Páginas

DILMUN, A ÁREA DE INTENSO CENTRO COMERCIAL AO JARDIM DO ÉDEN

Oriente Médio durante a segunda metade do terceiro milênio aC (períodos ED III, Akkad e Ur III).




Dilmun

Localização: de terras estrangeiras para os mesopotâmios, incluindo Elam, Magan, Dilmun, Marhashi e Meluhha.
Localização: Arabia Oriental
Região: Northern Governorate
Tipo: antigo
Parte: da Arábia Oriental

História:
Fundada: por volta do final do 4º milênio aC
Abandonado: c. 538 aC
Período: da Idade do Bronze




Dilmun, ou Telmun, (em árabe : دلمون, sumério: 𒆠, ni.tuk ki = DILMUN ki ;) foi uma antiga área política semita de fala na Arábia mencionada a partir do terceiro milênio aC em diante. Com base em evidências textuais, localizava-se no Golfo Pérsico, em uma rota comercial entre a Mesopotâmia e a Civilização do Vale do Indo, perto do mar e de fontes artesianas. Um número de estudiosos sugeriu que Dilmun originalmente designou a província oriental da Arábia Saudita, notavelmente ligada com os principais assentamentos Dilmunite de Umm an-Nussi e Umm ar-Ramadh no interior e Tarout na costa. Dilmun abrangia o Bahrein, o Kuwait, o Qatar e as regiões da porção oriental da Arábia Saudita. Esta área é certamente o que se entende por referências a "Dilmun" entre as terras conquistadas pelo rei Sargão de Akkad e seus descendentes.

As grandes conexões comerciais e negociantes entre a Mesopotâmia e Dilmun eram fortes e profundas, a tal ponto que Dilmun era uma figura central do mito da criação suméria. Dilmun foi descrito na saga de Enki e Ninhursag como pré-existente em estado paradisíaco, onde os predadores não matam, a dor e as doenças estão ausentes e as pessoas não envelhecem.

Dilmun era um importante centro comercial. No auge de seu poder, controlava as rotas comerciais do Golfo Pérsico. De acordo com algumas teorias modernas, os sumérios consideravam Dilmun como um lugar sagrado,  mas isso nunca é declarado em nenhum texto antigo conhecido. Dilmun foi mencionado pelos mesopotâmicos como um parceiro comercial, uma fonte de cobre e um entreposto comercial.

O conto sumério do jardim paradisíaco de Dilmun pode ter sido uma inspiração para a história do Jardim do Éden.


 História

 
Cabeça de touro, feita de cobre no período inicial de Dilmun (ca. 2000 aC), descoberta por arqueólogos dinamarqueses sob o Templo Barbar, Bahrein .



Dilmun era um importante centro comercial do final do quarto milênio até 800 aC. No auge de seu poder, Dilmun controlava as rotas comerciais do Golfo Pérsico. Dilmun foi muito próspero durante os primeiros 300 anos do segundo milênio. O poder comercial de Dilmun começou a declinar entre 1000 aC e 800 aC porque a pirataria floresceu no Golfo Pérsico. Em 600 aC, o Império Neo-Babilônico e mais tarde o Império Persa governaram Dilmun.

A civilização Dilmun era o centro de atividades comerciais ligando a agricultura tradicional da terra - então completamente fértil devido a poços artesianos que secaram desde então, e devido a um clima muito mais úmido - com comércio marítimo entre diversas regiões como a Meluhha (suspeita de ser Civilização do Vale do Indo), Magan (Omã) e Mesopotâmia. A civilização Dilmun é mencionada primeiro em tabuletas de argila cuneiformes sumérias datadas do final do terceiro milênio aC, encontradas no templo da deusa Inana, na cidade de Uruk. O adjetivo Dilmun é usado para descrever um tipo de machado e um oficial específico; Além disso, há listas de provisões de lã feitas para pessoas ligadas a Dilmun.

Uma das primeiras inscrições que menciona Dilmun é a do rei Ur-Nanshe de Lagash (c. 2300 aC) encontrada em um soquete de porta: "Os navios de Dilmun lhe renderam madeira como tributo de terras estrangeiras".

