

dentro de um dos comodos

Descriçao de como as casas foram sendo utlizadas e modificadas atravéz dos anos

 Traduçao:
"Localizado a leste da rua R4, o bairro foi habitada continuamente a partir dos tempos ptolomaicos até a antiguidade tardia (século III aC - século VII dC).
A arquitetura do distrito mudou ao longo do tempo e vários prédios de diferentes planos e funções foram distinguidos.
As primeiras casas romanas (do século I a III) representavam prédios residenciais privados, suntuosamente decorados. Eles se estenderam por todo o centro da cidade antiga, antecedendo a construção dos edifícios públicos romanos tardios. O melhor exemplo é a Villa dos Pássaros, que foi decorada com um rico conjunto de mosaicos multicolores com motivos geométricos e figurativos.
No final do período romano, um novo complexo de arquitetura vernacular (casas B-H), combinando ambos os fins domésticos, industriais e comerciais, foi construído sobre as casas destruídas anteriormente. Alguns deles eram até multi-estratificados e proviam alojamentos para várias famílias. A casa D representa o design mais típico com um corredor central e vários quartos que acomodam pequenas oficinas especializadas em produção de vidro e bronze. Os quartos que se abrem para a rua serviam de lojas, comércio de mercadorias produzidas nas oficinas. Na Antiguidade Tardia, algumas lojas até invadiram a rua - um passo em direção à criação de um suq medieval (mercado)."
Uma banheira de mármore ao longo do caminho pelo sítio arqueológico

 

A Vila dos Pássaros



Localizada a leste do Anfiteatro Romano de Alexandria, missões recentes de escavação desenterraram uma villa romana que remonta ao período do imperador romano Adriano, que governou o Egito e um grande império durante o século II dC. 

 Os arqueólogos que descobriram essa vila a chamaram; "a Villa dos Pássaros" por causa do maravilhoso piso de mosaico na sala principal da estrutura que exibe muitas aves em diferentes formas.  



 
















Outros ornamentos de mosaico na Vila dos Pássaros têm diferentes motivos geométricos que fazem da vila um monumento distinto a ser visitado ou explorado no Egito. A Villa dos Pássaros é o exemplo mais maravilhoso de casas particulares construídas em Alexandria durante o período romano. Sendo finamente preservada, dá ao hóspede uma boa idéia de como essas residências pareciam séculos atrás, quando foram construídas pela primeira vez. Estando sob a proteção do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito e do Centro de Pesquisa Americano no Egito, a Villa dos Pássaros está entre os monumentos mais importantes que foram descobertos recentemente no Egito.

Depois de andar tanto, subir de descer degraus... ahhh, dá um cansaço, gente... 💪😁. Mas amo tudo isso!


A produção nos bastidores 😁💓
 

Depois daqui fomos para o Shopping San Stefano, na Orla de Alexandria, onde estudantes e professores de toda parte se encontram para tomar um café no Starbucks com a vista do mar esmeralda da Pérola do Mediterrâneo... oh saudade!

Meu lugar preferido para tomar aquele café! o San Stefao

San Stefano (em árabe: سان إستفانو) é um bairro em Alexandria, no Egito. A área era conhecida por um hotel-cassino de referência que foi demolido no final dos anos 90. Esse hotel foi substituído pelo San Stefano Grand Plaza, um complexo hotel-apartamento-shopping center que inclui um hotel de luxo Four Seasons, inaugurado em 2007 e apartamentos, situado no edifício mais alto de Alexandria (135 m).


É isso aí, pessoal, espero que tenham gostado. Se houver alguma dúvida sobre como ir para Alexandria, o que levar, como se hospedar, reservas e tudo mais, entre em contato.

Cris Freitas e família.

4 comentários:

  1. a ponta da pilastra chama-se capitel, e há várias formas com desenhos que se podem detectar a sua origem, como os Coríntios da Gécia antiga

    ResponderExcluir
  2. Muito legal sua viagem e detalhes que nos passa...um dia quero visitar esse lugar também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena ver esses lugares que ha muitos seculos ja existiam, a gente se pergunta quem eram essas pessoas que passaram por ali... eu gosto mto.

      Excluir

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.