A partir de 2050 aC, Dilmun parece ter seus tempos áureos. Qal'at al-Bahrain era provavelmente a capital. De textos encontrados em Isin, fica claro que Dilmun se tornou um reino independente. Presentes reais para o Dilmun são mencionados. Contatos com a cidade síria Mari são atestados. Por volta dessa época, os maiores túmulos reais foram erigidos. De cerca de 1780 aC vêm várias inscrições em vasos de pedra nomeando dois reis de Dilmun. Rei Yagli-El e seu pai Rimum. As inscrições foram encontradas em enormes tumulos, evidentemente os locais de sepultamento desses reis. Rimum já era conhecido pela arqueologia da Pedra de Durand, descoberta em 1879.

Por volta de 1720 aC, um declínio é visível. Muitos assentamentos não eram mais usados ​​e a construção de montarias reais parou. O Templo Barbar ficou em ruínas. A partir de 1650 aC, há um período de recuperação detectável. Novos túmulos reais foram construídos e em Qal'at al-Bahrein há evidências de aumento da atividade de construção. A este período pertence uma inscrição adicional em um selo encontrado em Failaka e preservando o nome de um rei. O pequeno texto diz [La] 'ù-la Panipa, filha de Sumu-lěl, servo de Inzak de Akarum. Sumu-lěl era evidentemente um terceiro rei de Dilmun, pertencendo a esse período. Servo de Inzak de Akarum era o título do rei em Dilmun. Os nomes desses governantes são amoríticos.
Correspondência entre Ilī-ippašra, o governador de Dilmun, e Enlil-kidinni, o governador de Nippur, ca. 1350 aC





Parece que Dilmun foi após 1500 aC sob o domínio da dinastia Sealand. O rei Ea-gamil da dinastia Sealand é mencionado em um texto encontrado em Qal'at al-Bahrein. Ea-gamil foi o último governante da Dinastia Sealand. Após o seu reinado, Dilmun ficou sob o domínio da dinastia Kassite, da Babilônia, e também assumiu a área da Dinastia de Sealand. Dilmun foi mencionado em duas cartas datadas do reinado de Burna-Buriash II (c. 1370 aC) recuperadas de Nippur, durante a dinastia Kassite da Babilônia. Essas cartas eram de um oficial provincial, Ilippašra, em Dilmun, para seu amigo Enlil-kidinni, o governador de Nippur. Os nomes referidos são acadianos. Essas cartas e outros documentos sugerem uma relação administrativa entre Dilmun e Babilônia naquela época. Após o colapso da dinastia Kassite, os documentos mesopotâmicos não mencionam Dilmun, com exceção das inscrições assírias datadas de 1250 aC, que proclamavam que o rei assírio era rei de Dilmun e Meluhha, além do Mar Inferior e do Mar Superior. As inscrições assírias registraram tributo de Dilmun.

Há outras inscrições assírias durante o primeiro milênio aC, indicando a soberania assíria sobre Dilmun. Um dos primeiros locais descobertos no Bahrein sugere que Senaqueribe, rei da Assíria (707-681 aC), atacou o nordeste da Arábia e capturou as ilhas do Bahrein. A referência mais recente a Dilmun ocorreu durante o Império Neo-Babilônico. Os registros administrativos neobabilônicos, datados de 567 aC, afirmavam que Dilmun era controlado pelo rei da Babilônia. O nome de Dilmun caiu de uso após o colapso da Babilônia em 538 aC.

Os tipos de selos circulares, estampados (e não enrolados) conhecidos de Dilmun, que aparecem em Lothal em Gujarat, na Índia, e em Failaka, assim como na Mesopotâmia, são convincentes corroborações do comércio marítimo de longa distância. O comércio era menos conhecido: madeiras e madeiras preciosas, marfim, lápis-lazúli, ouro e bens de luxo, como contas de pedra cornalina e carnelian, pérolas do Golfo Pérsico, incrustações de conchas e ossos, estavam entre os produtos enviados à Mesopotâmia em troca de prata, estanho, tecidos de lã, azeite e grãos.

Lingotes de cobre de Omã e betume que ocorreram naturalmente na Mesopotâmia podem ter sido trocados por tecidos de algodão e aves domésticas, os principais produtos da região do Indo que não são nativos da Mesopotâmia. Instâncias de todos esses bens comerciais foram encontradas. A importância deste comércio é mostrada pelo fato de que os pesos e medidas usados ​​em Dilmun eram de fato idênticos àqueles usados ​​pelo Indus, e não eram aqueles usados ​​no sul da Mesopotâmia.

Em relação à mineração e fundição de cobre, a cultura Umm al-Nar e Dalma, nos Emirados Árabes Unidos, e Ibri, em Omã, foram particularmente importantes.
Alguns navios de Meluhhan podem ter navegado diretamente para os portos da Mesopotâmia, mas no período Isin-Larsa, Dilmun monopolizou o comércio. O Museu Nacional do Bahrein avalia que sua "Era de Ouro" durou cerca de 2200–1600 aC. Descobertas de ruínas sob o Golfo Pérsico podem ser de Dilmun.  


Pessoas, língua e religião


A população era semítica com uma presença amorita; eles usaram o cuneiforme sumério, e falavam uma língua que era um dialeto acadiano, próximo a ele ou muito influenciado por ele. A principal divindade de Dilmun foi nomeada Inzak e sua esposa era Panipa.


Mitologia

Selo de selo Dilmun com caçadores e cabras, caneta retangular, ca no início do segundo milênio aC



No épico início de Enmerkar e o Senhor de Aratta, os principais eventos, que se centram na construção dos zigurates em Uruk e Eridu, em Enmerkar, são descritos como ocorrendo em um momento "antes que Dilmun tivesse sido estabelecido".

Dilmun, às vezes descrito como "o lugar onde o sol nasce" e "a Terra dos Vivos", é o cenário de algumas versões do mito da criação suméria, e o lugar onde o deificado herói sumério da enchente, Utnapishtim (Ziusudra) foi levado pelos deuses para viver para sempre. A tradução de Thorkild Jacobsen do Eridu Genesis chama de "Mount Dilmun", que ele localiza como "lugar distante, meio mítico".

Dilmun também é descrito na história épica de Enki e Ninhursag como o local em que a Criação ocorreu. O posterior Enuma Elish babilônico, fala do local da criação como o lugar onde a mistura de água salgada, personificada como Tiamat conheceu e se misturou com a água doce de Abzu. Bahrein em árabe significa "as águas gêmeas", onde a água doce do aqüífero árabe se mistura com as águas salgadas do Golfo Pérsico. A promessa de Enki para Ninhursag, a Mãe Terra:
    Para Dilmun, a terra do coração de minha dama, vou criar longos cursos d'água, rios e canais, onde a água fluirá para saciar a sede de todos os seres e trazer abundância a todos que vivem.

Ninlil, a deusa suméria do ar e do vento sul, tinha sua casa em Dilmun.

No entanto, especula-se também que Gilgamesh teve que passar pelo Monte Mashu para chegar a Dilmun na Epopéia de Gilgamesh, que geralmente é identificada com o conjunto dos alcances paralelos do Líbano e do Anti-Líbano, com a estreita abertura entre essas montanhas constituindo o túnel.

Localização

Ruínas de um assentamento, acredita-se ser da civilização Dilmun, em Sar, Bahrein


Em 1987, Theresa Howard-Carter propôs que Dilmun desta época poderia ser um local ainda não identificado perto do Arvand Rud (Shatt al-Arab em árabe) entre os dias modernos Qurnah e Basra no atual Iraque. Em favor da proposta de Howard-Carter, notou-se que esta área fica a leste da Suméria ("onde o sol nasce"), e a margem do rio onde as donzelas de Dilmun teriam sido abordadas se alinha com o Shat al- Árabe que está no meio dos pântanos. A "foz dos rios" onde se diz que Dilmun se encontra é para ela a união dos rios Tigre e Eufrates em Qurnah.

A partir de 2008, os arqueólogos não conseguiram encontrar um site em existência durante o período de 3300 aC (Uruk IV) a 556 aC (Era Neo-babilônica), quando Dilmun aparece em textos. De acordo com Hojlund, não existem assentamentos no litoral do Golfo que datam de 3300–2000 aC.

Localização dos túmulos no Bahrein



 

Teoria do Jardim do Éden


Em 1922, Eduard Glaser propôs que o Jardim do Éden estava localizado na Arábia Oriental dentro da civilização Dilmun. Scholar Juris Zarins também acredita que o Jardim do Éden estava situado em Dilmun na cabeceira do Golfo Pérsico, onde os rios Tigre e Eufrates correm para o mar, a partir de sua pesquisa nesta área usando informações de muitas fontes diferentes, incluindo Imagens Landsat do espaço. Nesta teoria, o Giom da Bíblia corresponderia com o Karun no Irã, e o rio Pishon corresponderia ao sistema fluvial de Wadi Batin que uma vez drenou a agora seca parte central da Península Arábica, que era bastante fértil.



Tradutora: Cris Freitas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção!
Todo comentário é lido antes de ser publicado.

LEIA MAIS ARTIGOS